a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
14

Reinado de Asa

(1 Reis 15,9–12)

141Asa procedeu com retidão e agradou ao Senhor, seu Deus. 2Destruiu os altares dos deuses estrangeiros e os santuários pagãos, quebrou os monumentos dos ídolos e cortou os símbolos da deusa Achera. 3Ordenou aos judeus que adorassem o Senhor, Deus de seus antepassados e que obedecessem à sua lei e aos seus mandamentos. 4Tirou de todas as cidades de Judá os santuários e altares pagãos e o seu reinado foi tranquilo. 5Não houve guerras contra ele durante esses anos, pois o Senhor concedeu-lhe paz. Por isso, Asa pôde construir várias cidades fortificadas em Judá. 6O rei disse aos judeus: «Vamos fortificar estas cidades, vamos levantar-lhes as muralhas, torres, portas e trancas, enquanto o país está em nosso poder. Nós temos procurado saber qual é a vontade do Senhor, nosso Deus; por isso, ele tem-nos dado a paz em toda a parte.» E assim levaram a bom termo as obras de reconstrução.

7Asa teve um exército de trezentos mil homens de Judá, armados com escudos e lanças e duzentos e oitenta mil de Benjamim equipados com escudo e arco. Eram todos valentes guerreiros. 8Zera, o etíope, foi atacá-los com um exército de um milhão de homens e trezentos carros de combate e avançou até Maressa. 9Asa saiu ao seu encontro e dispuseram-se para a batalha no vale de Sefatá, perto de Maressa. 10Então Asa pediu ajuda ao Senhor, seu Deus, com a seguinte oração: «Ó Senhor, para ti não é mais difícil ajudar o fraco do que o forte. Por isso, vem em nosso auxílio, Senhor, nosso Deus, pois confiamos em ti e é em teu nome que avançamos contra este grande exército. Ó Senhor, tu és o nosso Deus. Não permitas que alguém te possa resistir!»

11O Senhor fez com que Asa e o povo de Judá derrotassem os etíopes e estes puseram-se em fuga. 12Perseguiram-nos até Guerar e, de tal modo eles foram caindo que não escapou nenhum. De facto ficaram destroçados diante do Senhor e do seu exército. Os judeus levaram dali abundantes despojos. 13Apoderaram-se também de todas as cidades dos arredores de Guerar, pois todos ficaram cheios de medo do Senhor. Apoderaram-se dessas cidades e de todas as grandes riquezas que lá havia. 14Destruíram também os currais onde havia gado e apoderaram-se de grande quantidade de carneiros e de camelos. Depois regressaram a Jerusalém.

15

Reformas religiosas de Asa

(1 Reis 15,13–15)

151Azarias, filho de Oded, movido pelo Espírito de Deus, 2foi ter com Asa, para lhe dizer: «Escutem-me Asa e todo o povo de Judá e de Benjamim! O Senhor está convosco, tal como vocês estão com ele. Se o procuram, encontram-no; mas, se o abandonam, também ele vos abandonará. 3Durante muito tempo, Israel viveu sem o verdadeiro Deus e sem sacerdotes para lhe ensinarem a lei15,3 O autor está provavelmente a invocar a época dos Juízes. Ver Jz 2,10–23.. 4Mas quando na sua aflição eles se voltaram para o Senhor, Deus de Israel, e o procuraram, ele fez com que o encontrassem. 5Nesse tempo, não havia segurança para os que viajavam; era um período de grandes perturbações por toda a parte. 6Uma nação destruía outra nação, uma cidade destruía outra cidade, porque Deus os afligia com toda a espécie de calamidades. 7Mas vocês tenham coragem e não desanimem, porque os vossos trabalhos serão recompensados.»

