a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
22

Reinado de Acazias

(2 Reis 8,25–29)

221Os habitantes de Jerusalém proclamaram rei, Acazias22,1 Acazias é o mesmo rei que em 21,17 aparece com o nome de Joacaz. As duas formas do nome têm o mesmo significado: “o Senhor segura”. Numa, a referência ao nome de Deus encontra-se no fim da palavra; na outra, no princípio., que era o filho mais novo de Jorão, já que os filhos mais velhos tinham sido mortos pelos bandos de salteadores que tinham invadido o acampamento militar judeu, juntamente com os árabes. Desta forma, subiu ao trono Acazias, filho de Jorão, rei de Judá. 2Tinha vinte e dois anos e reinou um ano em Jerusalém. A mãe dele chamava-se Atália e era descendente de Omeri. 3Também o rei Acazias seguiu os exemplos da família de Acab, pois a mãe aconselhava-o a fazer o mal. 4As suas ações desagradaram ao Senhor, tal como aconteceu com os descendentes de Acab. De facto, eles, após a morte do pai, foram os seus conselheiros, para sua destruição. 5Por seguir esses conselhos, ele foi com Jorão, filho de Acab e rei de Israel atacar Hazael, rei da Síria em Ramot de Guilead. Os arameus feriram Jorão 6que regressou a Jezrael, para se curar dos ferimentos que tinha sofrido em Ramot de Guilead. Acazias foi então a Jezrael visitar Jorão que estava doente.

7Deus serviu-se dessa visita a Jorão para provocar a ruína de Acazias. Apenas chegado, Acazias foi com Jorão ao encontro de Jeú, filho de Nimechi. Ora Jeú tinha sido consagrado rei pelo Senhor, para acabar com a família de Acab. 8Quando Jeú estava a fazer justiça contra a família de Acab, encontrou os chefes de Judá e os sobrinhos de Acazias, que estavam ao serviço do rei e matou-os. 9Em seguida, mandou buscar Acazias, que se tinha escondido na Samaria. Prenderam-no e levaram-no a Jeú que o mandou matar. Mas deram-lhe sepultura, porque se lembraram que ele era filho de Josafat, que seguiu o Senhor de todo o coração. Da família de Acazias, não ficou ninguém que pudesse suceder-lhe como rei.

Atália usurpa o trono

(2 Reis 11,1–20)

10Quando Atália, mãe de Acazias teve conhecimento da morte do filho resolveu eliminar toda a descendência real de Judá. 11Mas Josseba, filha do rei, raptou Joás, filho de Acazias, quando estavam a assassinar os outros filhos do rei. Ela escondeu-o juntamente com a ama, num quarto, de tal forma que Atália não o conseguiu matar. Josseba era filha do rei Jorão, irmã de Acazias e era esposa do sacerdote Joiadá. 12Joás ficou escondido com os seus protetores no templo de Deus, durante seis anos, enquanto durou o reinado de Atália.

23

Joás é consagrado rei

231No sétimo ano, o sacerdote Joiadá, afirmando o seu poder, mandou chamar os seguintes chefes militares: Azarias, filho de Jeroam, Ismael, filho de Joanan, Azarias, filho de Obed, Masseias, filho de Adaías, e Elisafat, filho de Zicri, para fazer com eles um acordo. 2Eles iriam percorrer o reino de Judá e iriam convocar os levitas e os chefes dos clãs de Israel em todas as cidades, para se juntarem em Jerusalém. 3Todos estes se reuniram de facto no templo de Deus e fizeram um acordo com o rei. Joiadá disse-lhes: «Aqui está o filho do rei. É ele que deve ser rei. 4Façam pois o seguinte: Uma terça parte de vocês, sacerdotes e levitas que fazem o serviço do sábado, ficará de guarda às portas do templo. 5Outra terça parte vigiará o palácio real e os restantes vigiarão a porta da “Fundação”. O povo ocupará o átrio do templo. 6Que ninguém entre no templo, a não ser os sacerdotes e levitas que estiverem de serviço. Só eles podem entrar por serem pessoas consagradas. O resto do povo cumprirá a ordem do Senhor. 7Os levitas, de armas na mão, deverão cercar o rei e acompanhá-lo para onde quer que ele vá e todo aquele que tentar entrar no templo morrerá.»

