a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
1

11Palavras do sábio Qohelet1,1 Qohelet significa assembleia, expresso pelo termo Eclesiastes: o que prega à multidão. Este título parece designar o rei Salomão., filho de David, rei de Jerusalém.

Tudo é ilusão

2O sábio Qohelet, diz: «Ilusão! Pura ilusão! Tudo é uma ilusão.»

3Que proveito tira uma pessoa

de tantos trabalhos que tem neste mundo?

4Uma geração vai, outra geração vem,

mas a terra continua sempre a mesma.

5O Sol nasce e depois esconde-se;

regressa cansado ao seu lugar,

para dali voltar a nascer.

6O vento sopra para o sul e roda para o norte;

o vento gira e vira sem parar.

7Todos os rios correm para o mar,

mas o mar nunca se enche.

Voltam para a sua origem

para retomarem o mesmo caminho.

8Todas as coisas nos enfadam tanto,

que não há palavras que cheguem para explicar.

Ninguém se satisfaz com aquilo que os seus olhos veem,

nem com aquilo que os seus ouvidos ouvem.

9O que já aconteceu é o que há de acontecer;

o que já foi feito há de voltar a fazer-se.

Não há nada novo neste mundo.

10Aparece qualquer coisa e alguém diz:

«Olha, isto é novo!»

Mas tudo aquilo já existiu noutros tempos,

muito antes de nós.

11Já ninguém se lembra das coisas passadas

e o mesmo acontecerá com as do futuro;

não se recordarão delas os que vierem mais tarde.

Experiência da vida

12Eu, o sábio Qohelet, fui rei de Israel, em Jerusalém. 13Dediquei-me inteiramente a averiguar com profundidade e a meditar em tudo o que acontece neste mundo. Deus destinou aos homens uma tarefa bem pesada, que eles têm de suportar. 14Dei-me conta de que tudo aquilo que se faz neste mundo é realmente ilusão, é correr atrás do vento. 15Não se pode endireitar o que é torto, nem se pode contar o que não existe.

16Disse então para comigo mesmo: «Aqui estou eu, que me tornei o mais importante e o mais sábio de quantos, antes de mim, reinaram em Jerusalém. Tive ocasião de adquirir muita sabedoria e experiência. 17Entreguei-me completamente ao estudo do que é sabedoria e do que é loucura e ignorância; mas concluí que também isto é correr atrás do vento.

18De facto, quanto maior a sabedoria, maiores as preocupações; quanto mais se sabe, mais se sofre.»

2

21Eu disse então para mim mesmo: «Vou mas é tentar divertir-me e gozar bem a vida.» Mas também isso é uma ilusão. 2Concluí que o riso é uma tolice e os prazeres de nada valem.

3Pensei então entregar-me ao prazer do vinho, embora o meu espírito continuasse guiado pela sabedoria. Quis experimentar, para ver se seria essa a melhor maneira de gozar o pouco tempo que vivemos neste mundo.

4Realizei grandes coisas. Construí casas, plantei vinhas. 5Cultivei hortas e pomares e plantei toda a espécie de árvores de fruto. 6Fiz represas de água para fazer verdejar todas essas árvores e plantas. 7Adquiri escravos e escravas e tive também alguns nascidos em minha casa. Possuí muito mais vacas e ovelhas do que todos os que existiram antes de mim em Jerusalém. 8Juntei tesouros de prata e ouro, riquezas que antes pertenceram a outros reis e a outros reinos. Tive cantores e cantoras e muitas concubinas, prazeres humanos. 9Fui mais importante e mais rico do que todos os que existiram antes de mim em Jerusalém. E além disso, a minha sabedoria não me abandonava2,9 Os v. 4–9 aludem ao esplendor de Salomão. Ver 1 Cr 29,25; 1 Rs 5,2–4; 10,10.14–27; 2 Cr 9,22–27.. 10Não renunciei a nada daquilo que me agradava, nem deixei de saborear nenhum prazer. Estou contente com tudo o que passei e esta é a recompensa que me ficou.

Sentimento de desilusão

11Pus-me a reconsiderar todas as coisas que eu próprio tinha feito e o esforço que me tinham custado. Realmente, é tudo ilusão. É correr atrás do vento! Não há interesse nenhum em andar neste mundo2,11 Ver Sl 62,10; Rm 8,20.. 12Isto fez-me refletir de novo sobre a sabedoria, a loucura e a ignorância. Que pode fazer aquele que sucede a um rei? Só pode fazer aquilo que os outros já fizeram.

