a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
3

O Senhor aparece a Samuel

31O jovem Samuel continuava a servir o Senhor às ordens de Eli. Naqueles tempos era raro alguém receber uma mensagem do Senhor, pois ele a poucos se revelava.

2Certa noite, Eli, que se encontrava quase cego, estava a dormir no seu quarto. 3A lâmpada de Deus ainda não se tinha apagado3,3 A lâmpada. Trata-se da lâmpada do santuário que, segundo Ex 27,20–21, devia permanecer acesa desde a tarde até pela manhã. e Samuel dormia no interior do templo, onde se encontrava a arca da aliança. 4O Senhor chamou Samuel e ele respondeu: «Aqui estou3,4 Ver Gn 22,1; 31,11; Ex 3,4; Is 6,8.5Samuel correu para o quarto de Eli e disse-lhe: «Tu chamaste-me e eu aqui estou!» Mas Eli respondeu-lhe: «Não te chamei; volta para a tua cama.» E ele assim o fez. 6O Senhor chamou outra vez Samuel e ele foi novamente ter com Eli e disse-lhe: «Tu chamaste-me e eu aqui estou!» Eli voltou a responder-lhe: «Não te chamei, meu filho, volta para a tua cama.» 7Samuel não sabia que era o Senhor, porque o Senhor nunca lhe tinha falado antes.

8O Senhor chamou Samuel pela terceira vez. Samuel levantou-se, foi ter com Eli e disse-lhe: «Tu chamaste-me e eu aqui estou!» Eli compreendeu então que era o Senhor a chamar pelo jovem, 9e disse-lhe: «Volta para a tua cama. E se alguém te chamar novamente, responde: “Fala, Senhor, porque o teu servo está a ouvir.”» E Samuel voltou a deitar-se.

10O Senhor foi de novo ter com Samuel. Chamou por ele como das outras vezes e disse: «Samuel, Samuel!» Este respondeu: «Fala, que o teu servo está a ouvir.» 11O Senhor disse a Samuel: «Eu vou realizar em Israel algo que deixará horrorizado quem o ouvir contar. 12Hei de cumprir contra a família de Eli tudo quanto disse, desde o princípio ao fim. 13Já lhe anunciei que hei de castigar a sua família para sempre, por causa da falta dos seus dois filhos, de que ele era sabedor. Eli sabia que os seus filhos me ofendiam e não os corrigiu. 14Por isso, declaro solenemente à família de Eli que nada poderá apagar semelhante falta, nem sacrifícios nem ofertas.»

15Samuel continuou deitado até de manhãzinha; depois levantou-se e abriu as portas do santuário. Mas estava com medo de contar a visão a Eli. 16Eli chamou-o: «Samuel, meu filho», e ele respondeu: «Aqui estou!» 17Eli perguntou-lhe: «Que é que o Senhor te disse? Não me escondas nada, porque ele castiga-te, se me esconderes alguma coisa do que ele te disse.» 18Então Samuel contou-lhe tudo sem esconder nada e Eli disse: «Ele é o Senhor! Que faça como bem lhe parecer.»

19Samuel ia crescendo e o Senhor estava com ele e realizava tudo conforme lhe tinha dito. 20E todo o povo de Israel, desde Dan no norte, até Bercheba no sul, ficou a saber que Samuel era na verdade um profeta do Senhor.

21O Senhor continuou a revelar-se em Silo, onde tinha aparecido a Samuel e lhe tinha falado.

4

Os filisteus levam a arca da aliança

41Quando Samuel falava, era para todo o povo de Israel.

Certa altura, Israel estava em guerra com os filisteus e os israelitas acamparam junto de Eben-Ézer, enquanto os filisteus se encontravam em Afec. 2Os filisteus atacaram duramente e Israel foi vencido, tendo morrido no campo de batalha uns quatro mil homens. 3Quando os sobreviventes regressaram ao acampamento, os anciãos de Israel disseram: «Por que é que o Senhor permitiu que os filisteus nos vencessem? Vamos buscar a arca da aliança do Senhor a Silo, para que ela nos acompanhe e nos salve dos nossos inimigos.» 4Enviaram, pois, mensageiros a Silo, que trouxeram a arca da aliança do Senhor, todo-poderoso, que tem o seu trono sobre os querubins. E os dois filhos de Eli, Ofni e Fineias, acompanhavam a arca da aliança.

5Quando a arca chegou ao acampamento, os israelitas irromperam em enorme júbilo4,5 A arca era o “paládio” que acompanhava os guerreiros, personificando o próprio Deus como chefe dos exércitos., de tal modo que a terra estremeceu. 6Os filisteus ouviram aquela gritaria e disseram: «Que gritos são aqueles?» Compreenderam então que era por causa da arca da aliança que tinha chegado ao acampamento dos israelitas. 7Ficaram cheios de medo e disseram: «Estamos perdidos! Um deus entrou no seu acampamento! Nada disto nos aconteceu anteriormente! 8Estamos perdidos! Quem nos livrará de deuses tão poderosos? São estes os deuses que esmagaram os egípcios com toda a espécie de castigos, no deserto. 9Filisteus, sejam valentes! Combatam com coragem, para não se tornarem escravos dos hebreus, como eles já foram vossos escravos!»