8Os levitas e a gente de Judá fizeram tudo aquilo que Joiadá mandou. Cada um reuniu os seus homens, tanto os que começavam o seu serviço ao sábado como os que terminavam nesse dia, pois Joiadá não tinha dispensado nenhum grupo. 9Joiadá entregou aos chefes das unidades militares as lanças e os escudos de diversas espécies que tinham pertencido ao rei David e que estavam guardados no templo de Deus. 10Em seguida colocou os seus homens com armas na mão para proteger o rei, desde o ângulo sul até ao ângulo norte do templo e em frente do altar. 11Depois fizeram avançar o filho do rei. Puseram-lhe as insígnias reais e entregaram-lhe o documento da aliança. Então Joiadá e os seus filhos consagraram-no rei, derramando-lhe sobre a cabeça o óleo da consagração. E todos começaram a gritar: «Viva o rei.»

12Quando Atália ouviu o barulho do povo que corria a aclamar o rei, foi para o templo para o meio da multidão. 13Viu o rei de pé, junto da coluna do templo, à entrada. Ao lado dele estavam os chefes e os tocadores de cornetim. Toda a gente mostrava grande alegria. Enquanto os músicos tocavam trombeta, os cantores, com os instrumentos musicais dirigiam hinos de louvor. Então Atália rasgou o vestido em sinal de protesto e gritou: «Traição! Traição!»

14No entanto, o sacerdote Joiadá não quis que a matassem no templo. Por tal razão, chamou os chefes militares, para lhes dizer: «Levem-na para fora presa entre fileiras militares e matem qualquer pessoa que a siga.» 15Então eles agarraram-na e levaram-na; e, quando chegou à porta dos cavalos do palácio real, mataram-na.

Reforma de Joiadá

16Joiadá fez um acordo com o povo e com o rei, comprometendo-se a comportarem-se como povo do Senhor. 17O povo dirigiu-se logo para o templo de Baal e destruiu-o. Destruíram os altares, quebraram as imagens e assassinaram Matan, sacerdote de Baal, diante dos altares. 18Depois Joiadá entregou a guarda do templo do Senhor à responsabilidade dos sacerdotes levitas. David tinha-os já repartido em grupos, para oferecerem holocaustos ao Senhor segundo o que está estabelecido na Lei de Moisés, acompanhados com os cânticos de alegria deixados por David. 19Estabeleceu também porteiros junto das portas do templo, para que não pudesse entrar ninguém que estivesse ritualmente impuro. 20E acompanhou o rei desde o templo até ao palácio, entrando pela porta superior, levando consigo os chefes militares, as pessoas mais importantes e os dirigentes com todo o povo. Instalaram o rei no seu trono real 21e todo o povo manifestou grande alegria. A cidade ficou em sossego depois de Atália ter sido morta.

24

Reinado de Joás

(2 Reis 12,1–22)

241Joás tinha apenas sete anos quando começou a reinar e reinou quarenta anos em Jerusalém. A mãe dele era Síbia, natural de Bercheba. 2Joás fez o que era reto aos olhos do Senhor, enquanto viveu o sacerdote Joiadá. 3Joiadá arranjou-lhe casamento com duas mulheres, de quem teve vários filhos e filhas.

4Passado certo tempo, Joás resolveu restaurar o templo do Senhor. 5Para isso, reuniu os sacerdotes e levitas e disse-lhes: «Vão pelas cidades de Judá e recolham dinheiro de todos os israelitas, para que todos os anos se possam fazer obras de restauro no templo de Deus. Façam isso sem demora!» Mas os levitas não tiveram pressa. 6Então o rei chamou o sumo sacerdote Joiadá, para lhe dizer: «Por que é que não trataste de obrigar os levitas a trazerem dos habitantes de Jerusalém e de Judá o imposto estabelecido por Moisés, servo do Senhor, e pela comunidade de Israel, para o santuário onde se encontra o documento da aliança? 7Na verdade, a malvada Atália e os seus seguidores tinham deixado em mau estado de conservação o templo do Senhor. Chegaram mesmo a utilizar os objetos sagrados para o culto dos seus ídolos.»

