Almeida Revista e Corrigida (ARC)
57

David acha socorro contra os seus inimigos e louva a Deus

Mictam de David para o cantor-mor Al-tascheth, quando fugia de diante de Saul na caverna

571

57:1
Is 26:20
TEM misericórdia de mim, ó Deus, tem misericórdia de mim, porque a minha alma confia em ti; e à sombra das tuas asas me abrigo, até que passem as calamidades. 2Clamarei ao Deus altíssimo, ao Deus que por mim tudo executa. 3Ele dos céus enviará seu auxílio, e me salvará do desprezo daquele que procurava devorar-me. (Selah.) Deus enviará a sua misericórdia e a sua verdade. 4A minha alma está entre leões, e eu estou entre aqueles que estão abrasados, filhos dos homens, cujos dentes são lanças e frechas e cuja língua é espada afiada. 5Sê exaltado, ó Deus, sobre os céus; seja a tua glória sobre toda a terra. 6Armaram uma rede aos meus passos, a minha alma ficou abatida; cavaram uma cova diante de mim, mas foram eles que nela caíram. (Selah.) 7Preparado está o meu coração, ó Deus, preparado está o meu coração; cantarei e salmodiarei. 8Desperta! glória minha; desperta! alaúde e harpa; eu mesmo despertarei ao romper da alva. 9Louvar-te-ei, Senhor, entre os povos; cantar-te-ei entre as nações. 10Pois a tua misericórdia é grande até aos céus e a tua verdade até às nuvens. 11Sê exaltado, ó Deus, sobre os céus; e seja a tua glória sobre toda a terra.

58

David reprova os ímpios. Deus os castigará, e salvará os justos

Mictam de David para o cantor-mor Al-tascheth

581ACASO falais vós deveras, ó congregação, a justiça? Julgais retamente, ó filhos dos homens? 2Antes, no coração forjais iniquidades: sobre a terra fazeis pesar a violência das vossas mãos. 3Alienam-se os ímpios desde a madre; andam errados desde que nasceram, proferindo mentiras. 4Têm veneno semelhante ao veneno da serpente: são como a víbora surda, que tem tapados os seus ouvidos, 5Para não ouvir a voz dos encantadores, do encantador perito em encantamentos. 6Ó Deus, quebra-lhes os dentes nas suas bocas; arranca, Senhor, os queixais aos filhos dos leões. 7Sumam-se como águas que se escoam; se armarem as suas frechas, fiquem estas feitas em pedaços. 8Como a lesma que se derrete, assim se vão; como o aborto de uma mulher, nunca vejam o sol. 9Antes que os espinhos cheguem a aquecer as vossas panelas, serão arrebatados, assim os verdes, como os que estão ardendo, como por um redemoinho. 10O justo se alegrará quando vir a vingança; lavará os seus pés no sangue do ímpio. 11Então dirá o homem: Deveras uma recompensa para o justo; deveras há um Deus que julga na terra.

59

David suplica a Deus que o livre, e protesta a sua inocência

Mictam de David para o cantor-mor Al-tascheth, quando Saul mandou que guardassem a sua casa para o matarem

591LIVRA-ME, meu Deus, dos meus inimigos, defende-me daqueles que se levantam contra mim. 2Livra-me dos que praticam a iniquidade e salva-me dos homens sanguinários. 3Pois eis que armam ciladas à minha alma; os fortes se ajuntam contra mim, sem transgressão minha ou pecado meu, ó Senhor. 4Eles correm e se preparam, sem culpa minha; desperta para me ajudares e olha. 5Tu, pois, ó Senhor, Deus dos Exércitos, Deus de Israel, desperta para visitares todas as nações: não tenhas misericórdia de nenhum dos pérfidos que praticam a iniquidade. (Selah.) 6Voltam à tarde: dão ganidos como cães, rodeando a cidade. 7Eis que eles dão gritos com as suas bocas; espadas estão nos seus lábios; porque (dizem eles), quem ouve? 8Mas tu, Senhor, te rirás deles: zombarás de todos os gentios. 9Por causa da sua força, eu te aguardarei; pois Deus é a minha alta defesa. 10O Deus da minha misericórdia me prevenirá; Deus me fará ver o meu desejo sobre os meus inimigos. 11Não os mates, para que o meu povo se não esqueça: espalha-os pelo teu poder, e abate-os, ó Senhor, nosso escudo. 12Pelo pecado da sua boca e pelas palavras dos seus lábios, fiquem presos na sua soberba; e pelas maldições e pelas mentiras que proferem. 13Consome-os, na tua indignação, consome-os, de modo que não existam mais; para que saibam que Deus reina em Jacob até aos fins da terra. (Selah.) 14E tornem a vir à tarde, e deem ganidos como cães, rodeando a cidade. 15Vagueiem, buscando o que comer, e passem a noite sem se fartarem. 16Eu, porém, cantarei a tua força; pela manhã louvarei, com alegria, a tua misericórdia: porquanto tu foste o meu alto refúgio, e proteção no dia da minha angústia. 17A ti, ó fortaleza minha, cantarei louvores; porque Deus é a minha defesa, é o Deus da minha misericórdia.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitamos a privacidade dos seus dados.[ocultar mensagem]