a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
13

Menelau é morto

131No ano cento e quarenta e nove13,1 Equivale ao ano 163 a.C. Ver 2 Mb 1,7 e nota., Judas e os seus homens souberam que o rei Antíoco V Eupátor se dirigia para a Judeia com um enorme exército. 2Com ele vinha Lísias, seu tutor e regente do reino. Cada um deles comandava um exército de tropas gregas de cento e dez mil soldados de infantaria, cinco mil e trezentos de cavalaria, vinte e dois elefantes e trezentos carros de guerra armados de lâminas cortantes. 3Juntou-se-lhes igualmente Menelau13,3 Menelau. O antigo sumo sacerdote. Ver 2 Mb 4,24–26., que com muita hipocrisia exortava, não porque procurasse o bem da sua pátria, mas porque estava convencido de que seria reconduzido no poder. 4Mas Deus, o Rei dos reis, suscitou a fúria de Antíoco contra este facínora e, tendo-o apontado como a causa de todas as desgraças, ordenou que o levassem para Bereia e o executassem de acordo com o costume daquele lugar. 5Há naquela cidade uma torre de vinte e dois metros de altura13,5 Literalmente: cinquenta côvados., cheia de cinzas e munida de um dispositivo giratório, inclinado, a toda a volta, para dentro das cinzas. 6Aí eram levados todos os culpados de sacrilégio ou de qualquer outro grande crime, e empurrados para morrerem nas cinzas. 7Tal foi a morte que o destino reservou a esse fora da lei, que nem sequer teve uma sepultura. 8E foi muito justo, visto que muitos pecados ele cometeu contra o altar, cujo fogo e cujas cinzas são sagrados; e foi nas cinzas que ele encontrou a morte.

A batalha de Modin

9O rei, por seu turno, com a mente cheia de bárbaros intentos, continuou a sua marcha, para dar aos judeus uma demonstração de coisas piores do que aquelas que lhes sucederam no reinado do seu pai. 10Ao sabê-lo, Judas ordenou ao povo que orasse ao Senhor dia e noite para que, mais uma vez, viesse em auxílio dos que corriam o risco de se ver privados da lei, da pátria e do santo templo, 11e que não consentisse que o povo, que só havia pouco recomeçara a tomar ânimo, fosse subjugado por nações blasfemas. 12Quando todos o fizeram, e invocaram em conjunto o misericordioso Senhor, com choro e jejuns e prostrando-se por terra ao longo de três dias seguidos, Judas animou-os e ordenou-lhes que estivessem preparados. 13Depois de uma reunião em particular com os anciãos, Judas decidiu que, antes que o exército do rei entrasse na Judeia e se apoderasse da cidade, sairia ao encontro dele e resolveria a questão com a ajuda do Senhor. 14Entregando o sucesso do recontro ao Criador do mundo, animou os seus soldados a lutarem corajosamente até à morte pelas leis de Deus, pelo templo, pela cidade, pela pátria e pelo seu Estado. E fez acampar o seu exército perto da cidade de Modin. 15Deu aos seus homens o grito «A vitória vem de Deus» e, com um grupo de jovens considerados dos mais corajosos, fez um ataque noturno à tenda do rei Antíoco e ao acampamento, e matou quase dois mil soldados, e abateram o maior dos elefantes juntamente com o seu condutor. 16Por fim, encheram o acampamento de terror e confusão e retiraram-se vitoriosos. 17Despontava já o dia quando tal aconteceu, graças à proteção do Senhor, vinda em seu auxílio.

Antíoco V Eupátor faz um acordo de paz com os judeus

(1 Macabeus 6,48–63)

18Agora o rei sabia que os judeus eram muito corajosos e tentou conquistar as suas posições mediante estratagemas. 19Avançou contra Bet-Sur, uma praça-forte dos judeus, mas retrocedeu abatido e debilitado. 20Judas enviou para os sitiados de tudo quanto precisavam. 21Mas Ródoco, soldado das fileira judaicas, passava segredos militares para o inimigo. Foi referenciado, apanhado e encarcerado. 22Pela segunda vez, Antíoco propôs negociações com os habitantes de Bet-Sur, estendeu-lhes a mão em gesto de paz, recebeu também as garantias destes, retirou-se e atacou o exército de Judas, mas teve pior sucesso. 23Soube que Filipe, a quem deixara a responsabilidade de governo13,23 Ver 1 Mb 6,14. em Antioquia, se sublevara, e ficou inquieto. Convocou os judeus, sujeitou-os a um acordo com eles, que jurou cumprir segundo todas as condições justas, reconciliou-se com eles, ofereceu um sacrifício, honrou o templo e mostrou grande generosidade para com aquele lugar. 24Recebeu Judas Macabeu e deixou Hegemónides como comandante militar do território entre Ptolemaida e Gerra. 25Em seguida, dirigiu-se a Ptolemaida. Mas os seus habitantes reprovavam o tratado. Com efeito, estavam indignados, e queriam anular as disposições dele constantes. 26Subindo à tribuna, Lísias defendeu o acordo o mais eloquentemente possível; foi convincente, tranquilizou os espíritos, ganhou a sua boa vontade, e partiu para Antioquia. E foi assim a expedição e a retirada do rei.

