a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
7

Regresso de Esdras a Jerusalém

71Já depois destes acontecimentos, no reinado de Artaxerxes, rei da Pérsia, chegou Esdras, filho de Seraías. Os seus outros antepassados foram: Azarias, Hilquias, 2Salum, Sadoc, Aitube, 3Amarias, Azarias, Meraiot, 4Zeraías, Uzi, Buqui, 5Abisua, Fineias, Eleazar e Aarão, o sumo sacerdote. 6Esdras era um escriba instruído na lei que o Senhor, Deus de Israel, deu a Moisés. E, como o Senhor Deus o protegia, o rei concedeu-lhe tudo o que ele lhe pediu. 7Foi por isso que ele pôde voltar da Babilónia para Jerusalém, no sétimo ano do rei Artaxerxes, acompanhado de muitos israelitas, incluindo sacerdotes, levitas, cantores, porteiros e os serventes do templo.

8Chegaram a Jerusalém no quinto mês do sétimo ano do rei. 9Pois no primeiro dia do primeiro mês, foi iniciado o regresso da Babilónia e chegaram a Jerusalém no primeiro dia do quinto mês, porque a mão bondosa do seu Deus estava com eles. 10Esdras tinha dedicado a sua vida ao estudo da lei do Senhor, para a pôr em prática e para ensinar os seus mandamentos e preceitos ao povo de Israel.

Carta de Artaxerxes a Esdras

11Eis a cópia da carta que Artaxerxes deu a Esdras, sacerdote e escriba instruído nas leis e mandamentos que o Senhor dera a Israel, antes de partir para Jerusalém:

12«O imperador Artaxerxes a Esdras, sacerdote e escriba instruído na lei do Deus do céu. 13Dou ordem para que, em todo o meu império, os israelitas que assim o desejem, incluindo sacerdotes e levitas, possam ir contigo para Jerusalém. 14Eu, o rei, e os meus sete conselheiros enviamos-te para averiguares como está a ser cumprida em Judá e Jerusalém a lei do teu Deus, a lei que trazes contigo nas tuas mãos. 15Levarás a prata e ouro que eu, o rei, e os meus conselheiros oferecemos voluntariamente ao Deus de Israel, que tem o templo em Jerusalém. 16Levarás igualmente toda a prata e ouro que conseguires juntar na província da Babilónia, bem como as ofertas voluntárias que as pessoas do povo e sacerdotes queiram dar para o templo.

17Com esse dinheiro, tratarás de comprar vitelos, carneiros, cordeiros, cereais e vinho, para ofereceres sobre o altar do templo, do vosso Deus, em Jerusalém. 18Com o que restar da prata e do ouro, tu e os teus companheiros farão o que melhor entenderem, de acordo com a vontade de Deus. 19Apresentarás diante de Deus, em Jerusalém, os objetos que te forem entregues para o culto no templo. 20Poderás obter na tesouraria real tudo o mais que seja necessário para outras despesas que tenhas de fazer para o templo do teu Deus.

21Eu próprio, Artaxerxes, dou ordens a todos os tesoureiros a oeste do rio Eufrates para entregarem a Esdras, sacerdote e escriba instruído na lei do Deus do céu, tudo o que ele pedir, 22até à quantia de três mil quilos de prata, trinta mil quilos de trigo, quatro mil litros de vinho, quatro mil litros de azeite e todo o sal que seja preciso.

23Tudo aquilo que exija o Deus do céu para o seu templo deve ser dado prontamente, para que não envie algum castigo sobre mim ou sobre os meus filhos. 24Determino também que fique proibido receber contribuições, impostos e direitos de passagem dos sacerdotes, levitas, cantores, porteiros ou dos serventes do templo de Deus. 25E tu Esdras, usando da sabedoria que Deus te deu, deverás nomear administradores e juízes que governem o povo que, a oeste do Eufrates, conhece a lei de Deus. Ensina mesmo essa lei àqueles que a não conhecem. 26E se alguém não cumprir as leis do teu Deus ou as leis do rei, que seja condenado sem hesitações à morte ou ao desterro, à confiscação dos bens ou à prisão.»

Esdras agradece a Deus

27«Bendito seja o Senhor, Deus de nossos pais, porque inspirou o rei a honrar o templo do Senhor em Jerusalém. 28Foi pela misericórdia de Deus que eu agradei ao rei e aos seus conselheiros, aos príncipes e pessoas importantes da corte. Foi o Senhor, meu Deus, que me protegeu e me deu coragem para poder reunir os chefes dos israelitas que regressaram comigo.»

8

Os que regressaram com Esdras

81Aqui fica, com indicação das respetivas genealogias, a lista dos chefes de família que regressaram do cativeiro da Babilónia com Esdras, no reinado de Artaxerxes.

