a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
8

O povo pede um rei

81Quando Samuel envelheceu, nomeou os seus filhos como governantes de Israel. 2O mais velho chamava-se Joel e o mais novo Abias e exerciam as suas funções em Bercheba. 3Mas eles não seguiram o exemplo do seu pai e só procuravam o seu próprio proveito. Deixavam-se subornar e não julgavam as pessoas com honestidade.

4Então reuniram-se todos os anciãos de Israel, foram ter com Samuel a Ramá 5e disseram-lhe: «Estás a ficar velho e os teus filhos não seguem o teu exemplo. Dá-nos um rei que nos governe, à maneira de todas as outras nações8,5 Ver 1 Sm 8,20; Dt 17,15; Ez 20,32. Os textos manifestam a dialética entre um governo teocrático, existente até à data, em que Deus governava através dos seus juízes, e um governo monárquico.6Samuel ficou aborrecido por lhe pedirem um rei para os governar e foi falar com o Senhor. 7E o Senhor respondeu a Samuel: «Aceita aquilo que o povo te propõe. Não é a ti que eles rejeitam, mas a mim, não querendo que eu seja o seu rei. 8Desde que os tirei da terra do Egito, têm-me abandonado muitas vezes para adorarem outros deuses; agora estão a portar-se contigo da mesma maneira. 9Ouve-os, pois, mas avisa-os sobre o modo como os seus reis os irão governar.»

10Ao povo, que lhe pedia um rei, Samuel transmitiu aquilo que o Senhor lhe tinha comunicado. 11E disse-lhes: «Estes são os direitos do rei vos há-de governar: os vossos filhos serão os seus soldados, uns para os seus carros de guerra, outros para a sua cavalaria, mas todos à frente do seu carro de comando. 12Alguns deles serão os seus oficiais responsáveis pelas companhias de mil e de cinquenta soldados.

Os vossos filhos terão de cultivar as terras do rei, terão de fazer as suas colheitas, fabricar as suas armas e preparar os seus carros de combate. 13As vossas filhas terão que preparar os perfumes para o rei e servi-lo como cozinheiras e como padeiras. 14Ele há de apoderar-se dos vossos melhores campos, vinhas e olivais, para os distribuir pelos seus ministros. 15Tomará para si uma décima parte do vosso cereal e das vossas uvas, para distribuir pelos seus cortesãos e ministros. 16Há de apoderar-se dos vossos criados e criadas, e dos vossos melhores jovens, bem como dos vossos burros para os pôr ao seu serviço. 17Tirará para si uma décima parte dos vossos rebanhos e vocês mesmos serão seus escravos. 18Quando tudo isto acontecer, hão de queixar-se do rei que escolheram, mas o Senhor não atenderá as vossas queixas.»

19Mas o povo não deu ouvidos a Samuel e insistia: «Não importa! Queremos um rei! 20Desta maneira seremos como as outras nações, com um rei que nos governe, que vá connosco para a guerra e nos dirija nos combates.» 21Samuel ouviu tudo quanto o povo dizia e transmitiu-o ao Senhor. 22O Senhor respondeu-lhe: «Atende o seu pedido e dá-lhes um rei.» Então Samuel disse-lhes que podiam voltar para a sua terra.

9

Encontro de Saul e Samuel

91Havia um homem valoroso e forte, chamado Quis, da tribo de Benjamim. Era filho de Abiel e neto de Seror, da família de Becorat, do clã de Afia. 2Tinha um filho chamado Saul, jovem e bem parecido. Ninguém em Israel se comparava com ele, e os mais altos só lhe davam pelo ombro.

3Aconteceu que Quis, pai de Saul, perdeu umas jumentas e disse ao filho: «Toma um dos criados contigo e vai procurar os animais.» 4Atravessaram a região montanhosa de Efraim e a região de Chalichá mas não encontraram nada. Depois foram para a região de Chalim e nada encontraram. Passaram para o território de Benjamim, mas também não encontraram os animais. 5Quando chegaram à região de Suf, Saul disse ao criado: «Voltemos para casa. Temo que meu pai deixe de pensar nos animais e se comece a preocupar connosco.»

6Então o criado disse-lhe: «Espera! Há nesta cidade um homem santo e muito respeitado, porque tudo o que ele diz acontece. Vamos ter com ele pois pode muito bem acontecer que nos diga qual o caminho a seguir.» 7Saul respondeu: «Está bem! Mas que é que lhe podemos oferecer? Já não temos pão no saco e nada nos resta para lhe oferecer. E que é que nós temos?» 8O criado disse: «Tenho uma pequena moeda de prata. Posso dar-lha e ele nos indicará o caminho.»

