a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
3

Tudo tem o seu tempo

31Neste mundo, tudo tem a sua hora; cada coisa tem o seu tempo próprio.

2Há o tempo de nascer e o tempo de morrer;

o tempo de plantar e o tempo de arrancar;

3o tempo de matar e o tempo de curar;

o tempo de destruir e o tempo de construir;

4o tempo de chorar e o tempo de rir;

o tempo de estar de luto e o tempo de dançar;

5o tempo de atirar pedras e o tempo de as juntar;

o tempo de se abraçar e o tempo de se afastar;

6o tempo de procurar e o tempo de perder;

o tempo de guardar e o tempo de deitar fora;

7o tempo de rasgar e o tempo de coser;

o tempo de calar e o tempo de falar;

8o tempo de amar e o tempo de odiar;

o tempo de guerra e o tempo de paz.

9Que resultado tira cada um dos seus próprios trabalhos e canseiras? 10Deus destinou aos homens uma tarefa bem pesada, que eles têm de suportar.

11Deus fez tudo muito bem e na altura própria. Até colocou a eternidade no coração dos homens, mesmo se eles não conseguem compreender a obra que Deus fez, desde o princípio ao fim.

12Penso que a única coisa boa que uma pessoa pode fazer é divertir-se e gozar a vida. 13Mas todo aquele que come e bebe e vê os resultados do seu trabalho deve saber que isso é um dom de Deus. 14Sei que tudo aquilo que Deus faz ficará para sempre. Nada se lhe pode acrescentar nem retirar. Deus já o fez assim para que lhe tivessem respeito3,14 Ver Pv 1,7.. 15Aquilo que agora existe ou venha a existir já antes existiu; Deus faz reaparecer aquilo que já tinha passado.

Injustiças deste mundo

16Mais outra coisa vejo neste mundo: onde devia haver justiça há corrupção e onde devia estar o direito está a corrupção. 17Penso para comigo mesmo que só Deus pode julgar quem é justo3,17 Ou: inocente. e quem é culpado, pois existe um tempo próprio para cada coisa e para tudo o que se faz. 18Penso também a propósito da vida humana que Deus põe à prova as pessoas, para que vejam que só por si são como os animais. 19De facto, o destino dos humanos e o dos animais é o mesmo; tanto morrem uns como os outros; o sopro da vida é o mesmo para todos. O homem não tem melhor sorte do que o animal: é tudo uma ilusão3,19 Ver Sl 49,13.21.! 20Todos vão para o mesmo lugar; todos foram feitos do pó da terra e para lá hão de voltar3,20 Ver Gn 3,19; Sl 104,29.. 21Quem pode garantir que o espírito dos humanos sobe para o alto e o dos animais vai para debaixo da terra?

22Chego à conclusão de que não há nada melhor para uma pessoa do que gozar o resultado daquilo que faz. É essa a sua recompensa. Quem é que virá mostrar-lhe aquilo que há de acontecer depois dele?

4

41Quando observo o que se passa com os oprimidos deste mundo, dou conta de que eles choram, mas ninguém os consola; os seus opressores tratam-nos com violência, mas ninguém os ajuda.

2Acho que são mais felizes os que já morreram do que aqueles que ainda estão vivos. 3E melhor do que uns e outros estão aqueles que ainda não existem, que não conhecem todo o mal que se pratica neste mundo4,3 Sobre os v. 2–3, ver Ec 6,3–5; Jb 3,11–16; 10,18–19..

A união faz a força

4Vejo também que todo o esforço que se faz e o resultado do trabalho se devem à inveja de uns para com os outros. Também isto é ilusão. É correr atrás do vento! 5Costuma dizer-se: «O insensato cruza os braços e come-se a si mesmo.» 6Mas eu digo: «Mais vale uma mão-cheia de sossego do que as duas mãos cheias de canseiras.» É correr atrás do vento!

7Vejo ainda outra ilusão neste mundo: 8Há quem viva sozinho, sem ninguém: sem filhos nem irmãos. E mesmo assim nunca para de trabalhar nem se cansa de contemplar a riqueza que tem. Nem sequer pergunta: «Para quem é que eu trabalho e para que renuncio eu a tantas coisas boas?» Também isto é uma ilusão e uma tarefa muito ingrata.

