a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
34

Mensagem para Sedecias

341O Senhor falou a Jeremias quando o rei Nabucodonosor da Babilónia com o seu exército, apoiados pelas tropas aliadas de outras nações e raças, atacaram Jerusalém e as cidades circunvizinhas34,1 Ver 2 Rs 25,1–11; 2 Cr 36,17–21; comparar com Jr 21,2.. 2O Senhor, Deus de Israel, ordenou-lhe que se apresentasse diante do rei de Judá, Sedecias, e dissesse: «Eu, o Senhor, entregarei esta cidade ao rei da Babilónia e ele vai incendiá-la. 3Não escaparás; serás capturado e cairás nas suas mãos. Com os teus olhos verás o rei da Babilónia e falarás com ele em pessoa; e, depois, serás levado para a Babilónia.

4Presta atenção ao que tenho para te dizer, rei Sedecias: tu não serás morto na batalha. 5Vais morrer em paz. E assim como se queimava incenso, quando os teus antepassados, que reinaram antes de ti, eram sepultados, assim queimarão incenso em tua honra, e te lamentarão e chorarão por ti. Sou eu, o Senhor, que to declaro. Palavra do Senhor

6Em seguida, o profeta Jeremias entregou esta mensagem ao rei Sedecias, em Jerusalém. 7Entretanto o exército do rei da Babilónia atacava a cidade e sitiava simultaneamente Láquis e Azaca, as outras cidades fortificadas de Judá, que ainda ofereciam resistência.

Tratamento infligido aos escravos

8O Senhor falou a Jeremias, depois de o rei Sedecias e o povo de Jerusalém terem chegado a acordo para porem em liberdade 9os escravos hebreus de ambos os sexos, que tinham em seu poder, para que ninguém tivesse um judeu, seu compatriota, como escravo. 10Tanto o povo como os seus dirigentes concordaram em libertar definitivamente os seus escravos e escravas. E puseram-nos, de facto, em liberdade. 11Mas mais tarde, mudaram de ideias e apoderaram-se deles novamente, fazendo-os outra vez escravos.

12Então o Senhor, Deus de Israel, falou a Jeremias 13e mandou-o ir dizer ao povo: «Eu fiz uma aliança com os vossos antepassados, quando os fiz sair do Egito, da terra da escravidão. Disse-lhes que, 14ao fim de cada período de sete anos, cada um devia pôr em liberdade34,14 Ver Ex 21,2–3; Dt 15,1215. os escravos hebreus, que os tivessem servido durante seis anos. Mas os vossos antepassados não me quiseram dar ouvidos nem me obedeceram. 15Há poucos dias, mudaram de opinião e agiram segundo a minha vontade. Concordaram em libertar os vossos compatriotas e fizeram um pacto na minha presença, no templo que é o meu santuário. 16Mas depois mudaram de novo e desprezaram-me. Voltaram a apoderar-se deles, reduzindo outra vez à escravidão os escravos e escravas que tinham libertado.

17Por isso, eu, o Senhor, vos declaro: “Não me obedeceram, não libertaram os vossos compatriotas. Pois bem, eu vou libertar contra vós a guerra, a doença e a fome. Farei com que as nações da terra fiquem horrorizadas diante de vós.

18Entregarei nas mãos dos seus inimigos aqueles que transgrediram a minha aliança e não cumpriram o acordo que fizeram na minha presença, ao passarem entre as duas metades dum boi, que cortaram ao meio. 19Entregarei ao inimigo os governantes de Judá e Jerusalém, juntamente com os eunucos do palácio, os sacerdotes e os habitantes do país, que fizeram o pacto, passando pelas metades do boi34,19 Ver Gn 19,9–18 e nota ao v. 10.. 20Ficarão à mercê daqueles que procuram matá-los e os seus cadáveres serão comidos pelas aves e animais selvagens. 21Entregarei ainda o rei Sedecias de Judá e os seus oficiais aos inimigos que procuram matá-los. Vou entregá-los ao exército da Babilónia. Pois, se eles levantaram o cerco que faziam contra vocês e se retiraram34,21 Ver 37,5–11., 22darei ordens para que voltem a esta cidade e a ataquem, a conquistem e lhe deitem o fogo. Transformarei as cidades de Judá num deserto, onde ninguém vive. Palavra do Senhor!”»

35

Jeremias e os recabitas

351Quando Joaquim, filho de Josias, era rei de Judá35,1 Ver 22,13 e nota., o Senhor disse a Jeremias:

2«Vai ter com os membros da família dos recabitas35,2 Ver 2 Rs 10,15–16; 1 Cr 2,55. e fala com eles. Leva-os a uma das salas contíguas ao templo e dá-lhes vinho a beber.»

