a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
69

Grito de angústia

691Ao diretor do coro. Segundo a melodia «Os lírios». Salmo da coleção de David.

2Salva-me, ó Deus, porque estou quase a afogar-me;

3estou a afundar-me num pântano profundo,

não tenho onde apoiar os pés.

Vim parar em águas muito fundas

e a corrente está a arrastar-me.

4Estou rouco de gritar, dói-me a garganta;

os meus olhos cansaram-se de esperar, ó meu Deus!

5São mais os que me odeiam sem razão69,5 Texto citado em Jo 15,25.

do que os cabelos da minha cabeça;

mais numerosos são ainda os inimigos

que mentem contra mim.

Terei então de restituir aquilo que não roubei?

6Tu, ó Deus, conheces bem a minha insensatez;

não posso esconder de ti as minhas culpas.

7Que não passem vergonha por minha causa

os que confiam em ti, ó Senhor, Deus todo-poderoso.

Que aqueles que te procuram

não fiquem desiludidos comigo, ó Deus de Israel.

8Por amor de ti tenho sofrido insultos;

a minha cara cobriu-se de vergonha.

9Sou como um estranho para os meus irmãos;

sou um desconhecido para os filhos da minha mãe.

10O zelo da tua casa me consome69,10 Texto citado em Jo 2,17.;

as ofensas dos que te insultam caíram sobre mim69,10 Texto citado em Rm 15,3..

11Mesmo quando eu choro e jejuo

eles fazem troça de mim;

12mesmo quando me visto de luto

eles escarnecem de mim.

13Falam de mim pelas ruas da cidade

e os bêbedos cantam cantigas sobre mim.

14Eu, porém, Senhor, dirijo-me a ti em oração;

responde-me, ó Deus, quando achares oportuno,

responde-me, pelo teu grande amor!

Tu que és ajuda fiel,

15tira-me do lodo para que não me afunde!

Salva-me dos que me odeiam e das águas profundas!

16Não deixes que a corrente me arraste;

não deixes que o abismo me engula,

nem que a boca do poço se feche sobre mim!

17Responde-me, Senhor, porque o teu amor é bondade;

olha para mim, pela tua grande compaixão.

18Não desvies o olhar deste teu servo;

responde-me depressa, porque estou em perigo!

19Aproxima-te de mim e salva-me;

livra-me dos meus inimigos!

20Tu sabes as ofensas, a vergonha e a desonra, que sofri;

tu conheces os meus inimigos!

21As ofensas e a doença despedaçam-me o coração.

Esperei compaixão de alguém, mas foi em vão;

não encontrei ninguém que me confortasse.

22Deram-me fel, em vez de comida

e, quando tive sede, deram-me vinagre69,22 Ver Mt 27,48; Mc 15,36; Jo 19,28–29..

23Que os seus banquetes se transformem em armadilha,

para ele e para os seus convidados.

24Escurece-lhes a vista, para que não vejam;

enfraquece-lhes os músculos, para que tremam.

25Descarrega sobre eles a tua indignação;

sejam atingidos pelo furor da tua ira!

26Que o seu acampamento fique deserto

e que não haja quem habite nas suas tendas69,26 Texto citado em At 1,20 e aplicado a Judas Iscariotes.,

27pois perseguem aqueles que tu castigaste

e troçam das dores dos que tu feriste.

28Deixa que aumentem o rol dos seus pecados

e não permitas que alcancem o teu perdão.

29Risca-os do livro da vida69,29 Ver Fp 4,3; Ap 3,5; 13,8; 17,8.!

Não os ponhas na lista dos justos!

30Mas a mim, que estou aflito e triste,

levanta-me, ó Deus, e salva-me.

31Louvarei com cânticos o nosso Deus;

glorificá-lo-ei, com ações de graças.

32Isto será mais agradável para o Senhor

do que sacrifícios de touros e novilhos.

