a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
12

Divisão do reino

121Roboão dirigiu-se a Siquém, porque todo o povo de Israel12,1 Siquém. Localidade 50 km a norte de Jerusalém que parece ter tido durante muito tempo um importante papel em Israel. O povo de Israel aqui mencionado refere-se ao reino do Norte. se tinha reunido lá para o proclamar rei. 2Jeroboão, filho de Nebat, estava nessa altura no Egito, onde se tinha refugiado por causa do rei Salomão. Ao saber disto ele regressou do Egito, 3pois tinham-no mandado chamar. Então ele juntou-se a toda a assembleia de Israel. Dirigiram-se então a Roboão nestes termos: 4«O teu pai tratou-nos com muita dureza, mas nós estamos dispostos a servir-te, se tu agora nos aliviares das dificuldades que ele nos impôs.» 5Ele respondeu: «Venham ter comigo daqui a três dias.» E eles retiraram-se.

6Entretanto o rei Roboão pediu conselho aos anciãos que ajudavam seu pai Salomão enquanto ele foi vivo. Perguntou-lhes muito claramente: «Que resposta me aconselham a dar a esta gente?» 7Eles então responderam-lhe: «Se hoje te mostrares condescendente e te puseres ao serviço deste povo, falando-lhes com bons modos, servir-te-á para sempre.»

8Mas Roboão não fez caso do conselho dos anciãos e foi pedir conselho aos jovens, que tinham sido seus companheiros desde a infância. 9Perguntou-lhes: «Que é que me aconselham a responder a estas pessoas, que me pedem para os aliviar das dificuldades que meu pai lhes impôs?» 10E aqueles jovens, da mesma idade dele, responderam-lhe o seguinte: «Diz a essas pessoas que se queixam da forma como teu pai os tratou e te pedem para os aliviares: “Um dedo dos meus vai ser mais pesado que o braço todo do meu pai12,10 Esta frase é a tradução da expressão proverbial hebraica: o meu dedo mínimo é mais grosso do que as costas do meu pai.. 11Se o meu pai vos impôs um jugo pesado, eu vou torná-lo ainda mais pesado; se ele vos castigou com açoites, eu vos castigarei com um chicote de pontas de ferro.”»

12Três dias depois, Jeroboão apresentou-se com todo o povo diante de Roboão, tal como este lhes tinha dito. 13O rei falou então com dureza ao povo, porque não seguiu o conselho dos anciãos 14e preferiu seguir o conselho dos jovens. Disse-lhes: «O meu pai impôs-vos um jugo pesado? Pois eu hei de torná-lo ainda mais pesado. Meu pai castigou-vos com açoites? Pois eu hei de castigar-vos com um chicote de pontas de ferro.» 15Desta forma, o rei não aceitou as reclamações do povo. O Senhor tinha disposto as coisas assim, para se cumprir o que o mesmo Senhor tinha prometido a Jeroboão, filho de Nebat, por meio do profeta Aías, de Silo.

O reino dividido

16Quando o povo de Israel viu que o rei não escutou as suas queixas, exclamou: «Nós não temos nada que ver com David, não queremos nada com este filho de Jessé! Volte cada um para a sua tenda e que David cuide da sua casa.» E os israelitas voltaram para as suas tendas. 17Roboão só foi reconhecido como rei pelos habitantes das cidades de Judá. 18Quando o rei Roboão enviou Adoniram12,18 Em hebraico Adoram. Deve ser a mesma pessoa referida em 4,6 com o nome de Adoniram, filho de Abda, responsável pelos trabalhos obrigatórios, e ainda em 2 Cr 10,18 com o nome de Hadoram., encarregado do trabalho obrigatório, para ir ter com os israelitas do Norte, eles apedrejaram-no até morrer. Em face disto, o rei Roboão fugiu precipitadamente no seu carro para Jerusalém. 19Deste modo se revoltaram estas tribos israelitas contra a dinastia de David, até ao dia de hoje.

20Quando os israelitas do Norte souberam que Jeroboão tinha regressado do Egito, mandaram-no chamar para que se apresentasse perante a comunidade e ali o proclamaram rei de todo o Israel; contudo, a tribo de Judá ficou fiel à dinastia de David.

Mensagem de Chemaías

21Quando Roboão chegou a Jerusalém, reuniu cento e oitenta mil soldados das tribos de Judá e de Benjamim, para irem atacar os israelitas do Norte e para reconquistar o seu domínio sobre eles. 22Mas o Senhor dirigiu a sua palavra a Chemaías, homem de Deus e disse-lhe: 23«Vai avisar Roboão, filho de Salomão, rei de Judá, bem como os israelitas de Judá e de Benjamim e o restante povo e dizer-lhes 24que eu, o Senhor, lhes ordeno que não lutem contra os seus irmãos israelitas; que voltem todos para suas casas, porque tudo o que aconteceu foi decidido por mim.» Eles obedeceram todos a esta ordem do Senhor e foram para suas casas.

