a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
76

Deus é o vencedor

761Ao diretor do coro. Com instrumentos de cordas. Salmo e cântico da coleção de Assaf76,1 Ver 50,1 e nota..

2Deus é conhecido em Judá;

o seu nome é famoso em Israel.

3O seu santuário está em Jerusalém76,3 Literalmente: Salém.;

a sua morada é no monte de Sião.

4Ali quebrou as armas de guerra:

escudos, espadas, arcos e flechas.

5Que glorioso, és tu, ó Deus!

És mais grandioso do que montanhas de despojos.

6Os mais valentes foram despojados

sendo mais fortes, nada puderam fazer

e dormiram o seu último sono!

7Quando tu, ó Deus de Jacob, os ameaças,

ficam imóveis os carros e os cavalos.

8Tu, Senhor, és temido por todos;

ninguém se conseguirá manter de pé diante de ti,

nem resistir ao teu furor.

9Do alto do céu proclamas a tua sentença

e a terra treme e fica em silêncio,

10quando te ergues para fazer justiça

e libertar todos os oprimidos deste mundo!

11A tua ira contra os maus redunda em teu louvor;

os sobreviventes fazem festa em teu nome!

12Façam promessas ao Senhor, vosso Deus, e cumpram-nas.

Os que o rodeiam ofereçam presentes àquele que é temível!

13Ele tira a força aos governantes

e causa temor aos reis da terra.

77

Conforto no tempo de angústia

771Ao diretor do coro. Para Jedutun. Salmo da coleção de Assaf77,1 Ver 50,1 e nota..

2A Deus clamo com voz forte,

a Deus clamo para que ele me oiça.

3Quando estou angustiado, procuro o Senhor;

à noite, sem descanso, elevo as minhas mãos em oração77,3 Cf. 28,2 e nota.;

a minha alma não encontra conforto.

4Quando penso em Deus, suspiro;

quando medito, sinto-me desanimar.

5Os meus olhos estão habituados às vigílias,

ando de um lado para o outro sem nada dizer!

6Recordo-me dos dias passados,

lembro-me dos tempos antigos.

7Passo a noite em profundos pensamentos;

no meu íntimo medito, e pergunto a mim mesmo:

8«Irá o Senhor rejeitar-nos para sempre?

Não voltará mais a ser-nos favorável?

9Teria ele deixado de nos amar?

Teria anulado a sua promessa para sempre?

10Ter-se-ia Deus esquecido da sua compaixão?

Estará tão irado que se esgotou a sua bondade

11Depois eu respondo: «O que mais me magoa

é que a mão do Altíssimo nos trate de modo diferente.»

12Tenho na memória os feitos do Senhor;

lembro-me das tuas maravilhas de outrora.

13Medito sobre tudo o que tu tens feito

e falo dos teus prodígios.

14Ó Deus, tu és santo nas tuas ações;

que Deus haverá tão grande como tu?

15Tu és o Deus que realiza maravilhas;

mostras a todos os povos o teu poder.

16Com o teu poder resgataste o teu povo,

os descendentes de Jacob e de José.

17Quando o mar te viu, ó Deus, ficou receoso;

e as profundezas do mar tremeram.

18As nuvens deixaram cair a sua chuva;

a voz dos trovões retumbou no céu

e os teus raios surgiram de todos os lados.

19A voz dos teus trovões ecoou nos ares

e os relâmpagos iluminaram o mundo;

a terra estremeceu e tremeu.

20Abriste o teu caminho através do mar;

caminhaste por entre as águas caudalosas77,20 Alusão à passagem do Mar Vermelho. Ver Ex 14–15.,

mas ninguém encontrou as tuas pegadas.

21Guiaste o teu povo, como um pastor,

por meio de Moisés e de Aarão.

78

Deus e o seu povo

781Poema da coleção de Assaf78,1 Ver 50,1 e nota..

Escuta, meu povo, os meus ensinamentos;

presta atenção àquilo que te digo!

