a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
8

O filho de Isaías

81O Senhor disse-me: «Pega num pedaço de barro grande e devidamente preparado e escreve em carateres correntes: Para aquele que tem o nome de Pronto-para-o-Saque-Rápido-para-a-Presa8,1 A expressão Pronto-para-o-saque-Rápido-para-a-presa é a tradução do nome simbólico do filho de Isaías “Maher-chalal-cach-baz”, e indica que o povo irá mesmo ser saqueado por uma potência estrangeira.2Mostrei o escrito a duas testemunhas dignas de fé, o sacerdote Urias e Zacarias, filho de Berequias. 3Uni-me então à profetisa, minha mulher; ela ficou grávida e deu à luz um filho. E o Senhor ordenou-me: «Põe-lhe o nome de Pronto-para-o-saque-Rápido-para-a-presa. 4Ainda antes que o menino saiba dizer “papá, mamã”, as riquezas de Damasco e os despojos de Samaria serão levados ao rei da Assíria

A invasão da Assíria

5O Senhor disse-me ainda:

6«Este povo despreza as águas do canal de Siloé8,6 Canal de Siloé. Levava as águas da fonte de Guion para o interior da cidade. O profeta opõe as águas calmas deste canal, como símbolo da confiança em Deus, às águas caudalosas do rio Eufrates, como símbolo das alianças políticas com os poderosos deste mundo. Cf. Jo 9,7.11.,

que correm mansamente,

e preferem a arrogância dos dois reis,

Recin e o filho de Remalias.

7Por isso, o Senhor fará cair sobre vós,

as torrentes abundantes e violentas do rio Eufrates,

isto é, o rei da Assíria com todo o seu poder.

O Eufrates sairá do seu leito

e transbordará das suas margens.

8As suas águas invadem Judá,

inundam e transbordam

até chegarem ao pescoço.

As suas margens estender-se-ão

até abrirem a vastidão da tua terra,

ó Emanuel8,8 Ver 7,14 e nota.!

9Tremam, ó povos, pois sereis derrotados;

estejam atentas, nações longínquas;

armem-se bem, pois sereis esmagadas;

armem-se bem, sereis sempre esmagadas.

10Tracem planos, que sairão frustrados;

pronunciem ameaças que não se realizarão,

porque Deus está connosco8,10 Literalmente: Emanuel. Ver 7,14 e nota.

O Senhor, rochedo de salvação

11Assim me falou o Senhor, agarrando-me pela mão

e afastando-me do caminho deste povo:

12«Não acreditem em conspiração,

quando este povo fala de conspiração,

não temam o que ele teme,

nem se assustem.

13Quem devem tratar como santo é ao Senhor, todo-poderoso;

é a ele que devem respeitar,

é ele que vos deve inspirar temor.

14Ele será uma pedra de tropeço8,14 Pedra de tropeço. A mesma palavra hebraica, embora com outras vogais, pode significar “santuário”. Sobre a simbólica da pedra, com sentido salvífico ou com sentido negativo (pedra de tropeço), ver Is 28,16; Gn 49,24; Is 17,10; 2 Sm 22,2; Sl 28,1; Lc 2,34; Rm 9,32–33; 1 Pe 2,7–8. e um precipício,

para os dois reinos de Israel:

será uma armadilha, uma cilada

para os habitantes de Jerusalém.

15Muitos tropeçarão nela,

cairão e serão despedaçados,

serão apanhados na armadilha e não poderão livrar-se.»

Deus esconde o seu rosto

16Guardo a mensagem, selo as instruções e confio-as apenas aos meus discípulos. 17Espero no Senhor, que por agora ocultou o seu rosto aos descendentes de Jacob. Espero pacientemente nele. 18Eu próprio e os filhos que o Senhor me deu serviremos de sinal e presságio para Israel, em nome do Senhor do Universo, que habita no monte Sião8,18 Cf. Hb 2,13. Os filhos do profeta e da profetisa são uma mensagem viva. Ver Is 7,3; 10,21; 8,1–3; cf. Jr 16,1–8; Ez 24,15–24; Os 1–3..

