a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
5

David, rei de Israel e de Judá

51Depois disto, todas as tribos de Israel foram ter com David em Hebron e disseram-lhe: «Todos nós somos do mesmo sangue e da mesma família. 2Até nos anos passados, quando Saul era o nosso rei, eras tu quem conduzia o povo de Israel à guerra. Além disso, o Senhor prometeu-te que, um dia, haverias de governar Israel e ser o chefe do seu povo.»

3Todos os anciãos de Israel foram encontrar-se com o rei David em Hebron e ele concluiu com eles uma aliança em nome do Senhor. E eles consagraram David como rei de Israel.

4David tinha trinta anos quando subiu ao trono e reinou quarenta anos. 5Em Hebron, foi rei de Judá durante sete anos e meio e, em Jerusalém, durante trinta e três anos, foi rei de todo o Israel e Judá.

David conquistou a fortaleza de Sião

6O rei David e os seus homens dirigiram-se a Jerusalém, para a conquistarem aos jebuseus, que habitavam aquela região. Mas os jebuseus, pensando que David nunca seria capaz de lá entrar, disseram-lhe: «Nunca aqui conseguirás entrar! Bastam os cegos e os coxos para defender a fortaleza.» 7Mas David conquistou a fortaleza de Sião, que ficou a chamar-se cidade de David. 8Para a conquistar, David disse aos seus homens: «Quem quiser atacar os jebuseus deve entrar pelo canal da água5,8 O canal de água conduzia a água da fonte de Guion, que ficava fora das mulharas. e matar esses cegos e coxos que eu odeio.» Daqui é que nasceu o ditado: «Nem os cegos nem os coxos podem entrar no templo9Depois David estabeleceu-se na fortaleza e deu-lhe o nome de cidade de David. Construiu muralhas à volta da cidade, desde a terraplenagem até ao lugar do palácio. 10E o poder de David aumentava sempre cada vez mais, porque o Senhor, o Deus todo-poderoso, estava com ele.

O rei de Tiro manda embaixadores a David

11Por isso, mesmo, Hiram5,11 Hiram. Ver 1 Rs 5,15., o rei de Tiro, enviou mensageiros, a David, juntamente com carpinteiros e pedreiros, que levaram consigo madeira de cedro e lhe construíram um palácio. 12Então David compreendeu que o Senhor o tinha confirmado como rei de Israel e que fazia prosperar o seu reinado em atenção ao seu povo.

Outros filhos de David

13Depois de se ter mudado de Hebron para Jerusalém, David teve ali outras concubinas e mulheres. Delas nasceram-lhe outros filhos e filhas. 14São estes os nomes dos filhos que lhe nasceram em Jerusalém: Chamua, Chobab, Natan, Salomão, 15Jibar, Elisu, Néfeg, Jafia, 16Elisama, Eliadá e Elifelet.

David vence os filisteus

17Quando os filisteus souberam que David tinha sido consagrado rei de Israel, puseram-se em campo para o apanharem; mas David soube disso e refugiou-se na fortaleza. 18Os filisteus chegaram e ocuparam o vale de Refaim. 19Então David consultou o Senhor, nestes termos: «Devo atacar os filisteus? Vais entregá-los nas minhas mãos?» E o Senhor respondeu-lhe: «Vai! Ataca-os, que eu te darei a vitória sobre os filisteus.»

20David chegou a Baal-Peracim5,20 Baal-Peracim significa, em hebraico, “senhor das brechas”. e derrotou-os. Por isso, disse: «O Senhor abriu uma brecha nos meus inimigos como as águas num dique!» Por isso, é que aquele lugar é chamado Baal-Peracim. 21Além disso, os filisteus abandonaram lá os seus ídolos, e David e os seus homens tiraram-lhos.

22Mais tarde, os filisteus voltaram ao ataque, ocupando novamente o vale de Refaim. 23David consultou o Senhor, que lhe respondeu: «Não os ataques de frente, mas pela retaguarda, quando chegares às árvores de bálsamo. 24Quando ouvires um rumor de passos por cima das copas das árvores, lança-te ao ataque, porque isso significa que eu, o Senhor, vou adiante de ti, para esmagar o exército dos filisteus.»

25David fez como o Senhor lhe disse e derrotou os filisteus, perseguindo-os desde Gueba até à entrada de Guézer.

6

A arca da aliança em Jerusalém

61David reuniu de novo os melhores soldados de Israel, num total de trinta mil homens, 2e pôs-se com todos eles a caminho de Baalá de Judá6,2 Baalá de Judá é o antigo nome de Quiriat-Iarim (Js 15,9), para onde foi levada a arca da aliança quando os filisteus a restituíram (1 Sm 6,21; 7,1)., para trazer dali a arca da aliança de Deus, que está consagrada ao Senhor, todo-poderoso, que tem o seu trono sobre os querubins.