2Vou falar por meio de comparações

e apresentar enigmas de outros tempos78,2 Texto citado em Mt 13,35, segundo a antiga tradução grega.,

3coisas que ouvimos e aprendemos

e que os nossos antepassados nos transmitiram.

4Não as esconderemos aos nossos descendentes;

tudo contaremos às gerações futuras

sobre as glórias do Senhor e o seu poder

e sobre as maravilhas que ele fez.

5Ele deu preceitos ao povo de Israel,

deu uma lei aos descendentes de Jacob.

Ordenou aos nossos antepassados

que os ensinassem aos seus descendentes,

6para que as gerações futuras os conhecessem

e os filhos que haviam ainda de nascer

os contassem aos seus próprios filhos;

7para que tivessem confiança em Deus

e não se esquecessem do que ele fez;

para que obedecessem aos seus mandamentos

8e não fossem como os seus antepassados,

rebeldes, insensatos, de coração inconstante

e de espírito infiel ao seu Deus.

9Os da tribo de Efraim, armados com arcos e flechas,

puseram-se em fuga no dia da batalha;

10não respeitaram a aliança com Deus

nem quiseram obedecer à sua lei;

11esqueceram-se do que ele lhes tinha feito,

das maravilhas que lhes mostrou.

12Diante dos seus antepassados, Deus fez maravilhas,

na terra do Egito, na planície de Soan.

13Abriu o mar, para que eles passassem,

conteve as águas, como se fosse um dique78,13 Ver Ex 14,21–22..

14Conduziu-os, de dia, com uma nuvem

e toda a noite com uma luz de fogo78,14 Ver Ex 13,21–22..

15No deserto fendeu os rochedos

e deu-lhes a beber de uma fonte inesgotável78,15 Literalmente: como de um oceano imenso..

16Deus fez sair da rocha água corrente

que brotava como um rio caudaloso78,16 Ver Ex 17,1–7; Nm 20,2–13..

17Mas eles continuaram a pecar contra Deus,

mostrando-se rebeldes contra o Altíssimo, no deserto.

18Quiseram pôr Deus à prova,

pedindo-lhe manjares, segundo os seus apetites.

19Murmuraram contra ele, dizendo:

«Será Deus capaz de nos preparar uma mesa no deserto?

20É verdade que ele feriu a rocha

e que dela correu água com abundância,

mas poderá ele dar-nos também pão

e preparar carne para o seu povo?»

21Quando o Senhor ouviu isto, indignou-se,

atacou o povo de Jacob com o fogo

e a sua ira aumentou contra Israel;

22porque não tiveram fé em Deus

nem confiança no seu auxílio.

23Deus deu ordens às nuvens

e abriu as portas do céu;

24fez chover sobre o povo o maná;

deu-lhes o pão do céu para eles comerem78,24 Texto citado em Jo 6,31.!

25Comeram todos o pão dos fortes!

Enviou-lhes comida com abundância!

26Fez soprar dos céus o vento leste

e com o seu poder fez vir o vento sul!

27Fez cair do céu carne para o seu povo;

e as aves caíam do céu numerosas como areia do mar!

28Deus fê-las cair no meio do acampamento

e em volta das suas tendas.

29Comeram então até ficarem bem saciados

e assim Deus satisfez os seus desejos.

30Mas eles não souberam refrear o seu apetite;

ainda tinham a comida na boca,

31quando a ira de Deus caiu sobre eles

e matou os mais fortes dentre eles;

abateu os melhores homens de Israel78,31 Ver Ex 16,2–15; Nm 11,4–23.31–34.!

32Apesar de tudo isto, persistiram no pecado

e não acreditaram nas maravilhas de Deus.

33Por isso, Deus extinguiu os seus dias como um sopro

e as suas vidas como uma ilusão.

34Castigando Deus alguns com a morte,

os outros procuravam-no;

voltavam-se para ele e buscavam-no sem descanso.

35Lembravam-se então que Deus era o seu protetor,

que o Deus altíssimo era o seu redentor.

36Mas os seus propósitos eram mentirosos;

nada do que diziam era sincero.

37Os seus corações não eram leais para com Deus

e nem fiéis à sua aliança.

