a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
20

Oração contra os invasores

201Algum tempo depois, os moabitas e os amonitas, com os seus aliados meunitas20,1 Segundo a antiga tradução grega. entraram em guerra com Josafat. 2Houve então quem fosse levar ao rei, a seguinte informação: «Está a avançar contra ti um grande exército da Síria, do outro lado do mar. Já chegaram a Haçon-Tamar, ou seja En-Guédi!» 3Josafat, cheio de medo, resolveu consultar o Senhor e promulgar um jejum em todo o país. 4Acorreram a Jerusalém pessoas de todas as cidades do país a pedir a ajuda do Senhor. 5Então Josafat pôs-se de pé no meio do povo, que pedia a ajuda do Senhor, no átrio novo do templo, 6e fez esta oração: «Senhor, Deus dos nossos antepassados, tu és o Deus do céu, tu governas todos os povos. Tu tens a força e o poder e ninguém te pode resistir! 7Ó nosso Deus, tu expulsaste os habitantes desta terra, quando aqui chegou o teu povo, Israel, e deste-a para sempre aos descendentes do teu amigo Abraão. 8Estabeleceram-se aqui, construíram um templo para ti e disseram: 9“Se nos vem alguma desgraça como castigo: guerra, peste ou fome, nós viremos apresentar-nos diante de ti neste templo, pois é aqui que tu habitas. Viremos pedir-te ajuda, na nossa aflição, e tu nos escutarás e salvarás.” 10Pois bem, agora são os amonitas e os moabitas e outros povos da montanha que nos vêm atacar. Quando os nossos antepassados saíram do Egito, não permitiste que atravessassem os territórios destes povos. Desviaram-se de lá e não os destruíram. 11Agora, em contrapartida, vêm eles expulsar-nos da terra que tu nos deste. 12Ó nosso Deus, irás deixá-los agora sem castigo? Nós não temos força contra esta multidão que avança contra nós. Não sabemos o que havemos de fazer. Por isso, temos os olhos postos em ti!»

13Toda a população de Judá estava de pé, diante do Senhor, incluindo mulheres e filhos, mesmo os mais pequeninos.

O Senhor dá a vitória

14O Espírito do Senhor apoderou-se, então, dum levita, que estava no meio da multidão. Chamava-se Jaziel e era filho de Zacarias, neto de Benaías e descendente de Jeiel, do levita Matanias e de Assaf. 15Exclamou Jaziel: «Ouçam com atenção, habitantes de Judá e de Jerusalém e também tu, ó rei Josafat! O Senhor manda-vos dizer que não devem ter medo nem se devem assustar diante desse enorme exército, porque esta guerra não é vossa mas de Deus. 16Amanhã descerão contra eles. Eles estão a subir pela encosta de Sis e irão encontrá-los no cimo do ribeiro que está em frente do deserto de Jeruel. 17Não terão necessidade de combater contra eles. Fiquem quietos, sem arredar pé e verão como o Senhor vos alcançará a vitória. Habitantes de Jerusalém e de Judá, não tenham medo nem se assustem! Amanhã avancem contra eles, que o Senhor estará convosco!»

18Então Josafat inclinou-se até à terra e todos os habitantes de Jerusalém e de Judá se inclinaram também, diante do Senhor, para o adorarem. 19Em seguida, os levitas descendentes de Queat e de Corá começaram a louvar o Senhor, Deus de Israel, em voz alta.

20No dia seguinte, levantaram-se cedo para se porem a caminho em direção ao deserto de Técoa. No momento da partida, Josafat falou-lhes desta maneira: «Escutem-me, habitantes de Jerusalém e de Judá! Tenham confiança no Senhor, vosso Deus, e sentirão confiança. Tenham confiança nos seus profetas e tudo correrá bem!»

21Depois de ter consultado o povo, Josafat escolheu alguns cantores para irem à frente do exército, vestidos com trajes sagrados, cantando ao Senhor este hino de louvor: «Deem graças ao Senhor, porque é eterno o seu amor.»

