a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
17

Uma promessa de Deus

(2 Samuel 7,1–17)

171Quando David estava já instalado no seu palácio, disse, um dia, ao profeta Natan: «Eu estou a viver numa casa feita de cedro, enquanto a arca da aliança do Senhor está numa tenda!» 2Natan comentou: «Faz o que o teu coração te diz, porque Deus está contigo.»

3Mas na noite seguinte, o Senhor dirigiu-se a Natan para lhe dar esta ordem: 4«Vai ter com o meu servo David e, em meu nome, avisa-o do seguinte: “Não serás tu que me construirás um templo para eu habitar. 5Desde o dia em que tirei Israel do Egito até ao presente, nunca habitei num templo, mas unicamente em tendas que se mudam de um lugar para outro. 6Nessas deslocações com o povo de Israel, nunca pedi a nenhum daqueles a quem eu mandei governar o meu povo para me construir um templo de madeira de cedro.” 7Por isso, dirás ao meu servo David o seguinte: O Senhor do Universo declara: “Quando tu eras apenas um pastor de ovelhas, fui eu que te tirei de trás dos rebanhos, para fazer de ti chefe de Israel, meu povo. 8Amparei-te por onde quer que andaste, destruí os teus inimigos diante de ti e tornei-te famoso como os homens importantes deste mundo. 9Preparei um lugar para Israel, meu povo, onde ficará instalado sem ter receio de ser oprimido. Nenhuma nação malfeitora lhe irá fazer mal, como aconteceu outrora, 10quando eu confiei a juízes o encargo de governarem Israel, meu povo. Eu destruirei todos os teus inimigos. Eu, o Senhor, declaro-te que hei de dar-te uma dinastia17,10 O texto hebraico dos v. 4–11 joga com o duplo significado da palavra “casa”, tal como 2 Sm 7,5–16., 11e quando no fim da tua vida fores juntar-te aos teus antepassados, farei com que um dos teus filhos te suceda como rei e farei com que seja firme o seu reinado. 12Esse é que me há de construir um templo e eu farei com que a sua dinastia continue para sempre. 13Eu serei para ele um pai e ele será para mim um filho. Não lhe retirarei o meu apoio como fiz ao teu antecessor. 14Hei de mantê-lo como rei à frente do meu templo e do meu povo para sempre. A sua dinastia será firme para sempre.”»

15Natan contou a David tudo aquilo que Deus lhe tinha manifestado naquela visão.

Oração de ação de graças

(2 Samuel 7,18–29)

16O rei David entrou então na tenda e apresentou-se diante do Senhor para lhe dizer: «Quem sou eu, Senhor, Deus, e quem é a minha família, para eu chegar aonde cheguei? 17E, como se isto fosse pouco, ainda me fazes promessas com tanta antecipação a respeito do futuro da minha família. Tratas-me como se eu fosse um homem importante. 18Que poderei eu dizer mais, Senhor, da grande honra com que estás a tratar-me, se tu me conheces tão bem? 19Senhor, fizeste todas estas coisas e trataste-me com amor, para manifestares a tua grandeza. 20Ó Senhor, não há ninguém como tu, nem existe outro Deus além de ti, conforme sempre temos ouvido. 21Também não há nenhum outro povo como Israel, uma nação única na terra. Foste tu que libertaste Israel da opressão dos egípcios e expulsaste nações diante do teu povo. Tornaste-te famoso com as coisas maravilhosas e impressionantes que realizaste em seu favor. 22Fizeste de Israel o teu povo para sempre e tu ficaste a ser o seu Deus. 23Agora, pois, Senhor, confirma para sempre o que disseste a respeito de mim e dos meus descendentes e cumpre o que prometeste. 24Que tudo isso se realize e tu serás louvado para sempre. Há de dizer-se: “O Senhor, Deus todo-poderoso, é o Deus de Israel. E manifesta-se realmente como tal.” E assim a minha dinastia estará firme para sempre diante de ti. 25Ó meu Deus, revelaste-me que vais manter a realeza nas mãos dos meus descendentes. É por isso que eu aqui estou diante de ti a fazer esta oração. 26Ó Senhor, verdadeiramente tu és Deus e fazes-me esta maravilhosa promessa. 27Peço-te que abençoes os meus descendentes. Que eles tenham sempre a tua proteção. Já que lhes deste a tua bênção, será bendita para sempre.»

18

Vitória sobre as nações vizinhas

(2 Samuel 8,1–14)

181Depois disto, David combateu os filisteus. Venceu-os e arrebatou-lhes a cidade de Gat e as aldeias dos arredores. 2Combateu também contra os moabitas que lhe ficaram sujeitos, com obrigação de lhe pagarem tributo. 3Combateu em seguida contra Hadad-Ézer, rei de Sobá, nas proximidades de Hamat, quando ele tentava estender o seu domínio sobre a região do Eufrates. 4Apreendeu-lhe mil carros, sete mil cavaleiros e vinte mil soldados de infantaria. Ficou com cavalos suficientes para puxarem cem carros e cortou os jarretes dos outros cavalos. 5Os arameus de Damasco foram em auxílio de Hadad-Ézer, rei de Sobá, mas David matou-lhes vinte e dois mil homens. 6Estabeleceu guarnições militares na Síria de Damasco, subjugando os arameus, que foram obrigados a pagar-lhe tributo. O Senhor protegia de facto David por onde quer que andasse. 7David apoderou-se dos escudos de ouro que traziam os guardas de Hadad-Ézer e levou-os para Jerusalém. 8Apoderou-se igualmente de uma grande quantidade de bronze de Tibat e de Cun, cidades que pertenciam a Hadad-Ézer. Foi com esse bronze que Salomão fez mais tarde a grande bacia, as colunas e utensílios de bronze do templo.