Jeroboão implanta a idolatria

25O rei Jeroboão fortificou a cidade de Siquém na região montanhosa de Efraim e ali se instalou. Mais tarde, deixou Siquém e fortificou a cidade de Penuel12,25 Localidade a este do Jordão. Foi aqui que Jacob lutou com o anjo (Gn 32,21).. 26Jeroboão disse para consigo: «A dinastia de David pode vir a recuperar o reino, 27se este povo for a Jerusalém para oferecer sacrifícios no templo do Senhor. Voltarão a sentir afeto por Roboão, rei de Judá, seu antigo soberano, e depois matam-me e reconciliam-se com ele.»

28Depois de ter pedido conselho, o rei mandou fundir dois bezerros de ouro e disse ao povo: «Não vale a pena irem mais vezes a Jerusalém! Povo de Israel, aqui estão os teus deuses12,28 Ou: aqui está o teu Deus. A palavra hebraica usada para Deus tem a forma plural., que te tiraram do Egito!» 29Pôs um bezerro em Betel e o outro em Dan12,29 Betel e Dan ficavam nas extremidades sul e norte do novo reino.. 30Isto levou o povo a pecar, pois ia até Dan para adorar o bezerro. 31Jeroboão construiu também santuários pagãos e nomeou sacerdotes dentre o povo, que não eram da tribo de Levi. 32Além disso, instituiu um dia de festa religiosa, no dia quinze do oitavo mês, semelhante à festa que se celebrava em Judá12,32 Trata-se provavelmente da festa dos Tabernáculos, celebrada em Jerusalém a partir de 15 do sétimo mês. Ver 8,2. Mas Jeroboão para mostrar a sua independência da tradição do reino de Judá, fixou a data em 15 do oitavo mês em vez do sétimo.. No altar em Betel o próprio rei Jeroboão ofereceu sacrifícios aos bezerros de ouro que mandou fazer e colocou ali em Betel os sacerdotes que serviam nos santuários pagãos que ele também construíra. 33No décimo quinto dia do oitavo mês, o dia que ele tinha escolhido, Jeroboão foi a Betel celebrar a festa que tinha instituído para o povo de Israel e ofereceu um sacrifício no altar.

13

Um profeta de Judá repreende Jeroboão

131Estando Jeroboão de pé, em Betel, a oferecer o sacrifício diante do altar, apareceu um homem de Deus, um profeta enviado de Judá pelo Senhor. 2O profeta pôs-se a clamar contra aquele altar, em nome do Senhor, e disse: «Altar, altar! Ouve esta mensagem do Senhor! Nascerá um filho na família de David, que se chamará Josias, o qual há de degolar sobre ti os sacerdotes dos santuários pagãos que sobre ti queimam incenso. Sobre ti serão queimados então ossos humanos!» 3O profeta anunciou também isto: «Esta é a prova de que é o Senhor quem fala através de mim: o altar vai abrir fendas e a cinza que está em cima dele vai espalhar-se pelo chão.»

4Quando o rei Jeroboão ouviu a ameaça que o profeta proferiu contra o altar de Betel, apontou para ele e ordenou: «Prendam-no!» Imediatamente o braço que o rei estendeu para apontar para o profeta ficou paralisado de tal modo que não o pôde mexer. 5Naquele momento, o altar fendeu-se e as cinzas espalharam-se pelo chão, conforme anunciara o profeta da parte do Senhor. 6Então o rei disse ao profeta: «Pede por mim ao Senhor, teu Deus, e roga-lhe que restitua a saúde ao meu braço!»

O profeta orou ao Senhor e o braço do rei ficou são como antes. 7Então o rei disse ao profeta: «Vem comigo a minha casa, para comeres alguma coisa e para eu te dar um presente.»

8O profeta respondeu: «Ainda que tu me desses metade da tua fortuna, não iria contigo, nem tomaria qualquer alimento ou bebida neste lugar, 9porque o Senhor me ordenou que não comesse, nem bebesse, nem voltasse pelo mesmo caminho por onde vim.»

10O profeta foi-se embora, tomando um caminho diferente daquele que tinha seguido para Betel.

