a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
19

Mensagem contra o Egito

191Mensagem contra o Egito.

Olhem para o Senhor que entra no Egito,

sobre uma nuvem ligeira.

Os ídolos do Egito tremem diante dele,

e o coração dos egípcios aperta-se no seu peito.

2«Eu, o Senhor, vou virar os egípcios uns contra os outros,

de modo a guerrearem-se entre si,

indivíduo contra indivíduo,

cidade contra cidade e reino contra reino19,2 Por volta do ano 716 a.C, nos inícios do reinado de Ezequias, as frações rivais egípcias disputaram o poder no Baixo Egito, causando guerras sanguinolentas entre egípcios e facilitando aos reis etíopes da 25ª dinastia (cap. 18) o controlo de todo o Egito..

3Os egípcios perderão o bom senso

e farei que os seus planos fracassem.

Depois consultarão os seus ídolos

e os que invocam os mortos,

os que interrogam os espíritos e os adivinhos.

4Entregarei os egípcios nas mãos de um dominador cruel,

será um rei tirano que dominará sobre eles.

Palavra do Senhor, Deus do Universo!»

5As águas desaparecerão do rio,

o Nilo ficará completamente seco.

6Os canais cheirarão mal

e as águas baixarão tanto

que o fundo ficará totalmente enxuto.

Os papiros e os juncos murcharão,

7bem como as plantas da foz do Nilo.

Todas as sementeiras ao longo do Nilo secarão;

levadas pelo vento, desaparecem.

8Os pescadores choram e lamentam-se,

todos quantos lançam o anzol ao Nilo;

os que pescam à rede estão desanimados.

9Os que trabalham o linho vivem desapontados:

as mulheres que o cardam e os homens que o tecem.

10As fiandeiras19,10 Texto de difícil compreensão. Ou: os que preparam as bebidas; os fabricantes de cerveja. estão consternadas

e os trabalhadores abatidos.

11Como são loucos os príncipes de Tânis19,11 Tânis. Cidade a sul do delta do Nilo; o seu nome hebraico era Soan.;

os conselheiros do faraó dão conselhos estúpidos.

Como podeis dizer ao faraó: «Sou filho de sábios,

descendente de antigos reis?»

12Onde estão os teus conselheiros sábios?

Que eles te anunciem, se é que sabem,

o que o Senhor do Universo decidiu contra o Egito.

13Os príncipes de Tânis ficaram estúpidos

e os da cidade de Mênfis19,13 Mênfis. Antiga capital do Egito, a poucos quilómetros do atual Cairo. andam iludidos.

Como governadores das províncias,

eles levam a ruína ao Egito.

14O Senhor lançou no meio deles a confusão:

estragam tudo quanto se faz no Egito.

Parecem um bêbedo a cambalear em cima do seu vómito.

15No Egito já não há nada a fazer,

desde o rei ao escravo,

desde a palma ao junco.

Conversão do Egito e da Assíria

16Virá um dia em que os egípcios tremerão de medo como mulheres, quando o Senhor do Universo agitar a mão contra eles. 17A terra de Judá será um terror para o Egito. Basta nomeá-la para os egípcios ficarem aterrorizados, por causa do plano que o Senhor do Universo tem contra eles.

18Naquele dia, haverá no Egito cinco cidades que falarão a língua de Canaã19,18 Língua de Canaã. Língua hebraica falada pelos hebreus que habitavam o território de Canaã. e ficarão a pertencer por juramento ao Senhor do Universo. O nome duma delas será Cidade-do-Sol19,18 Cidade-do-Sol ou Heliópolis. Ficava à entrada do delta do Nilo. Segundo muitos manuscritos hebraicos e muitas versões antigas, o nome é Cidade-do-Sol, mas o texto tradicional tem Cidade da Destruição. Para o conjunto do versículo, ver Jr 44,1; Is 45,23..

19Naquele dia, haverá no centro do Egito um altar dedicado ao Senhor e um monumento levantado em sua honra, junto à fronteira. 20Eles serão um sinal e um testemunho de como o Senhor do Universo está presente no Egito. Se os egípcios clamarem pelo Senhor contra os seus opressores, ele lhes enviará um salvador para os defender e libertar. 21O Senhor manifestar-se-á aos egípcios e estes reconhecerão o Senhor. Oferecer-lhe-ão sacrifícios e ofertas, farão promessas e hão de cumpri-las. 22Depois de ter castigado os egípcios com força, o Senhor os curará. Eles voltarão para o Senhor, que se mostrará favorável aos seus pedidos e os curará.

23Naquele dia, uma estrada ligará o Egito à Assíria. Os assírios irão ao Egito e os egípcios à Assíria e tanto os egípcios como os assírios servirão o Senhor.

24Nesse dia, ao lado do Egito e da Assíria, aparecerá Israel como mediador e será uma bênção de Deus no meio do mundo. 25O Senhor do Universo dará a seguinte bênção: «Eu abençoo o Egito, meu povo, a Assíria, que criei com as minhas mãos, e Israel, a minha herança19,25 O Egito, a Assíria e Israel formarão um só povo ou comunidade política. Sobre a bênção de Deus, ver Gn 12,2–3; 18,18; 22,18; 26,4; 28,14.