3Então eu chamei os membros da família dos recabitas, com Jazanias, filho de um outro Jeremias, que era filho de Habacinias e os seus irmãos e filhos, 4e levei-os ao templo. Introduzi-os na sala dos discípulos do servo de Deus, Hanan, filho de Jigdalias. Esta sala ficava por cima da de Masseias, filho de Salum, encarregado de guardar a entrada do templo e ficava contígua às salas de outros oficiais. 5Em seguida, diante dos recabitas pus copos e jarros cheios de vinho e disse-lhes: «Bebam vinho!»

6Porém eles responderam: «Nós não bebemos vinho. O nosso antepassado Jonadab, filho de Recab, disse-nos que nem nós, nem os nossos filhos devíamos beber vinho. 7Acrescentou que não construíssemos casas, não fizéssemos sementeiras e não plantássemos vinhas nem as comprássemos. Ordenou-nos que vivêssemos sempre em tendas, para que pudéssemos permanecer nesta terra, onde habitamos como estrangeiros.

8Nós obedecemos a tudo o que Jonadab nos ordenou. Por isso, nunca bebemos vinho, nem as nossas mulheres, nem os nossos filhos e filhas. 9Também não edificamos casas para nossa habitação; não possuímos vinhas, nem campos, nem sementeiras. 10Mas vivemos em tendas e obedecemos estritamente a tudo o que o nosso antepassado Jonadab nos ordenou. 11No entanto, quando o rei Nabucodonosor invadiu o país, decidimos vir para Jerusalém, a fim de escapar ao exército de babilónios e arameus. É por isso que aqui estamos.»

12Então o Senhor todo-poderoso, o Deus de Israel, falou a Jeremias 13e ordenou-lhe que fosse dizer da sua parte ao povo de Judá e de Jerusalém: «Por que é que se recusam a dar-me ouvidos e a obedecer às minhas instruções? Palavra do Senhor! 14Os descendentes de Jonadab obedeceram à sua ordem de não beberem vinho e ainda agora o não bebem. Porém eu tenho-vos avisado sem cessar, e vocês não me quiseram obedecer. 15Repetidamente vos enviei os meus servos, os profetas35,15 Ver 7,25 e nota., que insistiram convosco para mudarem de procedimento e fazerem o que é reto. Preveniram-vos para que não prestassem culto nem servissem a outros deuses, de modo que pudessem continuar a habitar nesta terra que vos dei e aos vossos antepassados. Mas vocês não me quiseram dar ouvidos e não me obedeceram. 16Os descendentes de Jonadab obedeceram à ordem do seu antepassado, mas vocês não me obedeceram.

17Por isso, agora, eu, o Senhor todo-poderoso, o Deus de Israel, farei cair sobre os habitantes de Judá e de Jerusalém a destruição que prometi trazer. Assim farei porque não quiseram ouvir o que vos disse, nem responderam quando vos chamei.»

18Seguidamente Jeremias comunicou aos membros da família dos recabitas o que o Senhor, o Deus de Israel, dissera: «Por terem obedecido à ordem que o vosso antepassado Jonadab vos deu; por terem seguido as suas instruções e cumprido tudo o que ele vos ordenou, 19eu, o Senhor todo-poderoso, Deus de Israel, vos prometo que haverá sempre alguém da descendência de Jonadab, filho de Recab, que terá o privilégio de estar no meu santuário

36

Baruc lê o rolo no templo

361No quarto ano do reinado de Joaquim36,1 Ver 22,13; 25,1 e respetivas notas., filho de Josias, rei de Judá, o Senhor deu a seguinte ordem a Jeremias: 2«Pega num pergaminho e escreve nele tudo o que te disse acerca de Judá e de Israel e das outras nações. Escreve tudo quanto te revelei, desde que comecei a falar-te, desde o tempo em que Josias era rei, até hoje. 3Talvez, quando os habitantes de Judá ouvirem acerca da desgraça que estou a planear trazer contra eles, se arrependam dos seus maus atos. Então perdoar-lhes-ei a sua maldade e os seus pecados

4Jeremias chamou então Baruc, filho de Néria, e ditou-lhe tudo o que o Senhor lhe comunicara. E Baruc escreveu tudo num pergaminho.

5Seguidamente, deu-lhe as seguintes instruções: «Já não tenho autorização de ir ao templo. 6Quero, porém, que tu vás na próxima vez em que o povo jejuar. Deves ler este rolo em voz alta, diante do povo que lá estiver, diante de todo o povo de Judá, para que ouçam tudo o que o Senhor me comunicou e que eu te ditei. 7Talvez eles peçam perdão ao Senhor e se arrependam dos seus maus caminhos, porque o Senhor ameaçou castigar este povo com a sua ira e fúria.»

