a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
2

Humilhação e glória de Cristo

21Portanto, se algum encorajamento, alguma consolação de amor, alguma comunhão do Espírito, alguns entranhados afetos e sentimentos de compaixão resultam da nossa união com Cristo, 2então peço-vos que me deem a grande satisfação de viverem em harmonia. Estejam unidos pelo mesmo amor numa só alma e nos mesmos sentimentos. 3Não façam nada por ambição pessoal nem por orgulho, mas, com humildade, considerem os outros superiores a vós próprios. 4Que ninguém procure apenas o seu interesse, mas também o dos outros. 5Tenham os mesmos sentimentos que havia em Cristo Jesus2,5 Outra tradução: Comportai-vos bem uns para com os outros, como deve acontecer com aqueles que estão em Jesus Cristo.:

6Ele, que por natureza era Deus,

não quis agarrar-se a esse direito

de ser igual a Deus.

7Pelo contrário, privou-se do que era seu

e tomou a condição de escravo,

tornando-se igual aos homens.

E, vivendo como homem,

8humilhou-se a si mesmo,

obedecendo até à morte, e morte na cruz.

9Por isso, Deus elevou Jesus acima de tudo

e lhe deu o Nome que está acima de todo o nome;

10para que ao nome de Jesus se dobrem todos os joelhos:

no Céu, na Terra e debaixo da terra2,10 A expressão designa o mundo dos mortos.;

11e para que todos proclamem, para glória de Deus Pai:

Jesus Cristo é o Senhor2,11 Os v. 6–11 reproduzem, provavelmente, um hino antigo dos cristãos.!

Ser luz para o mundo

12Portanto, meus irmãos, como sempre me obedeceram quando eu aí estava, obedeçam-me ainda mais agora que estou ausente. Trabalhem pela vossa salvação com temor e tremor, 13pois Deus está sempre a ajudar, fazendo com que desejem e realizem o que é da sua vontade. 14Façam tudo sem murmurações nem contendas 15para que sejam pessoas retas e dignas, filhos de Deus irrepreensíveis no meio de gente corrompida e perversa. Devem brilhar no meio dessa gente como estrelas no céu, 16levando-lhes a mensagem da vida. Desse modo, no dia de Cristo, eu poderei sentir-me satisfeito convosco, sabendo que não me esforcei nem trabalhei em vão.

17Ainda que a minha vida tenha de ser oferecida como vítima de sacrifício, para juntar à vossa oferta de fé a Deus, eu sinto prazer nisso e compartilho essa alegria convosco. 18Da mesma maneira, sintam igual prazer e tomem parte na minha alegria.

Paulo envia os seus colaboradores

19Espero no Senhor enviar-vos brevemente Timóteo, para também eu ficar cheio de ânimo quando tiver notícias vossas. 20Não tenho nenhum outro tão unido a mim e que assim se preocupe tanto convosco. 21Todos os outros se preocupam apenas com os seus interesses e não com os de Jesus Cristo. 22Mas quanto a Timóteo, bem sabem como deu provas da sua virtude e como trabalhou comigo ao serviço do evangelho, como se fosse um filho com o seu pai. 23Espero enviá-lo, logo que saiba como vai terminar a minha situação. 24Confio no Senhor que também eu irei ver-vos brevemente.

25Julguei que também era conveniente mandar-vos Epafrodito2,25 Epafrodito. Delegado da igreja de Filipos junto de Paulo como se vê em 4,15–18., irmão e companheiro de trabalho e de lutas, vosso enviado para me ajudar nas minhas necessidades. 26Ele tem tido muitas saudades de todos e tem andado preocupado convosco, por terem ouvido que ele estava doente. 27É verdade que esteve doente, mesmo quase a morrer, mas Deus compadeceu-se dele, e não só dele mas também de mim, para que eu não tivesse mais aflições do que as que já tenho. 28E por isso vou mandá-lo o mais depressa possível, para que sintam a alegria de o verem novamente e para que eu fique menos preocupado. 29Recebam-no, pois, com toda a alegria como um irmão no Senhor e estimem os que são como ele. 30Esteve quase a morrer ao serviço de Cristo, arriscando a sua própria vida para me prestar o auxílio que me faltava da vossa parte.

3

Cristo vale mais que tudo

31Finalmente, meus irmãos, desejo que tenham alegria no Senhor. A mim não me custa repetir o que já vos escrevi, pois é do vosso interesse. 2Cuidado com os cães3,2 Expressão pejorativa que geralmente se usa para pessoas inimigas. Ver Mt 7,6. Aqui refere-se aos que defendiam a obrigação de se circuncidarem todos os crentes em Jesus Cristo.; cuidado com os falsos pregadores; cuidado com os fanáticos da circuncisão. 3Nós, e não eles, é que recebemos a verdadeira circuncisão, porque estamos ao serviço de Deus pelo seu Espírito e nos sentimos orgulhosos de pertencer a Cristo Jesus, em vez de pormos a nossa confiança no que é apenas humano. 4É certo que eu também podia confiar nessas coisas. Se alguém julga que pode confiar nisso, eu ainda tenho mais razões: 5fui circuncidado ao oitavo dia, sou judeu de nascimento, pertenço à tribo de Benjamim3,5 A tribo de Benjamim era muito estimada pela sua fidelidade à dinastia de David. 1 Rs 12,21–24., sou descendente de hebreus. No que diz respeito à prática da lei, eu era fariseu 6e tão fanático que perseguia a igreja. Quanto ao cumprimento daquilo que manda a lei, ninguém me podia repreender em nada. 7Mas todas essas coisas, que eu julgava proveitosas, considero-as agora como prejudiciais para a causa de Cristo. 8Na verdade, considero tudo como um prejuízo, em comparação com o maravilhoso conhecimento de Jesus Cristo, meu Senhor. Por causa dele, desprezei tudo. Para ganhar Cristo e estar bem unido a ele, considero tudo isso como lixo. 9Se vivo em comunhão com Deus, não é com base na minha própria justiça, que vem da lei, mas sim com a que vem da fé em Cristo, a justiça que vem de Deus com base na fé. 10O que eu desejo é conhecer a Cristo e experimentar o poder da sua ressurreição, tomar parte nos seus sofrimentos, chegando a ser como ele na morte, 11com a esperança de alcançar a ressurreição de entre os mortos.

