a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
4

Deus acusa o seu povo

41Ouçam a palavra do Senhor, habitantes de Israel.

O Senhor chama a tribunal os habitantes do país:

«Não há lealdade, nem bondade,

nem conhecimento de Deus nesta terra.

2Amaldiçoa-se, atraiçoa-se, assassina-se e rouba-se;

os adultérios multiplicam-se

e os homicídios sucedem-se uns aos outros.

3Por isso, a seca vai causar estragos no país:

os seus habitantes vão morrer,

juntamente com os animais do campo e as aves do céu;

e até os peixes vão desaparecer.»

Pecado dos sacerdotes

4«Que ninguém acuse, nem repreenda,

eu é que te vou acusar, ó sacerdote!

5Tu hás de tropeçar, durante o dia,

e o teu aliado, o profeta, há de tropeçar de noite;

a tua própria pátria ficará destruída.

6O meu povo está destruído, porque não me reconhece.

E o culpado és tu, que os impediste de me conhecerem.

Também eu te afastarei de mim,

e não serás mais meu sacerdote4,6 Os sacerdotes tinham por obrigação conservar e transmitir o ensino (lei) de Deus. Ver Dt 33,10..

7Todos os sacerdotes pecaram contra mim;

também eu mudarei a sua dignidade em vergonha.

8Alimentam-se dos sacrifícios

que o meu povo me oferece pelos pecados

e só desejam que o povo continue a pecar.

9Mas os sacerdotes serão tratados como o povo:

vou castigá-los por causa dos seus maus caminhos,

e terão que pagar pelas suas más ações.

10Comerão, mas não ficarão saciados,

prostituir-se-ão, mas isso não dará fruto.

Eles esqueceram-me, a mim, o Senhor,

para praticarem a prostituição.

11A vida desregrada e as bebedeiras

fazem perder o juízo ao meu povo.

12Andam a consultar os ídolos de madeira;

é a um pedaço de madeira4,12 Pedaço de Madeira. Alusão a práticas religiosas com o fim de conhecer o futuro. O ídolo é chamado ironicamente “pedaço de madeira”. Ver Jz 6,25–26. que eles vão pedir

que lhes revele qualquer mistério.

O desejo de prostituição extravia-os,

e, assim, afastam-se do seu Deus.

13Fazem banquetes pagãos no cimo das montanhas,

e nas colinas sobe o fumo dos seus sacrifícios,

debaixo dos carvalhos, dos choupos e terebintos,

cuja sombra lhes é agradável.

É por tudo isto que as vossas filhas se prostituem

e as vossas noras cometem adultério.

14Mas não vou castigar as vossas filhas

por se prostituírem,

nem as vossas noras por cometerem adultério,

pois são os homens que vão ter com as prostitutas

e oferecem sacrifícios com as prostitutas dos templos.

E um povo sem juízo é um povo perdido.

15Se tu, Israel, praticas a prostituição,

que ao menos Judá não cometa tais faltas!

Deixem de frequentar o lugar santo de Guilgal,

deixem de subir a Bet-Aven4,15 Guilgal. Lugar de culto no antigo Israel. Ver Js 4,19–20; 5,2–9. Bet-Aven significa “casa de pecado”. Aparece aqui como nome de desprezo da cidade de Betel, que significa “casa de Deus”. Ver Am 3,14; 4,4; 5,5.,

deixem de jurar, dizendo: “Juro pelo Deus vivo!”

16Se Israel é como uma vaca brava a morrer,

poderá o Senhor deixá-los pastar em campo aberto?

17O povo de Efraim4,17 Efraim. Nome da principal tribo israelita do Norte. Aqui designa todo o conjunto do reino de Israel. apegou-se aos ídolos. Deixem-no!

18Quando terminam as suas bebedeiras,

entregam-se à vida de prostituição.

Os seus chefes gostam de viver na desonra.

19Um furacão vai envolvê-los nas suas asas,

e hão de ter vergonha dos seus sacrifícios.»

5

Pecados dos responsáveis de Israel

51«Escutem com atenção o que vos digo,

ó sacerdotes e dirigentes de Israel

e funcionários da corte real!

Competia-vos estabelecer a justiça5,1 Ou: esta é a sentença contra vós..

Mas vocês foram uma armadilha em Mispá5,1 Mispá. Na Bíblia várias localidades são designadas por este nome. Aqui refere provavelmente uma localidade 13 km a norte de Jerusalém.,

uma rede estendida no monte Tabor5,1 Monte Tabor. Sitim. Centros de culto cananeus contestados por Oseias, juntamente com Bet-Aven e Guilgal. Ver nota a 4,15.

2e um fosso profundo em Sitim.

