a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
2

A revolta de Matatias

21Naquele tempo, Matatias, um sacerdote que era filho de João e neto de Simeão e que pertencia ao grupo de sacerdotes de Joiarib, saiu de Jerusalém e foi morar em Modin. 2Matatias tinha cinco filhos: João, também chamado Gadi; 3Simão, também chamado Tassi; 4Judas, também chamado Macabeu; 5Eleazar, também chamado Avaran, e Jónatas, também chamado Afus. 6Matatias viu todas as abominações em Judá e em Jerusalém, 7e disse: «Ai de mim! Por que nasci para ver tudo isto, para ver a destruição do meu povo e da cidade santa? Por que estou a morar aqui, se a cidade caiu nas mãos do inimigo e o templo caiu nas mãos de soldados estrangeiros? 8O templo parece um homem humilhado; 9os belos objetos usados no seu culto foram roubados e levados. As crianças de Jerusalém foram mortas nas ruas, os jovens foram mortos pelas espadas do inimigo. 10Que nação não se apropriou desta herança e não dominou sobre os recursos deste reino? 11Todos os seus belos enfeites foram roubados; ela perdeu a sua liberdade e agora é uma escrava. 12Olhem para o nosso santuário: perdeu a sua beleza e a sua glória! Ficou desolado! Os pagãos profanaram-no! 13Por que continuamos a viver?» 14Em sinal de tristeza, Matatias e os seus filhos rasgaram as suas roupas, vestiram roupas feitas de saco e começaram a chorar amargamente. 15Depois os oficiais do rei, que estavam encarregados de fazer com que o povo apostatasse, foram à cidade de Modin, a fim de obrigarem os seus moradores a oferecer sacrifícios pagãos. 16E muitos em Israel foram encontrar-se com eles; Matatias e os seus filhos também foram. 17Então os oficiais disseram a Matatias: «Tu és um líder importante e respeitado nesta cidade e tens o apoio dos teus filhos e parentes. 18Por isso, sê o primeiro aqui em Modin a começar a obedecer à ordem do rei, como já fizeram todos os não-judeus, os cidadãos de Judá e os que ainda moram em Jerusalém. Se tu e os teus filhos obedecerem, serão reconhecidos como Amigos do Rei2,18 Amigos do Rei. Título de honra dado aos que prestavam serviços importantes ao rei. e serão honrados com presentes de prata e ouro e terão muitas outras vantagens.» 19Matatias respondeu em voz alta: «Ainda que todos os povos, que vivem debaixo do domínio do rei Antíoco, resolvam obedecer às suas ordens e abandonem a religião dos seus antepassados, 20mesmo assim, eu, os meus filhos e os meus parentes continuaremos fiéis à aliança dos nossos antepassados. 21Deus nos livre de abandonarmos a lei e os mandamentos! 22Não obedeceremos à ordem do rei; não nos desviaremos em nada da nossa religião.» 23Depois de Matatias ter dito isto, um dos judeus, na presença de todos, foi até ao altar pagão em Modin para oferecer um sacrifício, de acordo com a ordem do rei. 24Quando Matatias viu o homem a fazer aquilo, ficou furioso e, tremendo de raiva e cheio de zelo pela lei, correu e matou o homem ali mesmo no altar. 25Em seguida, matou o oficial do rei que estava a obrigar os judeus a oferecer sacrifícios pagãos e derrubou o altar. 26Matatias mostrou o mesmo zelo pela lei que Fineias tinha demonstrado quando matou Zimeri, filho de Salum. 27Depois Matatias foi andando pela cidade, gritando o mais alto que podia: «Que venham comigo todos os que têm zelo pela lei e querem continuar fiéis à aliança!» 28Após isso, ele e os seus filhos fugiram para as montanhas, deixando na cidade tudo o que era deles.

