a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
24

Casamento de Isaac

241Abraão era já de idade muito avançada e o Senhor tinha-o abençoado de muitas maneiras. 2Um dia disse ao mais velho dos seus criados, que era quem olhava por tudo o que pertencia a Abraão: «Quero que ponhas a tua mão debaixo da minha coxa24,2 Ver Gn 18,10; Hb 11,11., 3para me fazeres um solene juramento, em nome do Senhor, Deus do céu e da terra, prometendo-me que não deixarás que o meu filho case com uma mulher da terra de Canaã, onde me encontro agora a viver. 4Deves ir à minha terra procurar entre os meus parentes uma mulher para o meu filho Isaac.»

5O servo respondeu-lhe: «E se essa mulher não quiser vir comigo para esta terra, devo fazer com que o teu filho volte para a terra donde saíste?»

6Abraão replicou: «De maneira nenhuma deves fazer voltar o meu filho para essa terra! 7O Senhor, Deus dos céus, fez-me sair da casa do meu pai e da terra dos meus parentes e prometeu-me sob juramento que havia de dar esta terra aos meus descendentes. Ele próprio há de enviar o seu mensageiro à tua frente e hás de trazer de lá uma mulher para o meu filho. 8Se essa mulher não quiser vir contigo, ficas livre do juramento que me fizeste. Mas não quero que leves para lá o meu filho.»

9O criado colocou a mão debaixo da coxa de Abraão e jurou que cumpriria aquelas recomendações. 10Levou consigo dez dos camelos do seu senhor e ricos presentes da parte de Abraão, e partiu para a Mesopotâmia, para a cidade onde vivia Naor24,10 A cidade de Haran. Ver 11,27.31. Poderia traduzir-se também por cidade de Naor como consta de alguns textos assírios..

11Chegou junto dessa cidade já ao entardecer, à hora em que as mulheres costumam ir buscar água, e fez descansar os camelos junto de um poço que ali havia. 12Depois fez a seguinte oração: «Ó Senhor, tu que és o Deus do meu amo Abraão, peço-te que tudo me corra bem, hoje, e que te mostres generoso para com o meu senhor, Abraão. 13Vou ficar de pé junto do poço, enquanto as jovens desta cidade vêm buscar água. 14Vou pedir a uma delas que incline um pouco o seu cântaro para eu poder beber. Se ela me responder: “Bebe que eu vou dar de beber também aos teus camelos”, será essa que tu destinaste para o teu servo Isaac. E assim ficarei certo de que foste generoso para com o meu senhor.»

15Mal ele tinha acabado de pronunciar estas palavras, viu que Rebeca, filha de Betuel, vinha a sair da cidade com o seu cântaro ao ombro. Betuel era filho de Milca e de Naor, irmão de Abraão. 16Ela era realmente muito bonita e, além disso, era jovem e solteira. Rebeca desceu até ao poço, encheu o cântaro e voltou a subir. 17O criado de Abraão correu ao seu encontro e pediu-lhe: «Deixa-me beber um pouco de água do teu cântaro, por favor.» 18Ela respondeu: «Beba, meu senhor.» E rapidamente desceu o cântaro do ombro e ela mesma o segurou nas mãos para lhe dar de beber. 19Depois de lhe ter dado de beber a ele, disse ainda: «Vou também dar de beber aos teus camelos quanto eles quiserem.» 20Imediatamente esvaziou o seu cântaro no bebedouro e várias vezes voltou ao poço buscar água para todos os seus camelos. 21Entretanto o criado de Abraão olhava para ela em silêncio, para ver se o Senhor fazia com que a sua viagem tivesse o resultado desejado.

22Depois de os camelos terem bebido, ele ofereceu a Rebeca um brinco com seis gramas de peso e colocou nos pulsos duas pulseiras de ouro de mais de cem gramas. 23E perguntou-lhe: «Diz-me, por favor, quem é o teu pai. Será que ele tem em casa lugar que chegue para eu lá poder ficar com os que me acompanham?» 24Ela respondeu: «Sou filha de Betuel, filho de Milca e de Naor. 25E em nossa casa há espaço suficiente para vocês lá ficarem e também temos palha e comida bastante para os animais.»

26Então o criado de Abraão inclinou-se profundamente em adoração ao Senhor 27e orou assim: «Bendito seja o Senhor, Deus de Abraão, meu amo, pois não deixou de se mostrar bondoso e fiel para com Abraão e me conduziu pelo caminho certo até à casa dos seus parentes.»

