a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
6

Como resolver os problemas

61Algum de vós terá a coragem de ir apresentar diante de juízes não-crentes uma queixa contra o seu irmão na fé, quando se levantar alguma questão com um deles? Não era melhor fazer julgar a questão pelos santos? 2Não sabem que os santos hão de julgar o mundo? E se o mundo vai ser julgado por vosso meio, como é que não são capazes de resolver pequenas questões? 3Não sabem que nós até havemos de julgar os anjos, quanto mais as coisas deste mundo? 4Ora quando têm questões destas para resolver, como é que vão escolher para juízes aqueles que não têm nenhuma autoridade na igreja?

5Digo isto para vossa vergonha. Com certeza que existe na vossa comunidade alguém capaz de resolver uma questão entre irmãos. 6Sendo assim, como é que um irmão leva outro a um tribunal constituído, ainda por cima, por juízes não-crentes? 7Já vos fica mal terem questões entre irmãos. Era preferível suportarem alguma injustiça ou prejuízo. 8Mas pelo contrário, fazem injustiças e causam prejuízos, até mesmo aos vossos próprios irmãos! 9Não sabem que os injustos não têm parte no reino de Deus? Não se deixem enganar! Nem os imorais, nem os adoradores de falsos deuses, nem os adúlteros, nem os que praticam relações homossexuais, 10nem os ladrões, nem os gananciosos, nem os bêbedos, nem os caluniadores, nem os gatunos terão parte no reino de Deus. 11No vosso meio alguns pertenciam ao número desses. Mas depois foram purificados do pecado, consagrados a Deus e justificados por meio de nosso Senhor Jesus Cristo e pelo Espírito do nosso Deus.

Dignidade do corpo humano

12Tudo me é permitido6,12 Ver 10,23 e nota., mas nem tudo é conveniente. Tudo me é permitido, mas não me posso deixar dominar por coisa nenhuma. 13Os alimentos são para o estômago e o estômago para os alimentos. Mas o Senhor há de fazer com que tanto o estômago como os alimentos se desfaçam, um dia. O corpo humano, porém, não é para a imoralidade. Ele é para o Senhor e o Senhor é para o corpo. 14De facto, Deus ressuscitou o Senhor Jesus e, pelo seu poder, nos há de ressuscitar também a nós.

15Não sabem que o corpo de cada um de nós faz parte do corpo de Cristo? E se é corpo de Cristo, como posso eu fazer dele parte do corpo de uma prostituta? De modo nenhum! 16Ou não sabem que aquele que se une a uma prostituta se torna um só corpo com ela? Diz a Sagrada Escritura: Tornam-se ambos uma só pessoa6,16 Ver Gn 2,24; Mt 19,5.. 17Porém aquele que se entrega ao Senhor forma um só espírito com ele. 18Evitem a imoralidade. Os outros pecados que o homem comete ficam fora do corpo. Mas o que pratica a imoralidade ofende a dignidade do seu próprio corpo6,18 Isto é: ofende a sua própria pessoa.. 19Não sabem que não pertencem cada um a si mesmo, mas que o vosso corpo é templo do Espírito Santo que receberam de Deus e que habita no vosso interior6,19 Ver 1 Co 3,16; 2 Co 6,16.? 20Deus resgatou-vos por elevado preço. Deem, pois, glória a Deus com o vosso corpo.

7

Vida conjugal

71Quanto aos problemas de que falavam na vossa carta, é preferível não ter relações sexuais. 2Mas, para evitar o perigo da imoralidade, cada homem tenha a sua mulher e cada mulher tenha o seu marido. 3Que o marido cumpra os seus deveres para com a mulher e, do mesmo modo, a mulher para com o marido. 4Não é a mulher que é dona do seu próprio corpo, mas sim o marido. De igual modo, não é o marido que é dono do seu próprio corpo, mas sim a mulher. 5Não se privem um do outro, a não ser de comum acordo e para se dedicarem durante algum tempo à oração. Depois voltem outra vez à vossa vida conjugal, para que Satanás vos não faça cair na tentação por não se saberem dominar.