Matatias torna-se guerrilheiro

29Então muitos dos que procuravam a justiça e a retidão refugiaram-se no deserto e aí se estabeleceram, 30tanto eles como os seus filhos, mulheres e animais, pois os seus males se agravaram. 31Os oficiais e os soldados do rei que estavam na cidade de David, em Jerusalém, ficaram a saber que alguns homens que haviam desobedecido à ordem do rei se tinham escondido em cavernas, no deserto. 32Imediatamente muitos soldados do rei foram atrás deles e alcançaram-nos; acamparam perto do lugar onde estavam e prepararam-se para os atacar no sábado. 33Antes de atacarem, disseram-lhes: «Agora basta. Saiam daí, obedeçam à ordem do rei e permanecerão vivos.» 34Mas eles responderam: «Não vamos sair, nem vamos obedecer à ordem de profanar o sábado, dada pelo rei.» 35Imediatamente os soldados do rei os atacaram, 36mas eles não reagiram; não lhes atiraram pedras, nem tentaram barrar as entradas das suas cavernas. 37Responderam apenas: «Todos nós vamos morrer com a consciência tranquila. O céu e a terra são testemunhas de que estão a matar-nos sem nenhum motivo.» 38E os soldados do rei atacaram-nos ali no deserto, no sábado. E morreram os homens, as mulheres, os filhos e os animais. Mil pessoas foram mortas. 39Quando Matatias e os seus companheiros souberam daquilo, ficaram muito tristes 40e disseram uns aos outros: «Se todos nós fizermos a mesma coisa que os nossos irmãos fizeram e não lutarmos contra os pagãos a fim de salvarmos as nossas vidas, em pouco tempo eles nos farão desaparecer da terra.» 41Naquele mesmo dia eles resolveram o seguinte: «Lutaremos contra qualquer pessoa que nos atacar, mesmo que seja no sábado, e assim não morreremos como morreram os nossos irmãos nas cavernas.» 42Então juntou-se-lhes um grupo de hassideus2,42 Hassideus. Grupo de religiosos judeus muito devotos., homens de Israel valentes e todos dedicados à lei. 43Os que fugiam da perseguição juntaram-se a eles, reforçando-os. 44Organizaram um exército e, na sua ira, mataram os pecadores e os transgressores da lei. Aqueles que conseguiram escapar foram para as terras dos não-judeus em busca de segurança. 45Matatias e os companheiros foram pelo país inteiro, derrubando os altares pagãos 46e circuncidando, à força, todos os meninos no território de Israel que não tinham sido circuncidados. 47Perseguiram os inimigos orgulhosos, e os seus planos resultaram. 48Conseguiram evitar que os pagãos e os seus reis acabassem com a Lei de Moisés e não deixaram que o perverso rei pecador vencesse.

A morte de Matatias

49Quando já estava próximo o tempo de Matatias morrer, disse aos seus filhos: «O orgulho e a reprovação estão a ganhar força; estamos a viver dias de desgraça e de furor terrível. 50Agora, meus filhos, sejam zelosos da lei de Deus e entreguem as vossas vidas à aliança que Deus fez com os nossos antepassados. 51Lembrem-se dos feitos que os nossos antepassados cometeram no seu tempo e obterão grande glória e um nome eterno. 52Não foi Abraão fiel a Deus no meio da prova? E não o aceitou Deus como justo? 53José estava numa situação difícil, mas obedeceu aos mandamentos de Deus e acabou por ser senhor do Egito. 54O nosso antepassado Fineias mostrou um grande zelo pela lei e por isso Deus estabeleceu com ele uma aliança prometendo-lhe um sacerdócio eterno. 55Josué cumpriu as ordens de Deus e veio a ser juiz em Israel. 56Caleb deu testemunho ao povo de Israel e por isso recebeu uma parte da terra de Canaã como herança. 57David, pela sua misericórdia, herdou um trono eterno. 58Elias também mostrou um grande zelo pela lei e foi levado para o céu. 59Ananias, Azarias e Michael tiveram fé e foram salvos do fogo. 60Daniel foi um homem reto e foi salvo da boca dos leões. 61Vejam que geração após geração os que confiam em Deus nunca perdem as suas forças. 62Não tenham medo das ameaças de um homem pecador, pois toda a sua fama acabará em esterco. 63Hoje o perverso pode ser famoso, mas amanhã ele desaparecerá, pois voltará ao pó de onde veio, e os seus planos fracassarão. 64Meus filhos sejam corajosos e valentes na defesa da lei, pois a lei há de trazer-vos glória.» 65E Matatias terminou, dizendo aos seus filhos: «Aqui está Simão, vosso irmão. Eu sei que é sábio; por isso obedeçam-lhe sempre, e ele será um pai para vós. 66Desde jovem, Judas Macabeu tem sido forte e corajoso; ele será o chefe do vosso exército e comandar-vos-á na guerra contra os inimigos. 67Chamem para o vosso lado todos os que cumprem a lei e vinguem-se de todo o mal que foi feito contra o nosso povo. 68Vinguem-se dos pagãos e sejam fiéis aos mandamentos da lei.» 69Depois abençoou-os e foi reunir-se aos seus antepassados. 70Foi enterrado em Modin, no túmulo dos seus antepassados, e todo o povo de Israel chorou amargamente a sua morte. Isto aconteceu no ano cento e quarenta e seis da era grega2,70 Equivale ao ano 166 a.C. Ver 1 Mb 1,10 e nota..