22No momento em que principiaram o cântico de louvor, o Senhor fez com que os amonitas, os moabitas e os outros povos da montanha de Seir, que vinham atacar Judá, armassem ciladas entre si e combatessem uns contra os outros. 23Os amonitas, os moabitas atacaram os da montanha de Seir e destruíram-nos completamente. Os que ficaram mataram-se uns aos outros. 24Quando os homens de Judá chegaram ao sítio donde se pode ver o deserto e olharam para o exército inimigo, apenas viram cadáveres estendidos no solo. Não tinha escapado ninguém. 25Josafat e o seu exército foram então recolher os despojos que tinham ficado da batalha e encontraram entre os cadáveres grandes quantidades de animais, armas, roupas e outros objetos de valor. Havia tanta coisa que levaram três dias a recolher o que havia, sem conseguirem apanhar tudo. 26No quarto dia, reuniram-se no vale de Beracá e ali deram graças ao Senhor. Por isso, deram àquele lugar o nome de Beracá20,26 Beracá significa, em hebraico, “ação de graças”., nome que ainda hoje se conserva. 27Depois disso, todos os homens de Jerusalém e de Judá, com Josafat à frente, puseram-se a caminho para Jerusalém, cheios de alegria. De facto o Senhor tinha-lhes dado uma grande alegria ao livrá-los dos seus inimigos. 28Entraram em Jerusalém, entraram no templo do Senhor ao som de liras, de harpas e de cornetins.

29Ao saberem que o Senhor combatia contra os inimigos de Israel, as outras nações da terra ficaram cheias de medo diante de Deus. 30Assim o reino de Josafat continuou a gozar de tranquilidade, porque o seu Deus lhe concedeu a paz com os vizinhos.

Fim do reinado de Josafat

(1 Reis 22,41–50)

31Josafat tornou-se rei de Judá, quando tinha trinta e cinco anos, e reinou vinte e cinco anos em Jerusalém. A mãe dele era Azuba, filha de Chili. 32Seguiu o exemplo de seu pai Asa, sem se desviar, e o seu procedimento agradou ao Senhor. 33Mas não acabou com os santuários pagãos e o povo não estava firmemente voltado para o Deus de seus antepassados. 34O resto da história de Josafat, desde o princípio até ao fim, está nas Crónicas de Jeú, filho de Hanani e também no livro dos Reis de Israel.

35Mais tarde, Josafat fez uma aliança com Acazias, rei de Israel que tinha mau procedimento. 36Aliou-se com ele para construir navios destinados a fazer viagens para Társis. A construção fazia-se no porto de Ecion-Guéber. 37Então Eliézer, filho de Dodava, de Maressa, pronunciou contra Josafat estas palavras proféticas: «Uma vez que tu fizeste uma aliança com Acazias, o Senhor vai destruir o que tu fizeste.» De facto os navios partiram-se em pedaços e não puderam ir para Társis.

21

Reinado de Jorão

(2 Reis 8,16–24)

211Quando Josafat morreu, sepultaram-no na cidade de David, seu antepassado, e sucedeu-lhe no trono o seu filho Jorão.

2Jorão tinha seis irmãos, filhos de Josafat: Azarias, Jeiel, Zacarias, Azariau, Micael e Chefatias. 3O pai tinha-lhes dado grande quantidade de prata, ouro, objetos de valor, e tinha-lhes entregado cidades fortificadas em Judá. Mas foi a Jorão que ele entregou o reino, por ser o mais velho.

4Logo que este se sentiu seguro no governo do país, passou a fio de espada todos os seus irmãos e também alguns chefes de Israel. 5Jorão tinha trinta e dois anos quando subiu ao trono e reinou oito anos em Jerusalém. 6Seguiu os exemplos dos reis de Israel, tal como tinha feito a família de Acab, pois ele tinha casado com uma filha de Acab. O seu procedimento desagradou ao Senhor. 7Todavia o Senhor não quis acabar com a descendência de David, por causa da aliança que tinha feito com o rei, pois lhes tinha prometido, a ele e aos seus descendentes, que manteria para sempre acesa a sua lâmpada.

8Durante o reinado de Jorão, Edom revoltou-se contra o domínio de Judá e proclamou um rei. 9Jorão pôs-se a caminho com os seus oficiais e com todos os seus carros de combate e, durante a noite, derrotaram os edomeus que os tinham cercado. 10Apesar disso, os edomeus tornaram-se independentes de Judá e assim continuam até ao presente. Na mesma época, também a cidade de Libna se tornou independente, porque Jorão abandonou o Senhor, Deus de seus pais. 11Chegou mesmo a construir santuários pagãos nas montanhas de Judá e levou os habitantes de Jerusalém e de Judá a serem infiéis ao Senhor.

