a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
10

Ou Cristo ou os demónios

101Irmãos, lembrem-se bem daquilo que aconteceu aos nossos antepassados. Todos foram protegidos por Deus por meio da nuvem e todos atravessaram o mar10,1 Nuvem. Coluna de fumo descrita em Ex 13,21–22. Trata-se da passagem do Mar Vermelho. Ver Ex 14,22–29.. 2E por aquele batismo na nuvem e no mar ficaram unidos a Moisés. 3Todos comeram do mesmo pão espiritual 4e beberam da água que Deus fez sair da pedra espiritual que os acompanhava10,4 Sobre a comida (maná), ver Ex 16,35. Sobre a pedra espiritual, que segundo a interpretação dos antigos rabinos acompanhava os israelitas na sua caminhada pelo deserto, Ver Nm 20,8–11. E essa pedra era Cristo.

5Mas Deus não ficou contente com a maior parte deles e por isso caíram mortos no deserto10,5 Comparar com Nm 14,16.. 6Estas coisas são um exemplo para nós, para não nos deixarmos levar pelos maus desejos, como eles fizeram10,6 Ver Nm 11,4.. 7Não adorem falsos deuses, como alguns fizeram. Diz, com efeito, a Sagrada Escritura: O povo sentou-se a comer e a beber e depois pôs-se a dançar10,7 Ver Ex 32,6..

8Não nos entreguemos à imoralidade, como alguns deles fizeram e caíram mortos num só dia vinte e três mil10,8 Ver Nm 25,1–18.. 9Não provoquemos o Senhor10,9 Alguns manuscritos têm: Cristo. Ver Nm 21,5–6., como alguns deles fizeram e foram mortos pelas serpentes. 10Não protestem, como alguns deles fizeram e foram destruídos pela morte10,10 Ver Nm 17,6–14..

11Estas coisas aconteceram-lhes a eles para servirem de exemplo e foram escritas como aviso para nós que vivemos nestes últimos tempos. 12Portanto, aquele que pensa que está firme tenha cuidado, não caia. 13As provações por que têm passado são normais na vida humana. Pois Deus é fiel e não deixará que sejam provados acima das vossas forças. Se ele vos envia uma provação também fará com que encontrem a maneira de a poder suportar.

14Por isso, meus amigos, fujam dos falsos deuses. 15Estou a falar com pessoas inteligentes. Pensem então no seguinte: 16o cálice da ceia do Senhor, com o qual damos louvores a Deus, não é comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é comunhão do corpo de Cristo10,16 Ver Mt 26,26–28; Mc 14,22–24; Lc 22,19–20.? 17Pois sendo muitos, somos um só pão, formamos um só corpo, porque todos participamos do mesmo pão.

18Olhem para o povo judeu. Os que comem do que é oferecido em sacrifício estão em comunhão com Deus, a quem o altar é consagrado10,18 Ver Lv 7,6.15–16.. 19Que quero eu dizer com isto? Será que a carne oferecida aos falsos deuses tem algum valor? Será que o falso deus é alguma coisa? 20Não. As ofertas que os não-crentes oferecem são para os demónios e não para Deus10,20 Texto de Dt 32,17, citado segundo a antiga tradução grega.. E não quero que estejam em comunhão com os demónios. 21Não podem beber do cálice do Senhor e do cálice dos demónios. Não podem comer à mesa do Senhor e à mesa dos demónios. 22Ou andamos a desafiar o Senhor10,22 Comparar com Dt 32,21.? Será que somos mais fortes do que ele?

Tudo para glória de Deus

23Tudo é permitido10,23 A frase tudo é permitido, que também aparece em 6,12, pode constituir um dito conhecido e repetido pelos destinatários de Paulo., mas nem tudo convém. Tudo é permitido, mas nem tudo edifica. 24Que ninguém procure o seu próprio bem, mas sim o dos outros. 25Comam de tudo o que se vende no talho, sem levantarem problemas de consciência. 26Pois a Terra inteira com tudo o que nela existe pertence ao Senhor10,26 Ver Sl 24,1..

27Se forem convidados para casa de um pagão e aceitarem o convite, comam de tudo o que vos apresentarem, sem problemas de consciência. 28Mas se alguém te disser: «Olha que isto é carne oferecida a um deus», então não comas, por delicadeza para com a consciência daquele que te avisou. 29Isto que eu digo não se refere à tua consciência, mas sim à consciência do outro.

Mas por que é que a minha liberdade há de ser limitada pela consciência dos outros? 30Se eu agradeço a Deus pela comida que como, por que é que hei de ser criticado por aquilo que eu agradeço a Deus?

