a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
39

Ezequias recebe os embaixadores da Babilónia

391Por aquela altura, o rei da Babilónia, Merodac-Baladan, filho de Baladan, teve conhecimento que Ezequias tinha estado doente e se curara. Enviou-lhe embaixadores com uma carta e presentes39,1 Ver 2 Rs 20,12.. 2Ezequias ficou muito contente e levou-os a visitar o edifício em que guardava os objetos de valor: a prata e o ouro, os perfumes e unguentos. Mostrou-lhes ainda o local em que estava o arsenal de guerra e tudo quanto havia nos seus depósitos. Não havia nada de valor que Ezequias não lhes mostrasse, tanto no seu palácio como em todos os seus domínios.

3Então o profeta Isaías foi ter com o rei Ezequias e perguntou-lhe: «De onde é que vieram esses homens e que é que te disseram?» Ezequias respondeu: «Vieram de muito longe, da Babilónia.» 4Isaías perguntou-lhe ainda: «O que é que eles viram no teu palácio?» Ezequias respondeu: «Viram todo o meu palácio. Mostrei-lhes tudo quanto havia nos meus tesouros.»

5Então Isaías disse a Ezequias: «Escuta com atenção a sentença do Senhor do Universo! 6Um dia, virá em que tudo quanto tens no teu palácio e quanto os teus predecessores entesouraram, será levado para a Babilónia. Nada ficará aqui, diz o Senhor! 7Inclusivamente, hão de levar alguns dos teus próprios descendentes, para os fazer eunucos ao serviço do rei no palácio da Babilónia39,7 Comparar com Dn 1,1–7; 2 Rs 24,10–16; 2 Cr 36,10.

8Ezequias respondeu a Isaías: «É uma boa notícia que me dás da parte do Senhor.» É que ele pensava para consigo: «Assim enquanto eu viver, haverá paz e segurança.»

40

Reconfortem o meu povo

401Consolem, consolem o meu povo,

é o vosso Deus quem o pede.

2Falem ao coração de Jerusalém e proclamem

que acabaram os seus trabalhos forçados

e está pago o seu crime;

que já recebeu do Senhor o dobro do castigo pelos seus pecados.

3Ouço uma voz gritar:

«Preparem no deserto o caminho do Senhor,

na estepe, abram uma calçada para o nosso Deus40,3 Texto citado em Mt 3,3; Mc 1,3; Jo 1,23..

4Que os vales sejam levantados

e as montanhas e colinas, rebaixadas;

que os cimos dos montes sejam aplanados

e os terrenos escarpados sejam nivelados.

5O Senhor vai mostrar a sua grandeza

e toda a gente a verá.

É o Senhor quem o declara!»

6Ouço uma voz a pedir: «Faz uma proclamação!»

Mas eu respondo: «Que proclamação?»

«Que toda a gente é como erva

e a sua beleza como flor do campo.

7A erva seca e a flor murcha,

quando o sopro do Senhor passa por elas.

É bem certo! As pessoas são erva caduca!

8Sim! A erva seca e a flor murcha,

mas a palavra do nosso Deus permanece para sempre.»

A boa nova

9Sobe a um alto monte, pregoeiro de Sião,

levanta com força a tua voz, pregoeiro de Jerusalém;

levanta bem a voz, não tenhas medo

e diz às cidades de Judá: «Vem aí o vosso Deus!»

10O Senhor Deus vem aí,

cheio de força e pronto para reinar,

traz consigo, como sinal de vitória

o povo que ele resgatou40,10 O versículo alude provavelmente aos judeus exilados na Babilónia..

11Ele é como um pastor que apascenta o seu rebanho

e o reúne com o cajado na mão.

Leva os cordeiros ao colo

e cuida das ovelhas que têm crias40,11 Comparar com Ez 34,15; Jo 10,11..

A sabedoria de Deus

12Quem mediu as águas do mar com a mão,

ou o diâmetro do céu a palmo,

ou o pó da terra com o alqueire?

Quem pesou as montanhas e as colinas na balança?

13Quem mediu o Espírito do Senhor

e quem foi o homem que estabeleceu o seu plano40,13 Ou: quem lhe sugeriu aquilo que ele deve fazer? Ver Rm 11,34; 1 Co 2,16.?

