a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
6

Evitar os compromissos pelas dívidas de outros

61Meu filho, se ficaste por fiador do teu companheiro

ou responsável por um estranho,

2ficaste vinculado à tua palavra

e obrigado ao teu compromisso.

3Para te livrares disso, meu filho, faz o seguinte:

vai ter com aquele com quem te comprometeste

e insiste humildemente com o teu companheiro.

4Não te deites para dormir,

nem feches os olhos para descansar:

5livra-te disso como a gazela das mãos do caçador

ou como o pássaro do laço do passarinheiro.

Exortação aos preguiçosos

6Vai ver a formiga, ó preguiçoso;

vê como ela faz e aprende a lição.

7Ela não tem capataz,

nem oficial, nem patrão,

8mas faz as suas provisões de comida no verão;

armazena no tempo da ceifa o seu alimento.

9Até quando vais ficar deitado, ó preguiçoso?

Quando te levantarás da cama?

10Mal te dá o sono e adormeces,

mal cruzas os braços para te deitares

11logo a pobreza e a miséria virão atacar-te,

como um vagabundo ou um salteador armado.

Características do perverso

12É um malfeitor e um criminoso

aquele que anda sempre a espalhar falsidades.

13Pisca os olhos, bate com os pés

e faz sinais com os dedos.

14No seu coração, o mau planeia falsidades,

a todo o momento semeia a discórdia.

15Por isso, a desgraça virá sobre ele

repentinamente, dum momento para o outro

ficará irremediavelmente arruinado.

O que o Senhor detesta

16Há seis coisas que o Senhor detesta

e uma sétima que ele não tolera:

17olhares altivos, língua mentirosa;

mãos que matam inocentes;

18coração que faz planos criminosos;

pés que correm pressurosos para o mal;

19falsas testemunhas que proferem mentiras;

e aquele que provoca discórdias entre irmãos.

Consequências do adultério

20Meu filho, ouve os preceitos de teu pai;

não desprezes os ensinamentos de tua mãe;

21trá-los sempre no teu coração,

como adorno precioso no teu peito.

22Eles servir-te-ão de guia, quando caminhares,

proteger-te-ão, quando dormires,

e falarão contigo, quando despertares.

23O mandamento é uma candeia; a lei, uma luz;

os avisos e repreensões são o caminho da vida;

24protegem-te da mulher perversa

e das palavras enganadoras da mulher leviana.

25Não permitas que a sua beleza te cative,

nem te deixes prender pelos seus olhos.

26A prostituta vai atrás dum pouco de pão,

mas a adúltera vai à caça de algo mais precioso.

27Poderá alguém esconder fogo no peito,

sem que a sua roupa arda?

28Andará alguém sobre brasas,

sem que os seus pés se queimem?

29Assim é com o que se entrega à mulher de outro:

quem lhe tocar não ficará impune.

30Não se trata como ladrão

quem rouba para matar a fome.

31Mas quem for apanhado a roubar,

restituirá sete vezes mais,

e entregará todos os bens que possui.

32O homem que comete adultério é insensato;

quem assim procede causa a sua ruína;

33suportará o castigo e a ignomínia

e nada apagará a sua desonra,

34pois é de ciúme a ira do marido dela,

e não o poupará na hora da vingança;

35não aceitará nenhuma indemnização,

nem receberá presentes, por maiores que sejam.

7

Seduções da adúltera

71Meu filho, obedece às minhas palavras,

guarda dentro de ti os meus preceitos.

2Guarda os meus mandamentos e viverás.

Guarda o meu ensinamento como a menina dos teus olhos;

3usa-os como adorno nos teus dedos

e grava-os no teu coração.

4Faz da sabedoria tua irmã

e da prudência tua parente,

5para que te livrem da mulher leviana,

da desconhecida, que usa palavras sedutoras.

6Estava um dia à janela da minha casa

a olhar por entre as grades.

7Vi um grupo de rapazes ingénuos,

e descobri entre eles um jovem insensato.

8Passando a esquina da rua,

dirigiu-se para casa duma dessas mulheres:

9era ao cair da tarde,

quando o dia escurece e se faz noite.

10A mulher vestida como uma prostituta,

com muita sagacidade, saiu-lhe ao encontro,

11com ar provocador e agitada;

ela não consegue ficar dentro de casa

12e anda pelas ruas e praças,

espreitando a todas as esquinas.

13A mulher aproximou-se do jovem,

beijou-o e, descaradamente, disse-lhe:

14«Tinha de oferecer sacrifícios de comunhão

e cumpri hoje a minha promessa7,14 Quem oferecia sacrifícios de comunhão recebia uma porção de carne da vítima, que devia comer com amigos e familiares. Ver Lv 7,16. A mulher aliciou-o com a carne que tinha em casa..

