a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
34

Julgamento de Edom

341Aproximem-se, nações, e ouçam:

povos, prestem atenção.

Ouça a terra e tudo o que ela contém,

o mundo inteiro e tudo quanto produz.

2O Senhor está irado contra todas as nações

e dirige o seu furor contra todos os seus exércitos.

Entregou-os ao extermínio e ao massacre.

3Os seus mortos são atirados por terra,

os cadáveres deitam mau cheiro,

as montanhas destilam o sangue dos mortos.

4O exército das estrelas desfaz-se,

o céu enrola-se como um rolo de papiro.

Os astros caem todos como as folhas mortas

duma vinha ou duma figueira34,4 Maneira de falar apocalíptica. Ver Is 24,21.23; Ap 6,12–14; Mt 24,29; Mc 13,25..

5Porque a espada do Senhor aparece no céu

cheia de sangue.

Eis que se abate sobre os edomeus34,5 Edomeus. Ver Is 63,1–6; Jr 49,7–22; Ez 25,12–14; Am 1,11–12; Ml 1,2–4.,

um povo que o Senhor condenou ao extermínio.

6A espada do Senhor está cheia de sangue,

coberta de gordura,

como do sangue dos cordeiros e dos bodes,

como da gordura das entranhas dos carneiros.

Na capital de Edom o Senhor fará um sacrifício,

uma matança enorme na cidade de Bosra.

7Caem juntos os búfalos, os touros e os novilhos;

a sua terra embriaga-se de sangue

e o chão ficará farto de gordura.

8Trata-se do dia da vingança do Senhor,

do ano de desforra para o defensor de Sião.

9As torrentes de Edom vão transformar-se em pez

e o seu chão, em enxofre;

o país vai tornar-se num campo de pez ardente,

10que não se apaga nem de dia nem de noite,

com o fumo a subir continuamente para o céu.

Edom ficará devastada para sempre

e por séculos sem fim ninguém mais passará por ela.

11As gralhas e os ouriços tomarão posse dela,

a coruja e o corvo habitarão lá.

O Senhor estenderá sobre ela a corda da destruição

e o fio de prumo da desolação.

12Não haverá mais nobres para elegerem um rei,

e todos os seus príncipes desaparecerão.

13Os tojos crescerão nos seus palácios,

as urtigas e os espinheiros nas suas fortalezas;

ela será covil de chacais

e guarida para as crias de avestruz.

14Os gatos selvagens encontram-se lá com as hienas

e os bodes fazem de Edom o lugar de encontro.

O fantasma Lilit34,14 Lilit. Demónio feminino da mitologia babilónica que, segundo se pensava, vivia em lugares desolados. vai instalar-se lá

e encontrar o lugar do seu repouso.

15É ainda em Edom que a serpente fará o seu ninho,

porá os seus ovos e os chocará

e os protege até nascerem os filhos.

É ainda lá que os abutres se juntam e se acasalam.

16Investiguem o livro do Senhor 34,16 Livro do Senhor. Obra desconhecida que devia contar a mensagem do profeta Isaías. e verão

que nenhuma destas coisas lá falta,

porque foi o Senhor que assim ordenou;

foi o seu espírito que os juntou.

17Ele distribuiu o quinhão de cada um deles;

tomou o cordel e dividiu por eles o país.

Serão os seus proprietários para sempre;

habitarão nele de geração em geração.

35

Regresso a Sião

351O deserto e a terra árida alegrar-se-ão por isso,

a estepe exultará e dará flores belas como narcisos.

2Repito, que ela se cubra de flores,

salte, dance e grite de alegria.

O Senhor dar-lhe-á a grandeza das montanhas do Líbano,

o esplendor do monte Carmelo e da planície de Saron.

Então hão de contemplar a grandeza do Senhor

e o esplendor do nosso Deus.

3Tornem fortes os braços cansados,

deem firmeza aos joelhos vacilantes.

4Digam aos de coração cobarde:

«Sejam fortes, não temam.

Eis o vosso Deus, que vem para vos vingar,

para pagar aos vossos inimigos o mal que vos fizeram.

Ele vem em pessoa salvar-vos.»

5Então se abrirão os olhos dos cegos

e os ouvidos dos surdos ficarão a ouvir.

6Então os coxos saltarão como os veados

e os mudos gritarão de alegria.

Porque as águas jorram no deserto

e as torrentes na estepe.

7A terra queimada mudar-se-á em lago,

a terra seca em fontes caudalosas.

No covil em que repousavam os chacais,

as ervas tornar-se-ão canas e juncos.

8Haverá ali uma estrada,

um caminho que terá o nome de Via Sagrada35,8 Ver 40,3; 62,10–12..

Os idólatras não passarão por ele:

é para aqueles que nele devem andar,

e nem os mais simples se extraviarão.

9Ali não haverá leões

e nenhum animal feroz passará por este caminho;

ninguém os encontrará.

Apenas caminharão por lá os que o Senhor libertar;

10e os que o Senhor resgatou voltarão

e chegarão a Sião, cantando de alegria.

