a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
20

Doença e cura de Ezequias

201Por este tempo, o rei Ezequias foi atingido por uma doença mortal. O profeta Isaías, filho de Amós, foi visitá-lo e disse-lhe da parte do Senhor: «Faz o testamento, porque não irás viver por muito mais tempo.»

2Então Ezequias voltou-se para a parede e orou ao Senhor desta maneira: 3«Ó Senhor, lembra-te que procedi para contigo com lealdade, sinceridade e com um coração íntegro, que fiz sempre o que te agrada.» E irrompeu num grande choro.

4Isaías saiu mas, antes de ter chegado ao átrio central, o Senhor ordenou-lhe 5que voltasse para junto de Ezequias, o guia do povo do Senhor, e lhe dissesse: «Esta é a mensagem do Senhor, Deus do teu antepassado David: Ouvi a tua oração e vi as tuas lágrimas. Vou curar-te! Dentro de três dias poderás ir ao templo. 6Vou conceder-te mais quinze anos de vida! Além disso, salvar-te-ei a ti e a Jerusalém do poder do rei da Assíria. Defenderei esta cidade, por quem sou e por fidelidade ao meu servo, David.»

7Então Isaías mandou preparar uma pasta de figos esmagados, aplicou-a sobre a parte doente e o rei melhorou. 8Então Ezequias perguntou a Isaías: «Qual será o sinal de que o Senhor me curará e de que dentro de três dias já poderei ir ao templo?»

9Isaías respondeu: «Este é o sinal que o Senhor te dá para saberes que ele cumprirá a sua promessa: a sombra vai adiantar-se dez degraus na escada de Acaz20,9 Aqui e no do v. 11 o texto hebraico é de difícil compreensão. Parece tratar-se de um antigo relógio de sol.. Ou preferes que a sombra recue dez degraus?» 10Ezequias respondeu: «É fácil a sombra adiantar dez degraus; prefiro que atrase.» 11Então o profeta Isaías orou ao Senhor e ele fez a sombra atrasar dez degraus da escada de Acaz.

Ezequias recebe mensageiros da Babilónia

12Por aquela altura, o rei da Babilónia, Merodac-Baladan, filho de Baladan, ao ouvir dizer que Ezequias tinha estado doente, enviou-lhe embaixadores com uma carta e presentes. 13Ezequias deu as boas-vindas aos mensageiros e mostrou-lhes o palácio em que guardava os objetos de valor: a prata e o ouro, os perfumes e os unguentos. Mostrou-lhes ainda o local em que estava o arsenal de guerra e tudo o que havia nos seus depósitos. Não havia nada de valor que Ezequias não lhes mostrasse, tanto no seu palácio como em todos os seus domínios.

14Então o profeta Isaías foi ter com o rei Ezequias e perguntou-lhe: «De onde é que vieram esses homens e que é que te disseram?» Ezequias respondeu: «Vieram de muito longe, da Babilónia!» 15Isaías perguntou-lhe ainda: «O que é que eles viram no teu palácio?» Ezequias respondeu: «Viram todo o meu palácio. Mostrei-lhes tudo o que havia nos meus tesouros.»

16Então Isaías disse a Ezequias: «Escuta com atenção a sentença do Senhor! 17“Um dia virá em que tudo o que tens no teu palácio e quanto os teus predecessores entesouraram, será levado para a Babilónia. Não ficará aqui, diz o Senhor! 18Inclusivamente, hão de levar alguns dos teus próprios descendentes, para os fazer eunucos ao serviço do rei no palácio da Babilónia.”»

19Ezequias respondeu a Isaías: «É uma boa notícia que me dás da parte do Senhor.» É que ele pensava para consigo: «Assim enquanto eu viver, haverá paz e segurança.»

20O resto da história de Ezequias, os seus feitos e as suas façanhas, a construção do reservatório e do aqueduto, com o qual levou água a toda a cidade de Jerusalém20,20 As escavações arqueológicas trouxeram à luz o aqueduto mandado construir por Ezequias para levar água à cidade de Jerusalém, a partir da nascente de Guion. Ver 1 Rs 1,33.41 e notas., está tudo escrito no livro das Crónicas dos Reis de Judá. 21Quando Ezequias morreu, sucedeu-lhe no trono o seu filho Manassés.

