a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
2

21Mensagem revelada por Deus a Isaías, filho de Amós, acerca de Judá e Jerusalém:

2Dias virão em que a montanha2,2 A montanha. Referência ao monte Sião, a colina de Jerusalém, sobre a qual estava construída o templo.

sobre a qual está o templo do Senhor

ficará acima de todas as montanhas

mais alta do que qualquer outro monte;

e acorrerão a ela os povos de todas as nações,

3em enorme multidão, exclamando:

«Vinde! Subamos à montanha do Senhor,

ao templo do Deus de Jacob!

Ele nos ensinará o que devemos fazer,

para podermos cumprir a sua vontade.

Do monte de Sião, em Jerusalém,

é que o Senhor nos ensina com a sua palavra.

4Ele será o juiz entre as nações

e o árbitro nas questões entre os povos.

Então eles hão de converter as suas espadas em arados

e as suas lanças em foices2,4 Comparar com Jl 4,10..

Nenhum povo levantará a espada contra outro

nem voltarão a ser treinados para a guerra2,4 Texto igual a Mq 4,1–3..

5Vamos, povo de Jacob!

Caminhemos guiados pela luz do Senhor

Castigo dos soberbos

6Senhor, abandonaste o teu povo,

os descendentes de Jacob,

porque a nação está cheia de adivinhos orientais

e de magos à maneira dos filisteus

e abundam os filhos de estrangeiros2,6 Ou: o teu povo faz negócios com os estrangeiros..

7O país está cheio de prata e ouro

e os seus tesouros são incontáveis.

Está também cheio de cavalos

e de carros de guerra sem fim.

8O país está cheio de ídolos.

As pessoas adoram os deuses

que eles mesmos fabricaram

com as suas próprias mãos.

9Todos os que assim procedem

serão abatidos e humilhados.

Não lhes perdoes, Senhor!

10Escondam-se no meio das rochas

e metam-se nas tocas da terra,

quando o Senhor aparecer de rosto irado

e com o esplendor terrível da sua majestade.

11Virá o dia em que os orgulhosos serão abatidos

e os soberbos humilhados.

Só o Senhor será vitorioso!

12Virá o dia2,12 Ver Jl 1,15. Para os semitas não existe uma separação perfeita entre história e escatologia. em que o Senhor todo-poderoso

vai humilhar aquele que é orgulhoso, soberbo e altivo;

13todos os que pensam ser como os cedros do Líbano,

altos e magnificentes

ou como os carvalhos de Basã;

14todos os que pensam ser como as altas montanhas

ou como as colinas elevadas;

15todos os que pensam ser como as altas torres

ou como as muralhas inacessíveis;

16todos os que pensam ser como os grandes navios de Társis

ou como os barcos de luxo.

17O orgulho das pessoas será humilhado

e a sua altivez será esmagada.

Naquele dia, só o Senhor será vitorioso.

18E todos os ídolos desaparecerão.

19Escondam-se nas cavernas das rochas

e nos buracos da terra,

quando o Senhor aparecer com o rosto irado

e com o esplendor terrível da sua majestade,

quando ele se levantar, enchendo a terra de terror.

20Naquele dia, todos lançarão aos ratos e aos morcegos

os seus ídolos de ouro e prata,

que fabricaram para adorarem;

21irão enfiar-se nos buracos das rochas

e nas fendas dos penhascos,

para se esconderem do Senhor que aparece de rosto irado

e com o esplendor terrível da sua majestade,

quando ele se levantar, enchendo a terra de terror.

22Deixem, pois, de confiar no homem!

Ele não é mais que um sopro2,22 Esta expressão aparece em Sl 8,5; 9,21; 39,5–7; 89,48; 102,12; 103,15; 144,3–4; Jb 7,16–17; 10,20; 25,6..

Que valor tem ele, então?

3

Castigo de Judá e Jerusalém

31Prestem atenção! O Senhor, Deus todo-poderoso

vai retirar a Jerusalém e a Judá

toda a espécie de assistência e apoio.

Vai retirar-lhes o pão e a água,

2os guerreiros e os homens de armas,

os juízes, os profetas, os adivinhos e os anciãos,

3os capitães e os aristocratas,

os conselheiros, artesãos e magos

e os peritos em encantamentos.

4E, para chefes, o Senhor há de dar-lhes

autênticas crianças sem experiência,

que os governarão ao acaso.

5As pessoas vão maltratar-se umas às outras,

até mesmo os próprios amigos.

Os jovens hão de atirar-se contra os velhos

e os plebeus contra os nobres.

6Até entre os parentes

e gente da mesma família se há de dizer:

«Tu, que ainda tens um manto3,6 Manto. Sinal que distinguia o chefe. No meio de tanta pobreza, quem o possuísse poderia considerar-se como chefe. para te cobrires,

sê o nosso chefe,

assume o comando deste caos.»

7Mas o outro responder-lhe-á:

«Eu não posso remediar.

Em minha casa não tenho comida nem roupa;

não me façam chefe de ninguém.»

8Jerusalém, de facto, está num caos

e Judá caiu em ruínas,

porque tudo o que faziam e diziam era contra o Senhor,

insultando-o na sua própria presença.