33Que os humildes vejam isto e se alegrem

e os que procuram a Deus se encham de coragem,

34porque o Senhor escuta os necessitados

e não despreza o seu povo na aflição.

35Louvem o Senhor os céus e a terra,

o mar e todos os seres que o habitam!

36Na verdade, Deus há de restaurar Sião,

e reconstruir as cidades de Judá,

e hão de regressar os que tinham sido expulsos.

37Os descendentes dos seus servos são herdeiros de Sião

e lá hão de habitar aqueles que o amam.

70

Pedindo a ajuda de Deus

(Salmos 40,14–18)

701Ao diretor do coro. Em Memorial. Salmo da coleção de David.

2Vem depressa, ó Deus, para me livrares!

Vem depressa, Senhor, em meu socorro!

3Sejam confundidos e cobertos de vergonha

os que procuram tirar-me a vida;

retirem-se e corem de vergonha os que me querem mal!

4Retrocedam envergonhados os que troçam de mim!

5Mas encham-se de alegria todos os que te procuram;

e os que desejam a tua salvação digam constantemente:

«Deus é grande!»

6Eu sou pobre e necessitado;

ó Deus, vem depressa ajudar-me.

Tu és o meu auxílio, o meu libertador;

não tardes, Senhor!

71

Prece de um ancião

711Em ti, Senhor, procuro refúgio;

não deixes que eu fique confundido.

2Livra-me e protege-me, tu que és justo!

Digna-te escutar-me e salva-me!

3Sê tu a minha proteção e o meu refúgio,

tu que prometeste vir sempre em meu auxílio.

Tu és o meu rochedo e a minha fortaleza!

4Livra-me, meu Deus, das mãos do homem mau,

das mãos do opressor e do violento,

5pois tu, Senhor, desde a juventude

tu és minha esperança e confiança.

6Em ti encontro amparo, desde o ventre de minha mãe;

desde o nascimento tu me sustentas!

Louvar-te-ei para sempre!

7Sou motivo de assombro para muitos,

porque tu és o meu refúgio.

8A minha boca não para de te louvar;

todo o dia proclamo a tua glória.

9Não me desprezes na velhice;

não me desampares, quando já não tiver forças.

10Os meus inimigos falam contra mim;

os que querem matar-me conspiram,

11e dizem: «Deus abandonou-o; persigam-no,

agarrem-no, que ninguém o pode salvar!»

12Ó Deus, não te afastes de mim;

meu Deus, vem depressa em meu socorro!

13Sejam confundidos e destruídos

os que atentam contra a minha vida!

Sejam postos a ridículo

os que querem a minha desgraça!

14Eu, porém, esperarei continuamente

e hei de louvar-te cada vez mais.

15Todo o dia anunciarei que nos salvaste

e contarei os teus atos de justiça,

apesar de eles serem incontáveis.

16Eu entrarei na fortaleza do teu santuário, ó Senhor,

e proclamarei que só tu és justo!

17Instruíste-me, ó Deus, desde a minha juventude

e continuo a anunciar os teus prodígios.

18Agora, que estou velho e de cabelos brancos,

ó Deus, não me abandones,

pois tenho que contar, a esta geração e às que hão de vir,

o teu poder e a tua força.

19A tua generosidade, ó Deus, é tão grande como o céu;

fizeste grandes coisas, ninguém é como tu!

20Ainda que me tenhas feito passar por muitos males e aflições,

hás de dar-me nova vida

e farás com que eu saia das profundezas da terra.

21Aumentarás a minha honra

aproximando-te para me reconfortares.

22Por isso, quero louvar-te ao som da harpa,

louvar a tua fidelidade, meu Deus;

quero cantar-te ao som da cítara, ó Deus santo de Israel.

23Vibrarei de alegria, ao cantar-te salmos

vibrará todo o meu ser, que tu salvaste.

24Falarei da tua generosidade todo o dia,

pois ficaram confundidos e cheios de vergonha

os que procuravam fazer-me mal.