a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
139

Deus sabe tudo

1391Ao diretor do coro. Salmo da coleção de David.

Senhor, tu examinaste-me e conheces-me.

2Conheces todos os meus movimentos;

à distância, sabes os meus pensamentos.

3Vês-me quando trabalho e quando descanso;

conheces todas as minhas ações.

4Mesmo antes de eu falar,

já tu sabes o que vou dizer.

5Tu estás à minha volta por todo o lado;

colocas sobre mim a tua mão protetora.

6O teu conhecimento é para mim demasiado profundo;

está para além da minha compreensão.

7Onde poderia eu ir, para escapar a ti?

Para onde poderia eu fugir da tua presença?

8Se subisse ao céu, lá estarias;

se descesse ao mundo dos mortos, lá estarias também.

9Se eu voasse para além do oriente

ou fosse habitar nos lugares mais distantes do ocidente,

10também lá a tua mão desceria sobre mim139,10 Ou: me guiaria.,

lá estarias para me segurar!

11Se eu pedisse à escuridão para me esconder

ou à luz para se transformar em noite à minha volta,

12a escuridão não me ocultaria de ti

e a noite seria para ti tão brilhante como o dia.

Para ti a escuridão e a luz são a mesma coisa!

13Foste tu que formaste todo o meu ser;

formaste-me no ventre de minha mãe.

14Louvo-te, ó Altíssimo, e fico maravilhado

com os prodígios maravilhosos que são as tuas obras.

Conheces intimamente o meu ser.

15Quando os meus ossos estavam a ser formados,

sem que ninguém o pudesse ver;

quando eu me desenvolvia em segredo,

nada disso te escapava.

16Tu viste-me antes de eu estar formado.

Tudo isso estava escrito no teu livro;

tinhas assinalado todos os dias da minha vida,

antes de qualquer deles existir.

17Mas para mim, que preciosos são os teus pensamentos, ó Deus!

Que misterioso é o seu conteúdo.

18Se eu quisesse contar, seriam mais do que a areia;

e se pudesse chegar ao fim, ainda estaria contigo.

19Ó Deus, tira a vida aos que fazem o mal,

afasta de mim os assassinos.

20Eles falam maldosamente contra ti;

os teus inimigos dizem mal de ti.

21Ó Senhor, como eu odeio aqueles que te odeiam!

Como eu desprezo os que se voltam contra ti!

22Odeio-os com toda a minha alma!

Considero-os meus inimigos!

23Examina-me, ó Deus, e conhece o meu coração;

põe-me à prova e conhece os meus pensamentos.

24Vê se eu sigo pelo caminho do mal139,24 Ou: Vê que não adorei falsos deuses.

e guia-me pelo caminho eterno.

140

Oração contra os maus

1401Ao diretor do coro. Salmo da coleção de David.

2Senhor, livra-me dos maus;

protege-me dos homens violentos;

3eles estão sempre a maquinar o mal;

todos os dias promovem discórdias.

4As suas línguas são como as das serpentes,

as suas palavras são como veneno de víbora.

5Protege-me, Senhor, do poder dos maus;

protege-me dos homens violentos,

que fazem planos para a minha queda.

6Os orgulhosos preparam-me armadilhas;

estenderam uma rede à beira do caminho;

armaram laços para me apanhar.

7Eu disse: «Ó Senhor, tu és o meu Deus!»

Escuta, pois, o meu grito suplicante!

8Senhor, meu Deus, meu forte defensor,

protege-me no combate.

9Senhor, não dês aos maus o que eles desejam;

não permitas que os seus planos malvados vão por diante.

10Não mais levantem a cabeça os que me cercam;

que as suas ameaças contra mim caiam sobre eles;

11caiam sobre eles brasas acesas;

sejam atirados para covas donde não mais se levantem.

12Que os caluniadores desapareçam da terra;

que a desgraça persiga os homens violentos até os destruir.

13Senhor, eu sei que tu defendes a causa do pobre

e os direitos do necessitado.

14Por isso, os homens justos te louvarão;

os honestos viverão na tua presença.

141

Proteção contra o mal

1411Salmo da coleção de David.

A ti clamo, Senhor, vem depressa!

Escuta a minha voz, quando te invoco.

2Seja a minha oração como incenso na tua presença

e as minhas mãos erguidas141,2 Ver 28,2 e nota., como o sacrifício da tarde.

3Senhor, põe uma sentinela de guarda à minha boca;

manda vigiar a porta dos meus lábios.

4Afasta-me do desejo de praticar o mal;

que eu não seja cúmplice dos maus

nem dos crimes dos malfeitores,

nem participe nos seus banquetes.

5Que o justo me castigue e o bondoso me corrija,

mas que o óleo mau me não perturbe a cabeça141,5 Ver 23,5 e nota.,

pois isso me tornaria cúmplice dos seus males.

6Quando os seus governantes forem lançados

dos despenhadeiros,

as pessoas compreenderão

que as minhas palavras eram verdadeiras.

7Como quando se cava e lavra a terra, uma fenda que se abre na terra,

os seus ossos foram engolidos pelo sepulcro.

8Mas eu continuo a confiar em ti, ó Senhor, meu Deus;

em ti busco proteção, não me abandones.

9Protege-me das armadilhas que prepararam contra mim;

livra-me das intrigas dos malfeitores.

10Que os maus caiam nas suas próprias armadilhas,

e que eu siga ileso o meu caminho.