a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
11

Paulo contra os falsos apóstolos

111Gostava que me suportassem um pouco mais, mesmo que eu vos pareça insensato. Tenham paciência! 2O interesse que tenho pelo vosso bem-estar é tal que chego a ter ciúmes, em nome de Deus. São como uma noiva pura que dei em casamento a um único homem, que é Cristo. 3Mas tenho receio que se corrompam no entendimento e abandonem a simplicidade e a pureza da fé em Cristo, assim como Eva foi seduzida pela astúcia da serpente11,3 A expressão e a pureza não se encontra em alguns manuscritos antigos. Sobre Eva e a serpente, ver Gn 3,1–6.13.. 4Pois são capazes de aceitar alguém que vos vá falar de um Jesus diferente daquele que vos anunciámos; e são capazes de dar acolhimento a um espírito diferente daquele que já receberam ou a um evangelho diferente do que já aceitaram. 5Ora eu acho que não sou nada inferior a esses tais grandes apóstolos11,5 Ver 1 Co 15,10; 2 Co 12,11; Gl 2,6.9.. 6Talvez eu seja pobre em palavras, mas não em sabedoria. Em todas as coisas vos tenho dado provas disso.

7Anunciei-vos o evangelho de Deus, sem exigir nenhum salário. Rebaixei-me para que pudessem elevar-se. Acham que fiz mal? 8Enquanto estive a trabalhar no vosso meio, outras igrejas pagaram o meu sustento. Quase se podia dizer que as explorei para poder servir-vos. 9Mas enquanto aí estive, mesmo se me faltava alguma coisa, nunca incomodei ninguém. Os crentes que vieram da Macedónia é que me socorreram dando-me o que faltava11,9 Ver Fp 4,15–18.. Não vos quis ser pesado, nem o quero vir a ser. 10Pela verdade de Cristo que está em mim, não quero perder essa honra em nenhuma região da Acaia. 11E por quê? Porque não vos tenho amor? Deus bem sabe!

12Mas procedo assim e hei de continuar a proceder. Não quero dar ocasião para se orgulharem aqueles que julgam ter as mesmas razões que eu tenho. 13Esses tais são falsos apóstolos, trabalhadores mentirosos, e disfarçados11,13 Comparar com Mt 7,15. em apóstolos de Cristo. 14Não é de admirar, pois até o próprio Diabo se disfarça de anjo de luz! 15Por isso não é nada de extraordinário que eles, que na realidade estão ao serviço do Diabo, se disfarcem em pessoas que trabalham na realização da vontade de Deus. Mas eles terão o fim que as suas obras merecem.

Sofrimentos do apóstolo

16Volto a dizer: não pensem que sou insensato. Mas se pensam que o sou, então permitam que me glorie um pouco mais. 17Aquilo que vos digo não será de acordo com o que o Senhor quer, mas falo como se de facto fosse insensato, gloriando-me. 18Já que muitos se andam a gloriar por motivos humanos, também eu o vou fazer. 19Parece que na vossa sensatez aceitam bem os insensatos. 20Aceitam bem os que vos escravizam, vos exploram, vos desprezam e vos batem. 21Não tivemos coragem para fazer isso. Para minha vergonha o digo!

Mas se alguém tem motivos de orgulho — e aqui volto a falar como insensato — também eu os tenho. 22São hebreus de nascimento? Também eu11,22 Comparar com Fp 3,5.! Pertencem ao povo de Israel? Também eu! São descendentes de Abraão? Também eu! 23São servos de Cristo? Falando como insensato, posso dizer que o sou muito mais do que eles. Passei por muito mais trabalhos, prisões, perseguições e perigos de morte, muitas vezes. 24Fui cinco vezes castigado pelos judeus com trinta e nove chicotadas11,24 A lei prescrevia quarenta chicotadas. Ver Dt 25,3. Para não correrem o risco de ultrapassar este número, os hebreus davam só trinta e nove, continuando a chamar-lhe as quarenta chicotadas.. 25Fui três vezes espancado e uma vez apedrejado11,25 Ver At 16,22; 14,19.. Naufraguei três vezes e passei uma noite e um dia perdido no mar. 26Tive de fazer viagens sem conta, sofrendo perigos nos rios; com ladrões, com os compatriotas, com os estrangeiros11,26 Ver At 9,23; 14,5.; perigos na cidade, no deserto, no mar e mesmo entre os falsos irmãos. 27Tive de suportar trabalhos e canseiras, muitas noites sem dormir, fome e sede, muitos dias sem comer, frio e falta de roupa. 28E, além do mais, tenho de carregar diariamente com o peso das preocupações de todas as igrejas. 29Haverá alguém que esteja fraco que eu não me sinta fraco com ele? Haverá alguém que tropece sem que eu sofra também?

