a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
1

Saudação

11Da parte de Paulo, designado apóstolo, não pelos homens nem por qualquer intermediário humano, mas por Jesus Cristo e por Deus Pai, que ressuscitou Jesus da morte, 2e da parte de todos os irmãos que estão comigo, às igrejas da Galácia.

3Que Deus, nosso Pai, e Jesus Cristo, nosso Senhor, vos deem graça e paz. 4Foi Jesus Cristo que se entregou à morte, por causa dos nossos pecados, para nos libertar deste mundo mau em que estamos, cumprindo assim a vontade de Deus, nosso Pai. 5Glória lhe seja dada para sempre. Ámen.

A única boa nova

6Admiro-me muito que estejam a abandonar tão depressa aquele que vos chamou pela graça de Cristo e que estejam a seguir um evangelho diferente1,6 Segundo os pregadores desse evangelho diferente, o acesso à salvação exige, para além da fé em Jesus Cristo, a submissão às prescrições da lei judaica, nomeadamente no que diz respeito à circuncisão.. 7Não é que exista outro evangelho, mas a verdade é que há umas certas pessoas que vos causam confusão e que querem modificar o evangelho de Cristo. 8Que seja maldito quem vos anunciar um evangelho diferente daquele que vos anunciámos. Ainda que fôssemos nós próprios ou mesmo um anjo do Céu! 9Repito o que acabo de dizer: se alguém vos anunciar um evangelho diferente daquele que receberam, seja maldito!

10Porventura procuro eu mais a aprovação dos homens do que a de Deus ou procuro agradar aos homens? Se procurasse agradar-lhes não seria verdadeiro servo de Cristo.

Foi Deus quem chamou Paulo

11Meus irmãos, fiquem a saber que o evangelho que eu vos anunciei não é de origem humana. 12Pois não o recebi nem o aprendi de qualquer pessoa, mas foi Jesus Cristo quem mo revelou.

13Certamente já ouviram falar do modo como eu vivia quando seguia a religião judaica. Sabem como eu perseguia com violência a igreja de Deus e procurava destruí-la. 14Estava a ultrapassar muitos outros judeus do meu tempo devido ao grande zelo pelas tradições dos meus antepassados. 15Mas Deus, pela sua graça, escolheu-me ainda antes de eu nascer e chamou-me para o servir. E, quando Deus assim o quis, 16deu-me a conhecer o seu Filho para que fosse anunciá-lo aos não-judeus. Não fui logo pedir conselhos a ninguém, 17nem voltei a Jerusalém para me encontrar com os que eram apóstolos antes de mim. Mas fui para a Arábia e depois voltei para Damasco. 18Passados três anos, fui a Jerusalém para me encontrar com Pedro e estive duas semanas com ele. 19E não vi nenhum outro apóstolo, a não ser Tiago, o irmão do Senhor1,19 Tiago. Um dos principais dirigentes da igreja de Jerusalém. Ver Gl 2,9; At 15,13.. 20O que vos escrevo é verdade. Deus sabe que não estou a mentir.

21Depois, fui para as regiões da Síria e da Cilícia. 22As igrejas de Cristo que estavam na Judeia não me conheciam pessoalmente. 23Apenas ouviam dizer: «Aquele que dantes nos perseguia agora anda a pregar a fé que primeiro queria destruir.» 24E davam glória a Deus por causa de mim.

