a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
17

171Mais vale pão seco comido em paz

do que banquete em casa cheia de contendas.

2O servo prudente tomará o lugar do filho indigno

e terá parte na herança como mais um irmão.

3O ouro e a prata são provados pelo fogo,

mas é o Senhor quem prova a qualidade dos homens.

4O malfeitor dá ouvidos às palavras perversas;

o mentiroso escuta a má língua.

5Quem troça do pobre insulta o seu Criador;

quem se alegra com a desgraça alheia

não ficará sem castigo.

6Os netos são a coroa dos velhos;

o orgulho dos filhos são os seus pais.

7A linguagem distinta não fica bem ao insensato;

nem a um dirigente a linguagem falsa.

8Quem pratica o suborno vê nele uma varinha mágica,

que alcança tudo o que pretende.

9Esquecer uma ofensa cria laços de amizade;

insistir nela separa os maiores amigos.

10Uma reprimenda cala mais fundo nos inteligentes

do que cem vergastadas nos insensatos.

11O revoltoso só procura fazer mal;

mas contra ele será enviado o mensageiro cruel.

12Mais vale encontrar uma ursa enfurecida,

por lhe terem roubado os filhotes,

do que um estúpido a dizer tolices.

13Todo aquele que paga o bem com o mal

jamais verá a desgraça sair da sua casa.

14Começar uma contenda é como abrir um dique:

afasta-te antes que ele rebente.

15O Senhor detesta aquele que absolve o culpado

bem como aquele que condena o inocente.

16De que serve ao insensato ter dinheiro

para comprar sabedoria, se não tem juízo?

17Um amigo que mantém a amizade

é como um irmão em ocasiões difíceis.

18É insensato quem, com um aperto de mão,

fica por fiador das dívidas de outro.

19Quem gosta de ofender provoca querelas;

quem se vangloria17,19 Literalmente: quem engrandece a sua porta. atrai a ruína.

20O homem de coração perverso não encontra o bem;

o que espalha embustes cairá na desgraça.

21Ter um filho insensato é realmente triste;

o pai de um louco não pode ter alegria.

22Coração alegre dá saúde ao corpo;

espírito abatido seca os ossos.

23O homem desonesto aceita presentes em segredo,

para desviar o curso da justiça.

24A sabedoria está no rosto do homem sensato;

os olhos do estúpido vagueiam pela terra.

25O filho insensato causa irritação ao seu pai

e amargura àquela que o deu à luz.

26Não é justo multar quem está inocente,

nem punir o que procede com retidão.

27Aquele que poupa palavras é pessoa de saber

e o homem sensato reflete com frieza.

28O insensato passa por sábio e prudente,

quando fecha a boca e se cala.

18

181Quem se isola só segue os seus caprichos

e irrita-se sempre que alguém tem êxito.

2O que interessa ao insensato não é compreender,

mas sim fazer alarde dos seus pensamentos.

3Com a maldade vem o desprezo;

com a desonra vem a vergonha.

4As palavras do homem podem ser profundas como o oceano;

a conversa do sábio é como um ribeiro transbordante18,4 Ou: As palavras do homem são perigosas como a água profunda; a sabedoria é vivificante como uma torrente que brota..

5Não é bom favorecer os maus,

para prejudicar o inocente num julgamento.

6As palavras do insensato originam contendas:

o que ele diz só provoca brigas.

7O insensato, quando fala, causa a sua ruína:

aquilo que diz provoca a sua condenação.

8As palavras do intriguista são como guloseimas,

que se engolem com muita facilidade.

9O que é preguiçoso no seu trabalho

é irmão daquele que estraga.

10O nome do Senhor é uma fortaleza de refúgio:

nela, o justo vai procurar segurança.

11O rico vê as suas riquezas como um castelo,

protegidas por muralhas inacessíveis.

12O coração orgulhoso há de fracassar;

a humildade é caminho para a glória.

13Responder antes de escutar,

mostra insensatez e provoca o ridículo.

14A vontade de viver ajuda a vencer a doença;

com espírito abatido ninguém se restabelece.