9Valem mais dois juntos do que um sozinho, pois o esforço de dois consegue melhores resultados. 10Se caírem, um ajuda a levantar o outro, ao passo que, se cai o que está só, não tem ninguém para o levantar. 11Se dois dormirem juntos, aquecem-se, mas se for um sozinho, como é que pode aquecer-se? 12Num ataque, um sozinho é vencido, ao passo que dois juntos conseguem resistir, pois o fio dobrado não se quebra com facilidade.

Ilusão do poder temporal

13Mais vale um jovem pobre mas sábio do que um rei velho e insensato que nem sequer sabe ouvir conselhos. 14Até pode ter saído da prisão para ser rei; apesar da sua atual realeza, pode ter nascido pobre. 15Verifico que todas as pessoas deste mundo preferem seguir o jovem que há de suceder ao rei. 16Ainda que o rei tenha poder sobre um povo numeroso, os seus sucessores não se mostrarão contentes com ele. Também isto é ilusão. É correr atrás do vento!

Cumprir as promessas

17Tem cuidado com o que fazes, quando fores à casa de Deus. É melhor estar pronto a obedecer do que apresentar ofertas, como fazem as pessoas insensatas, que nem sabem que estão a proceder mal4,17 Algumas traduções começam o cap. 5 no v. 17, o que aumenta um versículo ao capítulo 5..

5

51Quando tiveres que te dirigir a Deus, escusas de te preocupar muito ou de dizer muitas palavras, pois Deus está no céu e tu aqui na terra. Por isso, usa poucas palavras. 2Olha que o sonho nasce das demasiadas preocupações e pelo muito palavreado se conhece o insensato5,2 Sobre os v. 2–3, ver Pv 10,19; 13,3; Tg 3,1–12..

3Quando fizeres uma promessa a Deus, não te demores a cumpri-la. A Deus não agradam os irresponsáveis. Cumpre o que prometes. 4É melhor não prometeres, do que prometer e não cumprir. 5Não permitas que os teus lábios te façam pecar e não digas diante do enviado de Deus que foi sem querer, pois Deus pode irritar-se com o que tu dizes e fazer fracassar os teus planos. 6Os muitos sonhos trazem ilusões e as muitas palavras também. Procura mas é respeitar a Deus.

Contradições da vida

7Não fiques surpreendido, se vires que, num país qualquer, se oprime o pobre ou se desrespeita a justiça e o direito. Um grande protege outro grande e há outros ainda acima deles. 8A terra é para proveito de todos; o próprio rei se serve do que vem do campo.

9O avarento não se farta de dinheiro e quem deseja a abundância nunca acha que a alcançou. Também isto é uma ilusão. 10Quando aumenta a riqueza, também aumentam os que comem dela. E que proveito têm os seus donos? É só o gosto de olharem para ela.

11Coma pouco ou coma muito, aquele que trabalha dorme sempre tranquilo; mas aquele que está cheio de riquezas não consegue dormir descansado. 12Existe um mal terrível, que eu observo neste mundo: a riqueza aferrolhada, que é a desgraça dos que a possuem. 13Aquela riqueza perde-se num mau negócio e um filho que lhe venha a nascer fica de mãos vazias. 14Saiu nu do ventre da mãe e tão nu como veio se irá de novo embora. Do seu trabalho não tirou nenhum proveito que possa levar consigo. 15Também isto é um mal terrível: da mesma maneira que veio, assim se vai embora. E que vantagem tem aquele que trabalha inutilmente5,15 Sobre os v. 14–15, ver Jb 1,21; Sl 49,17–18; 1 Tm 6,7. 16e passa os seus dias nas trevas a suportar desgostos, doenças e irritações?

17Chego a esta conclusão: o que é melhor e vale a pena é comer e beber, e cada qual gozar o resultado do trabalho que se tem neste mundo, durante o pouco tempo de vida que Deus nos dá. Esta é a sorte que nos cabe. 18Se Deus concede a alguém riquezas e bens e lhe permite que coma deles, que sinta nisso a sua recompensa e goze do fruto do seu trabalho. Isso é um dom de Deus. 19E assim nem se preocupa muito com os dias da sua vida, pois Deus enche-lhe de alegria o coração.