2

Paulo é aceite pelos outros apóstolos

21Catorze anos mais tarde, voltei a Jerusalém. Fui com Barnabé e também levei Tito comigo. 2Fui lá porque Deus me tinha dado a conhecer que devia ir. Numa reunião particular com os responsáveis, expliquei-lhes o evangelho que eu anuncio aos não-judeus. Não queria que aquilo que tinha feito e continuo a fazer fosse inútil. 3Ora bem, Tito, que estava comigo e que não é judeu, não foi obrigado a receber a circuncisão, 4embora alguns que se faziam passar por irmãos e se tinham juntado a nós quisessem que ele se circuncidasse. Esses tinham lá entrado como espiões para verem a liberdade que nós temos em Jesus Cristo, a fim de nos fazerem novamente escravos da lei. 5Mas nem por um momento nos deixámos levar por eles, para que a verdade do evangelho pudesse chegar intacta até vós. 6Aqueles que eram reconhecidos como responsáveis não alteraram em nada a minha mensagem. Na verdade, a mim nem me importa o que eles eram, pois Deus não julga pelas aparências. 7Pelo contrário, eles reconheceram que Deus me tinha encarregado de anunciar o evangelho aos não-judeus, tal como tinha encarregado Pedro de anunciar o evangelho aos judeus. 8Tal como Deus atuou por meio de Pedro, em favor dos judeus, atuou por meu intermédio para os não-judeus. 9Tiago, Pedro e João, que eram os mais considerados, reconheceram que Deus me tinha confiado esta missão e deram-nos as mãos, a mim e a Barnabé, em sinal de acordo. E assim, concordámos em que nos dirigíssemos aos não-judeus, e eles aos judeus. 10Só nos recomendaram que nos lembrássemos dos pobres, coisa que eu sempre tenho procurado fazer.

Paulo chama a atenção a Pedro

11Mas quando Pedro foi a Antioquia, resisti-lhe frontalmente, porque merecia ser repreendido. 12Com efeito, antes de terem chegado certas pessoas do grupo de Tiago, ele comia com os não-judeus. Mas quando chegaram essas pessoas, ele afastava-se e já não comia com eles, porque tinha medo dos partidários da circuncisão. 13Outros crentes de origem judaica caíram na mesma hipocrisia de Pedro e até o próprio Barnabé se deixou levar por essa atitude hipócrita. 14Quando vi que não estavam a comportar-se como deviam em relação à verdade do evangelho, disse a Pedro, diante de todos: «Tu, que és judeu, tens vivido como os que não são judeus, sem seguir os costumes judaicos. Como é que então queres obrigar os não-judeus a seguir os costumes judaicos?»

Judeus e não-judeus salvos pela fé

15Nós somos judeus por nascimento e não somos pecadores como os não-judeus. 16Sabemos porém que uma pessoa não é justificada pelo cumprimento da lei mas por meio da fé em Jesus Cristo. Ora nós cremos em Jesus Cristo para sermos justificados pela fé e não por termos feito o que a lei manda. Pois ninguém será justificado perante Deus por cumprir a lei. 17Então se, procurando ser justificados pela nossa união com Cristo, somos considerados pecadores como esses tais, quer isso dizer que é Cristo promotor de pecado? De modo nenhum. 18Se volto a construir aquilo que tinha destruído, então mostro-me culpado.

19Morri no que respeita à lei. Foi a mesma lei que me fez morrer para eu viver para Deus. Estou crucificado com Cristo. 20Por isso, já não sou eu que vivo; é Cristo que vive em mim. E a minha vida presente vivo-a por meio da fé no Filho de Deus que me amou e deu a sua vida por mim. 21Não desprezo a graça de Deus, pois se alguém pudesse ser justificado pelo cumprimento da lei, então a morte de Cristo de nada serviria.

3

Abençoados por meio da fé

31Ó gálatas sem juízo! Quem foi que vos fascinou? Eu tinha-vos feito ver Jesus Cristo crucificado. 2Só quero que me digam isto: será que receberam o Espírito de Deus por terem cumprido a lei ou por terem respondido à boa nova com fé? 3Como podem ser tão faltos de juízo? Começaram pelo Espírito de Deus e querem agora terminar pelas vossas próprias forças? 4Não vos serviu de nada a experiência que tiveram? Talvez tenha valido alguma coisa. 5Será então que Deus vos concede o seu Espírito e realiza prodígios no meio de vós porque cumprem o que manda a lei ou porque aceitam a fé?