38Mas Deus, que é misericordioso,

perdoava-lhes os pecados e não os destruía;

muitas vezes desviou deles a sua ira,

e não os tratou com furor.

39Deus lembrou-se que eles eram seres mortais,

como um sopro que passa e não volta!

40Quantas vezes provocaram a Deus

e lhe causaram desgostos no deserto!

41Voltavam constantemente a pôr Deus à prova;

entristeciam o Deus de Israel!

42Não se lembravam do seu poder,

do dia em que os livrou dos inimigos;

43quando nos campos de Soan, no Egito,

fez coisas grandes e assombrosas;

44quando converteu em sangue os seus rios e canais,

para que os egípcios não pudessem beber deles78,44 Ver Ex 7,14–25..

45Mandou-lhes moscas venenosas, que os devoraram78,45 Ver Ex 8,16–28.,

e rãs, que os destruíram78,45 Ver Ex 7,26—8,11..

46Entregou as suas colheitas aos insetos

e o fruto do seu esforço aos gafanhotos78,46 Ver Ex 10,1–20..

47Destruiu as suas vinhas com a saraiva

e os seus sicómoros com a geada.

48Feriu os seus gados com granizo

e atingiu os seus rebanhos com os raios78,48 Ver Ex 9,13–35..

49Descarregou contra eles a sua ira,

a indignação, o furor e a aflição,

como mensageiros de calamidade.

50Deu livre curso à sua ira; não os livrou da morte!

Entregou as suas vidas à peste!

51Fez morrer os primogénitos dos egípcios,

as primícias da família nas tendas de Cam78,51 Ver Ex 12,29..

52Fez sair o seu povo

e guiou-os pelo deserto como um pastor ao seu rebanho78,52 Ver Ex 13,17–22..

53Conduziu-os com segurança e não tiveram medo,

enquanto sepultava no mar os seus inimigos78,53 Ver Ex 14,26–28..

54Deus levou o seu povo para a sua terra,

a montanha santa que ele mesmo conquistou78,54 Ver Ex 15,17. Referência ao monte Sião, onde seria construído o templo de Jerusalém.!

55Retirou os pagãos da frente de Israel,

repartiu as terras deles entre as tribos

e fez com que o seu povo habitasse nas suas tendas78,55 Ver Js 11,16–23; 18,10..

56Mas eles puseram à prova o Deus altíssimo,

revoltando-se contra ele e não observando os seus preceitos.

57Transviaram-se, foram infiéis como os seus pais;

torceram-se como um arco falso!

58Provocaram a sua ira com altares pagãos;

despertaram o seu ciúme, adorando ídolos.

59Deus ouviu isto e indignou-se,

repudiando Israel com veemência.

60Abandonou o santuário de Silo78,60 Antigo santuário dos israelitas na Palestina central, até Samuel. Ver 1 Sm 4,3.,

que era a sua morada entre os homens.

61Permitiu que os inimigos se apoderassem da sua fortaleza,

o símbolo da sua glória78,61 Ver 1 Sm 4,4–22..

62Estava tão irado com o seu povo,

que o deixou morrer sob a espada do inimigo.

63O fogo devorou os seus jovens

e as donzelas ficaram por casar.

64Os sacerdotes morreram à espada

e as suas viúvas não os puderam sepultar.

65Mas o Senhor despertou, como de um sono,

tal como um guerreiro a quem passa o efeito do vinho.

66Derrotou os seus inimigos e fê-los fugir;

cobriu-os de vergonha para sempre.

67Assim abandonou a casa de José

e rejeitou a tribo de Efraim.

68Escolheu antes a tribo de Judá

e o monte de Sião, seu preferido.

69Construiu o seu santuário, alto como o céu

e firme para sempre, como a terra.

70Escolheu também o seu servo David,

quando este era pastor de ovelhas;

71retirou-o de trás dos rebanhos,

para ser pastor dos descendentes de Jacob,

que são o seu povo e a sua herança.

72Este cuidou do seu povo com toda a retidão

e conduziu-o com muita sabedoria.