2Gerson, dos descendentes de Fineias; Daniel, dos descendentes de Itamar; Hatus, filho de Checanias, dos descendentes de David; 3Zacarias, dos descendentes de Parós, acompanhado de cento e cinquenta homens inscritos no registo de família; 4Elioenai, filho de Zeraías, dos descendentes de Paat-Moab, acompanhado de duzentos homens; 5Checanias, filho de Jaziel, dos descendentes de Zatu, acompanhado de trezentos homens; 6Ébed, filho de Jonatan, dos descendentes de Adin, acompanhado de cinquenta homens; 7Jesaías, filho de Atalias, dos descendentes de Elam, acompanhado de setenta homens; 8Zebadias, filho de Micael, dos descendentes de Chefatias, acompanhado de oitenta homens; 9Obadias, filho de Jeiel, dos descendentes de Joab, acompanhado de duzentos e dezoito homens; 10Chelomite, filho de Josefias, dos descendentes de Bani, acompanhado de cento e sessenta homens; 11Zacarias, filho de Bebai, dos descendentes de Bebai, acompanhado de vinte e oito homens; 12Joanan, filho de Catan, dos descendentes de Azegad, acompanhado de cento e dez homens; 13Elifelet, Jeiel e Chemaías, últimos descendentes de Adonicam, acompanhados de sessenta homens. 14Utai e Zabud, dos descendentes de Bigvai, acompanhados de setenta homens.

Servidores para o templo

15Reuni-os a todos junto do rio que corre para Aava e acampámos lá três dias. Tendo então procurado entre o povo e os sacerdotes, não encontrei nenhum levita. 16Mandei por isso chamar Eliézer, Ariel, Chemaías, Elnatan, Jarib, Elnatan, Natan, Zacarias e Mechulam, que eram dirigentes e também os escribas Jarib e Elnatan. 17Mandei-os ir ter com Ido, chefe duma localidade chamada Cassífia, para lhe dizerem a ele e aos seus companheiros, os serventes do templo, que nos enviassem pessoas para prestarem serviço no templo de Deus. 18Graças à proteção do nosso Deus, eles mandaram-nos Cherebias, homem entendido, um israelita descendente da família de Mali, que era um dos ramos da tribo de Levi, vindo com ele seus filhos e irmãos, em número de dezoito. 19Mandaram igualmente Hassabias e Isaías que eram da família de Merari, com seus filhos e irmãos, em número de vinte pessoas. 20Além disso, dentre os serventes que David e os seus colaboradores tinham destinado ao serviço dos levitas, mandaram duzentos e vinte, indicando os nomes de todos eles.

Preparativos para a viagem

21Ali, junto do rio Aava, dei ordens para todos nós jejuarmos e para nos humilharmos diante do nosso Deus e lhe pedirmos que nos protegesse na viagem, a nós, aos nossos filhos e a tudo o que nos pertencia. 22É que eu tinha-me envergonhado de pedir ao rei uma escolta de cavaleiros que nos defendessem contra os inimigos, durante a viagem. Isto, porque eu lhe tinha dito que Deus protege todos aqueles que o servem, mas castiga fortemente os que o abandonam. 23Por isso, nós jejuámos e orámos ao nosso Deus e ele ouviu-nos.

24Entre os chefes dos sacerdotes escolhi doze, com Cherebias, Hassabias e dez companheiros seus. 25Em seguida, pesei diante deles a prata, o ouro e os objetos oferecidos ao templo do nosso Deus pelo rei, pelos seus cortesãos e oficiais e pelos israelitas que estavam presentes. 26Entreguei-lhes cerca de vinte toneladas de prata, três toneladas de objetos preciosos em prata e três toneladas de ouro, 27vinte taças de ouro, no valor de mil peças8,27 As peças referem-se a moedas de ouro cunhadas pelo rei persa Dario, e que no texto hebraico recebem o nome de dáricos. Alguns autores preferem traduzir por cerca de 8 quilos de ouro, que parece equivaler à soma total das moedas referidas. e dois vasos de bronze polido e brilhante tão valioso como se fossem de ouro. 28Depois disse-lhes: «Vocês estão consagrados ao Senhor. Igualmente consagrados estão estes objetos de prata e ouro que espontaneamente foram oferecidos ao Senhor Deus de vossos pais. 29Guardem-nos com cuidado até os pesarem diante dos chefes dos sacerdotes e dos levitas e diante dos chefes de família de Israel, em Jerusalém, nas salas do tesouro do templo do Senhor30Os sacerdotes e os levitas receberam então a prata, o ouro e os utensílios, depois de terem sido pesados para os levarem para Jerusalém e entregarem no templo do nosso Deus.