30Se é permitido a alguém orgulhar-se, eu também me orgulho naquilo que sofro. 31Deus, Pai do Senhor Jesus — bendito seja ele para sempre — bem sabe que não estou a mentir. 32Em Damasco, o representante do rei Aretas11,32 Rei da Nabateia, território a sul e a oriente da Palestina. mandou fechar as portas da cidade para me apanhar. 33Tiveram que me descer num cesto, por uma janela aberta no muro da cidade, e só assim consegui escapar das suas mãos11,33 Sobre os v. 32–33, ver At 9,23–25. O rei Aretas é Aretas IV, rei dos Nabateus, desde 9 antes de Cristo. O reino dos Nabateus era uma região situada a sudoeste da Palestina..

12

Grandezas e fraquezas do apóstolo

121Embora não seja conveniente alguém gloriar-se é necessário que o faça para falar das visões e revelações que recebi do Senhor. 2Sei de alguém12,2 Paulo refere-se a si mesmo. em Cristo que há catorze anos12,2 Provavelmente nos anos 42–43, durante a estadia de Paulo na Cilícia (ver At 9,30; 11,25; Gl 1,21) ou Antioquia. foi elevado ao mais alto dos céus12,2 Os judeus pensavam que existiam sete céus e que o paraíso se encontrava no terceiro. Paulo refere literalmente o terceiro céu, que algumas traduções mantêm. Como o paraíso representava o espaço ideal, traduzimos por o mais alto dos céus.. Se foi em corpo ou só em espírito, não sei. Deus é que sabe. 3Mas sei que esse homem foi elevado até ao paraíso. Se foi em corpo ou só em espírito, não sei. Deus é que sabe. 4E lá ouviu coisas maravilhosas, coisas que ninguém deve contar. 5É desse que eu me posso orgulhar. De mim não me quero orgulhar, a não ser das minhas fraquezas. 6E mesmo que eu me orgulhasse, não o faria de modo insensato, porque só diria a verdade. Mas quero evitar que alguém tenha de mim uma ideia acima do que pode observar e me ouve dizer. 7E para que eu não ficasse vaidoso com a grandeza dessas revelações, foi colocado no meu corpo um espinho12,7 Ver Gl 4,13–15., um enviado de Satanás que me atormenta continuamente. Isso impede que eu me envaideça. 8Por três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim. 9Mas ele respondeu-me: «Basta que tenhas a minha graça. Pois a minha força manifesta-se melhor nas fraquezas.» Por isso, acho muito melhor orgulhar-me das minhas fraquezas, para que a força de Cristo desça sobre mim. 10Alegro-me, portanto, com as fraquezas, as injúrias, as privações, as perseguições e as angústias que passei por amor de Cristo. Pois quando me sinto fraco, então é que sou forte.

Preocupações pela igreja de Corinto

11Fui insensato em falar assim. Mas obrigaram-me a isso, pois o vosso dever era defender-me. Ainda que eu não seja ninguém, não valho menos do que esses tais grandes apóstolos. 12Enquanto estava convosco dei provas de ser um verdadeiro apóstolo: comportei-me com toda a paciência, com sinais, prodígios e milagres poderosos. 13Em que é que foram tratados com menos consideração do que as outras igrejas? Só se for no facto de em nada vos ter sido pesado. Perdoem-me essa ofensa!