6Isto que vos digo é uma concessão, mas não é uma ordem. 7O que eu queria era que todos fossem como eu. Mas cada um procede conforme os dons que Deus lhe concedeu, uns duma maneira, outros doutra.

8Aos solteiros e às viúvas tenho a dizer que era melhor para eles continuarem a viver como estão, tal como eu. 9Mas se não sentem forças para isso, casem-se. É melhor casar-se do que arder em desejos. 10Aos que estão casados ordeno, não em meu nome mas em nome do Senhor, que a mulher não se separe do marido7,10 Sobre os v. 10–11, ver Mt 5,32; 19,9; Mc 10,2–12; Lc 16,18., 11nem o marido se separe da mulher. E se a mulher se separar, não volte a casar-se ou então faça as pazes com o marido.

12Aos outros tenho a dizer, em meu nome e não em nome do Senhor, que se algum crente estiver casado com uma mulher não-crente e ela consentir em viver com ele, não se separe dela. 13E do mesmo modo, se a mulher tiver um marido não-crente e ele estiver de acordo em viver com ela, não se separe dele. 14Pois Deus abençoa o marido não-crente por causa da fé da mulher e a mulher não-crente por causa da fé do marido. Se não fosse assim, também os vossos filhos seriam impuros, mas eles são santos. 15Contudo, se a parte não-crente quiser separar-se, pode fazê-lo. Neste caso, ou o marido ou a mulher crente fica livre do compromisso, pois Deus chamou-nos para vivermos em paz. 16Sabes lá tu, mulher crente, se poderás ou não salvar o teu marido? Ou sabes lá tu, homem crente, se poderás ou não salvar a tua mulher?

A liberdade vem por Cristo

17De resto, proceda cada um conforme o que o Senhor lhe deu e continue a fazer o que fazia, quando Deus o chamou. É isto que eu ensino em todas as igrejas.

18Se alguém era judeu quando foi chamado à fé, não procure desfazer o sinal da circuncisão7,18 Paulo alude ao costume seguido e condenado entre os judeus de camuflarem, por meio de uma operação plástica, os sinais da circuncisão, de modo a não se distinguirem dos pagãos.. Se não era judeu, não faça a circuncisão. 19Não é o ser ou não circuncidado que conta, mas sim o cumprimento da vontade de Deus. 20Continue cada um na condição em que se encontrava quando foi chamado à fé. 21Eras escravo de alguém? Se for possível passares a ser uma pessoa livre, melhor7,21 Outra tradução: Ainda que possas tornar-te uma pessoa livre, procura antes aproveitar da tua condição. Paulo poderia estar a pensar na possibilidade de anunciar a boa nova entre os escravos.. Mas não te preocupes muito com isso. 22Pois aquele que era escravo de alguém e foi chamado à fé em Cristo é já livre, porque pertence ao Senhor. Do mesmo modo, o que era livre e foi chamado à fé passou a servir o Senhor. 23Deus pagou um preço para vos resgatar. Não se tornem escravos de ninguém. 24Irmãos, procurem viver como Deus quer, dentro da condição em que se encontravam ao serem chamados à fé.

Casar ou não casar

25Quanto aos solteiros, não tenho nenhuma ordem do Senhor. Mas dou a minha opinião, como alguém que, pela misericórdia do Senhor, é digno de confiança. 26Penso concretamente que é melhor continuarem como estão, por causa das dificuldades do tempo presente. 27Estás casado? Não procures libertar-te da tua mulher. Estás livre? Não te cases. 28Mas se te casares não fazes mal nenhum. E se uma mulher solteira se casar também não faz mal nenhum. Simplesmente ficam sujeitos às dificuldades da vida de casados. E eu queria poupá-los a isso.