Chegada a Jerusalém

31Partimos do rio Aava para nos dirigirmos a Jerusalém, no dia doze do primeiro mês. O nosso Deus ajudou-nos e protegeu-nos dos ataques e emboscadas do inimigo durante a viagem. 32Depois de termos chegado a Jerusalém, descansámos durante três dias. 33No quarto dia, pesou-se no templo de Deus a prata, o ouro e os diversos objetos e entregou-se tudo ao sacerdote Meremot, filho de Urias. Estavam com ele Eleazar, filho de Fineias, e os levitas Jozabad, filho de Josué, e Noadias, filho de Binui. 34Foi tudo contado e pesado e, finalmente, tudo foi registado por escrito.

35Os que tinham regressado do cativeiro ofereceram então, em nome de todo o povo, holocaustos ao Deus de Israel: doze vitelos por todo o povo de Israel, noventa e seis carneiros, setenta e sete cordeiros e doze bodes para oferta pelos pecados. Todos estes animais foram queimados em holocausto ao Senhor. 36Depois transmitiram as ordens do rei às autoridades e aos governadores da província8,36 Governadores das províncias. Também conhecidos por sátrapas. a oeste do rio Eufrates que, de facto, foram favoráveis ao povo e ao templo de Deus.

9

Casamentos proibidos

91Já depois de tudo isto, vieram ter comigo alguns dos chefes para me dizerem: «Os israelitas, incluindo sacerdotes e levitas, não se afastaram da gente deste país, quer dizer cananeus, hititas, perizeus, jebuseus, amonitas, moabitas, egípcios e amorreus. Caíram nas mesmas práticas de idolatria em que eles viviam. 2Tanto eles como os seus filhos casaram com mulheres pagãs e assim o povo santo de Deus ficou misturado com estes povos. Os próprios chefes e dirigentes foram os primeiros a cair neste pecado.»

3Ao ouvir tais coisas, rasguei as minhas roupas em sinal de luto, arranquei o meu cabelo e a minha barba e sentei-me no chão profundamente desanimado. 4E uniram-se a mim todos os que temiam o castigo do Deus de Israel, por causa dos pecados daqueles que tinham voltado do cativeiro. Estive assim até à hora do sacrifício da tarde.

Oração de Esdras pelos pecados do povo

5Ao chegar a hora do sacrifício da tarde, levantei-me da minha prostração e, ainda com as roupas rasgadas, pus-me de joelhos, levantei as mãos para orar ao Senhor 6e clamei: «Ó meu Deus, eu sinto-me muito envergonhado e confuso para levantar o meu rosto para ti, porque os nossos pecados se multiplicaram acima das nossas cabeças e as nossas faltas foram-se aumentando até ao céu. 7Desde o tempo dos nossos antepassados, até hoje, temos pecado muito. Foi por causa das nossas transgressões que nós, os nossos reis e os nossos sacerdotes, caímos nas mãos de reis estrangeiros e fomos feridos, roubados e sujeitos à situação vergonhosa em que ainda nos encontramos. 8Apesar disso, ainda há pouco tempo, Senhor, nosso Deus, acabaste de mostrar a tua bondade para connosco, fazendo com que alguns de nós conseguissem a liberdade e encontrassem refúgio neste lugar santo, o que foi uma luz para os nossos olhos e um pouco de vida no meio da nossa escravidão. 9Porque nós, de facto, éramos escravos, mas tu não nos abandonaste na nossa escravidão. Pela tua bondade, fizeste com que os reis da Pérsia nos deixassem viver para levantarmos de novo o nosso templo das ruínas em que se encontrava e para acharmos segurança em Judá e Jerusalém! 10Que podemos nós dizer agora, depois de tudo isto, uma vez que não cumprimos os teus mandamentos, 11que nos deste por meio dos profetas, teus servos? Eles tinham ensinado que a terra que nós iríamos possuir estava contaminada pelas práticas de idolatria da gente que lá habitava e que enchiam essa terra duma ponta à outra.

12Portanto agora, não queremos consentir que as nossas filhas se casem com os filhos deles, nem os nossos filhos se casem com as suas filhas, nem procuremos estar em paz e de bem com eles, a fim de podermos ser fortes e gozarmos dos bens deste país, que havemos de deixar como herança aos nossos descendentes para sempre.

13Depois de tudo o que nos aconteceu, por causa das nossas más ações e graves faltas, nós reconhecemos que, mesmo assim, nos castigaste menos do que merecíamos, pois concedeste-nos esta libertação. 14Poderemos nós voltar a transgredir os teus preceitos e realizar casamentos com esta gente de práticas tão detestáveis? Não te irritarias contra nós até ao ponto de nos destruíres completamente, sem ninguém mais sobreviver?

15Ó Senhor, Deus de Israel, tu és bondoso, porque deixaste que um resto de nós sobrevivesse até ao dia de hoje, como se pode ver. Reconhecemos diante de ti as nossas faltas, sabendo que não podemos estar na tua presença, por causa disso.»