8Quando Asa ouviu as palavras e a mensagem do profeta Azarias, filho de Oded, encheu-se de coragem e fez desaparecer os ídolos de todo o território de Judá e de Benjamim e bem assim de todas as cidades que tinha conquistado nas montanhas de Efraim. Além disso, restaurou o altar do Senhor que estava em frente do pórtico do templo do Senhor. 9Ora habitavam em Judá e Benjamim pessoas de Efraim, de Manassés e de Simeão, que se tinham passado para o lado de Asa, quando se deram conta de que o Senhor estava com ele. O rei convocou então todas as pessoas, juntamente com a população de Judá e de Benjamim. 10Reuniram-se em Jerusalém, no terceiro mês do ano quinze do seu reinado. 11Nesse dia ofereceram em sacrifício ao Senhor setecentos bois e sete mil ovelhas, animais que faziam parte dos despojos de guerra. 12E comprometeram-se solenemente a seguir, com todo o coração e com toda a alma, o Senhor, Deus dos seus antepassados. 13Comprometeram-se a condenar à morte todo aquele que não seguisse o Senhor, Deus de Israel, fosse ele jovem ou adulto, homem ou mulher. 14Fizeram este juramento para com o Senhor, em voz alta, por entre gritos de alegria e ao som de cornetins e trombetas. 15Todo o povo de Judá fez com muita alegria e com toda a sinceridade este juramento. Todos procuravam encontrar o Senhor e ele fazia com que o encontrassem. Por isso, lhes concedia a paz com todos os seus vizinhos.

16O rei Asa até retirou à rainha-mãe, Macá, o título de rainha, porque ela tinha feito um ídolo da deusa Achera. Mandou destruir esse ídolo, fê-lo em pedaços e queimou-o no vale do Cédron. 17Embora não tenham desaparecido de Israel os santuários pagãos, o rei Asa foi fiel ao Senhor durante a sua vida. 18Fez levar para o templo de Deus as ofertas que tanto ele como o seu pai tinham oferecido ao Senhor: prata, ouro e vários utensílios. 19Não houve guerra até ao ano trinta e cinco do reinado de Asa.

16

Guerra do rei Asa contra Israel

(1 Reis 15,16–22)

161No ano trinta e seis do reinado de Asa, o rei Basa de Israel invadiu Judá e fortificou a cidade de Ramá, a fim de cortar todas as comunicações com Asa, rei de Judá. 2Perante isto, o rei Asa retirou prata e ouro dos tesouros do templo e do palácio real, para os enviar a Ben-Hadad, rei da Síria, que tinha a sua residência em Damasco. Mandou-lhe dizer o seguinte: 3«Vamos fazer uma aliança, tu e eu, como fizeram os nossos pais. Envio-te aqui prata e ouro. Rompe a tua aliança com Basa, rei de Israel, para ele deixar de atacar o meu território.» 4Ben-Hadad aceitou a proposta de Asa e mandou os chefes das suas tropas atacar as cidades de Israel. Conquistaram Ion, Dan, Abel-Maim e todas as cidades de Neftali, com os seus armazéns. 5Quando Basa soube disto, interrompeu os trabalhos da fortificação de Ramá. 6O rei Asa convocou então o povo de Judá, para retirarem de Ramá as pedras e a madeira que Basa tinha usado para fortificar Ramá; e com esses materiais construíram as fortificações de Guibeá e de Mispá.

Asa manda prender o profeta Hanani

7Por aquela altura, o profeta Hanani foi ter com o rei Asa, para lhe dizer: «Uma vez que não foste procurar apoio no Senhor, teu Deus, e foste procurá-lo no rei da Síria, o exército do rei da Síria escapou das tuas mãos. 8Não formavam os etíopes e os líbios um forte exército, com uma cavalaria poderosa e com carros de combate? Apesar disso, o Senhor colocou-os nas tuas mãos, porque te apoiaste nele16,8 Alusão ao episódio referido em 14,8–14.. 9É que o Senhor está atento ao que se passa na terra, para dar força aos que confiam nele com todo o coração. Ora tu, neste ponto procedeste loucamente. Por isso, daqui em diante terás de enfrentar guerras.»

10Asa ficou irritado com o profeta e mandou-o meter na cadeia, por causa das suas palavras. E por essa ocasião também tratou com dureza outras pessoas.

Fim do reinado de Asa

(1 Reis 15,23–24)

11A história de Asa, desde o princípio ao fim, está escrita no livro dos Reis de Judá e de Israel. 12No ano trinta e nove do seu reinado, Asa foi atingido com uma grave doença nos pés; e também na doença, em vez de recorrer ao Senhor, voltou-se para os médicos. 13Morreu no ano quarenta do seu reinado, indo juntar-se aos seus antepassados 14e foi sepultado na cidade de David; no sepulcro que ele tinha preparado. Foi colocado num leito cheio de perfumes, preparados segundo a arte dos perfumistas e fizeram em seguida uma grande fogueira em sua honra.