31Portanto, quer comam, quer bebam, quer façam qualquer outra coisa, devem fazer tudo para dar glória a Deus. 32Não ofendam a consciência nem dos judeus, nem dos pagãos, nem da igreja de Deus. 33Façam como eu, que procuro ser delicado para com todos, não pelo meu interesse mas pelo bem de todos, para que possam salvar-se.

11

111Sigam, pois, o meu exemplo, como eu sigo o exemplo de Cristo.

Como apresentar-se nas reuniões de oração

2Quero felicitar-vos, porque se recordam de mim em tudo e seguem à risca as normas que vos deixei. 3Mas quero que saibam que é Cristo quem tem autoridade sobre todos os homens, tal como o homem tem autoridade sobre a mulher e Deus sobre Cristo. 4O homem que ora ou declara a palavra de Deus com a cabeça11,4 Paulo está a servir-se do duplo sentido de cabeça e chefe que a mesma palavra aqui usada tem no grego. coberta ofende a dignidade de Cristo. 5E a mulher que ora ou declara a palavra de Deus de cabeça descoberta, ofende a dignidade do marido. É como se ela se apresentasse de cabeça rapada. 6Se não quer estar de cabeça coberta, é melhor que corte o cabelo. Mas se é uma vergonha para uma mulher andar de cabelo cortado ou rapado, então ela deve andar de cabeça coberta. 7O homem não deve cobrir a cabeça, pois ele é imagem e reflexo de Deus11,7 Ver Gn 1,26–27.. E a mulher é reflexo do homem. 8Pois não foi o homem que foi tirado da mulher. A mulher é que foi tirada do homem. 9Nem o homem foi feito por causa da mulher, mas sim a mulher por causa do homem11,9 Ver Gn 2,18–23.. 10Portanto, a mulher deve levar sobre a cabeça o sinal de autoridade, por causa dos anjos11,10 Anjos. Segundo alguns, alusão ao facto de eles serem guardas da ordem querida por Deus. Segundo outros, tratar-se-ia de proteger as mulheres dos poderes angélicos..

11Contudo, para o Senhor, nem a mulher existe sem o homem nem o homem sem a mulher. 12Pois se a mulher foi feita do homem, também o homem nasce da mulher. Afinal tudo vem de Deus.

13Julguem por vós mesmos. Acham decente que uma mulher vá fazer oração de cabeça descoberta? 14Não ensina a natureza que usar cabelos compridos é uma vergonha para o homem, 15enquanto os cabelos compridos dão beleza à mulher? É que eles foram-lhe dados para servirem de véu.

16Mas se alguém quiser ainda pôr isto em discussão, saiba que nem eu nem as igrejas de Deus temos outra maneira de proceder.

Celebração da ceia do Senhor

17Naquilo que vou agora dizer não vos posso louvar. É que as vossas reuniões não contribuem para o bem, mas para o mal. 18Em primeiro lugar, ouço dizer que, mesmo quando se reúnem, ficam divididos. E, em parte, eu acredito. 19Diferenças até é conveniente que existam, para que se saiba quem são os verdadeiros crentes. 20Contudo, ao reunirem-se, não estão a agir como quem participa na ceia do Senhor, 21pois cada um leva consigo a ceia para comer, e enquanto uns ficam com fome outros embriagam-se. 22Não tem cada um a sua casa para lá comer e beber? Por que é que desprezam a igreja de Deus e vão envergonhar os que nada têm? Que querem que vos diga? Que vos louve? Neste ponto, não!

23De facto, eu recebi do Senhor aquilo que vos transmiti. Isto é, que o Senhor Jesus, na noite em que foi entregue, tomou pão, 24deu graças a Deus, partiu-o e disse: «Isto é o meu corpo, entregue para vosso benefício. Façam isto, em memória de mim.» 25Do mesmo modo, no fim da ceia tomou o cálice e disse: «Este cálice é a nova aliança feita através do meu sangue. Sempre que dele beberem, façam-no em memória de mim11,25 Pode comparar com Ex 24,6–8; Jr 31,31–34.26Portanto, sempre que comerem este pão e beberem este cálice, estão a anunciar a morte do Senhor até que ele venha.

27Assim, aquele que comer o pão e beber o cálice do Senhor de modo indigno é culpado de ofensa ao corpo e sangue do Senhor. 28Que cada um se examine a si mesmo e, assim, coma deste pão e beba deste cálice. 29Pois se não reconhece o corpo do Senhor, o que faz é comer e beber a sentença da sua própria condenação. 30É por isso que há muitos que estão fracos e doentes no vosso meio e até bastantes que estão mortos. 31Se nos examinarmos a nós mesmos, já não seremos julgados por Deus. 32Quando o Senhor nos julga, corrige-nos, para não sermos condenados com o mundo.

