a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
4

Contra as mulheres importantes de Samaria

41Ouçam bem isto, vacas de Basã4,1 Basã. Região situada a este do lago de Tiberíades muito rica em prados e em pastagens.. Exploram os fracos e oprimem os pobres e dizem aos grandes do país: «Tragam vinho e bebamos!» 2O Senhor Deus jurou pela sua honra: «hão de vir dias terríveis em que sereis arrastadas com ganchos e os vossos filhos com arpões de pesca. 3Saireis pelos buracos dos muros, uma de cada vez, e arrastadas para o Hermon.»

Palavra do Senhor.

Contra o ritualismo das festas

4O Senhor Deus disse:

«Povo de Israel, venham ao santuário de Betel e pequem, ao santuário de Guilgal e pequem ainda mais! Tragam os animais para o sacrifício cada manhã, e os vossos dízimos de três em três dias. 5Ofereçam a Deus o vosso pão sem fermento em sacrifício de ação de graças, anunciem e proclamem publicamente as vossas ofertas voluntárias! Na verdade, é este o vosso amor por mim, ó filhos de Israel?

6Fui eu também que te recusei a comida para os dentes, em todas as tuas cidades, e que mandei fome de pão a todas as tuas casas. Mesmo assim não voltaste para mim.

Palavra do Senhor.

7Fui eu também que te neguei a chuva4,7 Ver 1 Rs 17,1; Jr 3,3; 14,1–6. faltando ainda três meses para a colheita4,7 Isto é, quando as colheitas mais precisavam.. Fiz com que chovesse sobre uma cidade e não chovesse sobre outra. Um campo tinha chuva e outro ficou seco por falta dela. 8Obrigado pela sede, o povo de várias cidades foi à procura de água a uma outra cidade, mas não conseguiram matar a sede. Mesmo assim, tu não voltaste para mim.

Palavra do Senhor.

9Enviei contra ti o míldio e a ferrugem. A maior parte das tuas vinhas e jardins, das tuas figueiras e oliveiras foi devorada pelas lagartas. Mesmo assim, tu não voltaste para mim.

Palavra do Senhor.

10Enviei contra ti a peste4,10 Ver Ex 9,3. como fiz contra o Egito. Matei os teus jovens na guerra e apoderei-me dos teus cavalos. Enchi o vosso nariz com o cheiro infeto dos cadáveres dos teus acampamentos. Mesmo assim, tu não voltaste para mim.

Palavra do Senhor.

11Mandei contra ti uma catástrofe como a enorme catástrofe de Sodoma e Gomorra4,11 Ver Gn 19,24–25.. Ficaste como um tição tirado do fogo. Mesmo assim, tu não voltaste para mim. Palavra do Senhor.

12Portanto, povo de Israel, é assim que eu te vou tratar novamente. E como te vou tratar desta maneira, prepara-te para compareceres diante do teu Deus.»

Palavra do Senhor.

13Eis aquele que fez as montanhas e criou os ventos.

Ele revela ao homem qual é o seu desígnio;

das trevas produz a aurora,

e caminha por cima das alturas da terra.

O seu nome é: Senhor, Deus todo-poderoso!

5

Chamada ao arrependimento

51Ouve, povo de Israel, este cântico fúnebre que eu vou cantar a vosso favor:

2«A virgem de Israel caiu no abismo,

nunca mais se levantará!

Está por terra, abandonada,

e ninguém a levanta.»

3O Senhor Deus diz:

«A cidade de Israel que recrutar mil soldados para a guerra, apenas cem hão de voltar, e a cidade que recrutar cem, apenas dez hão de voltar.»

4Assim diz o Senhor ao povo de Israel:

«Procurem-me e hão de viver! 5Deixem-se de procurar o santuário de Betel, de entrar no de Guilgal e de passar pelo de Bercheba, porque o povo que frequenta Guilgal vai ser exilado, e o que frequenta Betel vai ser reduzido a nada.

6Procurem o Senhor e hão de viver! Caso contrário, mostrar-se-á contra os descendentes de José5,6 Descendentes de José. No sentido estrito, a expressão designa as tribos de Efraim e de Manassés, cujos antepassados eram filhos de José (ver Gn 48,1). Por extensão, serve para designar o conjunto do reino israelita do Norte, de que Efraim e Manassés eram as tribos principais. como um fogo que há de devorar o povo de Betel, e ninguém será capaz de o apagar.

7Ai dos que mudam o direito em veneno e calcam aos pés a justiça.

8O Senhor fez as constelações de Plêiades e Orion5,8 Ver Jb 9,9; 38,31.;

aquele que muda as trevas em manhã

e transforma o dia em noite.

Chama pelas águas do mar

e espalha-as sobre a terra.

O seu nome é: “Senhor!”

9De repente, ele destrói o homem forte

e abate a cidade poderosa.

10Eles odeiam os que lutam pela justiça nos tribunais, e detestam os que procuram dizer toda a verdade. 11Pois bem! Já que impõem as vossas taxas ao pobre5,11 Literalmente: pisam o pobre. e o obrigam a pagar um tributo sobre o trigo, não hão de habitar as casas de boa pedra que construíram, nem hão de beber o vinho das boas vinhas que plantaram. 12Pois eu conheço a quantidade dos vossos crimes e dos vossos pecados sem conta. Perseguem o homem justo, exigem resgate, e não deixam que os pobres sejam devidamente julgados nos tribunais. 13Por isso, em tempos tão maus como estes, o homem sensato fica quieto.

