a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
6

Discurso de Salomão na consagração do templo

(1 Reis 8,12–66)

61Então o rei Salomão exclamou: «Ó Senhor, tu disseste que desejas habitar na escuridão, 2por isso, construí para ti um templo grandioso, um lugar para lá habitares sempre.»

3Depois Salomão voltou-se para a assembleia que estava de pé, abençoou-a 4e falou-lhe deste modo: «Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, que cumpriu o que prometeu a meu pai, David, quando lhe disse: 5“Desde o dia em que fiz sair o meu povo do Egito, eu não escolhi nenhuma cidade entre as tribos de Israel para lá construir um templo, a fim de nele habitar, nem designei nenhum homem para ser o chefe de Israel, meu povo. 6Mas escolhi Jerusalém para ser o meu santuário e escolhi-te a ti, David, para governares o meu povo.” 7David, meu pai, já teve a intenção de construir um templo para o Senhor, Deus de Israel, 8mas o Senhor disse-lhe: “Tiveste a feliz ideia de me construir um templo, 9mas não serás tu a construí-lo; será o filho que te há de nascer quem mo há de construir.” 10O Senhor cumpriu a sua promessa. Sucedi a meu pai, David, como rei de Israel, tal como o Senhor disse, e construí o templo para o Senhor, Deus de Israel. 11Foi lá que pus a arca com o documento da aliança que o Senhor estabeleceu com Israel.»

Oração de Salomão

12Depois Salomão pôs-se de pé, diante do altar do Senhor, na presença de toda a assembleia de Israel e ergueu as mãos em oração. 13Estava de pé sobre um estrado de bronze que tinha mandado fazer e colocar no meio do átrio principal. Media dois metros e meio tanto de largura como de comprimento e tinha metro e meio de altura. Salomão subiu para o estrado, ajoelhou-se na presença de toda a assembleia de Israel e levantou as mãos para o céu em oração, 14dizendo: «Ó Senhor, Deus de Israel, não há outro deus como tu, nem no céu nem na terra! Tu manténs a tua aliança e a tua bondade para com aqueles que te servem e se comportam com toda a fidelidade para contigo. 15Cumpriste o que prometeste a David, meu pai. Hoje mesmo realizaste o que prometeste. 16Por isso, cumpre também agora a outra promessa que fizeste a meu pai, David, teu servo. Prometeste-lhe que haveria sempre um herdeiro seu a reinar em Israel, contanto que os seus descendentes observassem fielmente a lei do Senhor como David o fez. 17Portanto, ó Senhor, Deus de Israel, cumpre agora esta promessa feita ao teu servo David.

18Mas poderá realmente Deus habitar na terra com os homens? Se o céu, com toda a sua imensidão, não pode conter-te, muito menos este templo que eu te construí! 19Apesar disso, Senhor, meu Deus, atende à minha oração e à minha súplica; escuta o pedido que eu te faço. 20Que os teus olhos vigiem dia e noite sobre este templo, pois é este o lugar onde disseste que estarias presente. Escuta a súplica deste teu servo 21e as súplicas de Israel, teu povo, quando orar neste lugar. Lá do céu, onde habitas, ó Senhor, escuta-nos e perdoa-nos.

22Se alguém pecar contra o seu próximo e for obrigado a vir jurar diante do teu altar, neste templo, 23escuta-o lá do céu. Faz justiça aos teus servos; faz recair sobre o culpado o peso da sua falta e faz com que seja reconhecida a inocência daquele que não tem culpa.

24Se os israelitas forem vencidos pelos inimigos, por terem pecado contra ti, e depois se converterem e te louvarem; se vierem fazer oração e pedir-te perdão neste templo, 25ó Senhor, escuta-os lá dos céus. Perdoa-lhes o seu pecado e faz com que o teu povo volte para a terra que lhes deste a eles e outrora aos seus antepassados.

26Se o céu se fechar e não cair chuva, porque os israelitas pecaram contra ti, mas eles vierem a este lugar para te louvarem; se eles se arrependerem do seu pecado, por causa do teu castigo, 27escuta-os lá do céu e perdoa o seu pecado, pois são os teus servos e o teu povo. Ensina-lhes o bom caminho, que devem seguir, e faz cair a chuva sobre esta terra que é tua e que deste ao teu povo como herança familiar.

28Se o país for atingido pela fome ou pela peste e se as plantas forem atacadas pela ferrugem, pela moléstia, pelos gafanhotos ou pela lagarta, ou se os inimigos cercarem as cidades do país, ou se houver alguma catástrofe ou qualquer epidemia, 29nesses casos, sempre que alguém ou todo o povo te dirigir uma súplica neste templo reconhecendo o seu pecado e a sua desgraça e levantando as mãos para ti, 30ó Senhor, escuta-os lá do céu, onde habitas, e perdoa-lhes. Trata cada um conforme as suas intenções, pois só tu conheces as intenções e o coração dos homens. 31Dessa forma, eles hão de respeitar-te e seguir os teus caminhos, enquanto viverem nesta terra que deste aos nossos antepassados.

32Se um estrangeiro, que não pertence ao teu povo, vem de um país distante, atraído pela tua fama e por ter chegado a toda a parte a grande fama dos teus feitos e do teu poder, quando vier orar voltado para este templo, 33ó Senhor, escuta-o lá do céu onde habitas e concede-lhe o que ele pede. E assim todos os povos da terra te conhecerão e aprenderão a respeitar-te como faz Israel, teu povo. Ficarão a saber que este templo que eu te construí é o teu santuário.

34Se o teu povo entrar em guerra contra os seus inimigos, para onde quer que tu o envies, se te dirigir a oração, voltando-se para esta cidade que tu escolheste e para este templo que eu te construí, 35escuta lá do céu a sua oração e a sua súplica e faz-lhe justiça.

36Poderá, às vezes, acontecer que os israelitas pequem contra ti, pois não há ninguém que não peque, e que tu te irrites e os entregues aos seus inimigos, para os levarem prisioneiros para outros países, próximos ou distantes. 37Se no país para onde forem desterrados se arrependerem e se converterem e se disserem: “Nós pecámos, nós praticámos o mal”; 38se eles te pedirem perdão com todo o seu coração e a sua alma, lá no país do seu cativeiro; e se em oração se voltarem para este país, que deste aos seus antepassados, e para este templo que eu construí, 39escuta lá do céu, onde habitas, as suas orações e as suas súplicas. Faz-lhes justiça e perdoa-lhes, por terem pecado contra ti.

40Ó Senhor meu Deus, que os teus olhos estejam vigilantes e os teus ouvidos atentos às orações feitas neste lugar.

41E agora Senhor, meu Deus, vem habitar nesta tua morada, tu e a arca, onde reside o teu poder.

Que os teus sacerdotes se revistam de salvação

e que os teus fiéis gozem de prosperidade.

42Ó Senhor Deus, não abandones o rei que tu escolheste.

Lembra-te dos favores que concedeste a David, teu servo6,42 Este texto é semelhante ao de Salmos 132,8–10.

7

Sacrifícios na consagração do templo

71Logo que Salomão terminou esta oração, desceu um fogo do céu que consumiu o holocausto e os sacrifícios e a luz da presença do Senhor encheu o templo. 2Por esse motivo, os sacerdotes não conseguiram lá entrar. 3Ao verem o fogo que descia do céu e a luz que enchia o templo, todos os israelitas se ajoelharam e se inclinaram com o rosto por terra, para adorarem e louvarem o Senhor, porque ele é bom e é eterno o seu amor.

4O rei e todo o povo continuavam a oferecer sacrifícios em honra do Senhor. 5Salomão ofereceu vinte e dois mil bois e cento e vinte mil ovelhas. Foi assim que rei e povo inauguraram o templo de Deus. 6Os sacerdotes estavam nos seus postos e os levitas tocavam os instrumentos de música sagrada, que o rei David tinha mandado fazer, para darem graças ao Senhor, «porque é eterno o seu amor», cântico que já David tinha transmitido. Os sacerdotes tocavam cornetim em frente de todo o povo que se mantinha de pé. 7Salomão consagrou a parte central do átrio que está em frente do templo do Senhor. Foi lá que ofereceu holocaustos e a gordura dos sacrifícios de comunhão, porque o altar de bronze que tinha construído não era bastante para todos os holocaustos, sacrifícios e para as gorduras das vítimas. 8Salomão celebrou a festa das Tendas durante sete dias, juntamente com todo o povo, reunido em grande multidão, que tinha vindo desde a entrada de Hamat até à ribeira do Egito. 9No oitavo dia, realizou-se uma reunião de festa, para consagrarem o altar. A festa da Consagração prolongou-se por sete dias. 10No dia vinte e três do sétimo mês, o rei mandou ir toda a gente para suas casas. E todos partiram cheios de alegria pelos favores que o Senhor tinha feito a David, a Salomão e a todo o povo de Israel.