9Outrora, em Israel, o profeta era chamado vidente e, por isso, quando alguém desejava consultar o Senhor, dizia: «Vamos ter com o vidente.» 10Saul disse ao criado: «Boa ideia! Vamos lá!» E foram à cidade onde se encontrava o homem de Deus.

11Ao subirem a encosta para a cidade, encontraram umas raparigas que iam buscar água9,11 Ver Gn 24,11; Ex 2,16. e perguntaram-lhes: «O vidente está na cidade?» 12Elas responderam: «Sim, está mesmo ali adiante! Vão depressa! Ele veio hoje à cidade, porque o povo vai oferecer um sacrifício público no altar que está lá em cima no monte. 13Logo que chegarem à cidade podem encontrá-lo, antes que ele suba para começar o banquete do sacrifício. O povo não pode começar a comer antes de ele chegar, porque é ele quem vai abençoar o sacrifício. Só depois é que os convidados podem começar a comer. Vão já para cima, porque agora encontram-no pela certa.»

14Eles subiram à cidade e, quando estavam a entrar, viram Samuel, que saía na sua direção para ir sacrificar ao cimo do monte. 15Ora, no dia anterior, o Senhor tinha avisado Samuel da vinda de Saul: 16«Amanhã, por esta hora, vou enviar-te um homem da tribo de Benjamim. Deves consagrá-lo, para ficar a ser o chefe do meu povo de Israel. Ele é que vai libertar o meu povo do perigo dos filisteus. Eu vi o sofrimento do meu povo e ouvi as suas súplicas9,16 Consagrá-lo. Literalmente: ungi-lo. Eu vi o sofrimento. Ver Ex 2,23.

17Quando Samuel viu Saul, o Senhor disse-lhe: «É este o homem de quem te falei e que há de governar o meu povo.» 18Saul aproximou-se de Samuel, já perto da porta, e disse-lhe: «Por favor, onde é que mora o vidente?» 19Samuel respondeu-lhe: «Sou eu o vidente. Acompanha-me ao lugar do sacrifício. Venham hoje tomar parte comigo no banquete do sacrifício e amanhã responderei a todas as vossas questões; depois seguirão o vosso caminho. 20Quanto aos animais que se perderam há três dias, não te preocupes, porque já foram encontrados. Mas quem é aquele que o povo de Israel mais procura? Porventura não és tu e a família do teu pai?»

21Saul respondeu-lhe: «Mas eu pertenço à tribo de Benjamim, a mais pequena de Israel, e a minha família é a menos importante da tribo. Por que é que tu me falas então dessa maneira?»

22Depois Samuel levou Saul e o criado para a sala grande e colocou-os nos lugares principais, à frente dos convidados, que eram cerca de trinta. 23Samuel disse ao cozinheiro: «Traz o pedaço de carne que eu te dei e que te disse para pores de lado.» 24O cozinheiro trouxe o pedaço da perna de carneiro e colocou-o diante de Saul. Samuel disse a Saul: «Este é o bocado de carne que foi reservado para ti. Come-o! Guardei-o para tu o comeres nesta ocasião com o povo que eu convidei9,24 Ou: Assim poderás dizer: Fui eu que convidei o povo.

Saul comeu com Samuel naquele dia. 25Depois desceram do lugar do sacrifício para a cidade e Samuel continuou ainda a conversar com Saul no terraço9,25 Ou: mandou preparar um leito para Saul descansar..

Samuel consagra Saul como rei de Israel

26Acordaram cedo, ao romper do dia, e Samuel chamou Saul, que estava no terraço: «Levanta-te, que eu vou indicar-te o caminho.» Saul levantou-se, e os dois saíram. 27Quando chegaram ao extremo da povoação, Samuel disse a Saul: «Manda o teu criado avançar à nossa frente.» E o criado avançou. Depois Samuel ordenou a Saul: «Tu, fica aqui comigo, porque preciso de te transmitir o que o Senhor disse.»