12Em certa altura, Jorão recebeu uma carta do profeta Elias, onde lhe dizia: «O Senhor, Deus do teu antepassado David, declara: “Tu não tens seguido o exemplo do teu pai, Josafat, nem o de teu avô Asa, reis de Judá. 13Pelo contrário, tens seguido o exemplo dos reis de Israel. Fizeste mesmo com que os habitantes de Jerusalém e de Judá adorassem os falsos deuses, como fez a família de Acab. Além disso, assassinaste os teus irmãos, filhos do teu próprio pai, que eram melhores do que tu. 14Por isso, o Senhor vai fazer cair uma praga sobre o teu povo, os teus filhos, as tuas mulheres e sobre todos os teus bens. 15Tu próprio serás castigado com grandes doenças, até ao ponto de saírem para fora do teu corpo, dia após dia, os teus intestinos.”»

16O Senhor fez com que os filisteus e os árabes vizinhos dos etíopes se levantassem enfurecidos contra Jorão. 17Foram atacar Judá, invadindo o país e apoderaram-se de todos os bens que encontraram no palácio do rei. Levaram mesmo os seus filhos e as suas mulheres. Só deixaram Joacaz, o filho mais novo. 18Depois de tudo isto, o Senhor castigou-o com uma doença incurável nos intestinos. 19Passado tempo, cerca de dois anos depois, a violência do mal fez com que lhe saíssem os intestinos e ele morreu com dores horríveis. O povo não fez em sua honra a grande fogueira que tinha feito em honra dos seus antepassados. 20Jorão tinha subido ao trono aos trinta e dois anos de idade e reinou em Jerusalém oito anos. Partiu sem deixar saudades. Ninguém chorou por ele ter morrido. Foi sepultado na cidade de David, mas não ficou nos túmulos reais.

22

Reinado de Acazias

(2 Reis 8,25–29)

221Os habitantes de Jerusalém proclamaram rei, Acazias22,1 Acazias é o mesmo rei que em 21,17 aparece com o nome de Joacaz. As duas formas do nome têm o mesmo significado: “o Senhor segura”. Numa, a referência ao nome de Deus encontra-se no fim da palavra; na outra, no princípio., que era o filho mais novo de Jorão, já que os filhos mais velhos tinham sido mortos pelos bandos de salteadores que tinham invadido o acampamento militar judeu, juntamente com os árabes. Desta forma, subiu ao trono Acazias, filho de Jorão, rei de Judá. 2Tinha vinte e dois anos e reinou um ano em Jerusalém. A mãe dele chamava-se Atália e era descendente de Omeri. 3Também o rei Acazias seguiu os exemplos da família de Acab, pois a mãe aconselhava-o a fazer o mal. 4As suas ações desagradaram ao Senhor, tal como aconteceu com os descendentes de Acab. De facto, eles, após a morte do pai, foram os seus conselheiros, para sua destruição. 5Por seguir esses conselhos, ele foi com Jorão, filho de Acab e rei de Israel atacar Hazael, rei da Síria em Ramot de Guilead. Os arameus feriram Jorão 6que regressou a Jezrael, para se curar dos ferimentos que tinha sofrido em Ramot de Guilead. Acazias foi então a Jezrael visitar Jorão que estava doente.

7Deus serviu-se dessa visita a Jorão para provocar a ruína de Acazias. Apenas chegado, Acazias foi com Jorão ao encontro de Jeú, filho de Nimechi. Ora Jeú tinha sido consagrado rei pelo Senhor, para acabar com a família de Acab. 8Quando Jeú estava a fazer justiça contra a família de Acab, encontrou os chefes de Judá e os sobrinhos de Acazias, que estavam ao serviço do rei e matou-os. 9Em seguida, mandou buscar Acazias, que se tinha escondido na Samaria. Prenderam-no e levaram-no a Jeú que o mandou matar. Mas deram-lhe sepultura, porque se lembraram que ele era filho de Josafat, que seguiu o Senhor de todo o coração. Da família de Acazias, não ficou ninguém que pudesse suceder-lhe como rei.

Atália usurpa o trono

(2 Reis 11,1–20)

10Quando Atália, mãe de Acazias teve conhecimento da morte do filho resolveu eliminar toda a descendência real de Judá. 11Mas Josseba, filha do rei, raptou Joás, filho de Acazias, quando estavam a assassinar os outros filhos do rei. Ela escondeu-o juntamente com a ama, num quarto, de tal forma que Atália não o conseguiu matar. Josseba era filha do rei Jorão, irmã de Acazias e era esposa do sacerdote Joiadá. 12Joás ficou escondido com os seus protetores no templo de Deus, durante seis anos, enquanto durou o reinado de Atália.