14Procurem o bem e não o mal para poderem viver. Só então é que o Senhor, Deus todo-poderoso estará convosco, como dizem. 15Odeiem o mal, amem o bem, ponham justiça nos tribunais. Talvez que o Senhor Deus todo-poderoso tenha compaixão do resto dos descendentes de José.»

16Assim fala o Senhor Deus todo-poderoso:

«Vai haver lamentações e gritos de dor em todas as ruas e praças. Até os camponeses vão ser convidados para as lamentações, ao lado dos que são pagos para tal. 17Haverá lamentações em todas as vinhas, porque eu vou passar no vosso meio para os castigar.»

Foi o Senhor quem falou.

18Ai dos que suspiram pelo dia do Senhor! De que é que serve para vocês o dia do Senhor, se ele vai ser um dia de trevas e não de luz? 19Vai acontecer-vos como a um homem que foge diante de um leão e encontra um urso; ou como alguém que entra em casa, apoia a mão na parede e é mordido por uma serpente. 20Não acham que o dia do Senhor vai ser de trevas e não de luz? E que vai ser um dia de escuridão sem claridade?

Deus recusa o culto de Israel

21«Odeio e desprezo as vossas festas. Não me agradam as vossas cerimónias litúrgicas. 22Ainda que me ofereçam animais em sacrifício ou me tragam outras ofertas, não as aceito. Nem sequer olho para os animais gordos dos vossos sacrifícios. 23Afastem de mim o barulho dos vossos cânticos; não posso ouvir a música das vossas harpas. 24Quero, sim, que a justiça corra como as águas, e aquilo que é reto, como um rio que nunca seca.

25Povo de Israel, porventura me ofereceram sacrifícios e ofertas durante os quarenta anos que vos conduzi pelo deserto? 26Mas levaram em procissão as imagens de Sicut, vosso deus-rei, e Quiun5,26 Sicut e Quiun. Divindades provavelmente de origem assíria. Ver 2 Rs 17,30., vosso deus astral, que fabricaram para os adorar. 27Por isso, vou mandar-vos para o exílio, para além das terras de Damasco.»

É isto que diz o Senhor, cujo nome é: Deus todo-poderoso.

6

Destruição de Israel

61Ai daqueles que vivem tranquilos em Sião, e seguros na Samaria! Pensam que são os eleitos das nações e todo o povo de Israel vem ter com eles. 2Mas vão à cidade de Calné e vejam bem. Depois vão à grande cidade de Hamat e desçam ainda à cidade de Gat6,2 Calné e Hamat. Cidades arameias conquistadas pelos assírios em 738 a.C. Gat. Uma das cinco principais cidades da Filisteia que passaram ao protetorado assírio em 734 a.C. dos filisteus. Porventura são melhores que estas nações? Ou a terra deles é maior do que a vossa? 3Querem afastar o dia da desgraça mas afinal, são vocês mesmos que apressam o reino da violência. 4Deitam-se em leitos de marfim, estendem-se em sofás luxuosos e a comer a carne dos cordeiros e das vitelas do estábulo. 5Tocam canções, acompanhados à harpa e inventam instrumentos musicais à maneira de David. 6Bebem vinho em taças de cristal e usam perfumes caríssimos, e não se afligem com a desgraça de Israel. 7Por isso, vão ser os primeiros a irem para o exílio, e acabam-se as comezainas em sofás de luxo.

8O Senhor, Deus todo-poderoso jura solenemente pela sua vida:

«Detesto a arrogância do povo de Israel, desprezo os seus palácios e vou entregar a sua capital e todo o seu recheio aos seus inimigos. 9Se ficarem dez pessoas numa família, hão de morrer. 10Um parente e o encarregado da sepultura vão retirar os cadáveres da casa e dirá o que está fora para aquele que está lá dentro:

“Há ainda aí mais algum?”

Ele responderá: “Não!”

Então o parente dirá: “Silêncio!”

Pois não é altura para pronunciar o nome do Senhor

11De facto o Senhor vai ordenar a destruição completa das casas grandes e pequenas. 12Porventura os cavalos galopam entre as rochas? Ou pode-se lavrar o mar com bois? Mas transformaram a justiça em veneno e o que é direito em maldade. 13Gabam-se por terem conquistado a cidade de Lodabar e dizem ainda: «Não foi pelas nossas forças que nós conquistámos Carnaim6,13 Lodabar e Carnaim. Cidades da Transjordânia?

14Povo de Israel, vou mandar contra vocês uma nação estrangeira que vos há de conquistar, desde o desfiladeiro de Hamat, até ao vale de Arabá6,14 Desfiladeiro de Hamat. Limite setentrional tradicional do reino de Israel. Ver Js 13,5. Vale de Arabá. Limite meridional do reino de Israel, a este do Jordão, junto ao mar Morto.

Palavra do Senhor, Deus todo-poderoso: