a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
21

Vitória sobre os cananeus

211O rei de Arad21,1 Arad fica a uns 30 km a leste de Bercheba., um cananeu que habitava no Negueve, soube que os israelitas vinham pelo caminho de Atarim21,1 Localidade desconhecida. Ver 33,40., atacou-os e levou alguns como prisioneiros. 2Então os israelitas fizeram a seguinte promessa ao Senhor: «Se nos deres a vitória sobre este povo, todas as suas cidades serão votadas à destruição em tua honra.» 3O Senhor ouviu o pedido dos israelitas e deu-lhes a vitória sobre os cananeus e os israelitas condenaram à destruição as suas cidades. E aquele lugar passou a chamar-se Horma21,3 Horma quer dizer, em hebraico, “destruição”..

As serpentes venenosas

4Do monte Hor, os israelitas dirigiram-se para o Mar Vermelho, contornando o território de Edom21,4 Ver Dt 2,1.. Mas no caminho, o povo sentiu-se muito cansado 5e começou a protestar contra Deus e contra Moisés: «Por que é que nos fizeram sair do Egito, para morrermos no deserto? Não temos nem pão nem água e já estamos enjoados desta comida fraca.»

6O Senhor enviou contra o povo serpentes venenosas; elas morderam muita gente e muitos israelitas morreram21,6 Sobre os v. 5–6, ver 1 Co 10,9.. 7Então o resto do povo foi ter com Moisés, exclamando: «Errámos, quando protestámos contra o Senhor e contra ti! Pede ao Senhor que afaste de nós as serpentes.» E Moisés pediu ao Senhor em favor do povo. 8O Senhor respondeu-lhe: «Arranja uma serpente de metal e pendura-a no cimo dum pau. Quando alguém for mordido por uma serpente e olhar para esta serpente, salvará a vida.»

9Moisés fez uma serpente de bronze e pendurou-a no cimo dum pau. Quando as serpentes mordiam em alguém, este olhava para a serpente de bronze e ficava curado21,9 Ver 2 Rs 18,4; Jo 3,14..

Etapas até ao monte Pisga

10Os israelitas partiram e foram acampar em Obot. 11Depois saíram de Obot e foram acampar em Ié-Abarim, no deserto que se encontra a oriente de Moab. 12Dali, foram para junto da ribeira de Zéred. 13Saindo de Zéred, foram acampar do outro lado do Arnon, rio que nasce no território dos amorreus e atravessa o deserto, servindo de fronteira entre o território de Moab e o dos amorreus. 14Assim se lê no livro das Guerras do Senhor21,14 O livro das Guerras do Senhor deve ser uma recolha de poemas, do qual só conhecemos este poema relativamente difícil de traduzir.:

«Vaeb, em Sufá, e os afluentes,

o Arnon e a margem dos seus afluentes,

15que se estendem para os lados de Ar

e chegam até à fronteira de Moab.»

16Dali foram para Beer que era o poço21,16 Beer, quer dizer, em hebraico, “poço”. a propósito do qual o Senhor tinha dito a Moisés: «Manda reunir o povo que eu lhes darei água.» 17Foi então que os israelitas cantaram a seguinte canção21,17 Fragmento de um outro poema de origem desconhecida.:

«Sobe, água do poço!

Cantem-lhe canções!

18Poço aberto por príncipes,

cavado por gente nobre,

com seus cetros e cajados de comando.»

Do deserto, foram para Mataná 19e dali para Naliel; de Naliel foram para Bamot 20e dali para o vale dos campos de Moab, em direção ao cimo do monte Pisga, donde se domina toda a estepe.

Vitória sobre os reis Seon e Og

21Os israelitas enviaram mensageiros a Seon, rei dos amorreus, para lhe dizerem: 22«Deixa-nos atravessar o teu país; não nos desviaremos nem por campos nem por vinhas, nem beberemos águas das fontes. Seguiremos sempre pela estrada real21,22 Ver nota a 20,17., até termos atravessado o teu território.»

23Mas Seon não lhes permitiu atravessar o seu território. Pelo contrário, reuniu todo o seu exército e saiu contra os israelitas, no deserto. Foi encontrá-los em Jaás e atacou-os. 24Estes derrotaram Seon e conquistaram todo o seu país, desde o Arnon até ao Jaboc e ao país dos amonitas, cuja fronteira se encontrava fortificada. 25Os israelitas conquistaram todas as suas cidades e instalaram-se em todas as cidades amorreias, incluindo Hesbon e as suas aldeias. 26Hesbon era a capital de Seon, rei dos amorreus. Este tinha estado em guerra contra o anterior rei de Moab e tinha-se apoderado de todo o seu país até ao Arnon. 27A propósito disso diziam os poetas:

«Venham a Hesbon, capital do rei Seon!

Venham agora reconstruí-la e restaurá-la!

28O fogo saía de Hesbon,

as chamas, da capital de Seon;

o fogo devorou Ar de Moab

e os senhores das colinas do Arnon.

29Ai de ti, Moab!

Estás perdido, ó povo do deus Camós!

As tuas filhas e os teus filhos sobreviventes

são prisioneiros do rei amorreu, Seon21,29 Ou: os homens tiveram de fugir e as mulheres ficaram prisioneiras..

30Nós atirámos sobre os amorreus

e Hesbon ficou desfeita até Dibon;

devastámo-los até Nofa

e o fogo alastrou até Madabá.»

31Os israelitas instalaram-se na terra dos amorreus. 32Moisés enviou espiões para explorar a cidade de Jazer. Os israelitas apoderaram-se também das suas aldeias, expulsando os habitantes amorreus. 33Depois mudaram de direção e dirigiram-se para Basã. Og, rei de Basã, saiu contra eles com todo o seu exército e deu-lhes batalha em Edrei.

34O Senhor disse a Moisés: «Não tenhas medo dele, pois eu ponho-o à tua disposição com todo o seu exército e todo o seu país. Trata-o como trataste Seon, rei dos amorreus, que habitava em Hesbon.»

35E os israelitas derrotaram-no a ele, aos seus filhos e a todo o seu exército, sem que tenha ficado nenhum sobrevivente, e conquistaram o seu país.