21

Manassés, rei de Judá

211Manassés tinha doze anos quando subiu ao trono. Reinou durante cinquenta e cinco anos, em Jerusalém. A sua mãe chamava-se Hafsiba. 2Imitando as abomináveis práticas dos povos que o Senhor tinha expulsado da frente do povo de Israel, Manassés fez aquilo que desagrada ao Senhor. 3Reconstruiu os santuários pagãos, que o rei Ezequias, seu pai, tinha destruído; levantou altares para adoração de Baal e fez uma imagem da deusa Achera, como o rei Acab de Israel tinha feito. Manassés adorou também os astros e prestou-lhes culto. 4Ergueu altares pagãos no templo de Jerusalém, sobre o qual o Senhor tinha declarado que seria o seu santuário. 5Levantou altares a todos os astros, nos dois átrios do templo. 6Sacrificou no fogo o seu próprio filho como oferta aos deuses, praticou magia e adivinhação, espiritismo e bruxaria. Fazia continuamente o que desagradava ao Senhor e provocou a sua ira. 7Colocou também o ídolo de Achera no templo de Jerusalém, sobre o qual o Senhor tinha dito a David e ao seu filho Salomão: «Aqui, no templo de Jerusalém, cidade que escolhi de entre todas das doze tribos de Israel, farei para sempre o meu santuário. 8E, se o povo de Israel obedecer a todos os meus mandamentos e cumprir toda a lei, que o meu servo Moisés lhe transmitiu, não o obrigarei mais a sair desta terra, que dei aos seus antepassados21,8 Em hebraico: aos seus pais. Ver 2 Rs 8,19; 13,23; 1 Rs 8,34.48.

9Porém o povo de Judá não obedeceu ao Senhor e Manassés levou-o a cometer ainda maiores pecados do que os dos povos que o Senhor tinha expulsado da terra que entregou ao seu povo.

10Então o Senhor encarregou os profetas, seus servos, de dizerem: 11«O rei Manassés de Judá cometeu todos estes atos abomináveis; ele conduziu-se ainda pior do que os amorreus, que ali viviam outrora; com os seus ídolos, levou o povo de Judá a pecar. 12Por isso, eu, o Senhor, Deus de Israel, declaro que vou fazer cair sobre Jerusalém e Judá, uma desgraça tão grande que fará atordoar os ouvidos daqueles que a ouvirem contar. 13Vou tratar Jerusalém com a mesma medida que usei para Samaria e a família de Acab; limparei Jerusalém da sua gente, como quem limpa um prato e o vira para baixo para escorrer. 14Abandonarei o resto do meu povo e entregá-lo-ei ao poder dos seus inimigos, que os saquearão e despojarão de tudo. 15Procederei assim, porque o meu povo não deixou de fazer o que me desagrada e de me irritar, desde o dia em que os seus antepassados saíram do Egito até agora.»

16O rei Manassés matou tanta gente inocente que a cidade de Jerusalém ficou cheia de sangue21,16 Alusão aos sacrifícios humanos oferecidos por Manassés (v. 6) ou à condenação à morte de inocentes.; os seus crimes juntam-se a todos os pecados que ele levou o povo de Judá a cometer, fazendo só o que desagradava ao Senhor.

17O resto da história de Manassés, com tudo o que ele fez e os pecados que cometeu, está tudo escrito no livro das Crónicas dos Reis de Judá. 18Quando Manassés morreu, foi sepultado no jardim do seu palácio, chamado Jardim de Uzá. Sucedeu-lhe no trono o seu filho Amon.

Amon, rei de Judá

19Amon tinha vinte e dois anos, quando subiu ao trono. Reinou durante dois anos, em Jerusalém. A sua mãe chamava-se Mechulemet e era filha de Harus, e natural de Jotba. 20Tal como Manassés, seu pai, Amon fez o que desagradava ao Senhor. 21Seguiu todos os maus exemplos de seu pai e, tal como ele, adorou os ídolos e prestou-lhes culto. 22Não se conduziu como o Senhor desejava; pelo contrário, abandonou o Senhor, Deus dos seus antepassados.