9Quando Toú, rei de Hamat, soube que David tinha vencido todo o exército de Hadad-Ézer, rei de Sobá, 10enviou-lhe o seu filho Hadoram para o saudar e o felicitar pela vitória. É que Toú tinha estado várias vezes em guerra com Hadad-Ézer. Hadoram levou a David vários objetos de ouro, de prata e de bronze. 11David consagrou-os ao Senhor e fez o mesmo com o ouro e a prata que tinha tirado aos outros povos: edomeus, moabitas, amonitas, filisteus e amalecitas. 12Abisai, filho de Seruia, derrotou dezoito mil edomeus no vale do Sal. 13David colocou imediatamente guarnições militares em Edom e subjugou todos os edomeus.

O Senhor realmente protegia David, por onde quer que andasse.

Os funcionários de David

(2 Samuel 8,15–18; 20,23–26)

14David reinou sobre todo o Israel, sendo justo e imparcial para com todo o povo. 15Joab, filho de Seruia, era o chefe do exército; Josafat, filho de Ailud era o porta-voz do rei; 16Sadoc, filho de Aitube e Abimelec, filho de Abiatar, eram sacerdotes; Chávecha, era secretário. 17Benaías, filho de Joiadá, comandava a guarda constituída por cretenses e peleteus; os filhos de David ocupavam os postos principais ao serviço do rei.

19

Guerra contra os amonitas e seus aliados

(2 Samuel 10,1–19)

191Algum tempo depois, Naás, rei dos amonitas, morreu e sucedeu-lhe o seu filho. 2David disse então para consigo: «Vou tratar Hanun, filho de Naás, como amigo, já que o pai dele também me tratou como amigo.» Por tal motivo mandou-lhe uma delegação a apresentar os sentimentos pela morte do pai. Mas quando os seus enviados chegaram ao país dos amonitas, para apresentarem os sentimentos da parte de David, 3os chefes dos amonitas disseram ao rei: «Pensas que foi para honrar a memória do teu pai que David te mandou estes homens a apresentar condolências? Não terá sido antes como espiões, para conhecerem bem todos os recantos do país, com o fim de mais tarde o conquistarem?»

4Perante isto, Hanun prendeu os enviados de David; rapou-lhes a barba, cortou-lhes as roupas até à altura das coxas e depois mandou-os embora. 5E assim eles se foram embora. Ao saber do que tinha acontecido a estes homens e que estavam profundamente envergonhados, David mandou alguém ao encontro deles, com esta ordem: «Fiquem em Jericó até que a barba vos cresça de novo e voltem só depois disso.»

6Hanun e os amonitas reconheceram que se tinham tornado odiosos para David e mandaram então mil talentos de prata para assalariarem carros e cavaleiros arameus da Alta Mesopotâmia, de Macá e de Sobá. 7Assalariaram trinta e dois mil carros de guerra e conseguiram que o rei de Macá lhes mandasse em auxílio o seu exército, que acampou perto de Madabá. Os amonitas saíram também das suas cidades e prepararam-se para irem combater.

8Ao saber disso, David mandou Joab com todo o seu exército. 9Os amonitas dispuseram-se em ordem de batalha em frente da porta da sua capital ao passo que os reis que tinham ido ajudá-los ocuparam as suas posições à distância, no campo.

10Joab verificou que tinha o inimigo pela frente e pela retaguarda. Por isso, escolheu os melhores soldados de Israel para irem atacar os arameus. 11O resto do exército, sob o comando do seu irmão Abisai, iria fazer frente aos amonitas. 12Joab disse ao irmão: «Se vires que os arameus estão a vencer-me, vem em meu socorro; se os amonitas estiverem a vencer-te, irei eu socorrer-te. 13Tem coragem e vamos combater com valentia pelo nosso povo e pelas cidades do nosso Deus. E faça-se a vontade do Senhor

14Joab avançou com o seu exército contra os arameus e estes puseram-se em fuga, diante deles. 15Os amonitas, quando viram os arameus em fuga, fugiram também diante de Abisai, irmão de Joab e voltaram para a sua cidade. E Joab voltou para Jerusalém.

16Os arameus ao verem-se derrotados pelos israelitas, mandaram chamar os seus compatriotas que estavam para oriente do rio Eufrates e que eram comandados por Chofac, general das forças de Hadad-Ézer. 17Logo que David soube disso, reuniu todo o exército israelita, atravessou o rio Jordão, avançou contra eles e tomou as suas posições para os atacar. Os arameus iniciaram o combate, 18mas tiveram de se pôr em fuga, diante dos israelitas. Os soldados de David mataram-lhes sete mil homens que combatiam em carros de guerra e quarenta mil soldados de infantaria. Mataram mesmo o comandante arameu que era Chofac.

19Os reis que eram vassalos de Hadad-Ézer, ao verem-se derrotados por Israel, fizeram a paz com David e submeteram-se a ele. A partir de então, os arameus nunca mais voltaram a prestar auxílio aos amonitas.