9Até o aspeto do seu rosto os acusa.

Não ocultam os seus pecados,

como Sodoma, mostram-nos publicamente.

Ai deles! Pois provocaram a sua própria desgraça!

10Pensem nisto: o justo é que é feliz

porque receberá o fruto das suas ações.

11Ai do mau, porque terá o mal!

Será tratado segundo as suas obras.

12Um rapazito é o tirano do meu povo

e os que o governam são como mulheres3,12 Ou: Pessoas vorazes oprimem-te e gente ávida exerce tirania sobre ti..

Ó meu povo, os teus dirigentes enganam-te,

e desviam-te do caminho que devias seguir.

13O Senhor já se levanta para o julgamento,

e está pronto para pedir contas ao seu povo3,13 Ao seu povo, segundo a versão, grega dos Setenta e a Siríaca. O hebraico tem povos. Sobre o julgamento do Senhor, ver Jr 2,9; Os 4,1; Mq 6,1; Sl 50,4..

14Ele vai chamar a tribunal os conselheiros

e os chefes do seu povo:

«Devoraram a minha vinha3,14 Na Bíblia, a vinha simboliza frequentemente o povo de Deus. Ver 5,7.,

e guardam em casa os despojos que roubaram aos pobres.

15Com que direito oprimem o meu povo

e calcam aos pés a dignidade dos pobres?»

É o Senhor todo-poderoso quem o declara!

Contra o luxo das mulheres

16O Senhor diz:

«Vejam como as mulheres de Sião são orgulhosas!

Andam de cabeça emproada,

lançam olhares desavergonhados,

caminham a passo afetado,

fazendo ouvir as argolas dos seus pés.»

17O Senhor rapará a cabeça das mulheres de Sião

e elas ficarão sem cabelo e envergonhadas3,17 Nas mulheres a cabeça rapada era sinal de castigo e vergonha. Ver Is 47,3; Jr 13,26; Ez 16,37..

18Naquele dia,

o Senhor fará desaparecer todos os adornos:

os adornos dos pés, os colares

em forma de sol e de lua;

19os brincos, as braceletes e os véus,

20as fitas da cabeça, as argolas dos pés,

os cintos, os talismãs e os amuletos;

21os anéis, os adornos do nariz,

22os vestidos de festa, os mantos,

os xailes e as bolsas de mão,

23os espelhos e as musselinas,

os turbantes e as mantilhas3,23 Os adornos femininos enumerados nos v. 18–23 não estão identificados com correspondência absoluta..

24E então, em vez de perfume haverá mau cheiro;

em vez duma cinta, uma corda;

em vez de elegantes tranças, a cabeça rapada;

em vez de vestidos finos, roupa grosseira;

em vez de beleza, uma horrível cicatriz3,24 A corda, a cabeça rapada, a roupa grosseira e a cicatriz, feita com um ferro em brasa, eram tratamentos reservados aos prisioneiros de guerra. Em vez de cicatriz, o texto de Qumran diz humilhação..

25Os teus homens cairão na guerra,

os teus guerreiros morrerão na batalha.

26Às tuas portas hão de ouvir-se choros e lamentos

e tu hás de sentar-te na terra, desolada.

4

41Naquele dia, sete mulheres

hão de agarrar-se a um só homem e dizer-lhe:

«Nós mesmas arranjaremos

a nossa alimentação e vestidos.

Mas deixa-nos usar o teu nome como esposas,

para não vivermos envergonhadas.»

A restauração

2Naquele dia,

aquilo que o Senhor fará germinar4,2 Ver Is 6,13; 53,2; 61,11; Am 9,13; Sl 72,16. O Messias é comparado ao gérmen vital da natureza em Jr 23,5; 33,15; Zc 3,8; 6,12; Sl 132,17.

será a honra e a glória

dos que ficaram com vida em Israel.

O que a terra produzir será o seu orgulho e honra.

3Os que ficarem4,3 A ideia de um “resto” ou “remanescente” santo é comum em Isaías. Ver Is 1,8–9; 6,13; 10,20–22; 37,4.31.32; Jr 23,3; 31,7; 50,20; Ez 6,8–9; 11,13; Am 5,3.15; Mq 2,12; 4,7; 5,2.6; Sf 2,7.9; 3,12–13; Zc 13,8–9; 14,2; Ne 1,2. com vida no monte de Sião,

todos os sobreviventes de Jerusalém,

serão chamados «povo santo de Deus».

Os seus nomes figuram na lista,

para viver em Jerusalém.

4O Senhor vai lavar as imundícies de Sião4,4 Literalmente: filhas de Sião, que no hebraico funciona como uma metáfora para povo.

e os crimes de sangue em Jerusalém

com o seu vento justiceiro, como furacão devorador.

5Sobre todos os lugares do monte Sião

e sobre todos quantos lá se reúnem,

o Senhor manifestará os sinais da sua presença:

uma nuvem durante o dia,

fumo denso e clarão de fogo durante a noite4,5 Ver Ex 19,9.16.18 e sobretudo 13,21; 24,16–17..

É que a glória do Senhor a todos há de proteger

6como uma tenda que dá sombra nos dias de calor,

como um abrigo contra a tempestade e a chuva.