6É como aconteceu com Abraão que acreditou em Deus e por isso Deus o considerou justo3,6 Ver Gn 15,6; Rm 4,3. 7Pela mesma razão devem compreender que os que têm fé é que são os verdadeiros descendentes de Abraão. 8A Escritura tinha previsto que Deus havia de justificar os não-judeus por meio da fé. Foi assim que prometeu a Abraão: Por meio de ti todos os povos serão abençoados3,8 Referência a Gn 12,2–3. Tal como em At 3,25, afirma-se que a promessa feita a Abraão se cumpre pelo anúncio da boa nova do evangelho a toda a gente.. 9Abraão acreditou e foi abençoado; e assim todos aqueles que creem são abençoados com ele.

10Os que estão sujeitos à Lei de Moisés estão sujeitos à maldição, pois está escrito: Maldito aquele que não cumpre tudo o que está escrito no livro da lei! 11É evidente que, pela lei, ninguém será justificado perante Deus, pois a Escritura afirma: O justo viverá pela fé. 12Ora a lei não tem que ver com a fé, pois diz: Quem cumpre estas coisas viverá por elas3,12 Ver Lv. 18,5; Rm 10,5..

13Cristo libertou-nos da maldição da lei, tornando-se ele maldito por nossa causa. Com efeito, a Escritura diz: Maldito todo aquele que é pendurado num madeiro3,13 O homem pendurado no madeiro, isto é, na cruz, era objeto da maldição de Deus, segundo se depreende de Dt 21,23 e nota.. 14Aconteceu assim para que a bênção prometida por Deus a Abraão chegasse aos não-judeus por meio de Jesus Cristo, e para que recebêssemos pela fé o Espírito prometido por Deus.

A promessa de Deus e a lei

15Meus irmãos, apresento-vos um exemplo da vida corrente: quando alguém faz um testamento em forma legal, ninguém o pode anular nem acrescentar nada. 16Ora bem, Deus fez as suas promessas a Abraão e à sua descendência. A Escritura não diz «aos seus descendentes», como se se tratasse de muitas pessoas, mas à tua descendência3,16 Ver Gn 12,7; 13,15., indicando assim uma só pessoa, que é Cristo. 17O que eu quero dizer é isto: Deus fez um pacto que é válido. A lei, que veio quatrocentos e trinta anos mais tarde, não podia anular aquele pacto e deixar sem valor a promessa de Deus. 18Ora, se aquilo que Deus dá como herança dependesse da lei, não seria através da promessa. Mas foi pela promessa que Deus o concedeu a Abraão.

19Para que serve então a lei? A lei veio depois para mostrar aquilo que é contra a vontade de Deus. E só devia durar até que viesse aquela descendência, a quem a promessa se destinava. Essa lei foi dada pelos anjos e houve um homem que serviu de mediador3,19 Referência a uma antiga tradição já mencionada, em At 7,53, segundo a qual a revelação da lei de Deus a Moisés, no Sinai, tinha sido feita por intermédio dos anjos.. 20Mas não é preciso mediador, quando se trata de uma só pessoa; e Deus é um só.

Herdeiros do que Deus prometeu

21Quer isto dizer que a lei estará contra as promessas de Deus? De modo nenhum. Se tivesse sido dada uma lei capaz de comunicar a vida, então o homem seria justificado por meio dessa lei. 22Mas a Escritura declarou que todas as coisas estão sujeitas ao pecado, para que a promessa de Deus fosse dada aos crentes, pela fé em Jesus Cristo.

23Antes de chegar a fé, a lei mantinha-nos prisioneiros, à espera que a fé fosse dada a conhecer. 24Dessa maneira, a lei foi a nossa educadora, até que viesse Cristo, a fim de sermos justificados por meio da fé. 25Agora que veio o tempo da fé, já não estamos sujeitos à lei como nossa educadora.

26Pois pela fé que vos une a Jesus Cristo são todos filhos de Deus. 27Com efeito, todos os que foram batizados em Cristo revestiram-se das qualidades de Cristo. 28Não há diferença entre judeus e não-judeus, entre escravos e pessoas livres, entre homem e mulher3,28 Ver Gn 1,27.. Agora constituem um todo em união com Cristo Jesus. 29E se são de Cristo, então são descendência de Abraão e herdeiros de acordo com a promessa.