33Enfim, meus irmãos, quando se reunirem para a ceia do Senhor, esperem uns pelos outros. 34Quem tiver fome coma em casa, para que a reunião não vos traga o castigo de Deus. Quanto às outras coisas, darei ordens quando aí for.

12

Dons espirituais

121Irmãos, no que diz respeito aos dons espirituais, não quero que andem na ignorância. 2Sabem que, quando eram pagãos, eram levados a adorar falsos deuses que não falam. 3Ficam, por isso, a saber que ninguém inspirado pelo Espírito de Deus pode dizer: «Jesus é maldito.» E do mesmo modo, ninguém pode dizer: «Jesus é o Senhor», se não for pelo Espírito Santo.

4Os dons são diferentes, mas o Espírito é o mesmo. 5Há funções diferentes, mas o Senhor é o mesmo. 6Há trabalhos diferentes, mas é o mesmo Deus que dá a todos força para agirem. 7O Espírito manifesta-se em cada um para o bem comum. 8A um é concedido o dom de falar com sabedoria, a outro o de falar com conhecimento. E tudo segundo o mesmo Espírito. 9É ainda o único e mesmo Espírito que concede a um a fé e a outro o poder de curar. 10A um dá o poder de fazer milagres, a outro o de declarar a palavra de Deus, a outro o de perceber quando fala o Espírito de Deus. A um dá o poder de falar em línguas desconhecidas e a outro ainda o dom de as interpretar. 11Mas é um só e o mesmo Espírito que faz tudo isto e que distribui dons a cada um, conforme lhe parece12,11 Sobre a diversidade dos dons de Deus tratado nos v. 4–11, ver Rm 12,6–8..

Formamos todos um só corpo

12Assim como o corpo é um só e tem muitas partes e todas elas, apesar de muitas, formam um só corpo, assim acontece também com Cristo12,12 Comparar com Rm 12,4–5.. 13Todos nós, judeus ou não-judeus, escravos ou livres, fomos batizados num só Espírito, para formarmos um só corpo. E todos recebemos o mesmo Espírito.

14Realmente, o corpo não tem só uma parte, mas muitas. 15Se o pé disser: «Uma vez que não sou mão, não faço parte do corpo», não é por isso que deixa de fazer parte dele. 16E se o ouvido disser: «Uma vez que não sou olho, não faço parte do corpo», não é por isso que deixa de fazer parte dele. 17Se todo o corpo fosse somente olhos, como é que poderia ouvir? Se fosse apenas ouvidos, como é que poderia sentir o cheiro? 18Ora, a verdade é que Deus colocou todas as partes do corpo, cada uma no lugar que lhe pareceu melhor. 19Se todo o corpo fosse apenas uma parte, onde estaria o corpo? 20Ora, o corpo tem muitas partes, mas é um só.

21Os olhos não podem dizer à mão: «Não precisamos de ti.» A cabeça não pode dizer aos pés: «Não preciso da vossa ajuda.» 22Pelo contrário, o que parece mais fraco no corpo é, por vezes, o mais preciso. 23No corpo, as partes que nos parecem menos dignas são as que rodeamos de maiores cuidados. As que nos parecem mais vergonhosas são as que tratamos com mais respeito; 24pois as outras já não precisam tanto disso. Mas Deus dispôs o corpo humano de tal maneira que as partes mais humildes são as que rodeamos de maiores cuidados. 25Isto foi para não haver divisão entre elas, mas sim para que cada parte se preocupasse tanto com as outras como consigo mesma. 26Se uma sofre, todas sofrem com ela; se outra é elogiada, todas se alegram com isso.

27Todos juntos constituem o corpo de Cristo e cada um por si é uma parte dele. 28Deus deu a cada um o seu próprio lugar na igreja: primeiro, os apóstolos; em seguida, os profetas; e depois, os que ensinam12,28 Sobre estas funções de ensino na igreja, ver Ef 4,11; At 13,1.. Seguem-se os que têm o poder de fazer milagres, de curar, de dar assistência aos que precisam, de governar e de falar línguas desconhecidas. 29Será que todos podem ser apóstolos, profetas ou professores? Será que todos podem fazer milagres? 30O poder de curar é porventura dado a todos? Todos poderão falar línguas desconhecidas? Todos poderão interpretá-las? Claro que não. 31Por conseguinte, procurem os dons mais importantes. E o caminho melhor é aquele que agora vos vou mostrar.