a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
17

Golias desafia o exército de Israel

171Os filisteus juntaram as suas tropas para a guerra em Socó, cidade de Judá. Acamparam num lugar chamado Efés-Damim, entre Socó e Azeca. 2Saul e os israelitas, por sua vez, reuniram-se e acamparam no vale de Elá e prepararam-se para a batalha contra os filisteus. 3Estes dispuseram as suas tropas num monte, enquanto os israelitas ficaram noutro, apenas separados pelo vale. 4Nisto um homem chamado Golias, da cidade de Gat, saiu do acampamento dos filisteus a desafiar os israelitas. Tinha quase três metros de altura. 5Na cabeça levava um capacete de bronze e no peito uma couraça também de bronze que pesava cinquenta e cinco quilos. 6As pernas eram protegidas por polainas também de bronze e levava uma azagaia igualmente de bronze ao ombro. 7A haste da sua lança era de madeira compacta como a dos cilindros de tear e a ponta era de ferro e pesava mais de seis quilos. À sua frente ia o ajudante com o seu escudo. 8Golias apareceu, de pé, e gritou para os soldados israelitas: «Que fazem aí, alinhados para a batalha? Eu sou um filisteu e vocês são escravos de Saul. Escolham um dos vossos para combater comigo. 9Se ele for capaz de combater contra mim e me vencer, nós seremos vossos escravos; mas se eu o vencer serão vocês os nossos escravos. 10Hoje mesmo desafio o exército israelita: escolham um homem para lutar comigo.» 11Quando Saul e os seus homens ouviram o filisteu ficaram apavorados.

12Em Belém de Judá havia um homem da família de Efraim chamado Jessé. Tinha oito filhos e um deles era David. Nesta altura Jessé já era bastante idoso. 13Os seus três filhos mais velhos, Eliab, Abinadab e Chamá tinham ido com Saul para a guerra. 14Enquanto os três mais velhos permaneciam com o exército do rei, David, que era o mais novo, 15ia ter com Saul e voltava para junto do pai em Belém, a fim de cuidar do rebanho17,15 Confrontar este versículo com 1 Sm 16,11.18–21 e nota..

16Durante quarenta dias, de manhã e de tarde, Golias continuava a desafiar os israelitas.

17Certo dia Jessé disse ao seu filho David: «Vai ter com os teus irmãos ao acampamento e leva-lhes uma medida de grão tostado17,17 Literalmente: um efá. Ver no Glossário Pesos e Medidas. e estes dez pães. 18Leva também estes dez queijos para o comandante do batalhão. Vê se os teus irmãos andam bem de saúde e pede-lhes que me deem uma prova de que estão bem. 19Saul também está com eles e com todo o exército israelita no vale de Elá lutando contra os filisteus.» 20No dia seguinte, muito cedo, David deixou o rebanho ao cuidado dum outro e partiu com as provisões como Jessé lhe tinha ordenado. Chegou ao acampamento na altura em que o exército se encaminhava para a linha de batalha, lançando gritos de guerra. 21Os exércitos dos israelitas e dos filisteus tomaram posição para a guerra frente a frente. 22David deixou as provisões ao cuidado de um oficial e correu para a frente de batalha, a fim de perguntar aos seus irmãos como é que eles estavam. 23Enquanto falava com eles, apareceu mais uma vez Golias, o guerreiro filisteu, da cidade de Gat, a desafiar os israelitas com as mesmas palavras de antes; e David ouviu-o. 24Quando os israelitas o viram, ficaram aterrados e puseram-se a fugir 25e diziam: «Viram bem aquele homem? Está a desafiar Israel outra vez. Até o rei Saul já prometeu muitas riquezas a quem o matar. Dará a sua filha, como esposa, e isentará toda a família de pagar taxas.»

26David perguntou então aos que ali estavam: «Que recompensa receberá o homem que matar este filisteu e defender a honra de Israel? Afinal quem é este filisteu pagão para desafiar o exército do Deus vivo?» 27Responderam-lhe a mesma coisa que antes tinham dito a respeito daquilo que o rei daria a quem matasse o filisteu.

28Eliab, o irmão mais velho ouviu aquela conversa e ficou aborrecido com David. Perguntou-lhe: «Por que é que vieste cá? A quem é que entregaste as ovelhas que ficaram no deserto? Sei que és um atrevido e que vieste cá só para veres a batalha.» 29David respondeu: «Mas que mal é que eu fiz? Apenas fiz uma pergunta.» 30Voltou-se para um outro homem e perguntou-lhe o mesmo. E as pessoas que ali estavam responderam-lhe da mesma maneira.