Por isso, vou castigar-vos a todos.

3Eu conheço bem Efraim,

Israel não é para mim um desconhecido.

Sim, tu, Efraim entregaste-te à prostituição

e Israel encontra-se contaminado.

4As suas ações não lhes permitem

converter-se ao seu Deus;

domina-os o desejo da prostituição

e por isso desconhecem o Senhor.

5A arrogância de Israel é uma acusação contra si próprio.

Israel e Efraim tropeçam nos seus crimes,

e até Judá se deixa arrastar com eles.

6Com ovelhas e vacas para oferecer,

irão procurar a benevolência do Senhor,

mas não o encontrarão,

porque o Senhor se afastou deles.

7Atraiçoaram o Senhor, gerando filhos bastardos5,7 Filhos bastardos. Ver 1,2.,

mas agora, em menos de um mês,

um intruso vai devorar-lhes

tudo quanto possuem5,7 Outra tradução: os gafanhotos devorarão as suas propriedades.

Guerra entre Efraim e Judá

8«Toquem trombeta em Guibeá e cornetins em Ramá,

lancem o grito de guerra em Bet-Aven5,8 Guibeá. Ramá. Bet-Aven. A localização destas povoações obedece à progressão das tropas de Judá contra o reino de Israel em 733 a.C.!

Cuidado com o que se passa atrás de ti, Benjamim!

9Efraim será uma desolação no dia do castigo.

O que anuncio às tribos de Israel é coisa certa.

10Os chefes de Judá portam-se como os que mudam os marcos5,10 Os dirigentes de Judá aproveitam-se das pressões dos assírios sobre o reino de Israel para mudarem as suas próprias fronteiras, roubando o terreno ao reino do Norte. Ver Dt 19,14; 27,17.;

sobre eles derramarei a minha cólera como uma torrente.

11Efraim está oprimido

e os seus direitos espezinhados,

foi mesmo uma loucura correr atrás de miragens5,11 Alusão provável à aliança militar do reino de Israel com a Síria, para resistir à ameaça da Assíria..

12Vou ser para Efraim como um abcesso

e como um cancro incurável para Judá.

13Efraim reconheceu o seu mal

e Judá a sua chaga.

Então Efraim dirigiu-se à Assíria

e mandou uma embaixada ao seu imperador.

Mas ele não vos pode curar,

nem dar remédio ao vosso mal.

14Eu, o Senhor, ataco Efraim como um animal feroz

e Judá, como um leão.

Eu mesmo apanharei a presa e a levarei,

de modo que ninguém ma poderá tirar.»

Conversão

15«Vou regressar à minha morada,

até que reconheçam as suas faltas

e se voltem para mim.

Na sua tristeza, hão de madrugar à minha procura.»

6

61O povo dirá:

«Vamos regressar ao Senhor.

Pois, ele que nos feriu também nos há de curar;

ele que nos fez a ferida também nos fará o penso.

2Ao fim de dois dias já estaremos vivos,

e ao terceiro dia ele nos levantará

e viveremos na sua presença.

3Esforcemo-nos por conhecer melhor o Senhor.

A sua vinda é certa como o aparecimento da aurora.

Virá até nós como a chuva no inverno

ou os chuviscos que, na primavera, regam a terra.

4Mas que hei de eu fazer por ti, Efraim?

Que farei por ti, Judá?

O vosso amor por mim é como a nuvem da manhã

como o orvalho matinal que logo se evapora.

5Por isso, vos ataco com a mensagem dos profetas

e vos desfaço com as palavras da minha boca.

A minha sentença aparecerá como um relâmpago.

6É a bondade que eu quero, mais do que os sacrifícios;

prefiro que me reconheçam como Deus

em vez de me oferecerem holocaustos6,6 Jesus cita este versículo em Mt 9,13; 12,7.

Infidelidades e traições

7«Mas eles, como fazem os homens6,7 Ou: como Adão. A palavra “Adam” significa homem.

violaram a minha aliança;

e assim me têm atraiçoado.

8Guilead é uma cidade de malfeitores,

cheia de marcas de sangue.

9Como malfeitores em emboscada,

assim é o bando de sacerdotes

que assassina as pessoas no caminho de Siquém6,9 Siquém. Antigo centro religioso das doze tribos de Israel. Ver Js 24,1. Era também uma cidade de refúgio. Ver Js 20,1–7..

Fazem coisas horrorosas!

10Na nação de Israel vi coisas horríveis,

a prostituição de Efraim, a contaminação de Israel.

11Também para ti, Judá, a ceifa está preparada.»

Bondade de Deus e maldade dos homens

«Quando eu queria dar prosperidade ao meu povo,