3A arca da aliança estava em casa de Abinadab, que ficava numa colina. Puseram-na em cima de um carro de bois novo e levaram-na de lá. Os filhos de Abinadab, chamados Uzá e Aio, guiavam o carro; 4mas Aio ia à frente da arca. 5Entretanto David e todos os israelitas dançavam e cantavam diante do Senhor ao som da música das harpas, liras, tamborins, sistros, címbalos e outros instrumentos de madeira de pinho. 6Quando chegaram ao lugar conhecido por Eira de Nacon, Uzá estendeu a mão para agarrar a arca da aliança do Senhor, porque os bois tinham tropeçado. 7Mas o Senhor encheu-se de fúria contra Uzá e matou-o6,7 A arca da aliança era uma realidade tão sagrada que nem sequer os levitas lhe podiam tocar, sob o risco de morrerem. Ver Nm 4,5.15.20., por causa da sua irreverência. Uzá caiu morto junto da arca da aliança, 8e ainda hoje aquele lugar é chamado Peres-Uza. David ficou muito perturbado pelo facto de o Senhor ter abatido Uzá daquele modo e por isso chamou àquele lugar Peres-Uza6,8 Peres-Uza. Em hebraico há um jogo de palavras entre o nome Peres-Uza e o verbo abater, usado para exprimir a morte de Uzá..

9Por este motivo, David teve medo do Senhor e exclamou: «Nem pensar em levar a arca da aliança do Senhor comigo para Sião10Renunciou a levar a arca da aliança do Senhor para a cidade de David e ordenou que a levassem para casa de Obed-Edom, um homem de Gat. 11A arca da aliança ficou três meses em casa de Obed-Edom e o Senhor abençoou-o a ele e a toda a sua família.

12Mais tarde, foram dizer ao rei David que o Senhor tinha abençoado Obed-Edom, toda a sua família e todos os seus bens, por causa da arca da aliança. Então David, cheio de alegria, foi à casa de Obed-Edom buscar a arca da aliança do Senhor e levá-la para a cidade de David. 13Mal os homens que levavam a arca da aliança tinham dado seis passos, David sacrificou um touro e um vitelo gordo.

14David ia vestido com a insígnia sagrada de linho e dançava com todo o entusiasmo diante do Senhor. 15E tanto ele como todos os israelitas levaram a arca da aliança do Senhor entre gritos de alegria e ao som de trombetas.

16Quando a arca estava a chegar à cidade de David, Mical, a filha de Saul, olhou pela janela, viu o rei David a saltar e a dançar diante da arca do Senhor e sentiu um grande desprezo por ele.

17Levaram a arca e puseram-na no seu lugar, dentro de uma tenda que David tinha mandado erguer para esse fim. Depois David ofereceu ao Senhor holocaustos e sacrifícios de comunhão. 18Após ter terminado a oferta dos holocaustos e sacrifícios, David abençoou o povo em nome do Senhor, todo-poderoso. 19Em seguida, mandou distribuir a toda a gente que ali estava, tanto homens como mulheres, um pão, um bolo de tâmaras e outro de uvas. Finalmente, as pessoas regressaram a suas casas.

20Também David regressou a casa para saudar a sua família. Mical, a filha de Saul, veio ao seu encontro para o receber e disse-lhe: «Que triste figura fez hoje o rei de Israel, mostrando-se meio nu diante das escravas dos seus criados, como se fosse um desavergonhado qualquer!» 21Mas David respondeu-lhe: «É verdade que eu dancei, mas foi para louvar o Senhor, que me escolheu em vez do teu pai e de toda a tua família, para ser o chefe do seu povo de Israel. 22E ainda me humilharei mais e rebaixarei, como tu dizes. Mas serei honrado por essas mesmas escravas de que tu falas.» 23E Mical não teve filhos em toda a sua vida.

7

A mensagem de Natan a David

71O rei David ficou devidamente instalado no seu palácio, e vivia completamente em paz, sem inimigos, graças ao Senhor. 2Um dia foi ter com o profeta Natan e disse-lhe: «Como vês, eu habito num palácio de cedro, enquanto que a arca da aliança do Senhor está numa simples tenda3Natan respondeu-lhe: «Faz tudo o que tencionas fazer, porque terás o apoio do Senhor