20

Ação simbólica

201Aconteceu no ano em que o chefe supremo das forças armadas assírias foi enviado por Sargão20,1 Sargão II reinou na Assíria entre 722 e 705 a.C. Em 711 conquistou a cidade de Asdod, que se tinha revoltado contra o domínio da Assíria desde 713. É a época em que os pequenos estados da Palestina (Judá, Filisteia, etc.) esperavam a ajuda do Egito para se libertarem do domínio dos Assírios., rei da Assíria, para atacar a cidade filisteia de Asdod, que acabou por conquistar.

2Três anos antes o Senhor tinha dito a Isaías, filho de Amós: «Vamos! Desata a faixa que trazes à cintura e tira as sandálias que tens nos pés.» Ele assim fez, de modo que andava nu e descalço. 3E o Senhor disse: «Há três anos que o meu servo Isaías caminha nu e descalço. É um sinal e um presságio para o Egito e para Cuche20,3 Cuche ou Etiópia. Nesta altura, o Egito era governado por um faraó etíope. Ver Is 19,2. É um sinal e um presságio. Ver Is 8,1–4; 1 Rs 11,29–31; Jr 13,1–7; Ez 12,1–15; Os 1—3., 4porque também o rei dos assírios levará os prisioneiros do Egito e os deportados de Cuche, novos e velhos, nus e descalços, o que será uma vergonha para o Egito. 5Então os que confiavam em Cuche e se gabavam da ajuda do Egito ficarão dececionados e confundidos.»

6Naquele dia, os habitantes destas regiões em que vivemos hão de exclamar: «Vejam em que ficaram as nossas esperanças! Pensávamos encontrar proteção e auxílio junto deles, para nos livrarmos do rei da Assíria! Como poderemos agora salvar-nos?»

21

A queda da Babilónia

211Mensagem contra a região marítima21,1 Região marítima. Trata-se da região sul da Mesopotâmia de que faz parte o Golfo Pérsico..

Como os furacões que atravessam o Negueve21,1 Negueve. Região semidesértica no sul da Palestina.

assim o inimigo vem dos lados do deserto,

dum país terrível.

2É uma visão medonha, esta que me foi revelada:

«O traidor atraiçoa

e o destruidor devasta tudo.

Elamitas, ao ataque! Medos, cerquem a cidade.

Farei calar todos os seus gemidos.»

3Perante isto, fiquei cheio de angústia,

assaltaram-me as dores como as duma parturiente;

estou assustado de ouvir tais coisas

e espantado de as ver.

4Estou perturbado,

o terror apoderou-se de mim;

esperava a frescura da tarde,

mas transformou-se em terror.

5Preparem a mesa21,5 Segundo Dn 5,30, o rei da Babilónia estava ocupado com grandes festas quando a cidade foi tomada em 539 a.C., estendam os tapetes,

comam e bebam.

De pé capitães! Preparem as armas!

6Eis o que me disse o Senhor:

«Vai e põe uma sentinela,

que anuncie tudo o que vir!

7Se vir um carro de guerra puxado por cavalos,

uma caravana de burros ou de camelos,

que preste atenção, muita atenção!»

8Aquele que estava de sentinela gritou: «Meu senhor!

Estou atento a vigiar durante todo o dia,

permaneci de sentinela, durante toda a noite.

9Atenção! Vejo alguém que chega

num carro puxado por cavalos.

Ele está a dizer em voz alta:

“Caiu, caiu a Babilónia!

As estátuas dos seus deuses

encontram-se em pedaços por terra21,9 Sobre a queda da Babilónia, ver Jr 51,8; Ap 14,8; 18,2.!”»

10Ó meu povo, pisado como o trigo na eira!

Foi isto o que ouvi e vos anuncio,

da parte do Senhor do Universo, Deus de Israel.

Opressão e libertação

11Mensagem contra Duma21,11 Duma. Osásis no norte da Arábia, a este do território dos edomeus. Seir. Região habitada pelos edomeus a sudeste do mar Morto..

Alguém me grita desde Seir:

«Sentinela, que vês na noite?

Sentinela, que vês na noite?»

12E a sentinela responde:

«Vem a manhã e também a noite.

Se querem uma resposta

voltem novamente.»

Os fugitivos de Dedan e de Quedar

13Mensagem contra a Arábia21,13 Ou: Mensagem para a região desértica. Dedan (v. 13) e Temá (v. 14.) Oásis no nordeste da Arábia. Sobre as populações da Arábia, ver Jr 49,28–32..

Vão passar a noite no mato, na estepe,

caravanas de Dedan.

14Ó habitantes de Temá,

levem água aos que morrem de sede,

e deem pão aos fugitivos.

15Eles vão a fugir da espada que a ninguém poupa,

dos arcos retesados e da dureza do combate.

16Porque o Senhor disse-me o seguinte:

«Daqui a um ano, exatamente,

desaparecerá toda a glória de Quedar21,16 Quedar. Tribo que habitava na parte norte do deserto da Arábia.,

17e o que ficar dos valentes arqueiros de Quedar

será muito pouca coisa.»

É o Senhor, Deus de Israel, quem o declara!