28A jovem foi a correr a casa da sua mãe anunciar o que acabara de acontecer. 29Rebeca tinha um irmão chamado Labão. Este correu imediatamente para junto do poço, fora da cidade, ao encontro daquele homem. 30Mal viu o brinco e as pulseiras nos pulsos da irmã e ouviu da boca de Rebeca as coisas que aquele homem lhe tinha dito, foi logo ter com ele. O criado de Abraão estava ainda com os seus camelos junto do poço 31e Labão disse-lhe: «Vem para nossa casa. Tu és abençoado pelo Senhor. Por que é que hás de ficar na rua? Já tenho tudo preparado em casa, bem como o lugar para os camelos.»

32Uma vez em sua casa, Labão mandou descarregar os camelos e deu-lhes palha e feno e trouxe água para que o visitante e os seus homens pudessem lavar os pés. 33Quando lhes serviram de comer o servo de Abraão disse: «Não posso comer enquanto não disser aquilo que trago para dizer.» Labão respondeu: «Podes falar.» 34E o outro continuou: «Eu sou criado de Abraão. 35O Senhor cobriu-o de bênçãos e tornou-o rico: deu-lhe ovelhas e bois, camelos e burros, prata e ouro, escravos e escravas. 36A sua mulher, Sara, deu à luz um filho, já na velhice, e Abraão fez dele o herdeiro de tudo o que lhe pertence. 37O meu amo obrigou-me a jurar e disse-me: “Não deixes que o meu filho se case com uma mulher da terra de Canaã, onde me encontro agora a viver. 38Deves ir à casa dos meus pais escolher entre os meus parentes uma mulher para casar com o meu filho.” 39Eu respondi ao meu senhor: “Mas pode ser que essa mulher não queira vir comigo.” 40Ele replicou: “Eu sempre tenho cumprido a vontade do Senhor e ele há de mandar um mensageiro seu à tua frente para fazer com que a tua viagem tenha êxito e possas trazer para o meu filho uma mulher minha parente, da família do meu pai. 41Só ficarás livre desta obrigação se chegares junto dos meus parentes e eles não quiserem dar-te uma mulher. Então é que ficarias livre desta obrigação.”

42Por isso, quando hoje cheguei junto do poço dirigi-me a Deus nestes termos: “Ó Senhor, Deus do meu amo Abraão, se é da tua vontade que esta viagem que estou a fazer seja bem sucedida, concede-me o que te peço. 43Eu vou-me colocar junto do poço. Quando uma jovem vier buscar água e eu lhe disser: Deixa-me beber um pouco de água do teu cântaro, 44e ela me responder: Bebe que eu vou também dar de beber aos teus camelos, faz com que seja essa a mulher que o Senhor tem destinada para o filho do meu amo.”

45Mal eu tinha acabado de pronunciar estas palavras, no meu íntimo, apareceu Rebeca com o cântaro ao ombro. Desceu até ao poço, para tirar a água e eu disse-lhe: “Dá-me água, por favor.” 46Ela tirou imediatamente o cântaro do ombro e disse-me: “Bebe, que eu vou também dar de beber aos teus camelos.” Eu bebi e ela deu de beber também aos meus camelos.

47Então perguntei-lhe: “Quem é o teu pai?” E ela respondeu-me que era filha de Betuel, filho de Naor e de Milca. Foi então que eu lhe ofereci o brinco24,47 Literalmente: lhe coloquei o brinco no nariz. e lhe pus as pulseiras nas mãos. 48Inclinei-me profundamente em adoração ao Senhor e agradeci ao Senhor, Deus de Abraão, meu amo, por me ter conduzido pelo caminho certo, para vir buscar a filha de um parente do meu amo para mulher do seu filho.

49E agora digam-me se estão dispostos ou não a ser generosos e leais para com o meu amo, Abraão, de modo que eu saiba se tenho de procurar por outro lado.»

50Labão e Betuel responderam: «Tudo isto foi conduzido pelo Senhor. Nem sequer temos de dizer se estamos de acordo ou não. 51Aí tens Rebeca diante de ti. Podes levá-la contigo, para casar com o filho do teu amo, tal como o Senhor destinou.» 52Quando o criado de Abraão ouviu aquela resposta, inclinou-se profundamente em adoração ao Senhor. 53E depois foi buscar objetos de prata e ouro e vestidos, ofereceu-os a Rebeca e deu também presentes ao irmão e à mãe.