14Com quem ele se aconselhou, para o esclarecer,

ou para lhe ensinar o caminho certo?

Quem é que lhe ensinou a ciência

e lhe deu a conhecer a sabedoria?

15Diante do Senhor, as nações são uma gota de água

que cai num balde, ou um grão de poeira,

no prato duma balança.

E os povos das ilhas40,15 Ou: povos longínquos. Ver 41,1.5; 42,4.10.12; 49,1; 51,5; 60,9; 66,19. não pesam mais que um pouco de pó.

16As florestas do Líbano não chegam

para o fogo do seu altar,

nem os seus animais, para os holocaustos.

17Diante dele,

todas as nações são como se não existissem,

elas contam menos que nada.

18A quem quereis comparar Deus?

Com que imagem o podeis confrontar?

19Um ídolo, é um artista que o modela;

depois, vem o ourives que o cobre de ouro

e lhe põe alguns retoques de prata.

20Aquele que tem menos posses para uma tal oferta

escolhe um pedaço de madeira sem caruncho,

e contrata um bom artista,

para lhe fazer um ídolo que possa durar.

21Será que não sabem nem aprenderam?

Não vo-lo anunciaram desde o princípio?

Ainda não compreenderam quem fez o mundo?

22Foi aquele que está sentado sobre a cúpula da terra,

olhando os seus habitantes como se fossem gafanhotos.

Foi ele que estendeu os céus como um grande véu,

e os desdobrou como uma tenda, para neles habitar,

23ele que reduz a nada os dirigentes do mundo

e converte em nulidade os governantes.

24Logo que estejam plantados ou semeados,

mal tenham criado raízes na terra,

o Senhor sopra sobre eles e secam imediatamente;

Depois são levados como palha por um vendaval.

25«A quem podereis comparar-me?

Quem será igual a mim?» — pergunta o Deus santo.

26Levantem os olhos para o céu

e vejam! Quem é que criou as estrelas?

Foi aquele que as põe em movimento

como se fosse um exército bem ordenado.

A todas, ele chama pelo seu nome.

O seu poder é tão grande e a sua força é tal,

que nenhuma falta à chamada.

Polémica de Deus com o povo

27Por que é que dizes, Jacob, e por que repetes, Israel:

«O Senhor não compreende o meu destino,

o meu Deus ignora a minha causa!»

28Porventura não o sabes?

Será que não ouviste dizer?

O Senhor é um Deus eterno;

criou a terra dum extremo ao outro.

Não se cansa nem perde as forças.

A sua sabedoria é insondável.

29Ele dá forças ao cansado

e enche de vigor aquele que é fraco.

30Até os jovens se cansam e fatigam,

e os mais valentes também tropeçam.

31Mas os que confiam no Senhor renovam as suas forças;

lançam-se como as águias,

correm sem se cansarem,

andam sempre sem se fatigarem.

41

Vocação de Ciro

411Prestem atenção, povos das ilhas41,1 Ver 40,15 e nota.;

povos das nações, encham-se de coragem!

Aproximem-se de mim, e falem então;

vamos comparecer juntos em tribunal.

2Quem fez aparecer no Oriente aquele homem41,2 Referência indireta ao rei Ciro, famoso pelas suas vitórias contra todos os poderes militares do tempo, sobretudo a Babilónia, que conquistou em 539 a.C. Em 538 a.C. Ciro libertou os judeus do cativeiro.

e o apresenta vitorioso a cada passo?

Quem lhe submete as nações e lhe entrega os reis?

A sua espada os reduz a pó,

as flechas do seu arco os dispersam como palha.

3Persegue-os e avança seguro,

sem pisar o caminho com os seus pés.

4Quem é o autor destas coisas?

É aquele que anuncia o futuro de antemão.

Sou eu mesmo, o Senhor,

aquele que está no princípio e no fim de tudo.

5Vejam e estremeçam, ó povos das ilhas,

aproximem-se e tremam, povos dos confins da terra.

6Os homens ajudam-se uns aos outros

e dizem ao companheiro do lado: «Coragem!»

7O cinzelador encoraja o ourives,

o que trabalha com o martelo encoraja o da bigorna.

Vendo a soldadura dizem: «Bom trabalho!»

Depois fixam o ídolo com rebites para não cair41,7 Os v. 6–7 retomam o tema de 40,19–20..

