a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
1

Saudação

11Da parte de Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo, àqueles que, pela justiça do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo, receberam uma fé tão preciosa como a nossa. 2Que a graça e a paz aumentem em vós pelo conhecimento de Deus e de Jesus, nosso Senhor.

Virtudes do cristão

3Deus, pelo seu poder, concedeu-nos tudo o que é necessário para vivermos em santidade, ao dar-nos a conhecer aquele que nos chamou pela sua glória e poder. 4Foi assim que ele nos concedeu os grandes e preciosos dons que havia prometido, a fim de que tomem parte na natureza divina e fujam dos maus desejos da corrupção que existe no mundo. 5Por isso, esforcem-se por juntar à vossa fé o bom procedimento; ao bom procedimento, o conhecimento; 6ao conhecimento, o domínio de si próprio; a esse domínio, a paciência; à paciência, o apego a Deus; 7ao apego a Deus, a dedicação fraterna, e à dedicação, o amor. 8Se tiverem estas virtudes em abundância, elas hão de tornar-vos ativos e capazes de progredirem no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo. 9Mas quem não tem estas virtudes é um cego que anda às apalpadelas e se esqueceu de que lhe foram perdoados os seus pecados de outrora.

10Por isso, meus irmãos, esforcem-se cada vez mais por se manterem firmes na escolha e chamamento que receberam de Deus. Se fizerem assim, não voltarão a cair no mal. 11E desse modo vos será oferecida uma entrada larga e ampla no reino eterno de Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador.

12É por isso que eu não deixarei de vos recordar estas coisas, apesar de já as saberem e estarem firmes na verdade que receberam. 13Entretanto, acho que é justo chamar-vos a atenção com estes conselhos, enquanto estou neste mundo1,13 Literalmente: enquanto estou nesta tenda, ou seja, neste corpo, sendo a vida implicitamente comparada à maneira de viver dos nómadas.. 14Eu sei que brevemente deixarei esta vida, conforme mo deu a conhecer nosso Senhor Jesus Cristo. 15Mesmo assim, farei o possível por que se lembrem destas coisas, depois da minha morte.

Garantia da mensagem apostólica

16O ensinamento que vos demos sobre o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo não era baseado em contos ou lendas, porque nós vimos a sua grandeza com os nossos próprios olhos. 17Nós estávamos presentes quando ele recebeu honra e glória de Deus Pai, ao descer da suprema glória do céu aquela voz: «Este é o meu Filho querido. Tenho nele a maior satisfação1,17 Ver Mt 17,1–5; Mc 9,2–7; Lc 9,28–35.18Nós ouvimos essa voz vinda do céu, quando estávamos com ele na montanha sagrada.

19Temos assim mais assegurada a mensagem anunciada pelos profetas. Fazem bem em prestar-lhe atenção, pois é como uma lâmpada que brilha num lugar escuro até que chegue o dia, e que a estrela da manhã alumie os vossos corações. 20Mas saibam antes de tudo que ninguém pode interpretar por si mesmo uma profecia da Escritura1,20 Outra tradução: nenhuma profecia contida na Escritura provém do próprio pensamento do profeta.. 21Pois nunca uma profecia veio por iniciativa humana, mas porque certos homens, conduzidos pelo Espírito Santo, falaram da parte de Deus.

2

Os falsos mestres

21Houve antigamente falsos profetas no meio do povo judeu, tal como haverá falsos mestres no vosso meio. Estes ensinarão falsas doutrinas e renegarão o Senhor que os resgatou, mas serão levados rapidamente à perdição. 2Muitos hão de seguir as suas devassidões e por causa deles há de falar-se mal do caminho da verdade2,2 A expressão caminho da verdade ou Caminho do Senhor (At 9,2; 19,23; 24,22), Caminho da boa nova (At 22,4) ou simplesmente Caminho (At 24,14) era uma maneira de designar a fé cristã na época das primeiras gerações.. 3Esses tais, levados pela ganância, hão de explorar-vos com ensinamentos falsos, mas desde há muito que o julgamento deles está feito e a sua perdição não tarda.

4Com efeito, Deus não poupou os anjos que pecaram e lançou-os no inferno, deixando-os presos nas trevas para o dia do juízo. 5Também não poupou aos antigos, pois mandou o dilúvio sobre esse mundo de gente má. Apenas se salvaram oito pessoas, entre as quais Noé, que ensinava uma vida de retidão. 6Deus condenou as cidades de Sodoma e Gomorra, reduzindo-as a cinza, para servir de exemplo à gente má que viria depois. 7Mas libertou Lot, que era homem justo e se revoltava contra a vida imoral daquela gente perversa. 8Esse homem justo vivia naquele meio e todos os dias se atormentava ao ver e ouvir o mal que se fazia. 9É assim que o Senhor livra os justos da provação e guarda os injustos para o castigo do dia do juízo. 10Castigará principalmente os que se entregam aos desejos impuros do corpo e desprezam a autoridade do Senhor.

Esses falsos mestres são atrevidos e arrogantes. Não têm respeito para com os poderes do Céu e até os ofendem. 11Ora nem os próprios anjos, que têm mais força e autoridade, dizem palavras ofensivas contra tais poderes diante do Senhor. 12Essas pessoas assemelham-se aos animais irracionais que vivem para serem apanhados e levados à morte. Falam mal daquilo que não compreendem. Serão destruídos da mesma maneira que os animais. 13Foram injustos e por isso terão a paga da injustiça. Encontram prazer em satisfazer as suas paixões em pleno dia. São uma vergonha e um escândalo, quando tomam parte nas vossas festas e se divertem com os seus prazeres enganadores. 14Os seus olhares são imorais e os seus apetites sensuais, insaciáveis. Seduzem as pessoas menos firmes e estão cheios de cobiça. É uma gente amaldiçoada. 15Afastaram-se do bom caminho e perderam-se. Seguiram o caminho de Balaão2,15 Balaão. Personagem originária de Petor, perto do rio Eufrates, a quem Balac, rei de Moab, pediu para amaldiçoar o povo de Israel. No entanto, Balaão, obedecendo a uma ordem de Deus, abençoou Israel. Ver Jd 11; Ap 2,14., filho de Beor, que quis ganhar dinheiro com a injustiça. 16Ele foi repreendido do seu pecado por uma burra que, sendo muda, falou com voz humana e fez parar a insensatez do profeta.

17Esses homens são como fontes sem água e como nuvens levadas pela tempestade. Deus reservou-lhes um lugar nas trevas mais escuras. 18Dizem palavras atrevidas e estúpidas e servem-se dos seus apetites imorais para seduzirem aqueles que pouco antes se tinham afastado dos que vivem no erro. 19Prometem-lhes a liberdade, quando eles próprios são escravos de vícios que os levam à perdição, pois todo o homem é escravo daquilo que o domina. 20Com efeito, se as pessoas escaparam das corrupções do mundo pelo conhecimento de Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador, e depois se deixam novamente enredar e vencer por elas, o seu estado torna-se pior que antes. 21Teria sido melhor para eles não terem conhecido o caminho da justiça do que conhecê-lo e depois afastarem-se do sagrado mandamento2,21 Mandamento. É provável que esta palavra tenha um sentido coletivo, tanto aqui como em 3,2. que lhes foi dado. 22Acontece-lhes o que diz aquele provérbio verdadeiro: «O cão voltou ao seu próprio vómito e a porca acabada de se lavar voltou a revolver-se na lama2,22 Ver Pv 26,11.