Correndo para a meta

12Não quero dizer que já o tenha alcançado ou que seja perfeito, mas continuo a ver se o consigo, visto que para isso fui conquistado por Cristo. 13É certo, meus irmãos, que eu não penso ter já conseguido isso, mas faço uma coisa: esqueço-me do que ficou para trás e esforço-me por atingir o que está diante de mim. 14Deste modo, caminho em direção à meta para obter o prémio que Deus nos prometeu dar no Céu por meio de Cristo Jesus.

15Todos nós, que já somos adultos na fé, devemos pensar assim. Mas se alguns pensam doutro modo, Deus lhes fará ver as coisas. 16Como quer que seja, continuemos na mesma linha que até agora temos seguido.

17Irmãos, sigam o meu exemplo e imitem também aqueles que vivem de acordo com o exemplo que eu vos dei. 18Já vos disse muitas vezes e agora repito isto com lágrimas: há muitos que vivem como inimigos da cruz de Cristo. 19O fim deles é a perdição, pois o seu deus é o estômago3,19 Referência às prescrições hebraicas que proibiam certos alimentos. Rm 16,18; Cl 2,16.20–22.. Sentem honra naquilo que os devia envergonhar3,19 É natural que se esteja a referir à circuncisão. Ver Gl 6,13.15. e só pensam nas coisas deste mundo. 20Nós, porém, somos cidadãos do céu e de lá esperamos que venha o nosso Salvador, o Senhor Jesus Cristo. 21Ele transformará o nosso pobre corpo, tornando-o semelhante ao seu corpo glorioso, com aquele mesmo poder que ele tem para exercer domínio sobre todas as coisas.

4

Recomendações

41Portanto, meus queridos irmãos, de quem tenho tantas saudades, vocês que são a minha alegria e o meu prémio, continuem assim firmes no Senhor.

2Peço a Evódia e a Síntique que vivam em harmonia, segundo a vontade do Senhor. 3E peço-te a ti, meu fiel companheiro4,3 Ignora-se quem seja esse fiel companheiro. Poderá mesmo acontecer que a palavra grega zuzugos seja um nome próprio., que as ajudes. Pois elas lutaram ao meu lado na pregação do evangelho, juntamente com Clemente e todos os meus companheiros de trabalho, que têm os seus nomes escritos no livro da vida.

4Alegrem-se sempre no Senhor. Repito, alegrem-se nele.

5Sejam amáveis para toda a gente. O Senhor virá em breve. 6Não se aflijam com coisa nenhuma, mas em todas as orações peçam a Deus aquilo de que precisam, com espírito de gratidão. 7E a paz de Deus, que vai mais além do que nós podemos entender, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em união com Cristo Jesus. 8Por último, meus irmãos, prestem atenção ao que é verdadeiro, honesto, digno, puro, amável, ao que tem boa fama, ao que é virtuoso e digno de louvor. 9Ponham em prática o que aprenderam de mim, o que me ouviram e viram fazer, e estará convosco o Deus da paz.

Agradecimentos

10Muito me alegrei no Senhor por me terem manifestado novamente sentimentos de carinho. Não quero dizer que eu pense que me tivessem esquecido, mas não tinham tido ocasião de se manifestarem. 11Não digo isto por precisar de alguma coisa, pois aprendi a contentar-me com o que tenho. 12Sei viver na pobreza e também na abundância. Aprendi a viver em toda e qualquer situação: a ter fartura e a ter fome, a ter em abundância e a não ter o suficiente. 13Posso enfrentar todas as dificuldades naquele que me fortalece. 14Contudo, fizeram bem em compartilhar as minhas dificuldades.

15Irmãos filipenses, bem sabem que no início da pregação do evangelho, quando parti da Macedónia, vocês foram a única igreja a ajudar-me. Compartilharam comigo no dar e no receber. 16Por mais que uma vez, quando eu estava em Tessalónica, me enviaram ajuda para as minhas necessidades. 17Não é que eu procure ofertas, mas desejo que seja acrescentado o mérito à vossa recompensa. 18Eu possuo tudo e em abundância. Agora que recebi tudo o que me enviaram por meio de Epafrodito, tenho mais do que o necessário. Essa oferta foi como o perfume de um sacrifício que Deus aceita e lhe agrada. 19O meu Deus há de conceder-vos com largueza tudo aquilo de que precisarem, segundo a sua riqueza gloriosa em Cristo Jesus. 20Glória a Deus, nosso Pai, para sempre. Ámen.

Saudações finais

21Saudações a todos os santos em Cristo Jesus. Os irmãos que estão comigo mandam-vos saudades. 22Todos, especialmente os do palácio do imperador4,22 Pode acontecer que não se tratem de pessoas do palácio do imperador em Roma, mas que se refira àqueles que estavam ao serviço do imperador nalguma outra cidade onde residisse um governador romano., vos enviam cumprimentos.

23Que a graça do Senhor Jesus Cristo esteja convosco.