Não tenhas medo

8Ouve, Israel, meu servo,

povo de Jacob, meu escolhido,

descendência de Abraão, o meu amigo41,8 Israel meu servo. Ver Is 43,10; 44,1.21; 45,4; 48,20; Jr 30,10; Sl 136,22; Lc 1,54. Descendência de Abraão. Ver Is 51,2; Hb 2,16; cf. Mat 3,9 e textos paralelos..

9Eu fui buscar-te aos confins da terra,

chamei-te, quando estavas no fim do mundo.

Eu disse-te: «Tu é que és o meu servo;

foi a ti que eu escolhi e nunca te rejeitarei.»

10Não tenhas medo, porque estou contigo;

não te aflijas, porque sou o teu Deus.

Eu torno-te forte, ajudo-te,

protejo-te com a minha mão direita vitoriosa.

11Todos os que se enfurecem contra ti

serão confundidos e cobertos de vergonha;

serão reduzidos a nada e destruídos

todos os teus adversários.

12Procurarás em vão o rasto dos que lutam contra ti;

serão reduzidos a nada os que te combatem.

13Porque eu, o Senhor, sou o teu Deus,

seguro-te pela mão e digo-te:

«Não tenhas medo, eu mesmo te ajudarei!»

14Não tenhas medo, verme de Jacob,

pobre gente de Israel.

Eu mesmo serei a tua ajuda.

Palavra do Senhor!

O teu protetor é o Santo de Israel.

15Vou fazer de ti uma grade aguçada,

nova e armada de dentes;

hás de trilhar os montes e triturá-los,

hás de fazer com que as colinas sejam como a palha.

16Tu os joeirarás, o vento há de levá-los

e o vendaval os espalhará.

Tu exultarás, então, no Senhor

e te gloriarás no Santo de Israel.

O deserto mudado em oásis

17Os pobres e os indigentes buscam água,

mas não a encontram;

a sua língua está ressequida pela sede.

Mas eu, o Senhor, vou responder-lhes;

eu, o Deus de Israel, não os abandonarei.

18Farei brotar rios nos morros pelados,

e fontes nas planícies;

transformarei o deserto numa lagoa

e a terra árida em oásis.

19Plantarei no deserto cedros e acácias,

murtas e oliveiras.

Porei ciprestes nas regiões sem água,

ao lado do olmeiro e do buxo.

20Desta maneira, todos hão de ver e reconhecer,

todos irão considerar e compreender

que foi o Senhor que fez isto, com o seu poder,

que o Santo de Israel o criou.

Desafio aos falsos deuses

21Apresentem a vossa queixa, diz o Senhor,

mostrem as vossas provas, diz o rei de Jacob.

22Aproximem-se e anunciem-nos o que vai acontecer.

Vejamos o que tinham anunciado

das coisas que já aconteceram!

Anunciem-nos o que há de vir,

para sabermos o que vai acontecer.

23Digam-nos o que vai acontecer no futuro

e saberemos então que sois verdadeiramente deuses.

Façam qualquer coisa de bom ou de mal

e todos seremos testemunhas do que virmos.

24Mas valem menos que nada,

e tudo quanto fazem nada vale.

Quem vos escolhe é um ser abominável.

25Mas eu fiz que alguém surgisse, no Norte,

e eis que ele aí vem.

No Oriente, onde o Sol se levanta,

já pronunciam o seu nome.

Pisa os governantes como se pisa o barro,

faz como o oleiro, quando amassa a argila41,25 Alusão ao rei Ciro. Já pronunciaram o meu nome. O texto hebraico tem: ele invoca o meu nome. O manuscrito encontrado em Qumran diz: chamei-o pelo nome..

26Quem anunciou este acontecimento de antemão

para o podermos conhecer?

Quem o predisse para concluirmos que tinha razão?

Certamente nenhum de vós o anunciou ou contou;

ninguém ouviu os vossos oráculos.

27Fui eu, o primeiro que o anunciei a Sião

e enviei a Jerusalém um pregoeiro com a boa notícia.

28Procurei mas não vi ninguém;

entre os deuses não vi ninguém capaz de aconselhar,

capaz de responder a quem os consultar.

29Todos juntos não valem nada.

O que eles fazem vale menos que nada.

Os seus ídolos são pura ilusão e vazio.