David oferece-se para combater Golias

31Alguns homens que tinham ouvido as palavras de David foram-no dizer a Saul, que o mandou chamar. 32E David disse a Saul: «Meu senhor, que ninguém desanime por causa desse filisteu, porque eu mesmo irei combater contra ele.» 33Mas Saul respondeu: «Como é que tu vais combater contra este filisteu, se não passas duma criança e se ele é um guerreiro desde a sua juventude?» 34David disse-lhe: «Meu senhor, eu guardo o rebanho de meu pai e quando um leão ou um urso vêm e levam uma ovelha, 35vou atrás deles e tiro-lha das goelas. E quando me atacam, agarro-os pela queixada e dou-lhes pauladas até os matar. 36Assim como matei leões e ursos também irei matar este filisteu pagão, porque desafiou o exército do Deus vivo. 37O Senhor, que me tem livrado das garras do leão e do urso, também me livrará das mãos deste filisteu.» Perante isto Saul disse-lhe: «Então vai! Que o Senhor esteja contigo17,37 Ver 1 Sm 18,12; 20,13; Ex 10,10; 2 Sm 14,17; 1 Rs 8,57; 1 Cr 22,11; 2 Cr 36,23.

38Saul entregou a David a sua armadura de guerreiro: um capacete de bronze, que lhe colocou na cabeça, e a couraça para o peito. 39David colocou também a espada de Saul à cintura, por cima da couraça. Mas quando quis andar, não era capaz, por não estar acostumado. Disse então a Saul: «Não sou capaz de andar com isto, porque não estou habituado.» E tirou as vestes de guerreiro 40e pegou apenas no seu cajado. Depois escolheu cinco pedras lisas no ribeiro, que meteu no seu saco de pastor, e, com a funda na mão, avançou para o filisteu.

David mata Golias

41Golias dirigiu-se para David, levando à frente o ajudante com o seu escudo. Já estava perto de David, 42quando reparou bem nele. Não o tomou a sério, porque viu que ainda era muito jovem, sendo bem parecido e de belo aspeto. 43E disse a David: «Sou porventura um cão, para me vires bater com um cajado?» E amaldiçoou David em nome dos seus deuses. 44Depois acrescentou: «Aproxima-te, que vou dar a tua carne às aves e às feras.»

45David porém respondeu-lhe: «Vens contra mim com espada, lança e azagaia, mas eu vou contra ti em nome do Senhor, o Deus dos exércitos de Israel, a quem desafiaste. 46Hoje mesmo o Senhor te entregará nas minhas mãos, para eu te matar e cortar a cabeça. Eu é que darei os cadáveres do exército filisteu às aves e às feras. Deste modo, todo o mundo saberá que há um Deus em Israel. 47Todos os que aqui estão hão de ver que o Senhor não precisa de espadas e lanças para a vitória. Ele é que vai vencer esta batalha e vos entregará nas nossas mãos.»

48O filisteu dirigiu-se então para David a fim de combater com ele e David, por sua vez, correu para a linha de batalha dos filisteus, para o enfrentar. 49Meteu a mão no saco, tirou uma pedra e arremessou-a com a funda contra o filisteu, atingindo-o na testa. A pedra ficou-lhe mesmo cravada na testa e o filisteu caiu por terra. 50Foi assim que David, sem nenhuma espada, derrotou Golias, usando apenas uma funda e uma pedra.

51Depois David correu, parou junto de Golias, tirou-lhe a espada e com ela acabou de o matar, cortando-lhe a cabeça.

Quando os filisteus viram que o seu melhor guerreiro tinha sido morto, puseram-se em fuga.

52Nisto os homens de Israel e de Judá lançaram gritos de guerra e perseguiram os filisteus até à entrada de Gat e até às portas de Ecron. Os cadáveres dos filisteus ficaram a juncar os caminhos que levam a Charaim, a Gat e a Ecron.

53Depois de terem perseguido os filisteus, os israelitas voltaram para levarem os despojos do acampamento dos filisteus. 54David pegou então na cabeça de Golias e levou-a para Jerusalém, mas colocou as armas de Golias na sua própria tenda.

David é apresentado a Saul

55Quando Saul tinha visto David partir para combater com o filisteu, perguntou a Abner, general do seu exército: «Quem é o pai desse rapaz?» Abner respondeu-lhe: «Meu senhor, não tenho a menor ideia.» 56E o rei pediu-lhe para se informar.

57Quando David voltou, depois de matar Golias, trazendo ainda a cabeça dele na mão, Abner pegou-lhe pelo braço e levou-o a Saul, 58que lhe perguntou: «Ó rapaz, quem é o teu pai?» E David respondeu-lhe: «Meu pai é Jessé, de Belém, vosso servo!»

