a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
23

6

231Quando um grande senhor te convidar,

toma cuidado com o que está diante de ti.

2Ainda que tenhas muita fome,

refreia o teu apetite;

3não cobices os seus bons manjares,

pois pode ter-te convidado com más intenções.

7

4Não corras atrás das riquezas;

evita pôr nisso a tua ambição.

5Pões nelas os olhos e já desapareceram;

até parece que elas têm asas

e fogem voando pelo céu como as águias.

8

6Não comas com um homem mal-intencionado,

nem cobices os seus bons manjares,

7pois ele é como alguém que se serve a si mesmo.

Diz-te: «Come! Bebe!»

Mas não o diz com sinceridade.

8Vomitarás aquilo que comeste

e desperdiçarás palavras amáveis.

9

9Não fales aos ouvidos do insensato,

porque desprezará a sabedoria das tuas palavras.

10

10Não mudes de lugar os marcos antigos,

nem invadas o terreno dos órfãos,

11porque eles têm em Deus um defensor poderoso,

que defenderá a sua causa contra ti.

11

12Abre o teu espírito à educação

e os teus ouvidos aos conselhos da experiência.

12

13Não deixes de castigar o jovem;

umas vergastadas não o matam.

14Castigando-o com umas vergastadas,

poderás livrá-lo de erros mortais.

13

15Meu filho, se o teu coração for sábio,

também o meu coração se alegrará;

16rejubilarei profundamente

quando te ouvir falar com retidão.

14

17Não tenhas inveja dos pecadores;

mas mantém-te sempre no respeito pelo Senhor.

18Poderás então esperar um bom futuro

e a tua esperança não sairá frustrada.

15

19Escuta bem, meu filho, para alcançares a sabedoria;

procura seguir o bom caminho.

20Não te juntes com os que se embriagam

nem com os que comem demais,

21porque bêbedos e comilões acabam na miséria;

a sua indolência cobri-los-á de andrajos.

16

22Escuta o teu pai, a quem deves a vida,

e não desprezes a tua mãe, quando for velha.

23Adquire verdade, sabedoria, educação e prudência

e não as vendas por preço nenhum.

24A maior alegria e felicidade de um pai

é ter dado a vida a um homem honesto e sábio;

25dá essa alegria ao teu pai e à tua mãe,

dá esse prazer àquela que te deu à luz.

17

26Presta-me bem atenção, meu filho,

segue com prazer o meu exemplo.

27Olha que a prostituta e a mulher leviana

são um poço estreito, um abismo sem fundo;

28elas fazem-te emboscadas, como os salteadores,

e fazem que muitos homens se tornem infiéis.

18

29Quem anda sempre em contendas e lamentos,

ferido sem motivo e de olhos avermelhados,

30são aqueles que se deixam arrastar pelo vinho

e fazem sem cessar novas misturas de álcool.

31Não te deixes tentar pela bela cor vermelha

do vinho que brilha no copo.

Ele bebe-se com agrado,

32mas depois terás a impressão de teres sido mordido

por uma cobra ou por um bicho peçonhento.

33Verás coisas estranhas

e dirás coisas absurdas.

34Julgarás que estás no fundo do mar

a dormir, ou deitado no topo dum mastro.

35E dirás: «Espancaram-me e não me doeu;

bateram-me e não senti nada!

Quando é que vou acordar?

Vou beber mais!»

24

19

241Não tenhas inveja dos homens maus,

nem desejes a sua companhia,

2porque eles só pensam na violência

e não falam senão em fazer mal.

20

3É preciso sabedoria para construir uma casa

e inteligência para a tornar segura.

4Com experiência, enchem-se os quartos

com objetos valiosos e de bom gosto.

21

5A sabedoria do homem faz a sua força

e quem tem experiência aumenta o seu poder;

6deves fazer a guerra com bons planos,

pois a vitória depende dos muitos conselheiros.

22

7A sabedoria é inacessível ao insensato,

por isso, não sabe o que dizer na assembleia da cidade.

23

8Quem só pensa em fazer mal

ganha fama de mal-intencionado.

9A insensatez só pensa no crime;

e a insolência é abominação para os humanos.

24

10Se perdes a coragem, diante das dificuldades,

é porque a tua força é fraca.

25

11Se puderes, salva os condenados à morte;

ajuda os que são levados para o suplício;

12porque, se disseres que não sabias,

Deus que, tudo sabe, te julgará.

Ele vigia-te e sabe;

ele paga a cada um segundo as suas ações.

26

13Come mel, meu filho, porque faz bem

e o seu gosto vai-te ser agradável.

14Adquire a sabedoria e terás vida;

se a encontrares terás futuro

e a tua esperança não ficará frustrada.

27

15Não tentes, como um malfeitor,

apropriar-te da casa do homem honesto,

nem destruas a sua habitação,

16porque, ainda que venha a cair muitas vezes,

outras tantas se levantará;

porém os malfeitores são apanhados pela desgraça.

