a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
56

Oração de confiança em Deus

561Ao diretor do coro. Segundo «A Pomba dos Senhores de Longe». Poema da coleção de David, aludindo ao facto de os filisteus se terem apoderado dele, em Gat.

2Tem compaixão de mim, ó Deus,

pois há quem me queira destruir,

oprimindo-me e destroçando-me todo o dia.

3Os meus adversários perseguem-me continuamente;

são tantos, ó Altíssimo, os que lutam contra mim.

4Quando tiver medo, confiarei em ti.

5Confio em Deus e celebro as suas palavras;

confio em Deus e não terei medo.

Que mal me podem fazer os homens?

6Eles mudam continuamente o sentido das minhas palavras;

os seus pensamentos são maldosos contra mim.

7Amotinam-se e escondem-se, espiando os meus passos,

esperando o momento de me matarem.

8Ó Deus, livra-nos da sua maldade;

derruba os povos na tua ira.

9Lembra-te de quantas vezes eu tive de fugir,

regista igualmente as minhas lágrimas,

pois tudo fica anotado no teu livro.

10No dia em que eu te pedir auxílio,

e os meus inimigos retrocederem,

eu ficarei a saber que tenho Deus por mim.

11Confio em Deus e celebro as suas palavras;

sim, confio no Senhor e celebro as suas palavras;

12confio em Deus e não terei medo.

Que mal me podem fazer os homens?

13As promessas que te fiz, ó Deus,

quero cumpri-las com ações de graças

14porque me salvaste da morte

e me livraste de cair no abismo,

para viver na presença de Deus,

com a luz da vida56,14 Ou: na terra dos vivos..

57

Oração pedindo auxílio

(Salmos 108,2–6)

571Ao diretor do coro. Poema da coleção de David, recordando a ocasião em que ele se escondeu de Saul numa caverna57,1 Cf. Sl 142,1. Ver 1 Sm 22,1–2; 24,1–9..

2Tem compaixão de mim, ó Deus, tem compaixão,

porque em ti busco proteção.

Quero abrigar-me debaixo das tuas asas,

até que o perigo tenha passado.

3Invocarei Deus, o Altíssimo,

Deus que me dá tudo aquilo de que eu preciso.

4Que ele me envie do céu o seu auxílio

e me salve dos que procuram destruir-me;

que Deus envie o seu amor e a sua verdade.

5Estou rodeado por inimigos,

que são como leões dispostos a devorar seres humanos;

os seus dentes são como lanças e flechas

e a sua língua, como uma espada afiada.

6Ó Deus, mostra nos céus a tua grandeza

e na terra o teu poder!

7Puseram uma armadilha no meu caminho

para me fazerem cair;

cavaram um fosso diante de mim,

mas foram eles que nele caíram.

8O meu coração está decidido, ó Deus,

decidido a cantar-te hinos.

9Ó minha alma, desperta! Despertem harpa e lira!

Quero hoje despertar a aurora!

10Dar-te-ei graças, entre os povos, ó Senhor,

cantar-te-ei salmos entre as nações.

11O teu amor é tão grande que chega até aos céus

e a tua lealdade alcança o infinito.

12Ó Deus, mostra nos céus a tua grandeza

e na terra o teu poder!

58

Oração pedindo justiça

581Ao diretor do coro. Poema da coleção de David.

2Ó governantes, quem dera que tomassem sempre

decisões justas

e julgassem os homens com retidão!

3Mas em vez disso, só forjam falsidades

e abrem no país caminho para a violência.

4Os infiéis extraviaram-se desde que nasceram;

os que falam mentiras erraram desde o princípio.

5O seu veneno é como o das víboras;

fazem-se surdos como as serpentes,

6que não ouvem a música dos encantadores,

dos magos peritos em sortilégios.

7Ó Deus, quebra-lhes os dentes

arranca, Senhor, os queixais a esses leões.

8Sumam-se como a água que se escoa;

quando atirarem flechas que as encontrem quebradas.

9Que eles passem como o caracol a desfazer-se em baba

e como um aborto que não vê a luz.

10Antes que as suas panelas sintam o calor

da lenha verde ou seca,

que um furacão a lance para longe.

11Aquele que é justo alegra-se ao ver-se vingado

e ao participar na completa destruição dos malvados58,11 Ou: no sangue do ímpio lavará os pés.!

12E dir-se-á: «Sim, aquele que é justo tem recompensa!

De facto há um Deus que faz justiça sobre a terra!»