a BÍBLIA para todos Edição Comum (BPT)
5

Visão do livro a voar

51Tive ainda uma outra visão em que vi um rolo de pergaminho a voar. 2O anjo perguntou-me: «Que é que tu vês?» E eu respondi: «Um rolo a voar. Tem dez metros de comprimento e cinco de largura.»

3Disse-me então: «Nesse rolo está escrita a maldição que vai cair sobre todo o país. Num lado está escrito que todos os ladrões serão eliminados do país; noutro, diz-se que serão igualmente eliminados os que jurarem falso. 4O Senhor todo-poderoso declara que envia esta maldição que penetrará nas casas de todos os que roubam e dos que juram falso, usando o nome do Senhor. Tal maldição ficará nas casas e há de destruí-las completamente, mesmo as madeiras e as pedras.»

Visão da mulher numa cesta

5O anjo encarregado de me falar apareceu-me de novo e disse-me: «Repara bem no objeto que está a avançar!» 6Perguntei-lhe o que era aquilo, e ele respondeu-me: «É um cesto que serve de medida e contém as faltas de todo o país.»

7Levantou-se então a cobertura de chumbo que cobria a cesta e pude ver que lá dentro estava uma mulher sentada. 8O anjo explicou: «Ela representa a maldade.» Empurrou-a para o interior da cesta e colocou-lhe de novo a cobertura. 9Em seguida, ergui os olhos e vi sair duas mulheres que voavam pelos ares agitando as asas, pois tinham asas como as da cegonha. Pegaram na cesta e levaram-na pelos ares. 10Perguntei ao anjo para onde é que levavam a cesta 11e ele deu-me esta resposta: «Vão para a Mesopotâmia. Vão lá construir um templo em honra dela5,11 No hebraico é ambíguo se o templo é consagrado à cesta ou à mulher que estava dentro da cesta. e quando estiver concluído, vão colocá-la nele para ser adorada no seu pedestal.»

6

Visão dos quatro carros

61Noutra visão, apareceram-me quatro carros que saíam do meio de duas montanhas de bronze. 2Ao primeiro carro estavam atrelados cavalos vermelhos; ao segundo, cavalos pretos; 3ao terceiro, cavalos brancos e ao quarto carro estavam atrelados grandes cavalos malhados.

4Perguntei ao anjo: «Meu senhor, que representam estes carros?» 5E ele respondeu-me: «São os quatro ventos que acabam de sair da presença do Senhor do mundo inteiro. 6O carro puxado pelos cavalos pretos vai para a região do norte; os brancos vão para oeste e os cavalos malhados vão para a região do sul.» 7Os cavalos malhados avançavam impacientes para percorrerem a terra. O Senhor disse-lhes: «Vão percorrer a terra!» E eles foram. 8Chamou-me então o anjo, para me explicar: «Os que avançam em direção a norte vão fazer descer o Espírito do Senhor sobre essa região.»

Coroação de Josué

9O Senhor disse-me também: 10«Aceita as ofertas que Heldai, Tobias e Jedaías receberam dos exilados. E depois, vai a casa de Josias, filho de Sofonias, onde estão esses homens regressados do exílio da Babilónia. 11Faz uma coroa do ouro e da prata que eles te derem, e coloca-a na cabeça do sumo sacerdote Josué, filho de Joçadac. 12Conta-lhe o que diz o Senhor todo-poderoso: “Está aqui um homem que tem por nome Gérmen. Ele fará germinar a vida e há de reconstruir o meu templo. 13É ele quem reconstruirá o templo do Senhor. Será investido de honra real. Sentado no seu trono, ele governará este povo. Ao lado dele um sacerdote estará igualmente sentado no seu trono e entre eles haverá harmonia. 14A coroa permanecerá no templo em recordação de Heldai, Tobias e Jedaías e da generosidade do filho de Sofonias.

15Pessoas que vivem longe hão de vir e ajudarão a reconstruir o templo do Senhor. Quando estiver reconstruído, ficarão a saber que o Senhor todo-poderoso me enviou. Tudo isto acontecerá, se vocês obedecerem fielmente aos mandamentos do Senhor, vosso Deus.”»

7

O Senhor condena o falso jejum

71No quarto ano do reinado de Dario, no quarto dia do nono mês, que é o mês de Quisleu7,1 Corresponde a novembro de 518 a.C., o Senhor dirigiu a Zacarias uma mensagem. 2Os habitantes de Betel tinham enviado Sarécer e Reguem-Melec, com os seus homens, ao templo do Senhor todo-poderoso, a fim de pedirem as bênçãos do Senhor 3e de apresentarem aos sacerdotes do templo e aos profetas a seguinte questão: «Devemos nós continuar a consagrar o quinto mês do ano, chorando como temos feito desde há tanto tempo?» 4O Senhor todo-poderoso mandou então esta mensagem: 5«Diz o seguinte aos sacerdotes e habitantes do país!

Quando vocês jejuavam e choravam no quinto e no sétimo mês,

durante estes setenta anos, era realmente para me honrarem a mim?

6E quando comiam e bebiam, não era porque vos apetecia?»

7Não foram estas mesmas palavras que o Senhor disse por meio dos antigos profetas, quando Jerusalém vivia em paz e estava repleta de gente, tal como as cidades das redondezas e as regiões do sul e da planície costeira?

A desobediência é a causa do exílio

8O Senhor todo-poderoso dirigiu-se a Zacarias 9para ele recordar o que já antes tinha dito: «Sejam retos nos julgamentos, bondosos e compreensivos uns com os outros. 10Não prejudiquem a viúva, o órfão, o estrangeiro, o pobre, nem pensem em fazer mal uns aos outros.»

11Mas o povo não quis obedecer. Voltaram as costas teimosamente e fizeram-se surdos para não ouvirem. 12Endureceram o coração como diamante, para não aceitarem os ensinamentos e os mandamentos que o Senhor todo-poderoso comunicou pelo seu espírito aos profetas de outrora. Por isso, o Senhor irritou-se profundamente e disse: 13«Já que eles não quiseram escutar-me quando eu os chamava, também eu não os ouvirei quando eles me invocarem. 14Dispersei-os por entre povos que eles não conheciam e atrás deles ficou um país deserto, onde ninguém podia viver. Tinha sido um país maravilhoso, que eles transformaram em terra abandonada.»