O velho profeta de Betel

11Vivia em Betel um profeta já idoso, a quem os filhos13,11 Em hebraico: filho. A sequência do relato pressupõe a palavra filhos. foram contar tudo o que o profeta de Judá tinha feito naquele dia em Betel e aquilo que tinha dito ao rei. 12O pai perguntou: «Que caminho tomou ele quando partiu?» Eles indicaram-lhe o caminho 13e o velho profeta disse aos filhos: «Albardem o meu jumento.» Eles assim fizeram e o profeta montou nele 14e partiu à procura do profeta de Judá. Encontrou-o sentado à sombra de um carvalho e perguntou-lhe: «És tu o profeta que veio de Judá?» — «Sou», respondeu o outro. 15«Vem a minha casa para comer alguma coisa comigo.» 16Mas o profeta de Judá respondeu: «Não posso ir a tua casa, nem comer ou beber contigo neste lugar, 17porque o Senhor ordenou-me claramente: “Não comas, nem bebas aqui, nem regresses pelo mesmo caminho por onde foste.”» 18Então o velho profeta de Betel insistiu: «Também eu sou profeta, como tu, e um anjo da parte do Senhor ordenou-me que te levasse a minha casa e te desse de comer e de beber.» Mas era mentira. 19O profeta de Judá foi com o outro e comeu e bebeu com ele em sua casa.

O profeta de Judá é condenado

20Quando estavam os dois à mesa, o Senhor falou ao profeta de Betel 21e este disse em voz alta ao profeta que viera de Judá: «O Senhor diz que tu lhe desobedeceste e que não cumpriste a ordem que o Senhor, teu Deus, te tinha dado. 22Em vez disso, voltaste para trás e comeste e bebeste neste lugar, embora o Senhor te tivesse ordenado que não comesses, nem bebesses aqui. Por isso, o teu corpo não será sepultado junto dos da tua família.»

23Depois de ter acabado de comer e de beber, o velho profeta albardou um jumento para o seu hóspede 24e este partiu. No caminho apareceu-lhe pela frente um leão, que o matou. O seu corpo ficou estendido no meio do caminho e, junto dele, ficaram parados o jumento e o leão. 25Alguns homens que por ali passavam viram o corpo estendido no caminho e, junto dele, o leão; e foram levar a notícia a Betel, onde vivia o velho profeta.

26Quando ouviu isto, o velho profeta, que tinha feito voltar o outro para trás, exclamou: «É o profeta que desobedeceu às ordens do Senhor! Por isso, o Senhor o deixou cair nas garras dum leão que o despedaçou e matou, conforme o Senhor lhe tinha dito.»

27Em seguida, disse aos filhos: «Albardem o meu jumento!», e eles assim fizeram. 28O velho profeta partiu e encontrou o cadáver estendido no caminho e, junto dele, o jumento e o leão. O leão não tinha devorado o cadáver, nem atacado o jumento. 29O velho profeta levantou o corpo do profeta de Judá, pô-lo em cima do jumento e levou-o de volta para Betel, a fim de lhe fazer o funeral e lhe dar sepultura. 30Depois colocou o cadáver no seu próprio sepulcro e, chorando por ele com os seus filhos, o velho profeta exclamava: «Ai, meu irmão13,30 Ai meu irmão!. Deve ser o título de um canto fúnebre. Ver Jr 22,18; 34,5.31Depois do funeral, o profeta disse aos filhos: «Quando eu morrer, sepultem-me no sepulcro onde está o profeta; ponham os meus restos mortais junto dos dele. 32O que ele anunciou, por ordem do Senhor, contra o altar de Betel e contra todos os santuários pagãos que há nas cidades de Samaria, será sem dúvida cumprido.»

Pecado fatal de Jeroboão

33Apesar disto, o rei Jeroboão não modificou a sua má conduta, pois voltou a nomear sacerdotes dentre o povo para os santuários pagãos. A quem o desejasse, Jeroboão consagrava sacerdote desses santuários. 34Este seu pecado provocou a ruína total da dinastia de Jeroboão e a sua destruição da face da terra.

14

Aías prediz a ruína de Jeroboão

141Por aquele tempo, Abias, filho de Jeroboão, caiu doente. 2E Jeroboão disse à sua mulher: «Disfarça-te, para que não descubram que és a minha mulher, e vai a Silo, onde vive o profeta Aías, que me anunciou que eu seria rei de Israel. 3Leva-lhe dez pães, um bolo e um pote de mel. Pergunta-lhe o que vai acontecer ao nosso filho e ouve o que ele te diz.»

4A mulher de Jeroboão assim fez: dirigiu-se a Silo e foi procurar o profeta Aías em sua casa. Aías já estava cego por causa da velhice, 5mas o Senhor tinha-o avisado de que a mulher de Jeroboão iria consultá-lo acerca do seu filho, que estava doente. O Senhor disse-lhe também o que devia responder e avisou-o de que ela iria disfarçada.

