a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
30

David derrota os amalecitas

301Três dias depois, David e os seus homens chegaram a Siclag. É que os amalecitas tinham invadido o sul de Judá e tinham atacado a cidade de Siclag, que destruíram e incendiaram. 2Capturaram as mulheres e toda a gente que lá estava, pequenos e grandes, mas sem matarem a ninguém, e levaram-nos consigo.

3Quando David e os seus homens chegaram à cidade e viram que tinha sido incendiada e que lhes tinham levado as mulheres, com os filhos e filhas, 4puseram-se a chorar aos gritos até ficarem sem forças. 5Também tinham capturado as duas mulheres de David, Ainoam, de Jezrael, e Abigail, a viúva de Nabal do Carmelo. 6David estava muito angustiado, porque os seus homens queriam apedrejá-lo. Todos estavam profundamente amargurados com o que acontecera aos seus filhos. Entretanto David ganhou coragem graças ao Senhor, 7e disse ao sacerdote Abiatar, filho de Aimelec: «Traz-me a insígnia de oráculo.» E Abiatar trouxe-lha. 8David fez então esta consulta ao Senhor: «Devo perseguir esse bando de salteadores até os apanhar?» O Senhor respondeu-lhe: «Vai persegui-los, pois hás de apanhá-los e libertar os prisioneiros.»

9David pôs-se a caminho com os seiscentos homens e chegaram até ao ribeiro de Bessor, onde duzentos deles 10ficaram a descansar, porque se sentiram muito fatigados para o atravessarem. Com os outros quatrocentos, David continuou a perseguição.

11Encontraram no campo um egípcio, que levaram até junto de David. Deram-lhe pão, que ele comeu, e água para beber. 12Deram-lhe ainda uma torta de figos e dois cachos de uvas secas. Depois de comer, retomou as suas forças, porque havia já três dias e três noites que não comia nem bebia.

13David perguntou-lhe então: «Quem é o teu amo e donde és tu?» O egípcio respondeu-lhe: «Eu sou egípcio, escravo dum amalecita, mas o meu dono abandonou-me já há três dias, porque adoeci. 14Fomos nós que saqueámos a parte do sul do território dos cretenses30,14 Cretenses. Nome de alguns grupos filisteus que habitavam a sul, originários da ilha de Creta. Calebitas. Ver Js 14,6—15,63., dos judeus ao sul de Judá e dos calebitas e incendiámos a cidade de Siclag.»

15Propôs-lhe David: «Queres levar-me até esse bando de salteadores?» Ele respondeu: «Se me jurares em nome de Deus que não me vais matar e que não me vais entregar ao meu dono, levar-te-ei até eles.»

16Ele levou David até aos amalecitas que se tinham espalhado por toda a região, comendo, bebendo e fazendo festa com tudo o que tinham roubado no território dos filisteus e dos judeus. 17David combateu-os desde a manhã até à tarde do dia seguinte e massacrou-os a todos. Apenas escaparam uns quatrocentos jovens que conseguiram montar os seus camelos e fugir.

18David resgatou todas as coisas que os amalecitas tinham roubado e resgatou também as suas duas mulheres. 19Recuperou todas as pessoas, desde as pequenas às grandes, os filhos e as filhas dos seus homens, e todos os despojos que os amalecitas tinham roubado. 20Recuperou também as ovelhas e vacas, de tal forma que aqueles que conduziam o gado diziam: «Tudo isto é de David!»

21Entretanto David chegou ao ribeiro de Bessor, onde tinham ficado os duzentos homens, que não o puderam acompanhar por se sentirem muito cansados. Eles vieram ao encontro de David e da sua tropa e David aproximou-se deles para os saudar. 22Mas alguns dos soldados de David, que eram maus e perversos, protestaram e disseram que não se devia dar nada dos despojos a quem não tinha ido com eles, exceto as suas mulheres e filhos, e que, depois de os reaverem, deviam ir embora.

23Mas David disse: «Não façam tal coisa, meus amigos. Foi o Senhor que nos deu tudo isto, foi ele que nos conservou a vida e entregou nas nossas mãos esse bando de salteadores que nos atacou. 24Neste caso, ninguém vos dará razão, porque, como diz o ditado, “A partilha dos despojos, tanto pertence ao que vai para o combate como àquele que fica a guardar a bagagem.”» 25Esta prática de David entrou desde então, e permanece até ao presente, como lei e costume em Israel.

26Quando chegou a Siclag, David mandou aos seus amigos, os anciãos de Judá, uma parte dos despojos, com estas palavras: «Ofereço-vos este presente, que é uma parte daquilo que conquistei aos inimigos do Senhor27Enviou presentes aos que se encontravam em Betel, de Ramot do Negueve, em Jatir, 28em Aroer, em Sifemot, em Estemoa, 29em Racal, e também aos que estavam nas cidades de Jeramel e nas dos quenitas. 30Enviou igualmente aos que se encontravam em Horma, em Bor-Achan, em Atac, 31em Hebron e ainda nas localidades por onde ele e os seus homens tinham andado30,31 A maior parte das localidades dos v. 27–31 pertence à tribo de Judá, o que facilitou a ascensão de David ao trono (2 Sm 2,1–4)..

31

Saul e os seus filhos morrem na guerra

311Os filisteus atacaram Israel no monte de Guilboa. Os israelitas puseram-se em fuga, mas muitos deles foram mortos pelos filisteus. 2Os filisteus perseguiram Saul e os seus filhos e entre estes mataram Jónatas, Abinadab e Malquichua. 3Depois concentraram o peso do ataque contra Saul. Os arqueiros encontraram-no e feriram-no gravemente. 4Perante isto, Saul disse ao seu escudeiro: «Desembainha a tua espada e atravessa-me com ela, para que não sejam estes pagãos31,4 Literalmente: incircuncisos. a matar-me, gabando-se do que fizeram.» Mas o escudeiro não quis fazê-lo, porque tinha muito medo. Saul pegou então na espada e lançou-se em cima dela. 5E quando o escudeiro viu que Saul estava morto, fez o mesmo que Saul e morreu com ele. 6Assim morreram naquele dia Saul, os seus três filhos, o seu escudeiro e todos os seus homens. 7Quando os israelitas, que habitavam no outro lado do vale e na Transjordânia, viram que o exército de Israel tinha sido derrotado e que Saul e os seus três filhos tinham sido mortos, abandonaram as cidades e fugiram também. E os filisteus vieram ocupá-las.

8No dia seguinte, os filisteus foram buscar os despojos dos mortos e encontraram Saul com os seus três filhos estendidos no monte Guilboa. 9Cortaram a cabeça a Saul e tiraram-lhe as armas, e enviaram mensageiros por todo o território dos filisteus a dar a notícia ao povo e aos seus deuses, nos santuários. 10Puseram as armas de Saul no templo de Astarté31,10 Astarté. Deusa do amor e da fecundidade; geralmente aparece no plural: Astartes. Ver Jz 2,13. e penduraram o seu corpo na muralha de Bet-Chan.

11Entretanto os habitantes de Jabés de Guilead tiveram conhecimento daquilo que os filisteus tinham feito com Saul. 12Os mais valentes entre eles resolveram pôr-se a caminho, andaram toda a noite e retiraram da muralha de Bet-Chan os corpos de Saul e dos seus filhos. Em seguida, regressaram a Jabés, onde os queimaram. 13Depois recolheram os seus restos e sepultaram-nos debaixo do tamariz31,13 Tamariz. Árvore bem conhecida da região., de Jabés, e jejuaram durante sete dias.