4Mas naquela mesma noite, o Senhor dirigiu-se a Natan e disse-lhe: 5«Vai ter com o meu servo, David, e comunica-lhe o seguinte: “Não serás tu que me hás de construir um templo, para eu nele habitar. 6Desde o dia em que tirei os israelitas do Egito até hoje nunca habitei num templo; tenho tido sempre como morada uma tenda. 7Durante todo o tempo em que andei com os filhos de Israel, nunca pedi a nenhuma das tuas tribos que tenho escolhido para governar o meu povo, de Israel, que me construísse um templo de madeira de cedro.” 8Assim sendo, diz também ao meu servo David que eu, o Senhor todo-poderoso, lhe comunico o seguinte: “Tirei-te de andares pelas pastagens, atrás dos rebanhos, para fazer de ti o chefe do meu povo, Israel. 9Tenho andado sempre contigo por toda a parte e esmaguei todos os teus inimigos. Tornei-te famoso como são famosos os grandes deste mundo. 10Preparei um lugar para o meu povo, Israel, e ali os instalei para que vivam seguros. Nunca mais serão molestados e filhos da iniquidade não hão de voltar a oprimi-los como faziam outrora, 11no tempo em que estabeleci juízes sobre o meu povo Israel. Dei-te uma vida tranquila, livrando-te de todos os teus inimigos. Além do mais, ficas a saber hoje que eu é que vou criar para ti uma grande família7,11 Esta promessa de Deus a David vai ser muitas vezes recordada e glosada na Bíblia (1 Cr 17,1–15). O texto joga com o duplo significado de casa: por um lado, indica o edifício do templo que David quer construir, por outro, a família ou a dinastia que o Senhor promete a David.. 12Quando a tua vida chegar ao fim e fores juntar-te aos teus antepassados, hei de estabelecer um dos teus filhos7,12 Alusão a Salomão que sucederá a David (1 Rs 2,12.46; 15,4). como rei e farei com que o seu reinado seja seguro. 13Ele é que me há de construir um templo e hei de tornar o seu reinado firme7,13 Ver Sl 9,8; 48,9; 87,5. para sempre. 14Serei para ele como um pai e ele será para mim como um filho7,14 Ver Sl 2,7; 89,27; 1 Cr 17,13; 22,10; 28,6; 2 Co 6,18; Hb 1,5.. Se cometer algum erro, hei de castigá-lo e corrigi-lo como faz qualquer pai a seu filho. 15Mas não lhe retirarei o meu apoio fiel, como fiz a Saul, que afastei do teu caminho. 16A tua dinastia e o teu reino permanecerão para sempre7,16 Ver 1 Sm 25,28; 1 Rs 11,38; Lc 1,32–33. e o teu trono ficará igualmente firme para sempre.”»

17Natan contou a David tudo o que Deus lhe tinha dito naquela visão. 18Então o rei David foi à tenda da arca da aliança para falar ao Senhor e disse: «Ó Senhor Deus, quem sou eu e quem é a minha família, para que me tenhas feito chegar até aqui? 19E como se isto ainda fosse pouco, Senhor, fizeste também promessas sobre o futuro da dinastia do teu servo. Haverá algum homem capaz de atuar assim, ó Senhor, meu Deus? 20E que mais poderia eu dizer, Senhor, se tu conheces tão bem este teu servo? 21Fizeste todas estas maravilhas de acordo com a tua promessa e com o teu amor, para que eu as conhecesse. 22Por isso, és grande, ó Senhor, meu Deus! Não há ninguém como tu, nem existe outro Deus além de ti, segundo tudo quanto ouvimos dizer. 23Porventura há sobre a terra alguma nação semelhante a Israel, teu povo? Foste tu que o libertaste, para ser o teu povo e o tornaste famoso, libertando-o do Egito, das nações pagãs e dos deuses pagãos e fazendo em seu favor, neste país que é teu, coisas maravilhosas e impressionantes. 24Foste tu que fizeste com que Israel fosse o teu povo para sempre e que tu, Senhor, fosses o seu Deus.

25Portanto, ó Senhor, meu Deus, mantém para sempre a promessa que fizeste ao teu servo e à sua dinastia, e faz como prometeste. 26Que o teu nome seja louvado para sempre e se diga que o Senhor todo-poderoso é o Deus de Israel! Que a dinastia deste teu servo, se mantenha firme diante de ti. 27Foste tu mesmo, Senhor Deus, todo-poderoso, Deus de Israel, que deste a conhecer a este teu servo que irias estabelecer a minha dinastia. É por isso que eu me atrevo a dirigir-te esta súplica. 28Tu, Senhor, é que és o Deus verdadeiro. As tuas palavras são verdadeiras e, por isso, fizeste ao teu servo esta promessa que o torna feliz. 29Digna-te, pois, abençoar a dinastia do teu servo para que esteja sempre debaixo da tua proteção. Ó Senhor, meu Deus, tu é que o prometeste e com a tua bênção a dinastia do teu servo será abençoada para sempre.»