a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
107

A bondade de Deus

1071Deem graças ao Senhor, porque ele é bom,

porque o seu amor é para sempre.

2Digam-no aqueles que ele resgatou,

aqueles que livrou do poder do inimigo

3e que fez regressar de países estrangeiros,

do oriente e do ocidente, do norte e do sul.

4Andavam perdidos na aridez do deserto,

sem encontrar uma terra para habitar;

5tinham fome e sede;

já se sentiam desfalecer.

6Mas na sua angústia, clamaram ao Senhor

e ele livrou-os das suas aflições.

7Conduziu-os depois por um caminho seguro

para uma terra onde podiam habitar.

8Deem graças ao Senhor, pelo seu amor

e pelas suas maravilhas a favor dos homens!

9Pois ele mata a sede aos sequiosos

e mata a fome aos famintos.

10Alguns viviam em profunda escuridão,

prisioneiros da tristeza e de cadeias,

11por se terem revoltado contra as ordens de Deus

e por desprezarem os decretos do Altíssimo.

12Estavam exaustos pelos duros trabalhos,

tropeçavam e ninguém os ajudava.

13Mas na sua angústia, clamaram ao Senhor

e ele livrou-os das suas aflições.

14Tirou-os de profunda escuridão

e libertou-os das cadeias.

15Deem graças ao Senhor, pelo seu amor

e pelas suas maravilhas a favor dos homens!

16Ele fez em pedaços as portas de bronze

e despedaçou as barras de ferro!

17Enfraquecidos por causa da sua rebeldia,

aflitos por causa das suas culpas

18não suportavam qualquer alimento;

já estavam às portas da morte!

19Mas na sua angústia, clamaram ao Senhor

e ele livrou-os das suas aflições.

20Com a sua palavra Deus veio curá-los

e livrou-os da perdição!

21Deem graças ao Senhor, pelo seu amor

e pelas suas maravilhas a favor dos homens!

22Ofereçam sacrifícios de ação de graças

e anunciem as suas obras com alegria.

23Os que se fizeram ao mar nos seus navios,

para fazer comércio para além do oceano,

24esses viram as obras do Senhor

e as suas maravilhas no alto mar.

25À ordem do Senhor sopra o vento tempestuoso,

que levanta as ondas do mar;

26os navios elevam-se no ar e descem ao fundo.

Num perigo destes os homens perdem a coragem;

27andam e cambaleiam como embriagados

e toda a sua perícia se torna inútil.

28Mas na sua angústia, clamaram ao Senhor

e ele livrou-os das suas aflições.

29Transformou a tempestade em bonança

e as ondas do mar acalmaram.

30Ao verem as ondas tranquilas alegraram-se

e Deus levou-os ao porto desejado.

31Deem graças ao Senhor, pelo seu amor

e pelas suas maravilhas a favor dos homens!

32Aclamem-no na assembleia do povo,

glorifiquem-no no conselho dos anciãos.

33O Senhor converte os rios em desertos

e as nascentes em terra árida;

34converte a terra fecunda em terra estéril,

por causa da maldade dos seus habitantes;

35converte os desertos em lagos

e as terras áridas em nascentes,

36para ali estabelecer os famintos

e eles construírem as suas cidades.

37Semeiam campos e plantam vinhas

e recolhem colheitas abundantes.

38E ele abençoa-os e fá-los aumentar

e não deixa diminuir o seu gado.

39Eles vão diminuindo até desaparecer

em virtude da opressão, da desgraça e da angústia.

40Mas Deus mostra desprezo pelos poderosos

e fá-los andar perdidos em desertos sem caminhos.

41Instala o necessitado em sua casa

e faz aumentar a sua família como um rebanho.

42Os homens honrados, ao verem isto, alegram-se,

mas os que são maus ficam em silêncio.

43Aquele que é sábio, pense nestas coisas

e medite no amor do Senhor.

108

Hino de louvor

(Salmos 57,8–12; 60,7–14)

1081Cântico e salmo da coleção de David.

2O meu coração está preparado, ó Deus;

decidido a cantar-te hinos de louvor, ó minha glória!

3Despertem harpa e lira!

Quero despertar o Sol!

4Dar-te-ei graças, entre os povos, ó Senhor,

cantar-te-ei salmos entre as nações.

