a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
15

Reformas religiosas de Asa

(1 Reis 15,13–15)

151Azarias, filho de Oded, movido pelo Espírito de Deus, 2foi ter com Asa, para lhe dizer: «Escutem-me Asa e todo o povo de Judá e de Benjamim! O Senhor está convosco, tal como vocês estão com ele. Se o procuram, encontram-no; mas, se o abandonam, também ele vos abandonará. 3Durante muito tempo, Israel viveu sem o verdadeiro Deus e sem sacerdotes para lhe ensinarem a lei15,3 O autor está provavelmente a invocar a época dos Juízes. Ver Jz 2,10–23.. 4Mas quando na sua aflição eles se voltaram para o Senhor, Deus de Israel, e o procuraram, ele fez com que o encontrassem. 5Nesse tempo, não havia segurança para os que viajavam; era um período de grandes perturbações por toda a parte. 6Uma nação destruía outra nação, uma cidade destruía outra cidade, porque Deus os afligia com toda a espécie de calamidades. 7Mas vocês tenham coragem e não desanimem, porque os vossos trabalhos serão recompensados.»

8Quando Asa ouviu as palavras e a mensagem do profeta Azarias, filho de Oded, encheu-se de coragem e fez desaparecer os ídolos de todo o território de Judá e de Benjamim e bem assim de todas as cidades que tinha conquistado nas montanhas de Efraim. Além disso, restaurou o altar do Senhor que estava em frente do pórtico do templo do Senhor. 9Ora habitavam em Judá e Benjamim pessoas de Efraim, de Manassés e de Simeão, que se tinham passado para o lado de Asa, quando se deram conta de que o Senhor estava com ele. O rei convocou então todas as pessoas, juntamente com a população de Judá e de Benjamim. 10Reuniram-se em Jerusalém, no terceiro mês do ano quinze do seu reinado. 11Nesse dia ofereceram em sacrifício ao Senhor setecentos bois e sete mil ovelhas, animais que faziam parte dos despojos de guerra. 12E comprometeram-se solenemente a seguir, com todo o coração e com toda a alma, o Senhor, Deus dos seus antepassados. 13Comprometeram-se a condenar à morte todo aquele que não seguisse o Senhor, Deus de Israel, fosse ele jovem ou adulto, homem ou mulher. 14Fizeram este juramento para com o Senhor, em voz alta, por entre gritos de alegria e ao som de cornetins e trombetas. 15Todo o povo de Judá fez com muita alegria e com toda a sinceridade este juramento. Todos procuravam encontrar o Senhor e ele fazia com que o encontrassem. Por isso, lhes concedia a paz com todos os seus vizinhos.

16O rei Asa até retirou à rainha-mãe, Macá, o título de rainha, porque ela tinha feito um ídolo da deusa Achera. Mandou destruir esse ídolo, fê-lo em pedaços e queimou-o no vale do Cédron. 17Embora não tenham desaparecido de Israel os santuários pagãos, o rei Asa foi fiel ao Senhor durante a sua vida. 18Fez levar para o templo de Deus as ofertas que tanto ele como o seu pai tinham oferecido ao Senhor: prata, ouro e vários utensílios. 19Não houve guerra até ao ano trinta e cinco do reinado de Asa.

16

Guerra do rei Asa contra Israel

(1 Reis 15,16–22)

161No ano trinta e seis do reinado de Asa, o rei Basa de Israel invadiu Judá e fortificou a cidade de Ramá, a fim de cortar todas as comunicações com Asa, rei de Judá. 2Perante isto, o rei Asa retirou prata e ouro dos tesouros do templo e do palácio real, para os enviar a Ben-Hadad, rei da Síria, que tinha a sua residência em Damasco. Mandou-lhe dizer o seguinte: 3«Vamos fazer uma aliança, tu e eu, como fizeram os nossos pais. Envio-te aqui prata e ouro. Rompe a tua aliança com Basa, rei de Israel, para ele deixar de atacar o meu território.» 4Ben-Hadad aceitou a proposta de Asa e mandou os chefes das suas tropas atacar as cidades de Israel. Conquistaram Ion, Dan, Abel-Maim e todas as cidades de Neftali, com os seus armazéns. 5Quando Basa soube disto, interrompeu os trabalhos da fortificação de Ramá. 6O rei Asa convocou então o povo de Judá, para retirarem de Ramá as pedras e a madeira que Basa tinha usado para fortificar Ramá; e com esses materiais construíram as fortificações de Guibeá e de Mispá.