10

101Então Samuel pegou num frasco de azeite e derramou-o sobre a cabeça de Saul. Depois beijou-o e disse-lhe: «O Senhor consagrou-te como chefe do seu povo10,1 A antiga versão grega acrescenta: Tu é que hás de guiar o povo do Senhor e libertá-lo das mãos dos seus inimigos. E aqui fica a prova de que foi o Senhor que te consagrou.. 2Hoje mesmo, quando te separares de mim, encontrarás dois homens perto do túmulo de Raquel, em Selça, no território de Benjamim. Eles te dirão que os animais que procuras já foram encontrados. O teu pai já esqueceu o caso dos animais, mas está muito preocupado contigo e pergunta continuamente o que é que pode fazer pelo filho. 3Dali, seguirás sempre em frente até chegares ao carvalho sagrado do Tabor10,3 Tabor. Não é com certeza o atual monte de Tabor (Jz 4,6)., onde encontrarás três homens que vão oferecer sacrifícios a Deus, em Betel. Um deles leva três cabritos, outro leva três pães e o terceiro um odre de vinho. 4Eles hão de saudar-te e oferecer-te dois pães, que deves aceitar. 5Depois seguirás para a colina de Deus, Guibeá, onde se encontra um acampamento dos filisteus. Ao entrares na cidade, vais encontrar um grupo de profetas que desce do monte do sacrifício, tocando liras, tambores, flautas e harpas, em atitude de exaltação profética. 6Então o Espírito do Senhor cairá sobre ti e tornar-te-ás profeta com eles, ficando um homem diferente. 7Quando vires que tudo isto acontece como eu te disse, faz tudo o que quiseres porque Deus está contigo. 8Depois vai para Guilgal e espera lá por mim. Mais tarde, irei lá ter contigo para oferecer a Deus holocaustos de animais e sacrifícios de comunhão. Espera lá por mim, durante sete dias. Quando eu chegar, te direi o que deves fazer.»

9Quando Saul se voltou para deixar Samuel, Deus transformou-o num homem diferente e tudo quanto Samuel lhe tinha dito aconteceu naquele dia. 10Saul e o criado chegaram a Guibeá e logo lhes veio ao encontro um grupo de profetas. O Espírito de Deus desceu então sobre Saul e ele tornou-se profeta juntamente com os outros. 11Todos quantos o conheciam, ao verem o que lhe estava a acontecer, diziam uns aos outros: «Que é que sucedeu ao filho de Quis? Será que Saul também se tornou profeta?» 12Alguém que vivia naquele lugar perguntou: «Mas quem é o chefe10,12 Literalmente: pai. A pergunta do aldeão tem sentido negativo: gente de baixa condição (sem pai que tome conta deles), ou um grupo desorganizado sem chefe. destes profetas?» E foi assim que nasceu o ditado popular: «Também Saul está entre os profetas!»

13Entretanto, terminado o estado de exaltação profética, Saul dirigiu-se para o lugar do sacrifício, na montanha.

14Um tio de Saul perguntou-lhe, a ele e ao criado: «Onde é que vocês estiveram?» Saul respondeu: «Fomos procurar os animais que se perderam, mas não os pudemos encontrar e acabámos por ir consultar Samuel.» 15O tio perguntou-lhe ainda: «E o que é que ele vos disse?» 16Saul respondeu: «Disse-nos que os animais já tinham sido encontrados.» Mas nada contou ao tio do que Samuel lhe tinha dito a respeito de ele vir a ser rei.

Saul aclamado rei

17Samuel convocou o povo para uma assembleia religiosa em Mispá, 18e disse: «Assim fala o Senhor, Deus de Israel: “Eu tirei-vos da terra do Egito e libertei-vos do poder dos egípcios e de todos os outros reis que vos oprimiam.” 19Este é o vosso Deus, que vos livra de todas as dificuldades e tristezas, e foi a quem rejeitaram, ao pedirem um rei. Pois bem, reúnam-se agora diante do Senhor, por tribos e clãs.»

20Samuel pediu que cada uma das tribos se apresentasse e a sorte10,20 A sorte. Provavelmente usaram-se os urim e tumim (Ex 28,30). calhou à tribo de Benjamim. 21Depois mandou vir as famílias da tribo de Benjamim, e a sorte calhou à família de Matri. E dela foi escolhido Saul, filho de Quis; foram procurá-lo, mas não o encontraram. 22Consultaram novamente o Senhor e perguntaram: «Há mais alguém aqui desta família?» O Senhor respondeu: «Há um, que está escondido entre as bagagens.» 23Foram buscá-lo a toda a pressa e trouxeram-no para o meio do povo. E viram que ele era o mais alto; ninguém lhe passava do ombro. 24Samuel disse ao povo: «Aqui está o homem que o Senhor escolheu! Não há ninguém como ele em todo o país!» E todos o aclamaram com alegria: «Viva o rei!»

25A seguir, Samuel explicou ao povo o estatuto do rei10,25 Cf. 1 Sm 8,11–18; Dt 17,14–20; Js 24,26–28. Estes textos apresentam o parecer dos que eram contra a monarquia. e escreveu-o num livro, que colocou no santuário do Senhor. Depois mandou o povo para as suas casas. 26Saul voltou também para sua casa em Guibeá, acompanhado de alguns homens valentes, a quem Deus tinha tocado o coração. 27Mas alguns que eram contrários diziam: «Este será capaz de nos salvar?» Por isso, desprezaram-no e não lhe levaram qualquer presente. Mas Saul não se incomodou.