1

Introdução e saudação

11Este livro contém a revelação de Jesus Cristo que ele recebeu de Deus, para a dar a conhecer aos seus servos. Trata-se de coisas que hão de acontecer brevemente e que Cristo deu a conhecer ao seu servo João por um anjo que lhe enviou.

2João atesta tudo quanto viu em relação à palavra e ao testemunho de Jesus Cristo. 3Feliz aquele que lê este livro e felizes os que ouvem estas palavras proféticas e guardam o que aqui está escrito1,3 O autor afirma que é preciso ler, ouvir e guardar estas palavras. A Sagrada Escritura foi escrita por causa desta triologia verbal: ler, ouvir e guardar. Quem assim fizer, será feliz., porque tudo isto há de acontecer em breve.

4Eu, João, dirijo-me às sete igrejas da província da Ásia1,4 As sete igrejas são enumeradas no v. 11.. Desejo-vos graça e paz da parte daquele que é, que era e que há de vir, e ainda da parte dos sete espíritos1,4 Sete Espíritos. O número sete simboliza a perfeição. Os sete espíritos simbolizam, portanto, a ação misteriosa de Deus na história dos homens. que estão diante do seu trono, 5e de Jesus Cristo, a testemunha fiel, o primeiro dos ressuscitados, o soberano dos reis da Terra.

Cristo ama-nos e pela sua morte libertou-nos dos nossos pecados. 6Ele fez de nós um reino de sacerdotes para Deus, seu Pai. A ele seja dada glória e o poder para todo o sempre. Ámen.

7Eis que ele vem com as nuvens.

Toda a gente o verá,

até mesmo os que o mataram.

Todos os povos da Terra se lamentarão por ele.

Assim há de ser! Ámen!

8Eu sou o Alfa e o Ómega1,8 Alfa e Ómega. Primeira e última letra do alfabeto grego (21,2; 22,13). A expressão significa: o Primeiro e o Último ou o Princípio e o Fim., diz o Senhor Deus, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-Poderoso.

Cristo revela-se a João

9Eu sou João, vosso irmão, e participo convosco nas mesmas perseguições no reino de Deus e na perseverança por Jesus. Encontrava-me na ilha de Patmos1,9 Patmos. Pequena ilha do mar Egeu para onde os romanos exilavam as pessoas que julgavam politicamente indesejadas. por ter proclamado a palavra de Deus e o testemunho de Jesus. 10O Espírito de Deus apoderou-se de mim, no dia do Senhor, e eu ouvi atrás de mim uma voz forte que parecia a voz duma trombeta. 11Dizia assim: «Escreve num livro aquilo que vais ver, e manda-o às sete igrejas: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodiceia.» 12Voltei-me para ver quem é que me falava e, ao voltar-me, vi sete castiçais de ouro1,12 Sete castiçais. Representam as sete igrejas a quem o autor escreveu. Ver 1,20.. 13E no meio dos castiçais estava alguém semelhante ao Filho do Homem vestido até aos pés com uma túnica comprida e uma faixa dourada à volta do peito. 14A sua cabeça e os seus cabelos eram brancos como a lã ou como a neve e os seus olhos eram ardentes como o fogo. 15Os seus pés brilhavam como bronze fundido na fornalha e a sua voz era como o ruído das grandes cascatas1,15 Para os v. 13–15, ver Dn 7,13; 10,5; 7,9; 10,6.. 16Na sua mão direita tinha sete estrelas; da sua boca saía uma espada de dois gumes muito afiada e o seu rosto brilhava como o sol do meio-dia.

17Quando o vi, caí aos seus pés como morto. Mas ele pôs a sua mão direita em cima de mim e disse: «Não tenhas medo! Eu sou o primeiro e o último1,17 Para os v. 16–17, ver Is 49,2; Hb 4,12; Is 44,6; 48,12.. 18Eu sou aquele que está vivo! Estive morto, mas agora vivo para sempre. Eu tenho poder sobre a morte e sobre o mundo dos mortos. 19Escreve pois aquilo que viste, o que está a acontecer agora e o que vai acontecer mais tarde. 20O significado das sete estrelas que viste na minha mão direita e dos sete castiçais de ouro é o seguinte: as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete castiçais são essas sete igrejas.»