54Em seguida, comeram e beberam, ele e os homens que o tinham acompanhado, e ali passaram a noite. No dia seguinte, o criado de Abraão disse: «Permitam-me que volte para o meu amo.» 55Mas o irmão e a mãe de Rebeca responderam: «Deixa que ela fique alguns dias connosco, uns dez dias; depois já podes ir.» 56Mas ele replicou: «Não atrasem o meu regresso, porque o Senhor fez com que a minha viagem fosse bem sucedida. Deixem-me partir, que tenho de ir ter com o meu amo.»

57Eles responderam: «Vamos chamar a rapariga para sabermos qual é a vontade dela.» 58Chamaram então Rebeca e perguntaram-lhe se estava disposta a ir com aquele homem e ela respondeu: «Vou, sim!»

59A família despediu-se dela, da sua ama e do criado de Abraão, com os seus homens. 60Então saudaram Rebeca, desejando-lhe felicidades:

«Tu és nossa irmã;

oxalá possas dar vida a milhares de descendentes:

e que eles possam conquistar

as cidades dos seus inimigos.»

61Depois disso, Rebeca e as suas criadas montaram em camelos e prepararam-se para acompanhar o criado de Abraão. Este tomou Rebeca a seu cuidado e pôs-se a caminho.

62Entretanto Isaac tinha voltado de junto do poço de Lahai-Roi24,62 Ver 16,13–14 e notas. e estava a viver na região do Negueve. 63Um dia ao entardecer, quando tinha ido ao campo, olhou ao longe e viu camelos a chegar. 64Quando Rebeca viu Isaac desceu do camelo 65e perguntou ao servo de Abraão: «Quem é aquele homem que vem pelo campo ao nosso encontro?» Ele respondeu: «É o meu amo.» Então ela agarrou no véu e cobriu o rosto com ele.

66O criado contou a Isaac tudo o que tinha feito. 67Isaac instalou Rebeca na tenda da sua mãe, Sara. Depois casou com Rebeca e amou-a, e assim foi consolado da perda da sua mãe.

25

Outros descendentes de Abraão

(1 Crónicas 1,32–33)

251Abraão voltou a casar-se com uma mulher chamada Quetura. 2Dela lhe nasceram os seguintes filhos: Zimeran, Jocsan, Medan, Madiã25,2 De todos os descendentes de Abraão mencionados nesta passagem, só Madiã é conhecido., Jisbac e Chua. 3Jocsan foi pai de Sabá e de Dedan. Dedan foi pai de Latús e de Leumim. 4Madiã foi pai de Efá, Éfer, Henoc, Abidá e Eldá. Todos estes eram descendentes de Quetura.

5Abraão entregou tudo o que era seu a Isaac. 6Aos filhos das outras mulheres que tinham vivido com Abraão deu-lhes presentes e mandou-os para os lados do oriente, enquanto ainda estava vivo, para não ficarem com o seu filho Isaac.

7Abraão viveu cento e setenta e cinco anos. 8Morreu feliz numa idade já bastante avançada e foi juntar-se aos seus antepassados. 9Os seus filhos Isaac e Ismael deram-lhe sepultura na gruta de Macpela, no campo de Efron, o hitita, filho de Soar, que está em frente de Mambré. 10É o campo que Abraão tinha comprado aos hititas25,10 Ver 23,2–16.. Nele foram sepultados Abraão e a sua mulher, Sara.

11Depois da morte de Abraão, Deus continuou a abençoar Isaac, seu filho, e este ficou a viver junto do poço de Lahai-Roi25,11 Ver nota a 16,14..

Descendentes de Ismael

(1 Crónicas 1,28–31)

12Esta é a descendência de Ismael. Ismael era filho de Abraão e de Agar, a escrava egípcia de Sara. 13E estes são os nomes dos seus descendentes, pela ordem de nascimento: Nebaiot, que foi o primeiro filho de Ismael, Quedar, Adebiel, Mibsam, 14Michemá, Dumá e Massá, 15Hadad, Temá, Jetur, Nafis e Quedma.

16Estes deram o nome aos descendentes de Ismael, quer dos que viviam em aldeias quer em acampamentos. São doze chefes de outros tantos grupos.

17Ismael morreu aos cento e trinta e sete anos de idade e foi juntar-se aos seus antepassados.