6Quando Aías ouviu o ruído dos seus passos ao entrar pela porta, disse-lhe: «Entra, mulher de Jeroboão; por que te fazes passar por outra? Tenho uma triste notícia para te dar. 7Vai dizer a Jeroboão que esta é a mensagem que o Senhor, Deus de Israel, lhe envia: “Eu escolhi-te de entre o povo e fiz de ti chefe do meu povo de Israel. 8Retirei o reino à dinastia de David para to dar. Mas tu não tens sido como o meu servo David, que cumpriu os meus mandamentos e se manteve fiel para comigo com todo o seu coração, fazendo sempre o que me agradava. 9Ora, tu tens-te comportado pior do que aqueles que reinaram antes de ti. Atiraste-me para trás das costas e provocaste a minha ira, ao fazer ídolos e imagens de metal para os adorarem. 10Por causa disso, provocarei o desastre da tua dinastia e darei morte a todos os teus descendentes masculinos14,10 Em hebraico: o que urina contra a parede, isto é, do sexo masculino. em Israel, sejam velhos ou novos, sejam escravos ou livres. Varrerei a tua descendência, como se varre o esterco, até desaparecer por completo. 11Os familiares de Jeroboão que morrerem na cidade serão devorados pelos cães; e os que morrerem no campo serão comidos pelos abutres; pois fui eu, o Senhor, que assim o determinei.”

12Quanto a ti, mulher de Jeroboão, volta para tua casa. Logo que entrares na cidade, o teu filho morrerá. 13Todo o povo de Israel fará o funeral e o acompanhará no enterro. Mas este será o único familiar de Jeroboão que terá sepultura, pois foi o único desta família para quem o Senhor, Deus de Israel, olhou com agrado. 14O Senhor mesmo vai designar um novo rei de Israel, que acabará com a dinastia de Jeroboão. Olha, está mesmo a acontecer! 15O Senhor castigará Israel. Como o caniço é levado pelas águas, assim o Senhor arrancará Israel desta boa terra que tinha dado aos seus antepassados e os lançará para além do rio Eufrates, como castigo por terem irado o Senhor, fabricando símbolos da deusa Achera. 16O Senhor abandonará Israel, por causa dos pecados de Jeroboão, que pecou e levou o povo de Israel a pecar.»

17A mulher de Jeroboão voltou para Tirça. No momento em que passou o umbral da porta da sua casa, morreu o seu filho. 18Levaram-no a enterrar e todo o povo de Israel participou no funeral, conforme o profeta Aías tinha anunciado da parte do Senhor.

19O resto da história de Jeroboão, as suas guerras e o seu governo, está escrito no livro das Crónicas dos Reis de Israel. 20Jeroboão tinha vinte e dois anos de reinado, quando morreu. E à sua morte, sucedeu-lhe no trono o seu filho Nadab.

Reinado de Roboão em Judá

21Roboão, filho de Salomão, tinha quarenta e um anos de idade, quando se tornou rei de Judá e reinou durante dezassete anos em Jerusalém, a cidade que o Senhor tinha escolhido de entre todas as de Israel, para nela fazer o seu santuário. A mãe de Roboão chamava-se Naamá e era de Amon.

22O povo de Judá desagradou ao Senhor e fez mais para provocar a sua ira do que os seus antepassados, com todos os pecados que cometeram. 23Construíram santuários para falsos deuses e ergueram monumentos pagãos e símbolos da deusa Achera, no cimo de todas as colinas, onde quer que houvesse árvores frondosas. 24Havia até homens e mulheres que praticavam a prostituição naqueles santuários pagãos14,24 Sobre a prostituição sagrada, ver Dt 23,18; Os 1,2.. O povo de Judá entregou-se a todas essas práticas vergonhosas dos povos que o Senhor tinha expulsado para dar lugar aos israelitas.

25No quinto ano do reinado de Roboão, o rei Chichac, do Egito, marchou contra Jerusalém 26e levou os tesouros do templo do Senhor e do palácio real, incluindo os escudos de ouro que Salomão mandou fazer. 27Para os substituir, Roboão mandou fazer escudos de bronze, que confiou ao cuidado dos chefes dos soldados que guardavam as portas do palácio real. 28Assim, sempre que o rei ia ao templo do Senhor, os guardas levavam os escudos e voltavam depois a guardá-los no seu lugar, no quartel.

29O resto da história de Roboão e de tudo o que ele fez está escrito no livro das Crónicas dos Reis de Judá. 30Durante todo este tempo, Roboão e Jeroboão estiveram sempre em guerra. 31Roboão morreu e foi sepultado com os seus antepassados na cidade de David. A sua mãe chamava-se Naamá e era de Amon. Sucedeu-lhe no trono o seu filho Abiam14,31 No texto paralelo de 2 Cr 12,16 Abiam é chamado de Abias..