23Os oficiais de Amon conspiraram contra ele e assassinaram-no no seu palácio. 24Porém o povo matou todos os conspiradores e proclamou para lhe suceder no trono o seu filho Josias.

25O resto da história de Amon e tudo o que ele fez, está tudo escrito no livro das Crónicas dos Reis de Judá. 26Amon foi sepultado no seu túmulo, no Jardim de Uzá, sucedendo-lhe no trono o seu filho Josias.

22

Josias, rei de Judá

221Josias tinha oito anos de idade quando subiu ao trono. Reinou durante trinta e um anos, em Jerusalém. A sua mãe chamava-se Jedida e era filha de Adaías e natural de Bocecat. 2Josias fez o que era reto e agradava ao Senhor; conduziu-se em tudo como o seu antepassado David, sem nunca se ter desviado dos seus exemplos.

Descoberta do livro da lei

3No décimo oitavo ano do seu reinado, Josias enviou ao templo o seu secretário Chafan, filho de Açalias e neto de Mechulam, e disse-lhe: 4«Vai ter com o sumo sacerdote Hilquias e diz-lhe que mande contar o dinheiro que o povo dá para o templo e que é recolhido pelos sacerdotes que estão a guardar a entrada. 5Que se entregue esse dinheiro aos encarregados das obras do templo, para pagamento dos que trabalham na reparação do edifício, 6carpinteiros, canteiros e pedreiros, e para comprar a madeira e as pedras de cantaria necessárias às reparações. 7Os encarregados das obras são pessoas dignas de confiança, de modo que não há necessidade de lhes pedir contas.»

8Depois de ter recebido a mensagem, o sumo sacerdote informou Chafan de que tinha encontrado no templo o livro da lei22,8 Este livro da lei compreendia provavelmente os elementos essenciais do Deuteronómio atual. Há quem pense que poderia tratar-se do Pentateuco. e entregou-lho. Chafan leu-o, 9depois foi prestar contas ao rei da missão que lhe tinha confiado e disse-lhe: «Os sacerdotes esvaziaram o cofre do templo e entregaram o dinheiro aos encarregados das obras de reparação no templo do Senhor10Depois acrescentou: «O sumo sacerdote Hilquias entregou-me este livro.» E leu-o em voz alta para o rei.

Josias consulta a profetisa Hulda

11Quando o rei ouviu a leitura do livro da lei, rasgou, consternado, as suas vestes 12e enviou o sumo sacerdote Hilquias, Aicam, filho de Chafan, Acbor, filho de Miqueias, o seu secretário Chafan e Assaías, um dos seus oficiais, com esta ordem: 13«Vão consultar o Senhor por mim e pelo povo de Judá sobre o conteúdo deste livro que acaba de ser descoberto. A cólera do Senhor contra nós deve ser muito grande, porque os nossos antepassados não obedeceram às ordens que aqui estão escritas.»

14O sumo sacerdote Hilquias, Aicam, Acbor, Chafan e Assaías foram ter com a profetisa Hulda, que vivia na parte nova de Jerusalém. O marido chamava-se Salum; era filho de Ticvá e neto de Haras e era encarregado do guarda-roupa do templo. Contaram-lhe o que tinha acontecido 15e ela deu-lhes esta resposta para eles levarem ao rei: 16«É isto que diz o Senhor, Deus de Israel: “Vou enviar contra Jerusalém e contra os seus habitantes todas as desgraças escritas no livro que o rei de Judá ouviu ler. 17Eles abandonaram-me e ofereceram incenso a outros deuses, e tudo isto me irritou. Por tal razão, a minha irritação contra este lugar é grande e não se acalmará. 18Digam, pois, ao rei, que vos mandou ter comigo, aquilo que diz o Senhor, Deus de Israel: Tu escutaste o que está escrito nesse livro 19e arrependeste-te e humilhaste-te diante de mim, quando ouviste o que eu disse a respeito de Jerusalém e dos seus habitantes. Tu arrependeste-te, rasgaste as tuas roupas em sinal de tristeza e choraste. Por isso, eu escutei a tua oração 20e vou-te deixar morrer em paz e juntar-te aos teus antepassados, no sepulcro, sem que os teus olhos vejam a desgraça que hei de enviar contra Jerusalém.”» Os enviados voltaram para contar tudo ao rei.