13Vi que, apesar de tudo, a sabedoria vale mais do que a ignorância, tal como a luz vale mais do que as trevas. 14O sábio tem olhos que veem, ao passo que o ignorante caminha às escuras. Compreendi também que um destino comum os espera a ambos. 15E concluí que o destino do ignorante é o que me está reservado a mim também. Então para que me dediquei eu mais à sabedoria? De facto, também isto é uma ilusão. 16Pois nem do sábio nem do ignorante ficará recordação que dure para sempre. Com o passar dos tempos, tudo se esquece. Tanto morre o sábio como o ignorante. 17Acabei por perder o gosto pela vida, pois tudo o que tive de passar neste mundo era demasiado duro para mim. Sim, tudo é ilusão. É correr atrás do vento!

18Perdi o gosto por tudo o que fiz neste mundo, pois tudo isso ficará para quem vier depois de mim. 19Quem sabe se será um sábio ou um ignorante? Mas é ele que vai ser dono do que eu consegui neste mundo à custa do meu trabalho e da minha sabedoria. Também isto é uma ilusão!

20E acabei por ficar profundamente desiludido com todos os trabalhos que suportei neste mundo. 21Com efeito, uma pessoa trabalha com sabedoria, conhecimento e experiência e tem de deixar aquilo que era seu a um outro que nada fez para isso. Também isto é uma ilusão e uma grande infelicidade! 22Então que proveito tira uma pessoa de todos os trabalhos e preocupações que tem de suportar neste mundo? 23Todos os seus dias estão cheios de sofrimento e angústia; nem de noite o seu coração descansa2,23 Ver Jb 5,7; 7,1–4; 14,1.. Também isto é uma ilusão!

24O melhor que uma pessoa tem é comer e beber e saborear os frutos do seu trabalho2,24 Ver 3,12–13; 5,18; 8,15; 9,7.. E quanto a isto, já cheguei à conclusão de que é um dom de Deus. 25Pois quem é que pode comer ou gozar a vida, sem a sua ajuda? 26Deus dá sabedoria, conhecimento e alegria aos bons. Aos maus, porém, Deus destina a tarefa de produzirem e de acumularem bens, que depois vai distribuir aos bons2,26 Ver Jb 27,16–17; 32,8; Pv 2,6; 13,22.. Também isto é ilusão. É correr atrás do vento!

3

Tudo tem o seu tempo

31Neste mundo, tudo tem a sua hora; cada coisa tem o seu tempo próprio.

2Há o tempo de nascer e o tempo de morrer;

o tempo de plantar e o tempo de arrancar;

3o tempo de matar e o tempo de curar;

o tempo de destruir e o tempo de construir;

4o tempo de chorar e o tempo de rir;

o tempo de estar de luto e o tempo de dançar;

5o tempo de atirar pedras e o tempo de as juntar;

o tempo de se abraçar e o tempo de se afastar;

6o tempo de procurar e o tempo de perder;

o tempo de guardar e o tempo de deitar fora;

7o tempo de rasgar e o tempo de coser;

o tempo de calar e o tempo de falar;

8o tempo de amar e o tempo de odiar;

o tempo de guerra e o tempo de paz.

9Que resultado tira cada um dos seus próprios trabalhos e canseiras? 10Deus destinou aos homens uma tarefa bem pesada, que eles têm de suportar.

11Deus fez tudo muito bem e na altura própria. Até colocou a eternidade no coração dos homens, mesmo se eles não conseguem compreender a obra que Deus fez, desde o princípio ao fim.

12Penso que a única coisa boa que uma pessoa pode fazer é divertir-se e gozar a vida. 13Mas todo aquele que come e bebe e vê os resultados do seu trabalho deve saber que isso é um dom de Deus. 14Sei que tudo aquilo que Deus faz ficará para sempre. Nada se lhe pode acrescentar nem retirar. Deus já o fez assim para que lhe tivessem respeito3,14 Ver Pv 1,7.. 15Aquilo que agora existe ou venha a existir já antes existiu; Deus faz reaparecer aquilo que já tinha passado.

Injustiças deste mundo

16Mais outra coisa vejo neste mundo: onde devia haver justiça há corrupção e onde devia estar o direito está a corrupção. 17Penso para comigo mesmo que só Deus pode julgar quem é justo3,17 Ou: inocente. e quem é culpado, pois existe um tempo próprio para cada coisa e para tudo o que se faz. 18Penso também a propósito da vida humana que Deus põe à prova as pessoas, para que vejam que só por si são como os animais. 19De facto, o destino dos humanos e o dos animais é o mesmo; tanto morrem uns como os outros; o sopro da vida é o mesmo para todos. O homem não tem melhor sorte do que o animal: é tudo uma ilusão3,19 Ver Sl 49,13.21.! 20Todos vão para o mesmo lugar; todos foram feitos do pó da terra e para lá hão de voltar3,20 Ver Gn 3,19; Sl 104,29.. 21Quem pode garantir que o espírito dos humanos sobe para o alto e o dos animais vai para debaixo da terra?

22Chego à conclusão de que não há nada melhor para uma pessoa do que gozar o resultado daquilo que faz. É essa a sua recompensa. Quem é que virá mostrar-lhe aquilo que há de acontecer depois dele?