a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
24

Leis sobre o divórcio

241«Se um homem escolhe uma mulher e casa com ela, mas depois deixa de gostar dela, porque encontrou nela qualquer coisa que ele reprova, deve dar-lhe um documento de divórcio24,1 Ver Mateus 5,31; 19,7; Mc 10,4. e mandá-la embora de sua casa. 2E ela, depois de se ter ido embora de casa do primeiro marido, pode casar-se com outro.

3Se o segundo marido também deixar de gostar dela e lhe der o divórcio, mandando-a embora de sua casa, ou se este que casou com ela em segundo lugar vier a morrer, 4o seu primeiro marido, que a mandou embora, não pode voltar a casar-se com ela. Para ele, ela deve ser considerada impura. O contrário seria uma coisa abominável. Não deves profanar com semelhantes coisas a terra que o Senhor, teu Deus, te vai dar em propriedade24,4 Ver 1,25 e nota.

Normas humanitárias

5«Se um homem tiver casado há pouco tempo, não deve ser obrigado a ir para o exército ou a prestar qualquer outro serviço. Deve ficar livre durante um ano em sua casa e fazer feliz a mulher com quem casou24,5 Ver 20,7..

6Não retires a ninguém o moinho de mão ou a pedra de fazer farinha, porque lhe tiras a própria vida.

7Se for encontrado alguém que tenha raptado um israelita, seu compatriota, para enriquecer à custa dele, vendendo-o como escravo, deves condenar à morte o raptor. Assim acabarás com aquele escândalo no teu povo24,7 Ver Ex 21,16..

8Em caso de lepra, guardem escrupulosamente todas as instruções que vos deram os sacerdotes e levitas e ponham-nas em prática com todo o rigor24,8 Sobre a lepra, ver Lv 13—14, sobre os sacerdotes levitas, ver Dt 17,9 e nota.. 9Recordem-se do que o Senhor, vosso Deus, fez com Míriam, quando vinham do Egito24,9 Ver números 12,10..

10Se emprestares qualquer coisa a um teu compatriota, não entres em sua casa para lhe arrancar o penhor. 11Espera à porta; e o homem a quem fizeste o empréstimo virá cá fora entregar-te o penhor. 12E, se se tratar de uma pessoa pobre, não fiques com o seu penhor nem uma noite. 13Ao pôr do sol vai-lhe restituir o penhor. Dessa forma, ele terá alguma coisa para se cobrir e para poder dormir e por isso te abençoará. E a tua atitude será do agrado do Senhor, teu Deus24,13 Sobre os v. 10–13, ver Ex 22,25–26..

14Não deves explorar o assalariado, pobre e necessitado que existe no teu país ou na tua cidade, seja ele israelita ou emigrante estrangeiro. 15Paga-lhe o salário no dia devido; não deixes passar nem uma noite, porque ele é pobre e a sua vida depende disso. Senão, ele queixa-se ao Senhor e tu serás declarado culpado24,15 Sobre os v. 14–15, ver Lv 19,13..

16Não condenes à morte os pais por culpa dos filhos, nem os filhos por culpa dos pais. Cada um deve ser condenado apenas pelos seus crimes.

17Não defraudes os direitos dos estrangeiros nem dos órfãos24,17 Ou: dos estrangeiros órfãos., nem exijas à viúva, como penhor, roupas de que ela precisa. 18Lembra-te de que foste escravo no Egito e que o Senhor, teu Deus, te libertou de lá. Por isso te faço estas recomendações24,18 Sobre os v. 17–18, ver Dt 27,19; Ex 23,9; Lv 19,33–34..

19Quando andares no teu campo a fazer colheita e te tiveres esquecido de um feixe não voltes atrás para o ir buscar. Deixa-o para o estrangeiro, para o órfão e para a viúva. E assim o Senhor, teu Deus, há de abençoar-te em todos os teus empreendimentos.

20Quando apanhares a tua azeitona não voltes atrás para aproveitar a que ficou. Deixa-a para o estrangeiro, para o órfão e para a viúva.

21Quando fizeres a vindima da tua vinha não voltes atrás rebuscar o que ficou. Deixa-o para o estrangeiro, para o órfão e para a viúva24,21 Sobre os v. 19–21, ver Lv 19,9–10; 23,22..

