a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
1

Apelo à conversão

11No oitavo mês do segundo ano do reinado de Dario1,1 Em outubro-novembro de 520 a.C., a palavra do Senhor foi dirigida ao profeta Zacarias, filho de Berequias e neto de Ido nestes termos: 2O Senhor ficou profundamente furioso com os vossos antepassados, 3mas agora voltem-se para mim. Palavra do Senhor, todo-poderoso! E eu me voltarei para vós, diz o Senhor, todo-poderoso! 4Não façam como os vossos antepassados a quem os antigos profetas falaram, pedindo-lhes para abandonarem a má conduta que levavam e as más ações que praticavam. Mas eles não quiseram escutar nem me prestaram atenção. 5Onde estão agora os vossos antepassados? E os profetas acaso duram sempre? 6Entretanto as palavras e mandamentos que dirigi aos meus servos, os profetas, acabaram por chegar aos vossos antepassados e eles mudaram de vida. E disseram: «Como o Senhor, todo-poderoso propôs tratar-nos, assim o fez de acordo com a nossa conduta e como mereciam as nossas ações.»

Visão dos cavalos

7Aos vinte e quatro dias do décimo primeiro mês, que é o mês de Chebat1,7 Corresponde a fevereiro de 519 a.C., no segundo ano do reinado de Dario, o Senhor falou ao profeta Zacarias, filho de Berequias e neto de Ido. 8Zacarias conta como foi: «Nessa noite, eu vi um cavaleiro montado num cavalo vermelho. Estava parado entre as murtas no fundo de um vale e, atrás dele, havia cavalos vermelhos, escuros e brancos. 9Perguntei-lhe então o que significava aquilo e o anjo que falava comigo respondeu: “Vou mostrar-te o que significam estas coisas.” 10O homem que estava entre as murtas disse: “Estes são os que o Senhor enviou a percorrer a terra.” 11Nisto os cavaleiros dirigiram-se ao anjo do Senhor que estava entre as murtas para lhe dizerem: “Nós já percorremos toda a terra e encontrámo-la tranquila e calma.”

12O anjo exclamou: “Ó Senhor todo-poderoso, há já setenta anos que estás irado com Jerusalém e com as outras cidades de Judá. Até quando continuarás sem ter compaixão destas cidades?” 13O Senhor respondeu então ao anjo, que falava comigo com palavras de bondade e de conforto. 14Mandou-me anunciar esta mensagem: “Eu, o Senhor todo-poderoso, sinto grande amor por Jerusalém e pelo monte Sião 15e estou profundamente irado contra as nações orgulhosas. Com efeito, eu estava um pouco irado com o meu povo mas elas aumentaram a sua ruína. 16Por isso, volto-me de novo com bondade para Jerusalém. O meu templo será reedificado, a cidade reconstruída e a corda de medir1,16 A figura da corda de medir quer dizer que a cidade será reconstruída. será estendida sobre a cidade.” 17Disse-me ainda para anunciar, em nome do Senhor todo-poderoso o seguinte: “As minhas cidades hão de novamente encher-se de riqueza, e oferecerei o meu conforto a Sião e darei as minhas preferências a Jerusalém.”»