Asa manda prender o profeta Hanani

7Por aquela altura, o profeta Hanani foi ter com o rei Asa, para lhe dizer: «Uma vez que não foste procurar apoio no Senhor, teu Deus, e foste procurá-lo no rei da Síria, o exército do rei da Síria escapou das tuas mãos. 8Não formavam os etíopes e os líbios um forte exército, com uma cavalaria poderosa e com carros de combate? Apesar disso, o Senhor colocou-os nas tuas mãos, porque te apoiaste nele16,8 Alusão ao episódio referido em 14,8–14.. 9É que o Senhor está atento ao que se passa na terra, para dar força aos que confiam nele com todo o coração. Ora tu, neste ponto procedeste loucamente. Por isso, daqui em diante terás de enfrentar guerras.»

10Asa ficou irritado com o profeta e mandou-o meter na cadeia, por causa das suas palavras. E por essa ocasião também tratou com dureza outras pessoas.

Fim do reinado de Asa

(1 Reis 15,23–24)

11A história de Asa, desde o princípio ao fim, está escrita no livro dos Reis de Judá e de Israel. 12No ano trinta e nove do seu reinado, Asa foi atingido com uma grave doença nos pés; e também na doença, em vez de recorrer ao Senhor, voltou-se para os médicos. 13Morreu no ano quarenta do seu reinado, indo juntar-se aos seus antepassados 14e foi sepultado na cidade de David; no sepulcro que ele tinha preparado. Foi colocado num leito cheio de perfumes, preparados segundo a arte dos perfumistas e fizeram em seguida uma grande fogueira em sua honra.

17

Reinado de Josafat

171Sucedeu-lhe o seu filho Josafat, que fortificou as suas posições contra Israel. 2Colocou tropas em todas as cidades fortificadas de Judá e guarnições militares em todo o território e nas cidades da região de Efraim conquistadas pelo pai. 3O Senhor ajudou Josafat, pois ele teve um comportamento semelhante ao que teve David no princípio. Não prestou culto às imagens do deus Baal, 4mas ao Deus de seu pai. Cumpriu os mandamentos e não seguiu o exemplo da gente do reino do Norte. 5Por isso, o Senhor fortaleceu o seu poder real. Todo o povo de Judá lhe oferecia presentes, de tal maneira que teve grande riqueza e prestígio. 6Cumpriu com todo o brio a vontade do Senhor e afastou do território de Judá os santuários pagãos e os símbolos da deusa Achera.

7Durante o terceiro ano do seu reinado, enviou os seus funcionários Ben-Hail, Obadias, Zacarias, Nataniel e Miqueias para ensinarem nas cidades de Judá. 8Foram com eles também os levitas Chemaías, Natanias, Zebadias, Assael, Chemiramot, Jónatas, Adonias, Tobias, Tob-Adonias e os sacerdotes Elisama e Jorão. 9Levaram o livro da lei do Senhor e percorreram todas as cidades de Judá, ensinando o povo.

Grandeza de Josafat

10Todos os reinos vizinhos de Judá sentiam tal respeito pelo Senhor que não se atreveram a combater contra Josafat. 11Alguns filisteus foram levar presentes a Josafat e foram-lhe fazer entrega do seu tributo em prata e os árabes levaram-lhe sete mil e setecentos carneiros e outros tantos bodes.

12Josafat foi-se tornando cada vez mais poderoso. Construiu em Judá algumas fortalezas e cidades para armazém. 13Tinha grandes empreendimentos nas cidades de Judá e teve ao serviço em Jerusalém muitos soldados, 14que estavam agrupados por clãs. Da tribo de Judá era Adná que estava à frente de trezentos mil guerreiros; 15depois, era o comandante Joanan com duzentos e oitenta mil soldados 16e Amazias filho de Zicri, que se tinha consagrado voluntariamente ao serviço do Senhor, com duzentos mil guerreiros. 17Da tribo de Benjamim encontrava-se Eliadá, um valente guerreiro, à frente de duzentos mil homens equipados com arcos e escudos; 18a seu lado, estava Jozabad, à frente de cento e oitenta mil homens, preparados para a guerra. 19Eram estes os soldados que estavam ao serviço do rei, sem contar aqueles que o rei tinha estabelecido nas cidades fortificadas de todo o território de Judá.