22Lembra-te que também foste escravo no Egito. Por isso te faço estas recomendações.»

25

Moderação nos castigos

251«Quando duas pessoas tiverem uma questão entre si e a apresentarem ao tribunal, façam o julgamento e deem razão a quem tem razão e as culpas a quem as tiver. 2E, se o culpado merecer ser açoitado, o juiz deve-o mandar deitar no chão para ser açoitado na sua presença com o número de açoites que o caso exigir. 3Mas nunca lhe devem dar mais de quarenta açoites25,3 Para não correr o risco de se ultrapassarem os quarenta açoites, era costume parar aos trinta e nove. Ver 2 Co 11,24.. Não devem ultrapassar esse número, para que isso não constitua uma humilhação pública demasiado grande para o teu compatriota.

4Não ponhas açaimo ao boi que faz a debulha do trigo25,4 Para o impedir de comer, enquanto trabalha. Ver 1 Co 9,9; 1 Tm 5,18.

Lei do levirato

5«Se dois irmãos viverem juntos e um deles morrer sem deixar filhos, a viúva não tem de sair de casa para se casar com um homem fora da família. O seu cunhado deve casar com ela e, ao fazer dela sua esposa, cumprirá as suas obrigações de cunhado. 6E o primeiro filho que ela tiver receberá o nome do irmão que morreu, para que o seu nome não se acabe em Israel25,6 Sobre os v. 5–6, ver Mt 22,24; Mc 12,19; Lc 20,28..

7Mas se esse homem não quiser casar com a cunhada, ela deve ir ao tribunal e dizer aos anciãos: o meu cunhado recusa-se a fazer com que o nome do seu irmão continue a existir em Israel, pois não quer cumprir para comigo as obrigações de cunhado. 8Então os anciãos da sua cidade devem chamá-lo à sua presença e falar com ele. Se ele continuar na sua e disser: “Não quero casar com ela!”, 9nesse caso, a cunhada aproxima-se dele e, na presença dos anciãos, tira-lhe uma sandália do pé25,9 Aqui significa um castigo para a recusa em dar descendência ao irmão falecido. Em Rt 4,7 o contexto é um pouco diferente., cospe-lhe na cara e responde: “Isto é o que se faz a um homem que se recusa a dar família ao seu irmão.” 10E dali em diante, a família dele será chamada a “família do pé descalço”.»

Outras leis

11«Se dois homens estiverem à bulha um com o outro e chegar a mulher de um deles e, para tirar o marido das mãos daquele que lhe está a bater, meter a mão e agarrar o outro pelas partes genitais, 12devem mandar-lhe cortar a mão, sem piedade25,12 É o único caso em que no Antigo Testamento se prevê uma mutilação corporal como pena por um delito..

13Não deves trazer no saco dois pesos, um maior e outro mais pequeno. 14Em tua casa não deves ter duas medidas, uma maior e outra mais pequena. 15Deves usar sempre pesos exatos e justos, medidas exatas e justas. Assim terás uma vida longa, na terra que o Senhor, teu Deus, te vai dar. 16Pois o Senhor tem horror a quem faz essas coisas, a quem pratica injustiças25,16 Sobre os v. 13–16, ver Lv 19,35–36.

Contra os descendentes de Amalec

17«Lembrem-se do que vos fizeram os descendentes de Amalec, quando vinham do Egito e se encontraram com eles. 18Saíram-vos ao caminho e, sem temor de Deus, atacaram pela retaguarda os que estavam mais fracos, aproveitando a altura em que vocês estavam cansados e esgotados. 19Mas agora o Senhor, vosso Deus, vai fazer com que fiquem livres de todos os inimigos que vos cercam, no país que vos vai dar em propriedade. Façam por isso desaparecer da terra até mesmo a recordação dos amalecitas. Não se esqueçam do que vos digo25,19 Sobre os v. 17–19, ver Ex 17,8–14; 1 Sm 15,2–9.