5O teu amor é mais alto do que o céu

e a tua lealdade alcança o infinito.

6Ó Deus, mostra nos céus, a tua grandeza

e na terra o teu poder!

7Liberta aqueles que amas!

Responde-nos e salva-nos com o teu poder!

8Deus disse no seu santuário:

«Com que alegria dividirei Siquém

e medirei o vale de Sucot!

9Guilead e Manassés pertencem-me;

Efraim é o meu capacete e Judá, o meu cetro real.

10Moab é a bacia em que me lavo;

e sobre Edom atirarei a minha sandália,

como sinal de que me pertence;

cantarei vitórias sobre os filisteus

11Quem me conduzirá à cidade fortificada?

Quem me guiará até Edom,

12se não fores tu, ó Deus?

Mas tu repeliste-nos

e já não acompanhas os nossos exércitos.

13Ajuda-nos contra os inimigos,

porque a ajuda dos homens nada vale.

14Com a ajuda de Deus alcançaremos a vitória;

ele mesmo calcará aos pés os nossos inimigos.

109

Prece contra os inimigos

1091Ao diretor do coro. Salmo da coleção de David.

Ó Deus, a quem eu louvo,

não fiques em silêncio.

2Os maus e os mentirosos falam contra mim,

dizem mentiras a meu respeito.

3Cercam-me com palavras de ódio;

atacam-me sem razão!

4Em paga do meu amor, acusam-me;

e eu apenas faço oração.

5Pagam-me o bem com o mal,

o amor com o ódio.

6Eles dizem: «Escolham um juiz corrupto para o julgar

e que a seu lado esteja um acusador.

7Que ele seja julgado e condenado;

que até a sua súplica seja considerada transgressão!

8Que viva pouco tempo

e outro ocupe o seu lugar109,8 Texto citado em At 1,20 pelo apóstolo Pedro, que o aplica a Judas Iscariotes.!

9Que os seus filhos fiquem órfãos

e a sua mulher fique viúva!

10Que os seus filhos andem errantes a mendigar!

Que os expulsem da sua casa em ruínas109,10 Seguimos a antiga tradução grega. Literalmente: Que busquem o seu pão longe da sua casa em ruínas.!

11Que os credores usurpem todos os seus haveres;

que os estranhos fiquem com o ganho do seu trabalho.

12Que ninguém tenha compaixão dele

nem dos seus filhos órfãos.

13Que seja exterminada a sua descendência

e o seu nome se apague numa geração.

14O Senhor conserve na sua lembrança

a transgressão dos seus antepassados

e não apague as culpas da sua mãe.

15Que o Senhor tenha sempre presente os seus pecados

e faça desaparecer da terra a sua memória!

16Pois esse homem nunca pensou em ser compassivo;

em vez disso, perseguiu até à morte

os pobres, os humildes e os aflitos.

17Amou a maldição: que ela caia sobre ele!

Desprezou a bênção: que ela se afaste dele!

18Que a maldição o cubra como um manto,

que lhe penetre no corpo como água

e se entranhe nos seus ossos como azeite.

19Que o cubra como um manto

e o aperte como uma cinta.»

20Que o Senhor castigue assim os meus inimigos,

que falam mal de mim!

21Mas tu, Senhor, meu Deus, por tua honra, ajuda-me.

Salva-me pela bondade do teu amor!

22Estou pobre e aflito;

tenho o coração ferido dentro de mim;

23vou-me desvanecendo como a sombra que declina;

enxotam-me como a um inseto!

24Os meus joelhos vacilam de tanto jejuar

e o meu corpo definha de magreza.

25Todos escarnecem de mim

e ao verem-me, abanam a cabeça com desprezo109,25 Ver 22,8 e nota..

26Ajuda-me, Senhor, meu Deus;

salva-me, pelo teu amor!

27Para que saibam que és tu quem me salva,

que tu próprio realizas essa maravilha.

28Eles poderão amaldiçoar-me, mas tu abençoas-me.

Que os meus inimigos fiquem humilhados

e que o teu servo se regozije.

29Que os meus inimigos se encham de vergonha;

que a sua confusão os cubra como um manto!

30Darei graças infinitas ao Senhor;

louvá-lo-ei na assembleia do povo!

31Ele é o defensor dos pobres109,31 Ver 16,8 e nota.

e livra-os dos que os querem condenar.