19Certamente que vos dirão: «Consultem os espíritos dos mortos e os adivinhos que murmuram e segredam. Não é normal que um povo consulte os seus deuses e interrogue os mortos acerca dos vivos, 20para receberem instruções com garantia?» Certamente hão de falar dessa maneira. Mas para esses não haverá manhã8,20 O costume de consultar os espíritos dos mortos era bastante comum. Ver Is 19,3; 1 Sm 28,7–20; 2 Rs 21,6; 23,24. Esta praxe é proibida em Lv 19,31; 20,6.27; Dt 18,11; 1 Sm 28,3.9..

Dias obscuros

21hão de vaguear pelo país, oprimidos e esfomeados.

Agastados pela fome,

amaldiçoarão o seu rei e o seu Deus;

levantarão os olhos para o céu

22e, depois, olharão para a terra.

Encontrarão apenas aflição e trevas,

escuridão opressora e noite sem saída.

23Não haverá mais escuridão para o país em angústia.

Profecia messiânica

Em tempos passados, o Senhor humilhou

a região de Zabulão e a de Neftali8,23 Zabulão e Neftali. Tribos de Israel instaladas a oeste do lago de Tiberíades, na parte superior do rio Jordão. Este território tinha sido anexado pelos assírios entre 734 e 732 a.C., como também o território a este do Jordão e da Galileia..

Mas no futuro, cobrirá de glória

o caminho ao longo do mar8,23 O caminho ao longo do mar ligava o Egito à Assíria, ao longo da costa palestinense. Sobre 8,23 e 9,1 ver Mt 4,15–16 e Lc 1,79.

o país a leste do Jordão

e a Galileia dos estrangeiros.

9

91O povo que caminhava nas trevas

viu uma grande luz;

habitavam numa terra de sombras

e uma luz brilhou para eles.

2Acrescentaste a alegria, ó Senhor,

aumentaste o júbilo.

Rejubilam diante de ti

como se alegram no tempo das ceifas,

como rejubilam ao repartirem os despojos.

3Tal como outrora com o jugo dos madianitas9,3 Madianitas. Alusão a Juízes 7. Ver Is 10,26.,

também agora quebras o jugo da opressão

que pesa sobre o teu povo,

a vara que lhes rasga os ombros

e o bastão do capataz de trabalhos forçados.

4A bota inimiga que pisa o solo com arrogância

e a capa enrolada9,4 A bota e a capa enrolada faziam parte do equipamento dos soldados assírios., tingida de sangue,

serão queimadas e pasto do fogo.

5É que um menino9,5 Ver Is 7,14; Lc 2,11. nos nasceu,

um filho nos foi dado.

Deus colocou a soberania sobre os seus ombros.

Os seus títulos são:

Conselheiro maravilhoso,

Deus forte, Pai para sempre,

Príncipe da paz.

6Ele vai alargar o seu domínio

e governar em paz total,

sobre o trono de David e sobre o seu reino.

Vai estabelecê-lo e consolidá-lo

com a justiça e o direito,

desde agora e para sempre.

É isto mesmo o que vai realizar

o Senhor do Universo, com todo o zelo.

A ira do Senhor

7O Senhor lançou a sua sentença

contra os descendentes de Jacob,

ela caiu sobre o reino de Israel9,7 Reino de Israel. O reino do Norte estava separado do de Judá havia uns 200 anos (ver 1 Rs 12). Samaria era a capital do reino do Norte..

8Todo o povo a há de ouvir,

o reino de Efraim e os habitantes da Samaria.

Eles dizem com soberba e presunção:

9«Se caíram os tijolos,

reconstruiremos com pedras lavradas;

se deitaram abaixo as vigas de sicómoro,

substituí-las-emos por vigas de cedro.»

10O Senhor fez que surgisse contra eles

o seu inimigo Recin9,10 Sobre a pessoa de Recin, ver Is 7,1..

Atiçou os seus adversários,

11os arameus pela frente

e os filisteus por detrás.

Eles devoraram Israel à boca cheia.

E apesar disto, a ira do Senhor não se acalma,

a sua mão continua ameaçadora.

12Mas o povo não se converteu a Deus, que o castigava,

não procurou o Senhor do Universo.

13Então num só dia,

o Senhor cortou em Israel a cabeça e a cauda

a palma e o junco.

14O ancião e o nobre são a cabeça,

os falsos profetas são a cauda.