18

Amizade de David e Jónatas

181Depois da conversa de Saul com David, Jónatas que era filho de Saul, tornou-se muito amigo de David. Gostava tanto dele como de si próprio. 2E Saul, naquele mesmo dia, tomou David para o seu serviço e não permitiu que voltasse para casa de seu pai. 3Jónatas estabeleceu com David uma firme amizade, porque gostava tanto dele como de si mesmo. 4Jónatas tirou a própria capa e a roupa militar que levava e deu-as a David, bem como a sua espada, o arco e o cinturão.

5David foi de tal modo bem sucedido em todas as missões de que Saul o encarregou que este o nomeou oficial do seu exército. E isso agradou a todo o povo e aos próprios oficiais de Saul.

Saul tem inveja de David

6Quando David regressou com as tropas, depois de ter morto Golias, as mulheres de todas as cidades saíram ao encontro do rei Saul, cantando e bailando alegremente com pandeiretas e instrumentos de metal. 7Dançavam e cantavam desta maneira:

«Saul matou mil homens,

mas David matou dez mil.»

8Aquilo desagradou muito a Saul, que ficou profundamente aborrecido. E teve este desabafo: «Dizem que David matou dez mil e que eu só matei mil. Só falta fazerem-no rei!» 9E, a partir dessa ocasião, Saul passou a ter ciúmes de David.

10No dia seguinte, o espírito mau enviado por Deus apoderou-se de Saul, que ficou como louco no seu palácio. David estava a tocar harpa, como de costume, e Saul tinha a lança na mão. 11Nisto Saul arremessou-a duas vezes contra David e disse: «Vou espetá-lo contra a parede.» Mas David desviou-se a tempo.

12Saul começou a ter medo de David, porque o Senhor estava com David e a ele tinha-o abandonado. 13Por isso, afastou-o da sua presença, nomeando-o comandante de batalhão. Chefiava as suas tropas em combate 14e era sempre bem sucedido, porque o Senhor estava com ele. 15Saul tomava conhecimento dos êxitos de David e cada vez o temia mais. 16E toda a gente em Israel e Judá gostava de David, porque era ele quem chefiava as tropas.

David casa com a filha de Saul

17Certo dia Saul disse a David: «Aqui tens a minha filha mais velha Merab. Dou-ta como esposa, com a condição de me servires como bom militar e de dirigires as guerras do Senhor.» E Saul pensava no seu íntimo: «Que não seja eu a matá-lo mas sim os filisteus18David respondeu-lhe: «Eu e a minha família não somos nada em Israel, para eu merecer a honra de ser genro do rei.» 19Mas quando chegou o tempo em que Saul devia entregar a sua filha Merab a David como esposa, entregou-a a Adriel, que era de Meolá.

20Entretanto Mical, a outra filha de Saul, andava apaixonada por David. Contaram isso a Saul, que ficou satisfeito, 21pois pensou que, dando-a como esposa a David, havia de a influenciar para que ela o entregasse nas mãos dos filisteus. Por isso, Saul disse pela segunda vez a David: «Tu serás meu genro.»

22Saul deu ordens aos seus servidores para falarem em particular com David, a fim de o convencerem a casar com a sua filha. E para lhe dizerem que tanto Saul como todos os seus servidores tinham muita estima por ele. 23Os servidores de Saul assim fizeram e David respondeu-lhes: «Ficariam tão honrados em que a filha do rei casasse com um homem tão pobre e humilde como eu?»

24Os servidores de Saul foram contar ao rei o resultado da sua conversa com David. 25E, como Saul tinha a intenção de fazer com que David caísse nas mãos dos filisteus, disse-lhes: «Digam a David que, em vez do que é costume oferecer-se pela noiva, o rei apenas quer que ele lhe entregue cem prepúcios de filisteus, para assim se vingar dos seus inimigos18,25 Segundo o costume dos povos nómadas, o futuro marido devia dar ao pai da noiva um dote, geralmente em dinheiro. Ver Gn 34,12. David devia apresentar a Saul cem prepúcios de filisteus, porque os filisteus não praticavam a circuncisão.26Os servidores de Saul comunicaram estas notícias a David, que achou boa proposta para se tornar genro do rei. E assim, antes de o prazo terminar, 27David saiu com os seus homens e matou duzentos filisteus. Levou os prepúcios ao rei e contou-os um a um para poder tornar-se seu genro. Desta forma Saul entregou-lhe a sua filha Mical como esposa.

28Saul acabou por perceber que o Senhor estava realmente com David e que a sua filha Mical também amava David. 29O rei ficou ainda com mais medo dele do que antes e tornou-se num seu inimigo para sempre.