14Estou disposto a ir aí pela terceira vez12,14 A primeira estada de Paulo em Corinto deu-se quando ali fundou a comunidade cristã. Ver At 18. A segunda estada é evocada em 13,2.. E também desta vez não vos quero ser pesado. O que me interessa são vocês e não os vossos bens. Pois não são os filhos que ganham para os pais, mas os pais que ganham para os filhos. 15Estou disposto a gastar tudo o que tenho e até a mim próprio para vosso bem. E se vos mostro tanto amor, será que vou ser menos amado?

16Mesmo sabendo que não vos sobrecarreguei alguns podiam ainda pensar que vos tratei com esperteza e vos apanhei na armadilha. 17Será que vos enviei alguém para vos explorar? 18Pedi a Tito que aí fosse, juntamente com o outro companheiro12,18 Ver 8,18.. Será que Tito vos explorou? Não se comportou ele com o mesmo espírito e não procedeu da mesma forma que nós?

19Talvez estejam há muito a pensar que queremos defender-nos aos vossos olhos. Mas falamos diante de Deus e o que fazemos é com o pensamento em Cristo. E em tudo isto, queridos amigos, só procuro o vosso bem. 20Pois tenho receio de chegar aí e de vos encontrar diferentes daquilo que eu gostaria e também que vão achar-me diferente daquilo que esperavam. Tenho medo de vos encontrar metidos em lutas, invejas, irritações, inimizades, críticas, murmurações, arrogâncias e desordens. 21Que o meu Deus não me faça sentir vergonha diante de vós, quando eu aí chegar de novo. E que eu não tenha de chorar por muitos dos que no passado cometeram pecados e não se arrependeram da imoralidade, do desregramento sensual e da libertinagem em que viviam.

13

Avisos de Paulo

131Vou visitar-vos pela terceira vez. Como diz a Sagrada Escritura: toda a acusação deve ser apoiada na palavra de duas ou três pessoas13,1 Ver Dt 19,15; Mt 18,16; 1 Tm 5,19; Hb 10,28.. 2Já vos avisei quando aí estive pela segunda vez e agora volto a fazê-lo. Aqueles que cometeram pecados e todos os outros devem saber que quando eu voltar não vou ter misericórdia deles. 3Assim vou dar-vos as provas que querem de que Cristo fala por mim. Ele não se mostra fraco para convosco mas poderoso no vosso meio. 4Pois foi crucificado em fraqueza, mas vive pelo poder de Deus. Assim também nós somos fracos nele mas viveremos com ele pelo poder de Deus para vosso benefício.

5Façam um exame das vossas vidas e vejam bem se a vossa fé é verdadeira. Será que reconhecem a presença de Jesus Cristo nas vossas vidas? Se não, são reprovados por Deus! 6Espero que saibam que não somos reprovados por Deus. 7Pedimos a Deus que não façam nenhum mal. Não para que sejamos com isso aprovados, mas para que façam o bem, ainda que pareça que fomos reprovados. 8Com efeito, nada podemos fazer contra a verdade, mas sim a favor da verdade. 9Sentimos alegria em ser fracos, quando vos vemos assim fortes. O que pedimos é que cheguem à maturidade completa. 10Escrevo estas coisas antes de aí chegar, para não ter de proceder com dureza quando aí estiver. O Senhor deu-me autoridade para vos ajudar a crescer na fé e não para vos destruir.

Saudação final

11Termino, irmãos, com um pedido: sejam alegres, procurem alcançar a maturidade completa e animem-se uns aos outros. Vivam unidos e em boa harmonia, e o Deus de amor e de paz estará convosco.

12Saúdem-se uns aos outros com um beijo fraterno.

Daqui, todos os irmãos na fé vos mandam saudações.

13Que a graça do Senhor Jesus Cristo e o amor de Deus e a comunhão com o Espírito Santo estejam com todos vós13,13 Sobre a justaposição de Jesus, Deus e Espírito Santo na mesma bênção, ver Mt 28,19; Jo 14,16; Rm 1,4; 15,16.30; 2 Co 1,21–22; Ef 1,13–14; 2,18; 1 Pe 1,2..