a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
1

Deus manda reconstruir o templo

11No segundo ano do reinado de Dario, no primeiro dia do sexto mês1,1 Corresponde aos finais de agosto de 520 a.C., o Senhor dirigiu-se ao profeta Ageu para ele ir falar ao governador de Judá, Zorobabel, filho de Salatiel e ao sumo sacerdote Josué, filho de Joçadac.

2O Senhor todo-poderoso disse a Ageu: «Esta gente diz que ainda não chegou o tempo de se reconstruir o templo1,2 O templo de Jerusalém tinha sido assaltado e incendiado em 587 a.C. pelos babilónios. Ver Jr 52,12–23.3Ageu falou-lhes deste modo em nome do Senhor todo-poderoso: 4«Ora bem, eu pergunto se é tempo para vocês viverem em casas luxuosas, enquanto o meu templo está em ruínas. 5Prestem atenção ao vosso procedimento — declara o Senhor todo-poderoso. 6Vocês semearam muito, mas recolhem pouco. Têm alimento, mas não o bastante para ficarem saciados; têm que beber, mas não o suficiente para ficarem satisfeitos; têm roupas para vestir, mas não chegam para se aquecerem; o operário ganha o seu salário, mas é como se caísse em saco-roto. 7Eu, o Senhor todo-poderoso volto a avisar-vos! Reparem no vosso modo de proceder! 8Subam, pois, à montanha, tragam madeira e reconstruam o meu templo. Ficarei então satisfeito por ser lá adorado. Palavra do Senhor!

9Vocês esperaram grandes colheitas, mas obtiveram pouco. E o pouco que guardaram eu o dissipei com um sopro. E por quê? — pergunta o Senhor todo-poderoso. É por causa do meu templo que está em ruínas, enquanto cada um de vocês se preocupa com a sua casa. 10É por isso que dos céus não caiu chuva nem as terras produziram. 11Provoquei a seca na terra e nas montanhas, nos campos de trigo, nas vinhas e nos olivais e em tudo o que a terra devia produzir, em todo o povo e nos animais. E assim ficaram comprometidos os vossos animais e todo o vosso trabalho.»

O povo obedece às ordens do Senhor

12Zorobabel, filho de Salatiel, o sumo sacerdote Josué, filho de Joçadac, e todo o resto do povo tiveram medo e prestaram atenção ao que o Senhor Deus lhes disse, por meio do profeta Ageu, tal como o Senhor Deus lhe mandou. 13Então Ageu, enviado do Senhor, falou ao povo desta maneira em nome de Deus: «Eu garanto que estarei convosco! Palavra do Senhor

14Desta forma, o Senhor despertou o entusiasmo de Zorobabel, governador de Judá, do sumo sacerdote Josué e do resto do povo. Puseram-se todos a trabalhar para reconstruírem o templo do seu Deus, o Senhor todo-poderoso. 15Era o dia vinte e quatro do sexto mês do rei Dario.

2

A grandeza do novo templo

21No segundo ano do rei Dario, no dia vinte e um do sétimo mês, o Senhor dirigiu-se novamente ao profeta Ageu, 2para ele ir falar a Zorobabel, governador de Judá, ao sumo sacerdote Josué e a todo o resto do povo.

3Falou-lhes deste modo: «Aqueles que no vosso meio ainda se lembram do primeiro templo, certamente reconhecem que o atual não se compara com ele. 4Mas eu digo-vos:

“Coragem Zorobabel! Coragem Josué!

Coragem povo do meu país!

Vamos ao trabalho que eu estarei convosco!

Palavra do Senhor todo-poderoso!

5Eu estarei no vosso meio,

tal como vos prometi, quando saíram do Egito.

Não tenham medo.

6Porque assim diz o Senhor todo-poderoso:

Dentro de pouco tempo, farei estremecer o céu e a terra,

os mares e os continentes.

7Farei tremer todas as nações,

que hão de trazer aqui as suas riquezas

e, de novo, encherei o meu templo de grandeza;

Palavra do Senhor todo-poderoso.

8É a mim que pertence a prata e o ouro!

Palavra do Senhor todo-poderoso!

9A grandeza do novo templo será maior que a do primeiro.

E neste lugar, eu vos concederei a paz.

Palavra do Senhor todo-poderoso!”»

Deus repreende o povo infiel

10No dia vinte e quatro do nono mês desse segundo ano do reinado de Dario2,10 Pelos meados de dezembro de 520 a.C., o Senhor dirigiu-se novamente ao profeta Ageu, 11para ele falar em nome do Senhor aos sacerdotes acerca da lei. E falou-lhes assim: 12«Suponhamos que alguém leva um bocado de carne retirada do sacrifício, escondida no seu fato. Se ele tocar com o fato no pão, nos legumes, no vinho ou azeite ou em qualquer outro alimento, tal alimento terá de ser consagrado exclusivamente a Deus?» Os sacerdotes responderam que não. 13Ageu continuou: «Suponhamos ainda que alguém se tornou impuro, por ter tocado num cadáver. Se tocar em seguida nalguma dessas coisas, elas ficarão impuras2,13 Sobre a impureza ritual, ver Lv 22,4 e no Glossário Puro e Purificação.?» A isto os sacerdotes responderam que sim.

14Então Ageu comentou: «Acontece o mesmo com esta gente e com este povo. Tudo o que fazem e tudo o que me oferecem é impuro. 15Daqui por diante, pensem bem nisto: antes de começarem a colocar pedra sobre pedra, para reconstruírem o templo do Senhor, que é que sucedia? 16Quando alguém estava à espera de encontrar vinte medidas de trigo no celeiro, não achava senão dez; quando alguém esperava tirar cinquenta medidas de vinho de uma cuba, só encontrava vinte. 17Eu destruí com pragas, com míldio e granizo todo o trabalho das vossas mãos e vocês não se voltaram para mim. Palavra do Senhor! 18Daqui por diante, vejam o que irá suceder. Hoje mesmo, dia vinte e quatro do nono mês, foram lançados os alicerces do meu templo. 19Pois bem, não há ainda grão nas searas de trigo, nem a vinha, a figueira, a romãzeira e a oliveira produzem os seus frutos, mas a partir de hoje eu vos abençoarei.»

Promessas a Zorobabel

20Nesse mesmo dia, vinte e quatro do mês, o Senhor dirigiu-se uma segunda vez a Ageu 21para ir falar a Zorobabel, governador de Judá, filho de Salatiel. Assim disse o Senhor: «Eu farei tremer o céu e a terra; 22deitarei por terra os tronos dos reis do mundo e desfarei a sua força; destruirei os carros e os que neles se sentam; morrerão os cavalos e os cavaleiros hão de matar-se uns aos outros à espada. 23Naquele dia, tu Zorobabel meu servo, filho de Salatiel, serás para mim como um anel de selar, porque eu mesmo te escolhi! Palavra do Senhor, todo-poderoso!»