15Por isso, saí ao teu encontro;

desejava muito ver-te e achei-te!

16Pus na minha cama colchas bordadas

com linho fino do Egito

17e perfumei os lençóis com aromas

de mirra, aloés e canela.

18Vem! Saciemo-nos de amores até ao amanhecer

e gozemos as delícias do prazer,

19porque o meu marido não está em casa:

partiu para uma longa viagem;

20levou a bolsa cheia de dinheiro

e não voltará a casa antes da lua cheia.»

21Com tanta conversa, seduziu-o;

convenceu-o com palavras lisonjeiras.

22Como um boi levado ao matadouro,

como um veado apanhado no laço7,22 Ou: como um preso arrastado para o castigo.,

23ou como a ave que se precipita para a armadilha,

sem saber que a sua vida corre perigo,

ele seguiu-a, até que uma flecha lhe trespassou o fígado.

24E agora, meu filho, escuta-me;

presta atenção às minhas palavras.

25Não te deixes seduzir por uma mulher dessas;

não te extravies pelo seu caminho,

26porque ela já feriu de morte a muitos;

as suas vítimas são numerosas.

27Na sua casa estão os caminhos do abismo,

que descem para as câmaras da morte.

8

Elogio da sabedoria

81Escutem! A sabedoria lança um apelo

e a inteligência faz ouvir a sua voz.

2Ela está de pé no alto das colinas

e coloca-se nas encruzilhadas dos caminhos.

3Junto às portas de entrada da cidade,

nos lugares de passagem, ela proclama:

4«É para vocês, humanos, que eu apelo.

Dirijo-me a todos, homens e mulheres.

5Que os ingénuos adquiram um pouco de prudência

e os insensatos adquiram entendimento.

6Escutem! Vou anunciar coisas importantes;

vou falar-vos abertamente.

7Com efeito, a minha boca anuncia a verdade;

detesto os discursos mentirosos.

8Todas as minhas palavras são justas;

não há nelas quebra nem falsidade;

9são inteiramente retas para o homem inteligente

e justas para o entendido.

10Aceitem a minha instrução, pois o conhecimento

vale mais do que a prata e o ouro fino.

11Melhor é a sabedoria do que as joias;

nenhuma preciosidade se lhe pode comparar.

12Eu, a sabedoria, habito com a prudência,

e encontro-me com o conhecimento e a reflexão.

13Quem honra o Senhor detesta o mal.

Eu detesto o orgulho, a arrogância,

as más ações e a falsidade.

14Aconselhar e dar êxito é a minha função;

eu sou a inteligência que transmite novas forças.

15É por mim que os reis reinam

e que os magistrados fazem justiça com equidade.

16Por mim os governantes governam,

e os juízes dão sentenças justas.

17Amo aqueles que me amam;

quem me procura encontra-me.

18Tenho comigo riquezas e glória,

sucesso e prosperidade duradoura.

19A riqueza que dou é preferível ao ouro mais puro;

dou mais rendimento que a prata mais fina.

20Sigo pelo caminho da justiça,

pelos roteiros da equidade,

21para assegurar riquezas aos que me amam

e aumentar os seus tesouros.

22O Senhor criou-me como a primeira das suas obras,

antes de ter criado tudo o resto.

23Ele formou-me no princípio do tempo,

antes de o mundo existir.

24Quando fui gerada ainda não havia

oceanos nem fontes de água.

25Fui gerada antes da formação das montanhas,

antes de as colinas estarem no seu lugar,

26quando Deus ainda não tinha criado a terra,

com os campos e tudo o que compõe o mundo.

27Quando ele assentou a abóbada celeste,

quando pôs um limite ao oceano primitivo, eu lá estava;

28quando colocou as nuvens no céu

e conteve as fontes do mar profundo;

29quando impôs ao mar os seus limites,

para que as águas não passassem dali;

quando assentou as fundações da terra,

30eu estava lá, ajudando-o como arquiteto.

Dia após dia eu era a sua alegria

e divertia-me sem cessar, na sua presença.

31Divertia-me no mundo que ele criou;

a minha alegria é estar entre os humanos.

32E agora, meus filhos, escutem o que vos digo!

Serão felizes, se seguirem as minhas orientações.

33Não rejeitem as minhas advertências!

Escutem-nas e tornar-se-ão sábios.

34Felizes os que me escutam

e que, dia após dia, se mantêm vigilantes,

em expectativa, à porta da minha casa.

35Aquele que me encontrar

encontrará a vida para si

e alcançará os favores do Senhor,

36mas aquele que me ofender

põe em perigo a sua própria vida;

quem me detesta ama a morte.»