10Os filisteus combateram corajosamente e venceram os israelitas, que acabaram por fugir para as suas tendas. A derrota foi muito dura: trinta mil soldados israelitas caíram mortos. 11A arca da aliança do Senhor foi apanhada e os dois filhos de Eli, Ofni e Fineias, morreram.

Morte de Eli

12Um homem da tribo de Benjamim correu do campo de batalha para Silo e chegou lá no mesmo dia. Em sinal de luto, rasgou as suas vestes e pôs terra por cima da cabeça. 13Eli estava sentado junto da estrada, em expectativa e cheio de ansiedade por causa da arca da aliança do Senhor. O homem espalhou a notícia pela cidade e toda a gente começou a gritar. 14Eli ouviu o barulho e perguntou: «Que significa todo este barulho?» Então o homem correu para Eli a anunciar-lhe as notícias. 15Eli estava com noventa e oito anos; levantou os olhos, mas já não conseguia ver. 16Disse-lhe o homem: «Sou eu que venho da frente da batalha. Hoje mesmo saí de lá e vim a correr até aqui.» Eli perguntou-lhe: «Que aconteceu, meu filho?»

17O mensageiro respondeu-lhe: «Israel recuou diante dos filisteus. Foi uma enorme derrota para o nosso povo. Os teus dois filhos, Ofni e Fineias, também morreram, e os inimigos levaram a arca da aliança do Senhor

18Quando Eli, que estava junto à porta, ouviu o que se tinha passado com a arca da aliança, caiu para trás e, como estava velho e pesado, partiu o pescoço e morreu. Eli tinha dirigido Israel durante quarenta anos.

Morte da viúva de Fineias

19A nora de Eli, mulher de Fineias, estava grávida e prestes a dar à luz. Quando ouviu dizer que a arca da aliança do Senhor tinha sido levada e que o sogro e o marido tinham morrido, sofreu um choque tão grande que lhe vieram de repente as dores de parto e deu à luz. 20Ela estava quase a morrer e as mulheres que a ajudavam no parto disseram-lhe: «Coragem! Nasceu-te um filho!» Mas ela não lhes respondeu, nem lhes deu atenção. 21Deu ao seu filho o nome de Icabod, querendo significar que, «a glória de Deus abandonou Israel4,21 Icabod. Muitos nomes hebraicos têm significados. Cabod quer dizer glória, sendo o i partícula de negação.». Referia-se à perda da arca da aliança e à morte do sogro e do marido. 22Mas ela disse que a glória de Deus tinha abandonado Israel, porque a arca da aliança tinha sido levada.

5

A arca da aliança entre os filisteus

51Depois de os filisteus terem capturado a arca da aliança do Senhor, levaram-na de Eben-Ézer para Asdod5,1 Asdod, Gat (v. 8), Ecron (v. 10), Gaza e Ascalon (6,17) são as cinco cidades mais importantes dos filisteus, situadas a oeste e sudoeste de Jerusalém.. 2Colocaram-na no santuário do seu deus Dagon, ao lado da estátua do deus. 3No dia seguinte, pela manhã, o povo de Asdod viu a estátua de Dagon caída por terra, diante da arca da aliança. Levantaram-na e colocaram-na no seu lugar. 4No outro dia, pela manhã, viram que a estátua tinha caído novamente, diante da arca da aliança. A cabeça e os dois braços estavam partidos e espalhados pelo chão; apenas o tronco estava inteiro. 5É por isso que ainda hoje os sacerdotes de Dagon e todos os seus adoradores em Asdod não pisam o chão do santuário de Dagon.

6O Senhor castigou duramente o povo de Asdod e aterrorizou-o. E os seus habitantes, tal como os das terras vizinhas, ficaram cheios de tumores. 7Quando eles se aperceberam do que estava a acontecer, disseram: «O Deus de Israel está a castigar-nos severamente, a nós e ao nosso deus Dagon. Não queremos que a arca da aliança do Deus de Israel fique mais tempo aqui.» 8Enviaram então mensageiros, chamaram os chefes dos filisteus para uma reunião e perguntaram-lhes: «Que é que devemos fazer à arca da aliança do Deus de Israel?» Eles responderam: «Levem-na para a cidade de Gat.» E eles assim fizeram.

9Depois de lá ter chegado a arca da aliança, Deus castigou aquela cidade e o pânico foi grande. O Senhor castigou-os com tumores que apareceram em todo o povo, desde os mais novos aos mais velhos. 10Então enviaram a arca da aliança para a cidade de Ecron, mas, quando ela lá chegou, o povo gritou: «Eles mandaram para aqui a arca da aliança do Deus de Israel para nos matar a todos.» 11Então mandaram reunir os chefes dos filisteus e disseram-lhes: «Devolvam a arca da aliança do Deus de Israel ao seu lugar, para podermos escapar à morte.» Realmente havia um pânico de morte em toda a cidade, porque Deus estava a castigá-los de maneira muito severa. 12Os que não tinham morrido estavam cheios de tumores e os gritos da cidade elevavam-se até ao céu.