8Assim Baruc leu no templo as palavras do Senhor escritas no rolo, tal como lhe ordenara o profeta Jeremias. 9No nono mês36,9 Corresponde ao mês de novembro ou dezembro. do quinto ano em que Joaquim era rei de Judá, todo o povo de Jerusalém e todos os que vieram das cidades de Judá foram convocados para uma cerimónia de jejum, no templo do Senhor. 10Nessa altura, Baruc leu, diante de todo o povo, o rolo, com tudo o que eu ditara. Foi no templo, na sala de Guemarias, filho de Chafan, o escriba. Esta sala ficava situada no átrio superior, junto à entrada da Porta Nova do templo.

O rolo é lido diante dos oficiais

11Miqueias, filho de Guemarias e neto de Chafan, ouviu Baruc ler o rolo com tudo o que o Senhor dissera. 12E dirigiu-se, em seguida, para o palácio real, para a sala do escriba, onde os oficiais se encontravam reunidos em sessão. Elisama, o escriba, Delaías, filho de Chemaías, Elnatan, filho de Acbor, Guemarias, filho de Chafan, Sedecias, filho de Hananias e todos os restantes oficiais se encontravam ali. 13E Miqueias comunicou-lhes o que ouvira Baruc ler ao povo.

14Então os oficiais enviaram Jeudi, filho de Netanias, neto de Chelemias, e bisneto de Cuchi, para ir dizer a Baruc que lhes levasse o rolo que acabara de ler diante do povo. E Baruc assim fez. 15Então disseram-lhe: «Senta-te aí e lê-nos esse rolo!» E Baruc leu-o de novo, diante de todos. 16Ao ouvirem tudo aquilo, voltaram-se uns para os outros alarmados e disseram a Baruc: «Temos de comunicar isto ao rei.»

17E perguntaram-lhe ainda: «Diz-nos como é que escreveste isto tudo! Foi Jeremias quem to ditou?»

18Baruc respondeu: «Jeremias ditou-me todas estas palavras e eu escrevi-as com tinta neste rolo.» 19Então replicaram-lhe: «Tu e Jeremias têm de se ir embora e esconder-se. Que ninguém saiba onde vocês estão!»

O rei deita fogo ao rolo

20Os oficiais colocaram o rolo na sala de Elisama, o escriba, e dirigiram-se ao palácio do rei, onde lhe relataram o sucedido.

21Então o rei mandou Jeudi ir buscar o rolo. Jeudi retirou-o da sala de Elisama e leu-o ao rei e a todos os oficiais que estavam presentes junto dele. 22Era inverno, e o rei estava sentado nos seus aposentos de inverno, diante da lareira acesa. 23Quando Jeudi tinha lido três ou quatro colunas, o rei cortou-as com uma pequena faca e atirou-as para a lareira. E assim continuou a fazer até que todo o rolo foi queimado. 24Porém nem o rei nem os seus oficiais, que ouviram tudo isto, tiveram medo nem mostraram sinais de arrependimento. 25E, embora Elnatan, Delaías e Guemarias pedissem ao rei que não queimasse o rolo, ele não quis saber. 26Pelo contrário, ordenou ao príncipe Jeramel36,26 Ou: ao oficial de polícia. Ver Jr 38,6; 1 Rs 22,26–27; 2 Cr 28,7., a Seraías, filho de Azeriel e a Chelemias, filho de Abdiel, que prendessem o profeta Jeremias e o seu secretário Baruc. Porém o Senhor, entretanto, tinha-os escondido.

Jeremias escreve outro rolo

27Depois de o rei Joaquim ter queimado o rolo com as mensagens que Jeremias ditara a Baruc, o Senhor disse a Jeremias: 28«Toma outro pergaminho e escreve nele tudo o que escreveste no primeiro, naquele que Joaquim queimou. 29E diz também a Joaquim, rei de Judá: “Tu queimaste o rolo e perguntaste por que é que Jeremias escreveu que o rei da Babilónia viria e destruiria esta terra e mataria os seus habitantes e animais. 30Por isso, eu, o Senhor, declaro que nenhum dos descendentes do rei Joaquim reinará no trono de David. O seu cadáver será lançado fora e ficará exposto ao sol, de dia, e à geada, de noite. 31Hei de castigá-lo, bem como aos seus descendentes e aos seus oficiais, por causa dos seus pecados. Nem ele nem os habitantes de Jerusalém e de Judá quiseram saber dos meus avisos. Por isso, farei cair sobre eles a desgraça com que os ameacei.”»

32Seguidamente, Jeremias pegou noutro rolo e entregou-o ao seu secretário Baruc, que escreveu tudo quanto ele lhe ditou. Escreveu tudo o que continha o primeiro rolo, que Joaquim tinha queimado e acrescentou ainda muitas outras mensagens semelhantes.