15Os dirigentes do povo enganam-no,

e os dirigidos são totalmente esmagados.

16Por isso, o Senhor não se alegra9,16 Segundo o texto massorético. O texto de Isaías encontrado em Qumran diz: o Senhor não poupa. com os jovens,

e não tem compaixão dos órfãos e viúvas.

São todos ímpios e maus;

tudo quanto dizem é infame.

E apesar disto, a ira do Senhor9,16 Ver 5,25; 9,11. não se acalma,

a sua mão continua ameaçadora.

17A maldade está a arder como um fogo,

que consome silvas e cardos;

o fogo toma conta das árvores da floresta

e levanta para o céu colunas de fumo.

18O país está em chamas

devido à cólera do Senhor do Universo:

o povo é pasto das chamas.

Ninguém tem compaixão do seu próximo.

19Cortam um pedaço à direita

e continuam com fome,

devoram um outro pedaço à esquerda

e não ficam saciados.

Cada um devora os seus próprios parentes.

20A tribo de Manassés está contra a de Efraim

e esta contra a de Manassés,

e as duas juntas contra a de Judá.

E, apesar disto, a ira do Senhor não se acalma,

a sua mão continua ameaçadora.

10

Os culpados

101Ai dos que decretam leis injustas,

dos que escrevem leis que geram a miséria!

2Retiram do tribunal as reivindicações dos fracos,

e privam dos seus direitos os pobres do meu povo.

As viúvas servem-lhes de presa

e exploram os órfãos10,2 Sobre a situação dos pobres, ver Is 1,17.23; 3,14–15; Am 2,6–8; 5,7.10–15; 6,12; 8,4–6..

3Quando o Senhor intervier,

quando a tempestade chegar de longe,

que podereis fazer?

A quem ireis pedir auxílio?

E onde ireis esconder as vossas riquezas?

4Sereis humilhados como prisioneiros,

caindo por terra com os que morrem.

E, apesar disto, a ira do Senhor não se acalma,

a sua mão continua ameaçadora.

A Assíria ultrapassou as medidas

5O Senhor diz: «Ai da Assíria10,5 Assíria. Ver Is 10,24–27; 14,25; 30,27–33; 37,22–35., vara da minha ira

e bastão do meu furor10,5 Instrumento de castigo de Deus. Ver Is 5,26–30; 7,18.20; 8,7; cf. Jr 51,23.!

6Enviei-a contra uma nação infiel,

mandei-a contra o povo que me irritou,

para recolher os despojos e fazer a pilhagem,

para o calcar aos pés como barro da rua.

7Mas não foi assim que os assírios pensaram;

o seu coração tinha outros propósitos.

A sua ideia era aniquilar e exterminar

todas as nações que pudessem.

8Diziam: “Porventura os chefes dos meus exércitos

não valem tanto como os reis dos outros?

9Não aconteceu à cidade de Calno

o mesmo que à de Carquémis?

E não acabei com Hamat como com Arpad,

com a Samaria como com Damasco10,9 Calno, Carquémis, Hamat, Arpad. Cidades do reino arameu que tinha como capital Damasco. Entre 738 e 717 a.C caíram no poder da Assíria. Samaria. Capital do reino de Israel, tomada em 722–721 a.C. A disposição dos nomes das cidades sugere a ideia de marcha irresistível contra Jerusalém.?”

10A minha mão conquistou aqueles reinos de ídolos,

cujas imagens são mais ricas

que as de Jerusalém e Samaria.

11O que fiz com a Samaria e seus deuses,

hei de fazer também com Jerusalém e seus ídolos?»

12Quando o Senhor acabar a sua tarefa no monte Sião e em Jerusalém, castigará o orgulho do rei da Assíria e a arrogância do seu olhar insolente. 13Ele dizia:

«Tudo quanto fiz é devido à minha força

e ao meu saber, pois sou inteligente.

Acabei com as fronteiras entre as nações,

saqueei os seus tesouros

e destronei, como um herói, os seus reis.

14Como se mete a mão num ninho,

assim arrecadei as riquezas dos povos;

como quem apanha ovos abandonados,

assim apanhei eu toda a terra.

E não houve ninguém que batesse as asas

ou abrisse a boca para protestar.»