Resposta e promessa de Deus

(1 Reis 9,1–9)

11Quando Salomão terminou as obras do templo do Senhor e do palácio real e concluiu com êxito tudo o que lá tinha planeado fazer, 12o Senhor apareceu-lhe numa noite e disse-lhe: «Eu atendi à tua oração e escolhi este lugar para nele me oferecerem sacrifícios. 13Poderá acontecer que alguma vez eu feche o céu de modo que não haja chuva e que envie gafanhotos para devorarem o país e mande a peste sobre o meu povo. 14Mas se nessa altura este meu povo a quem dei o meu nome se humilhar e fizer oração e se me procurar e abandonar a sua má conduta eu o escutarei lá do céu. Perdoarei os seus pecados e voltarei a dar prosperidade ao seu país. 15Doravante eu estarei atento e escutarei as preces que me fizerem neste lugar. 16É que eu escolhi e consagrei este templo para nele habitar para sempre. Aqui estarão postos os meus olhos e aqui estará o meu coração todos os dias. 17Se tu te comportares para comigo como fez o teu pai David, obedecendo às minhas leis e fazendo tudo o que eu mandei, 18confirmarei a tua autoridade real, como prometi a teu pai David, ao dizer-lhe que nunca faltaria um seu descendente a governar o povo de Israel. 19Mas se vocês se afastarem de mim, se deixarem de seguir as leis e mandamentos que vos dei, para prestarem culto e adorarem outros deuses, 20então hei de tirar-vos desta terra que é minha e que vos dei, e hei de afastar-me para longe do templo que escolhi como meu santuário. E vocês serão motivo de desprezo e de escárnio para todas as nações. 21E este templo antes tão formoso há de causar espanto a todos os que passarem junto dele. Hão de perguntar por que razão é que o Senhor procedeu assim com este país e com este templo. 22E receberão esta resposta: “Foi porque os israelitas abandonaram o Senhor, Deus dos seus antepassados, que os tinha tirado do Egito, e se apegaram a outros deuses, os adoraram e lhes prestaram culto. Por isso, o Senhor fez cair sobre eles todas estas desgraças.”»

8

Outras atividades de Salomão

(1 Reis 9,10–28)

81Vinte anos depois de ter concluído o templo do Senhor e o seu palácio, 2Salomão tinha reconstruído também as cidades que o rei Hiram lhe tinha entregado; e instalou nelas os israelitas.

3Depois foi atacar a cidade de Hamat de Sobá e apoderou-se dela. 4Reconstruiu também a cidade de Tadmor, no deserto, e todas as cidades que tinha edificado na região de Hamat, a fim de armazenar as suas provisões. 5Reconstruiu igualmente Bet-Horon-de-Baixo e Bet-Horon-de-Cima, cidades fortificadas com muralhas, portas e ferrolhos 6e também Baalat e todas as outras cidades onde armazenava provisões ou onde guardava os carros de combate ou os cavalos. Construiu tudo o que quis na cidade de Jerusalém, no monte Líbano e em todo o território que estava sob o seu poder.

7Entre os habitantes do país, ainda havia hititas, amorreus, heveus, perizeus e jebuseus, gente que não era do povo de Israel. 8Eram descendentes daqueles povos que os israelitas não tinham eliminado. A esses, Salomão obrigou-os a trabalhos forçados e assim continuam até ao presente. 9Mas dispensou os israelitas desse género de trabalhos em benefício do rei. Estes prestavam serviço no exército como soldados, como oficiais e como responsáveis pelos carros e pela cavalaria. 10Os capatazes que estavam à frente dos operários eram duzentos e cinquenta.

11Salomão fez com que a sua esposa, filha do faraó, saísse da cidade de David para ir habitar num palácio que construiu para ela. De facto, o rei dizia: «A minha mulher não deve habitar no palácio de David, rei de Israel, porque este edifício, onde esteve a arca do Senhor, também é sagrado.»

12Salomão oferecia ao Senhor holocaustos sobre o altar do Senhor, que tinha mandado erguer, diante do pórtico do templo, 13nos dias determinados pela Lei de Moisés, quer dizer, aos sábados, nas festas do primeiro dia do mês e nas três festas anuais a saber: a festa dos Pães sem Fermento, a festa do Pentecostes e a festa das Tendas. 14Seguindo as instruções de David, seu pai, distribuiu por turnos os sacerdotes, para exercerem as suas funções, e também os levitas que se haviam de encarregar de louvar o Senhor e dar colaboração diariamente aos sacerdotes. Fez o mesmo com os turnos de porteiros destinados às diversas portas, tal como tinha ordenado David, homem de Deus. 15Desta forma, se cumpriram as instruções de David quanto aos sacerdotes, aos levitas e quanto à guarda dos tesouros.

16Realizaram-se todos os planos de Salomão, desde os preparativos para as fundações do templo até aos trabalhos de acabamento. O templo do Senhor ficou concluído com perfeição.

17Salomão dirigiu-se depois para Ecion-Guéber e Elat, à beira-mar, no território de Edom. 18O rei Hiram enviou-lhes navios e marinheiros experimentados. Esses marinheiros foram, com os homens de Salomão, ao país de Ofir, donde levaram cerca de treze toneladas de ouro para o rei Salomão.