É uma alegria eterna que ilumina os seus rostos.

Serão repletos de gozo e alegria;

as penas e as aflições desaparecerão35,10 Regresso dos exilados. Ver 23,13. Alegria. Ver 30,29; 61,3..

36

Senaquerib ameaça Jerusalém

361No décimo quarto ano36,1 Corresponde ao ano 701 a.C., quando o rei Senaquerib atacou o reino de Judá. Os cap. 36—39 reproduzem, com algumas variantes, 2 Rs 18,13—20,19. do reinado de Ezequias, o rei da Assíria, Senaquerib, atacou todas as cidades fortificadas do reino de Judá e apoderou-se delas. 2Encontrava-se em Láquis36,2 Láquis. Ver 2 Rs 14,19. Canal da Piscina. Lugar de encontro entre Isaías e o rei Acaz. Ver 7,1., quando este enviou um alto oficial, acompanhado de forte destacamento, ao rei Ezequias, em Jerusalém. O oficial estabeleceu-se junto ao canal da piscina superior, na calçada que conduz ao Campo do Lavadouro. 3Então Eliaquim, filho de Hilquias, que era chefe do palácio real saiu da cidade ao seu encontro, acompanhado do secretário Chebna e de Joá, filho de Assaf, porta-voz do rei. 4O oficial do rei assírio disse-lhes: «Vão transmitir a Ezequias esta mensagem do grande rei, o rei da Assíria: “Donde te vem essa confiança? 5Pensas que a estratégia e a valentia militares são apenas uma questão de palavras? Em quem confias para te revoltares contra mim? 6Confias nessa cana rachada que é o Egito? Se alguém se apoiar nessa cana, ela espeta-se-lhe na mão e corta-lha. Assim é o faraó para os que nele confiam. 7Se me dizes: Confio no Senhor, nosso Deus, eu pergunto: Não é esse o Deus cujos lugares altos e altares foram suprimidos por Ezequias, ordenando às populações de Judá e de Jerusalém que prestassem culto apenas diante do altar de Jerusalém? 8Pois bem, entra em acordo com o meu senhor, o rei da Assíria, e dar-te-ei dois mil cavalos, se é que arranjas cavaleiros para os montar. 9Como te atreves a repelir um oficial do meu senhor, mesmo que seja um dos menores, confiante que o Egito te fornecerá carros e cavaleiros? 10Além disso, crês que o meu senhor veio atacar este país para o destruir sem que o Senhor, vosso Deus, o tenha querido? Foi o próprio Senhor quem lhe ordenou que atacasse este país e o destruísse.”»

11Então Eliaquim, Chebna e Joá disseram ao oficial assírio: «Fala-nos em aramaico, porque nós compreendemos. Não nos fales em hebraico, porque os que estão por cima da muralha podem ouvir-nos.» 12Mas o oficial respondeu: «Pensas que a mensagem que o meu senhor me deu é apenas para o teu senhor e para ti? Ela é dirigida também aos que estão em cima da muralha, que vão ser reduzidos, como vós, a comer os seus excrementos e a beber a sua urina.» 13Nisto o ajudante de campo levantou-se e gritou com toda a força em hebraico: «Ouçam a mensagem do grande rei, o rei da Assíria! 14Não se deixem enganar por Ezequias, porque ele não vos poderá libertar. 15Que Ezequias não vos leve a confiar no Senhor, quando vos diz: “O Senhor há de libertar-nos com toda a certeza e nunca entregará esta cidade ao rei da Assíria.” 16Não façam caso de Ezequias. Escutem aquilo que o rei da Assíria vos propõe: “Façam as pazes comigo e rendam-se. Só assim é que podereis tirar proveito das vossas vinhas, das vossas figueiras e da água das vossas cisternas. 17Depois virei buscar-vos para vos levar a um país como o vosso, rico em trigo para dar pão e em vinhas para dar vinho.” 18Não se deixem, pois, enganar por Ezequias, quando vos diz: “O Senhor há de livrar-nos.” Porventura os deuses das outras nações livraram os seus países da mão do rei da Assíria? 19Onde estão os deuses de Hamat e de Arpad e de Sefarvaim36,19 Hamat, Arpad, Sefarvaim. Em 2 Rs 17,24 há uma lista um pouco diferente das cidades ocupadas por Senaquerib.? Alguém conseguiu livrar a Samaria do meu poder? 20Entre todos estes deuses houve algum que conseguisse livrar os seus países das minhas mãos? Como é que o Senhor, vosso Deus, me poderá impedir de tomar Jerusalém?»

21Os hebreus ficaram calados e nada disseram, porque assim lhes tinha ordenado o rei Ezequias. 22No fim de tudo, Eliaquim, filho de Hilquias, chefe do palácio real, Chebna, o secretário e Joá, filho de Assaf, porta-voz do rei, depois de terem rasgado as vestes36,22 Ver Is 37,1; Gn 37,29; 44,13; 2 Sm 1,11., foram ter com o rei Ezequias e comunicaram-lhe tudo o que o oficial do rei da Assíria lhes tinha dito.