1

Introdução e saudação

11Este livro contém a revelação de Jesus Cristo que ele recebeu de Deus, para a dar a conhecer aos seus servos. Trata-se de coisas que hão de acontecer brevemente e que Cristo deu a conhecer ao seu servo João por um anjo que lhe enviou.

2João atesta tudo quanto viu em relação à palavra e ao testemunho de Jesus Cristo. 3Feliz aquele que lê este livro e felizes os que ouvem estas palavras proféticas e guardam o que aqui está escrito1,3 O autor afirma que é preciso ler, ouvir e guardar estas palavras. A Sagrada Escritura foi escrita por causa desta triologia verbal: ler, ouvir e guardar. Quem assim fizer, será feliz., porque tudo isto há de acontecer em breve.

4Eu, João, dirijo-me às sete igrejas da província da Ásia1,4 As sete igrejas são enumeradas no v. 11.. Desejo-vos graça e paz da parte daquele que é, que era e que há de vir, e ainda da parte dos sete espíritos1,4 Sete Espíritos. O número sete simboliza a perfeição. Os sete espíritos simbolizam, portanto, a ação misteriosa de Deus na história dos homens. que estão diante do seu trono, 5e de Jesus Cristo, a testemunha fiel, o primeiro dos ressuscitados, o soberano dos reis da Terra.

Cristo ama-nos e pela sua morte libertou-nos dos nossos pecados. 6Ele fez de nós um reino de sacerdotes para Deus, seu Pai. A ele seja dada glória e o poder para todo o sempre. Ámen.

7Eis que ele vem com as nuvens.

Toda a gente o verá,

até mesmo os que o mataram.

Todos os povos da Terra se lamentarão por ele.

Assim há de ser! Ámen!

8Eu sou o Alfa e o Ómega1,8 Alfa e Ómega. Primeira e última letra do alfabeto grego (21,2; 22,13). A expressão significa: o Primeiro e o Último ou o Princípio e o Fim., diz o Senhor Deus, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-Poderoso.

Cristo revela-se a João

9Eu sou João, vosso irmão, e participo convosco nas mesmas perseguições no reino de Deus e na perseverança por Jesus. Encontrava-me na ilha de Patmos1,9 Patmos. Pequena ilha do mar Egeu para onde os romanos exilavam as pessoas que julgavam politicamente indesejadas. por ter proclamado a palavra de Deus e o testemunho de Jesus. 10O Espírito de Deus apoderou-se de mim, no dia do Senhor, e eu ouvi atrás de mim uma voz forte que parecia a voz duma trombeta. 11Dizia assim: «Escreve num livro aquilo que vais ver, e manda-o às sete igrejas: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodiceia.» 12Voltei-me para ver quem é que me falava e, ao voltar-me, vi sete castiçais de ouro1,12 Sete castiçais. Representam as sete igrejas a quem o autor escreveu. Ver 1,20.. 13E no meio dos castiçais estava alguém semelhante ao Filho do Homem vestido até aos pés com uma túnica comprida e uma faixa dourada à volta do peito. 14A sua cabeça e os seus cabelos eram brancos como a lã ou como a neve e os seus olhos eram ardentes como o fogo. 15Os seus pés brilhavam como bronze fundido na fornalha e a sua voz era como o ruído das grandes cascatas1,15 Para os v. 13–15, ver Dn 7,13; 10,5; 7,9; 10,6.. 16Na sua mão direita tinha sete estrelas; da sua boca saía uma espada de dois gumes muito afiada e o seu rosto brilhava como o sol do meio-dia.

17Quando o vi, caí aos seus pés como morto. Mas ele pôs a sua mão direita em cima de mim e disse: «Não tenhas medo! Eu sou o primeiro e o último1,17 Para os v. 16–17, ver Is 49,2; Hb 4,12; Is 44,6; 48,12.. 18Eu sou aquele que está vivo! Estive morto, mas agora vivo para sempre. Eu tenho poder sobre a morte e sobre o mundo dos mortos. 19Escreve pois aquilo que viste, o que está a acontecer agora e o que vai acontecer mais tarde. 20O significado das sete estrelas que viste na minha mão direita e dos sete castiçais de ouro é o seguinte: as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete castiçais são essas sete igrejas.»