a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
1

11Mensagem que o Senhor confiou a Joel, filho de Petuel.

Devastação do país

2«Ouçam o que vos digo, ó responsáveis do povo,

prestem atenção, habitantes deste país1,2 Pelo contexto de todo o livro, o profeta dirige-se ao reino de Judá. Ver sobretudo 4,1.6–8.20.!

Porventura aconteceu algo semelhante

durante a vossa vida

ou durante a vida dos vossos antepassados?

3Contem-no aos vossos filhos,

para que eles o contem também aos seus filhos

e estes à geração seguinte.

4O que as lagartas deixaram

foi comido pelos gafanhotos;

o que os gafanhotos deixaram

foi comido pelos saltões,

e o que os saltões deixaram

foi comido pelos outros insetos1,4 O texto hebraico apresenta quatro espécies de gafanhotos. O significado primitivo das palavras usadas é de difícil compreensão. Trata-se de espécies de insetos parasitas e destruidores..

5Despertem, chorem e lamentem-se,

ó gente bêbeda e viciada do vinho,

porque vão ficar sem uvas para fazer mais vinho.

6Um povo estrangeiro invade o meu país.

São muitos e poderosos,

têm dentes de leão e queixadas de leoa.

7Converte as minhas vinhas em desolação,

as minhas figueiras são feitas em pedaços;

são roídas por dentro, descascadas,

até que os ramos perdem a cor.

8Lamentem-se como a noiva vestida de luto,

que acaba de perder o seu noivo.

9No templo do Senhor,

acabaram as ofertas de trigo e de vinho,

os sacerdotes que o servem estão de luto.

10Os campos estão devastados,

as terras mergulhadas na tristeza;

o trigo está perdido, as videiras estão secas

e não há mais azeite.

11Os lavradores estão desolados,

os viticultores lamentam-se.

O milho e a cevada estão perdidos,

as colheitas dos campos são uma miséria.

12A vinha está seca, as figueiras sem cor,

as romãzeiras, as tamareiras e as macieiras,

todas as árvores de fruto estão mirradas.

Realmente, acabou-se a alegria entre as pessoas.»

Convite ao jejum e à oração pública

13Vistam-se de luto, ó sacerdotes,

lamentem-se, ministros do altar.

Venham passar a noite em penitência,

ó ministros do meu Deus!

Pois no templo do vosso Deus

não há mais ofertas de trigo e de vinho.

14Proclamem um jejum, convoquem uma assembleia solene,

reúnam os responsáveis do povo e toda a população,

no templo do Senhor, vosso Deus,

e dirijam ao Senhor as vossas súplicas.

O dia do castigo do Senhor

15Que dia terrível!

Aproxima-se o dia do castigo do Senhor1,15 O dia do castigo do Senhor. Tema central do livro. Ver Jl 2,1–2.11; 3,4; 4,14; Is 13,6–9; Ez 30,2–3; Am 5,18; Ob v. 15; Sf 1,7.14–15; Zc 14,1; Ml 3,2–5.19–21.;

ele aí vem com a destruição decidida pelo Deus supremo.

16Não veem como falta a comida

e no templo do nosso Deus falta a alegria e a festa?

17Secaram as sementes debaixo dos torrões,

os silos estão arruinados,

os celeiros destruídos

porque as colheitas de trigo ficaram perdidas.

18Ouçam os mugidos do gado!

As manadas de bois e vacas vagueiam à toa,

porque não encontram pastagens.

E os rebanhos de ovelhas sofrem o mesmo castigo.

Oração do profeta

19A ti, Senhor, dirijo a minha súplica!

O fogo devora as pastagens,

o calor abrasa todas as árvores do campo.

20Até os animais selvagens se voltam para ti, mugindo,

porque os regatos estão secos

e o fogo devora as pastagens do campo.