26

Oferta dos primeiros frutos

261«Quando tiveres entrado na terra que o Senhor, teu Deus, te vai dar em propriedade e tiveres tomado posse dela e nela viveres, 2deves levar um cesto dos primeiros frutos produzidos nessa terra ao lugar que o Senhor, teu Deus, tiver escolhido para lá fazer o santuário26,2 Ver Ex 23,19.. 3Vai ter com o sacerdote que estiver de serviço naquela altura e diz-lhe: “Apresento-me hoje diante do Senhor, teu Deus, porque já entrei na terra que o Senhor prometeu que nos havia de dar, por juramento feito aos nossos antepassados.” 4O sacerdote pega no cesto e coloca-o diante do altar do Senhor, teu Deus. 5E então tu farás diante do Senhor a seguinte declaração: “Os meus antepassados eram um pequeno grupo de arameus26,5 Refere-se a Jacob; ver Gn 25,20; cap. 28—31., que foram para o Egito e lá ficaram a morar, sendo ainda muito poucos. Mas no Egito, tornaram-se um grande povo, forte e numeroso. 6Porém os egípcios trataram-nos mal e oprimiram-nos, obrigando-nos a fazer trabalhos muito pesados. 7Nós pedimos ajuda ao Senhor, Deus dos nossos antepassados, e ele ouviu o nosso pedido. Viu como estávamos a ser humilhados, escravizados e oprimidos, 8e fez-nos sair do Egito, com mão forte e com imenso poder, realizando maravilhas e prodígios tão grandes que metiam medo. 9Fez-nos chegar até aqui e deu-nos esta terra, onde corre leite e mel26,9 Ver 6,3 e nota.. 10Agora, aqui estou para apresentar os primeiros frutos da terra que o Senhor me deu.”

Depois colocas o cesto com os frutos diante do Senhor, teu Deus, e inclinas-te em adoração diante dele. 11Ali farás uma festa com os bens que o Senhor te concedeu, a ti e à tua família, festa que será para ti e para os levitas e estrangeiros que viverem contigo.»

Oferta das décimas

12«De três em três anos, ao ofereceres as décimas, calculas a décima parte de todos os teus produtos e oferece-la aos levitas, aos estrangeiros, aos órfãos e às viúvas, para que em todas as tuas cidades eles tenham que comer até ficarem satisfeitos26,12 Ver 14,28–29.. 13Dirás então, diante do Senhor, teu Deus: “Já tirei de minha casa tudo o que eu devia oferecer ao Senhor e já o ofereci aos levitas, aos estrangeiros, aos órfãos e às viúvas, conforme as ordens que tu me deste. Não transgredi as tuas ordens nem me esqueci delas. 14Não comi do que pertencia à décima quando estava de luto ou ritualmente impuro, nem dela fiz oferta aos mortos26,14 Ou: ao deus dos mortos. É o deus cananeu Mot. A décima não podia ser usada em nada que se relacionasse com um ritual pagão.. Obedeci às ordens que o Senhor, meu Deus, me deu e cumpri tudo o que ele me mandou.

15Volta, agora, para nós os teus olhos, desde a tua morada santa, nos céus, e, conforme o juramento que fizeste aos nossos antepassados, abençoa Israel, teu povo, e a terra que nos deste, terra onde corre leite e mel26,15 Ver 6,3 e nota..”»

Povo consagrado ao Senhor

16«O Senhor, teu Deus, manda-te, hoje, que cumpras estas leis e preceitos e que os ponhas em prática com todo o teu coração e com toda a tua alma26,16 Ver 6,5 e nota.. 17Hoje declaraste que o Senhor seria o teu Deus e que seguirias os seus caminhos, cumprindo as suas leis, mandamentos e preceitos e obedecendo às suas ordens. 18E o Senhor declarou hoje também que tu, povo de Israel, serias o seu povo particular26,18 Ver 7,6; 14,2 e notas., cumprindo os seus mandamentos, tal como ele tinha dito. 19Ele declara que há de fazer de ti um povo superior a todos os outros povos que ele fez. Terás mais glória, fama e esplendor e serás um povo consagrado ao Senhor, teu Deus, tal como ele próprio declarou26,19 Os v. 17–19 concluem a recolha de leis do Deuteronómio e apresentam-nas como sendo condições da aliança entre Deus e o povo. Cada uma das partes declara solenemente os seus compromissos e os da outra parte.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitamos a privacidade dos seus dados.[ocultar mensagem]