15O homem inteligente adquire conhecimentos;

o sábio procura palavras instrutivas.

16Os presentes que se dão abrem muitas portas:

permitem chegar até junto dos grandes.

17O primeiro que se defende parece ter razão,

até ao momento em que o adversário o contradiz.

18Por sorteio, põe-se fim a uma querela

e decide-se o debate entre poderosos.

19O irmão ofendido é mais inacessível que uma muralha;

as contendas são como os ferrolhos dum castelo.

20Cada um recolhe o fruto das suas palavras

e alimenta-se daquilo que elas produzem.

21A morte e a vida estão à mercê da língua;

os que com ela se deleitam sofrerão as consequências.

22O que encontra uma esposa encontra a felicidade:

é uma dádiva do Senhor.

23O pobre fala com súplicas;

o rico responde com dureza.

24Há amigos que fazem mal uns aos outros18,24 Ou: O homem que tem muitos amigos pode congratular-se.,

mas também há amigos mais íntimos do que os irmãos.

19

191Mais vale ser pobre e honrado

do que insensato e caluniador.

2O entusiasmo sem conhecimento não é bom;

as muitas pressas fazem tropeçar.

3A estupidez do homem fá-lo desviar-se do bom caminho,

mas ele atribui as culpas ao Senhor.

4Com riqueza multiplicam-se os amigos;

ao pobre até o único amigo o abandona.

5A falsa testemunha não ficará sem castigo;

o mentiroso não escapará.

6O homem importante tem muitos aduladores:

todos são amigos de quem dá presentes.

7Se ao pobre até os seus irmãos o desprezam,

com maior razão os seus amigos se afastam dele.

Ele bem fala com eles, mas sem resultado.

8Quem aprende a refletir trabalha para o seu próprio bem;

quem se aplica ao entendimento encontra a felicidade.

9A falsa testemunha não ficará sem castigo;

o mentiroso não escapará à morte.

10Não convém que o insensato viva entre delícias

e muito menos que um escravo domine os grandes senhores.

11O homem inteligente domina a sua ira:

sente honra em passar por cima das ofensas.

12A ira do rei é como o rugido do leão;

a sua benevolência é como o orvalho sobre a erva.

13O filho insensato faz a ruína de seu pai;

as recriminações da esposa são uma goteira que não para.

14Dos pais recebem-se casas e bens;

uma mulher sensata é dádiva do Senhor.

15A preguiça faz dormir profundamente;

a inação faz passar fome.

16Quem guarda o mandamento guarda a sua vida;

quem despreza o seu cumprimento morrerá.

17Quem faz bem ao pobre empresta ao Senhor:

ele lhe retribuirá o benefício.

18Corrige o teu filho porque isso traz esperança19,18 Ou: enquanto houver esperança.,

mas não te irrites a ponto de lhe causar a morte.

19O homem que se encoleriza sofrerá o castigo:

se o poupares, incita-lo a recomeçar.

20Ouve os conselhos e aceita a correção;

com o tempo acabarás por te tornar sábio.

21O homem elabora muitos planos,

mas é a decisão do Senhor que prevalecerá.

22O que se exige do homem é lealdade;

mais vale ser pobre do que mentiroso.

23Respeitar o Senhor conduz à vida,

uma vida de abundância, ao abrigo do mal.

24O preguiçoso mete a mão no prato,

mas nem sequer é capaz de a levar à boca.

25Castiga o arrogante e o insensato aproveitará a lição;

repreende o homem sensato e ele compreenderá.

26O que maltrata o seu pai e expulsa a sua mãe

é um filho indigno e infame.

27Meu filho, se deixares de escutar as advertências,

também te afastarás das lições de sabedoria19,27 Ou: Meu filho, é melhor interromperes a tua instrução, se te aproveitas dela para fugires às lições da experiência..

28A falsa testemunha troça da justiça;

e a boca dos ímpios enche-se de iniquidade.

29Há castigos preparados para os insolentes

e açoites para as costas dos insensatos.