29Irmãos, o que eu quero dizer é isto: o tempo já é pouco. Por isso os que têm mulher vivam como se a não tivessem; 30os que choram, como se não chorassem; os que se alegram, como se não se alegrassem; os que compram, como se não possuíssem o que compraram; 31e os que se servem dos bens deste mundo, como se o não fizessem. É que este mundo, tal como é, vai desaparecer. 32Eu gostaria que não tivessem preocupações. O que não é casado preocupa-se com as coisas do Senhor e em fazer o que lhe agrada. 33O que é casado preocupa-se com as coisas do mundo e como agradar à sua mulher. 34Deste modo, anda dividido. Por seu lado, a mulher que não se casou, ou a jovem que está solteira, preocupa-se com as coisas de Deus e procura agradar-lhe de corpo e alma. A mulher casada preocupa-se com as coisas do mundo e como agradar ao marido. 35Digo-vos isto para vosso bem e não para vos impor limitações. Apenas vos mostro o que é mais útil e o que vos daria a possibilidade de se dedicarem inteiramente ao Senhor.

36Se alguém sente que está a faltar ao respeito para com a sua jovem7,36 A jovem de que se fala nos v. 36–38 pode ser a filha que um pai hesita em casar ou a noiva com quem o seu noivo não sabe se deve casar ou se deve optar pelo celibato. As traduções variam, conforme a perspetiva que se tomar., por causa da força da paixão e porque acha necessário casar, resolva como lhe parecer melhor. Se casarem, não há pecado nisso. 37Mas se ele se sente seguro, porque é capaz de dominar os próprios desejos e não vê necessidade de casar, e se assim o decidir, faz bem em não casar com ela. 38Deste modo, aquele que casa com a sua jovem faz bem. E aquele que não casa faz ainda melhor.

39Uma mulher casada está ligada a seu marido enquanto ele viver. Se ele morrer, ela fica livre e pode casar com quem quiser. Mas que seja com um crente. 40Contudo, na minha opinião, ela será mais feliz se não se voltar a casar. E parece-me que também eu falo com a ajuda do Espírito de Deus.

8

Respeito pela consciência dos outros

81Quanto ao problema da carne oferecida aos falsos deuses8,1 Comparar com At 15,20.29. Ver 10,23–31., sabemos que todos nós temos conhecimento. Mas o nosso conhecimento pode envaidecer-nos, ao passo que o amor edifica. 2Quem pensa que conhece bem alguma coisa, ainda não conhece como deve conhecer. 3Mas se alguém ama a Deus, é conhecido por ele.

4Quanto ao comer a carne oferecida em templos de falsos deuses, sabemos que «falsos deuses não representam absolutamente nada», pois «Deus há só um». 5Embora se fale em deuses do céu e deuses da terra, como se existissem vários deuses e vários senhores8,5 Alusão aos muitos deuses da religião grega conhecida e seguida pela população de Corinto., 6para nós existe um só Deus, o Pai. É dele que vêm todas as coisas e é para ele que nós existimos. E há igualmente um só Senhor, Jesus Cristo, por quem tudo existe e por quem nós vivemos também8,6 Um só Deus. Ver Dt 4,35.39; 6,4; 1 Co 12,6; Ef 4,6. Um só Senhor. Ver 1 Co 12,5; Ef 4,5..

7Mas nem todos têm conhecimento destas coisas. Pela força do hábito, alguns têm ainda tendência para pensar no falso deus, quando comem dessa carne. E com essa insegurança de consciência vão pensar que cometem pecado. 8A verdade é que a comida não tem importância nenhuma diante de Deus. Lá por deixarmos de comer não vamos perder nada. Nem vamos ganhar nada, se comermos8,8 Ver Rm 14,17.. 9Mas tenham cuidado! Que esta liberdade a que têm direito não seja ocasião de pecado para os mais fracos. 10Se algum deles te vir a ti, que és um homem consciente, sentado à mesa no templo dum falso deus, não poderá ele, de consciência pouco esclarecida, ser levado a comer dessa carne oferecida aos falsos deuses? 11E assim, pela tua atitude consciente, perdia-se um irmão mais fraco pelo qual Cristo morreu. 12Ofendendo estes irmãos e ferindo a sua consciência pouco esclarecida é Cristo que ofendem. 13Portanto, se o facto de comer dessa carne leva o meu irmão a pecar, nunca mais volto a comê-la, para não ferir a sua consciência8,13 A liberdade individual não deve causar escândalo aos mais fracos. Ver Rm 14,15.20–21..