28

17Quando o teu inimigo cair não te regozijes,

nem te alegres quando ele tropeçar na desgraça.

18O Senhor veria isso com desagrado

e deixaria de castigar o teu inimigo.

29

19Não te aflijas por causa dos malfeitores,

nem sintas inveja dos homens perversos;

20porque o malfeitor não terá futuro

e o perverso apagar-se-á como uma lâmpada.

30

21Meu filho, respeita o Senhor e o rei

e não te metas com quem gosta de revoltas,

22porque a sua ruína chega num instante

e ninguém sabe a medida do castigo que os espera24,22 Ou: não se sabe que castigo Deus e o rei podem dar..

Outras considerações dos sábios

23Estas são também sentenças dos sábios:

Não é bom fazer discriminação nos julgamentos.

24Se um juiz declarar inocente um malfeitor,

os povos amaldiçoá-lo-ão

e as nações o desprezarão.

25Porém os que condenarem o culpado serão louvados

e recompensados com o reconhecimento de todos.

26O que responde com sinceridade

dá provas de grande amizade.

27Arruma primeiro os teus negócios no exterior

e trata bem dos teus campos;

depois, podes edificar a tua casa.

28Não testemunhes sem razão contra ninguém,

para não fazeres falsas afirmações.

29Não digas: «Vou fazer-lhe, a ele, o mesmo que ele me fez a mim;

cada qual me paga conforme aquilo que fez.»

30Passei um dia pelo campo do preguiçoso

e pela vinha do insensato;

31o que vi foi um terreno cheio de cardos,

todo coberto de urtigas

e o muro da cerca deitado abaixo.

32Ao ver isto, refleti

e tirei daí a seguinte lição:

33Dormes um pouco, dormitas um bocado,

cruzas as mãos para dormires um pouco mais

34e a pobreza e a miséria virão atacar-te,

como um vagabundo ou como um salteador armado.

25

Segunda coleção de provérbios (25,1—29,27)

251Estes são também provérbios de Salomão, copiados pelos homens ao serviço de Ezequias, rei de Judá:

2A grandeza de Deus está em agir em segredo;

a grandeza dos reis está em descobrir o segredo.

3Na altura dos céus, na profundidade da terra

e nos pensamentos dos reis

é impossível penetrar.

4Tira as impurezas à prata

e o fundidor produzirá obras de arte;

5retira o perverso do serviço do rei

e este firmará o seu trono sobre a justiça.

6Não te gabes na presença do rei,

nem tomes o lugar de pessoas importantes,

7porque mais vale que te digam: «Sobe para aqui!»,

do que seres humilhado diante de alguém mais importante.

8Mesmo sobre aquilo que viste25,8 No texto hebraico, esta frase pertence ao v. 7. Seguimos a antiga tradução grega.,

não te apresses a entrar em litígios.

Se a pessoa em causa provar que fizeste mal,

que poderás fazer tu depois?

9Defende a tua demanda com o teu adversário,

mas não reveles o segredo alheio,

10para que te não envergonhe quem o ouvir

e a tua honra seja irremediavelmente desacreditada.

11Uma palavra dita a tempo é tão preciosa

como maçãs de ouro esculpidas em prata.

12Uma repreensão dada por um sábio

tem tanto valor para o ouvinte atento

como um anel, ou como um colar de ouro puro.

13Como água fresca no tempo quente da colheita,

assim é o mensageiro fiel para os que o enviam,

porque reconforta o ânimo dos seus senhores.

14O que se gaba de presentes que não deu

é semelhante às nuvens e ao vento que não trazem chuva.

15Com paciência pode-se convencer um chefe;

as palavras suaves quebram a resistência.

16Se encontraste mel, come o suficiente;

não comas demasiado, que terias de o vomitar.

17Não exageres as visitas ao teu amigo,

para que não se canse de ti e te comece a detestar.

18Quem levanta falso testemunho contra alguém,

faz tanto mal como um pau, uma espada ou uma flecha aguçada.

19Confiar num traidor em dia de desgraça

é mastigar com um dente estragado

ou andar com um pé torcido.

20Cantar canções a um homem atribulado

é como tirar-lhe o casaco num dia frio

ou deitar-lhe vinagre sobre uma ferida25,20 Em hebraico: vinagre sobre salitre. Seguimos a antiga tradução grega..

21Se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer,

se tiver sede, dá-lhe de beber;

22procedendo assim fazes-lhe arder a cara de vergonha;

o Senhor te recompensará.

23O vento norte traz a chuva;

a má língua provoca a cólera dos outros.

24Mais vale morar num canto do terraço

do que viver com uma mulher quezilenta em casa ampla.

25Uma boa notícia que vem dum país distante

é como água fresca para uma boca sedenta.

26Como uma nascente ou uma fonte com a água suja,

assim é o inocente que tem medo diante do culpado.

27Não faz bem comer muito mel,

nem procurar muitas honrarias.

28Como uma cidade sem defesa nem muralhas

é o homem que não domina os seus impulsos.