30Quando os chefes dos filisteus saíam para a guerra contra Israel, David obtinha mais êxitos que todos os outros oficiais de Saul, e, por isso, tornou-se ainda mais famoso.

19

Saul procura matar David

191Saul deu a conhecer ao seu filho Jónatas e a todos os seus servidores a sua intenção de matar David. Mas Jónatas gostava muito de David e 2contou-lhe tudo. Disse-lhe: «O meu pai quer matar-te; por isso, tens de ter muito cuidado, amanhã de manhã. Esconde-te em qualquer lugar seguro. 3E eu sairei com o meu pai para o campo, perto do lugar onde te encontrares. Falarei com ele a teu respeito, para saber o que se passa, e depois te contarei.»

4Jónatas falou com o pai a favor de David, nestes termos: «Acho que não deves fazer nenhum mal contra o teu servo David. Ele nada fez de mal contra ti; pelo contrário, tudo o que ele tem feito tem sido para teu bem. 5Matou o filisteu Golias arriscando a própria vida; e dessa maneira o Senhor libertou todo o povo de Israel. Nessa altura soubeste de tudo isso e ficaste muito contente. Por que é que agora vais pecar contra Deus, atentando contra a vida de um inocente, ao querer matar David sem motivo?»

6Saul ouviu as razões de Jónatas e depois disse: «Juro pelo Senhor vivo que David não há de morrer!»

7Então Jónatas chamou David e contou-lhe o que se tinha passado. Depois levou-o a Saul e David continuou ao serviço de Saul, como antes.

8Recomeçou a guerra contra os filisteus e David saiu uma vez mais para os combater. Infligiu-lhes uma grande derrota, e eles tiveram que fugir à sua frente.

9Aconteceu que Saul foi outra vez atacado pelo espírito mau enviado pelo Senhor. Estava sentado no seu palácio, com a lança na mão, enquanto David tocava harpa para ele. 10Saul procurou trespassar David com a lança, mas David esquivou-se e a lança foi espetar-se na parede. David fugiu e escapou mais uma vez naquela noite.

11Nessa noite Saul mandou os seus homens a casa de David para o espiarem e assassinarem no outro dia pela manhã. Mas Mical, sua mulher, disse-lhe: «Se não fugires esta noite, amanhã serás morto.» 12Desceu-o, pois, por uma janela e ele conseguiu fugir e escapar-se. 13Depois pegou no ídolo protetor da casa, meteu-o na cama, com uma almofada feita de pelo de cabra à cabeceira, e pôs-lhe uma coberta por cima.

14Quando os homens de Saul chegaram para prender David, ela disse-lhes que ele estava doente. 15Saul mandou-os de novo a casa de David com esta ordem: «Mesmo que esteja na cama, tragam-mo para eu o matar.» 16Mas quando os homens de Saul entraram na casa de David, encontraram apenas o ídolo na cama com a almofada de pelo de cabra à cabeceira. 17Saul perguntou a Mical: «Por que é que me enganaste, deixando fugir o meu inimigo?» Mical respondeu-lhe: «Porque ele jurou que me mataria, se o não deixasse fugir.»

Saul entre os profetas

18David fugiu, pois, foi ter com Samuel, em Ramá, e contou-lhe tudo o que Saul lhe tinha feito. Foram então ambos viver para Naiot19,18 Muitas traduções seguem o Targum aramaico e entendem Naiot a partir da raiz verbal, que significa tenda (convento) dos profetas. Os versículos que se seguem entendem-se melhor com esta tradução.. 19Quando Saul soube que David estava em Naiot de Ramá, 20enviou alguns dos seus homens para o prenderem. Ao chegar, os homens de Saul viram um grupo de profetas em estado de exaltação profética, estando Samuel à frente deles. Imediatamente o Espírito de Deus se apoderou dos homens de Saul e entraram também em estado de exaltação profética. 21Quando Saul ouviu tal coisa, enviou outros homens, que acabaram igualmente por cair em exaltação profética. Saul mandou ainda um terceiro grupo de homens a quem aconteceu o mesmo.

22Então Saul foi pessoalmente a Ramá. Quando chegou à grande cisterna de Seco perguntou: «Onde estão Samuel e David?» Responderam-lhe: «Estão em Naiot de Ramá.» 23Saul partiu então para Naiot e o Espírito de Deus também se apoderou dele, e entrou em estado de exaltação profética19,23 Estado de exaltação profética. Ver 10,6.10. E nesse estado percorreu o caminho até chegar a Naiot de Ramá. 24Despiu as suas vestes e ficou em estado de exaltação profética diante de Samuel, até cair por terra, permanecendo assim todo o dia e toda a noite. Foi assim que nasceu o ditado popular: «Também Saul está entre os profetas!»