15Será que o machado se envaidece contra quem o usa?

E a serra vangloria-se contra quem a maneja?

É como se o pau manejasse a quem o segura,

e a vara levantasse quem é mais do que ela.

16Por isso, o Senhor Deus, todo-poderoso,

fará com que definhem os fortes guerreiros da Assíria.

E que em vez de glória, a febre os consuma como fogo ardente.

17A luz de Israel converter-se-á num fogo,

o seu Santo será uma chama,

que destruirá e queimará

os cardos e as silvas, num só dia.

18A beleza das suas florestas e pomares

será totalmente consumida,

como um homem minado pela doença.

19Apenas algumas árvores ficarão

na floresta da Assíria10,19 Ou: na sua floresta. Segundo esta leitura os v. 16–19 diriam respeito a Israel e não à Assíria., mas tão poucas

que até uma criança as poderá contar.

Os sobreviventes de Israel

20Naquele dia, o resto de Israel10,20 O tema o resto de Israel é um refrão muito presente em Isaías. Ver 4,3; 11,11.16; 28,5; cf. 16,14; 17,3; 21,17.,

os sobreviventes do povo de Jacob,

não voltarão mais a apoiar-se em quem os castigava;

vão apoiar-se, sim, no Senhor, o Santo de Israel10,20 Santidade. Este atributo de Deus é muito comum neste livro. Ver 1,4; 6,3; 10,17..

21Um resto voltará;

um resto do povo de Jacob

voltará para o Deus forte.

22Mesmo que a tua população, ó Israel,

fosse numerosa como as areias da praia,

apenas um resto voltaria para o Senhor.

A destruição está decretada,

a sentença está ditada.

23O Senhor, o Deus do Universo, cumprirá em toda a terra a destruição que decidiu10,23 Versículos citados em Rm 9,27–28..

Libertação da Assíria

24Por isso, assim fala o Senhor, Deus do Universo:

«Meu povo, que habitas em Sião, não temas a Assíria, embora te castigue com a vara e levante o seu pau contra ti, como fizeram outrora os egípcios. 25Dentro de muito pouco tempo a minha ira vai destruí-los, o meu furor acabará com eles.»

26O Senhor do Universo levantará contra a Assíria o seu chicote, como fez contra os madianitas no rochedo de Oreb10,26 Oreb. Ver Jz 7,23–25; não confundir com o rochedo de Ex 17,6. Comparar com Is 9,3.; erguerá o seu bastão contra o mar, como fez contra os egípcios.

27Naquele dia,

ele tirará dos teus ombros a carga pesada

e do teu pescoço o jugo torcido.

Em vez do jugo haverá abundância.

Uma invasão

28O inimigo avança sobre Aiat10,28 Aiat. Localidade poucos quilómetros a sul de Betel. O itinerário descrito nos v. 28–32 parte desta localidade, a 15 km a norte de Jerusalém, e dirige-se para sul através duma região acidentada.,

atravessa Migron e revista as armas em Micmás.

29Atravessa o desfiladeiro;

Guebo serve-lhe de acampamento.

A cidade de Ramá treme de medo

e Guibeá, a cidade de Saul, põe-se em fuga.

30Gritem forte, gente de Galim,

escutem, habitantes de Laís; respondam, povo de Anatot.

31Mademena pôs-se a salvo

e os habitantes de Guebim puseram-se em fuga.

32Mais um dia e o inimigo estará em Nob10,32 Nob. Aldeia situada no monte Scopus, no cimo do monte das Oliveiras. A invasão aqui descrita é provavelmente a de 734 a.C., cuja alusão aparece várias vezes em Isaías. Ver 7,1–9.,

e já estende a mão para o monte Sião,

a colina de Jerusalém.

33Vejam como o Senhor, Deus do Universo,

lança por terra a ramagem à machadada;

os troncos mais fortes serão abatidos,

os ramos mais altos derribados.

34Cortará as árvores da floresta com o machado

e o Líbano10,34 Líbano. Cadeia montanhosa a norte da Palestina, famosa pelas suas florestas de cedros. Umas vezes aparece como símbolo de orgulho (ver 2,13; 37,24), outras como símbolo de prosperidade (29,17; 33,9; 35,2). com o seu esplendor cairá por terra.