8O rei deu então ordens para se fazer um cofre que seria colocado junto da entrada do templo, do lado de fora. 9Depois apregoou-se por Jerusalém e por todo o reino que se devia levar ao Senhor o contributo que Moisés, servo do Senhor, tinha imposto aos israelitas, no deserto. 10Todos os chefes e todo o povo acorreram com alegria a depositar no cofre o seu contributo até o encherem. 11Sempre que os levitas levavam o cofre à inspeção do rei para se verificar se havia bastante dinheiro, chegava o secretário do rei e o administrador do sumo sacerdote para o esvaziarem, colocando-o em seguida no seu lugar. Faziam isso todos os dias e recolhiam muito dinheiro. 12O rei e Joiadá entregavam esse dinheiro aos encarregados das obras e estes contratavam os pedreiros, os carpinteiros e os operários especializados no trabalho do ferro e do bronze, a fim de restaurarem o templo do Senhor.

13Os operários puseram-se a trabalhar e graças às suas mãos o trabalho avançou e o templo foi restituído ao estado primitivo e com perfeição. 14Quando as obras ficaram prontas, os empreiteiros levaram o dinheiro que sobrou ao rei e a Joiadá. Com esse dinheiro mandaram-se fazer certos utensílios para o templo: objetos utilizados no culto, instrumentos para os holocaustos, conchas e recipientes de ouro e prata. Enquanto Joiadá foi vivo, ofereceram-se com regularidade holocaustos no templo do Senhor.

15Joiadá envelheceu e veio a falecer com a idade de cento e trinta anos. 16Sepultaram-no na cidade de David, junto dos reis, pelo bem que sempre fizera por Israel, pelo Senhor e pelo seu templo.

Pecado e castigo de Joás

17Depois da morte de Joiadá, os chefes de Judá foram encontrar-se com Joás e prestaram-lhe homenagem. O rei, por sua vez, deu ouvidos ao que eles lhe disseram. 18Abandonaram o templo do Senhor, Deus dos seus antepassados e prestaram culto aos símbolos da deusa Achera e de outros ídolos. Tais pecados fizeram com que o Senhor se irritasse contra Judá e Jerusalém. 19O Senhor enviou-lhes então profetas para os converterem, mas eles não fizeram caso desses profetas nem lhes deram ouvidos. 20O Espírito de Deus apoderou-se então de Zacarias, filho do sacerdote Joiadá, que se apresentou diante do povo para lhe dizer: «Assim fala Deus: “Por que é que desobedeceram aos mandamentos do Senhor? Não aproveitaram nada com isso, pois já que me abandonaram também eu vos abandonarei.”»

21Mas eles fizeram conspiração contra o profeta e apedrejaram-no, por ordem do rei, no átrio do templo do Senhor. 22O rei Joás esqueceu as provas de bondade que sempre recebera de Joiadá, pai de Zacarias e matou-lhe o filho. Ao morrer, Zacarias ainda exclamou: «Que o Senhor veja e te peça contas!»

Fim do reinado de Joás

23Na primavera seguinte, o exército arameu lançou um ataque contra Joás. Invadiram Judá e a cidade de Jerusalém, massacraram os chefes do povo e levaram todos os despojos para o rei de Damasco. 24Embora o exército arameu não fosse grande, o Senhor entregou-lhes um exército muito numeroso, o dos judeus, por estes terem abandonado o Senhor, Deus dos seus antepassados. E este foi o castigo de Joás. 25Depois de os arameus se afastarem, deixando-o com grandes sofrimentos, os funcionários de Joás fizeram contra ele uma conspiração, para se vingarem do assassinato do filho do sacerdote Joiadá, e mataram-no na própria cama. Sepultaram-no na cidade de David, mas não ficou no panteão dos reis. 26Quem fez a conspiração contra Joás foi Zabad, filho de Chimeat, que era amonita, e Jozabad, filho de Chimerit, que era moabita.

27Tudo o que diz respeito aos filhos de Joás, às muitas profecias contra ele e à sua restauração do templo de Deus, tudo isso se encontra no Comentário do livro dos Reis24,27 Esta obra desapareceu e não chegou até nós.. Quem lhe sucedeu foi o seu filho, Amazias.