18Os seus descendentes estabeleceram-se entre Havilá e Chur, que está próximo do Egito, no caminho para Achur, contra a vontade dos outros descendentes de Abraão.

Nascimento de Jacob e Esaú

19Esta é a história de Isaac, filho de Abraão. Abraão foi pai de Isaac 20e quando Isaac tinha quarenta anos casou com Rebeca, filha de Betuel e irmã de Labão, que eram arameus, naturais da Alta Mesopotâmia.

21Isaac pediu ao Senhor pela sua mulher, porque ela não conseguia ter filhos. O Senhor ouviu o seu pedido e Rebeca ficou grávida. 22Dois gémeos lutavam um contra o outro no seu ventre e ela exclamou: «Foi realmente para isto que eu fiquei grávida?» Foi então consultar o Senhor 23e ele respondeu-lhe:

«Trazes dentro de ti dois povos;

duas nações hão de sair do teu ventre.

Cada um deles tentará ser o mais forte,

mas o mais velho é que terá de submeter-se ao mais novo25,23 Ver Gn 27,29.37; Rm 9,12; comparar com Gn 48,19; Ml 1,2–3.

24Completou-se o tempo de Rebeca dar à luz e nasceram dois gémeos. 25O primeiro a nascer era muito moreno e todo coberto de pelo e deram-lhe o nome de Esaú25,25 Em hebraico, o nome Esaú é semelhante à expressão “coberto de pelo”.. 26Depois nasceu o irmão e como a sua mão vinha a segurar o calcanhar de Esaú. Por isso, lhe chamaram Jacob25,26 Jacob tem, em hebraico, semelhanças com a palavra que significa “calcanhar” e com o verbo que significa “enganar”. Ver 27,36 e nota.. Quando eles nasceram, Isaac tinha sessenta anos de idade.

Esaú cede os seus direitos de mais velho

27Os meninos foram crescendo. Esaú tornou-se um caçador experimentado e gostava da vida no campo. Jacob, por seu lado, era uma pessoa tranquila e apreciava a vida no acampamento.

28Isaac gostava mais de Esaú, que lhe dava caça para comer, mas Rebeca gostava mais de Jacob.

29Um dia Jacob estava a preparar um cozinhado, quando Esaú estava de regresso do campo e vinha muito cansado. 30Esaú pediu-lhe: «Dá-me um pouco dessa comida avermelhada que eu venho muito cansado.» Por isso, Esaú ficou com a alcunha de Edom25,30 Edom, em hebraico, soa semelhante à palavra que significa “vermelho”.. 31Jacob respondeu-lhe: «Só se tu me deres primeiro, em troca, os direitos que tens de filho mais velho.» 32Esaú respondeu: «Se tenho de morrer de fome, para que é que me servem os direitos de filho mais velho?» 33Jacob disse: «Tens que jurar primeiro que o farás.» Então Esaú jurou e cedeu a Jacob os seus direitos de filho mais velho. 34E Jacob deu a Esaú pão e um prato de lentilhas. Esaú comeu e bebeu e depois foi-se embora, sem atribuir nenhuma importância aos direitos de filho mais velho25,34 Como filho mais velho tocava-lhe uma parte privilegiada da herança (Dt 21,17) e uma bênção especial (Gn 27). Comparar com Hb 12,16..

26

Isaac e Rebeca em Guerar

261Houve outra vez muita fome no país, tal como tinha havido no tempo de Abraão26,1 Ver 12,10.. E Isaac refugiou-se em Guerar, na terra dos filisteus26,1 O autor identifica a região de Guerar, no sudoeste da Palestina, com um nome por que se tornou conhecida em tempos posteriores àqueles em que este episódio terá acontecido, referido como está ao patriarca Isaac. Comparar com Js 13,3–4., onde era rei Abimelec. 2O Senhor apareceu-lhe e disse-lhe: «Não vás para o Egito, mas fica na terra que eu te indicar. 3Podes morar nesta terra, que eu hei de ajudar-te e abençoar-te. Com efeito, hei de dar-te a ti e aos teus descendentes toda esta terra, cumprindo assim o juramento que já fiz a Abraão, teu pai.

4Hei de dar-te tantos descendentes como estrelas tem o céu e a eles hei de dar toda esta terra. Todos os povos do mundo serão abençoados pelos teus descendentes26,4 Comparar com 12,2 e nota, onde se reiteram a Isaac as promessas feitas a Abraão., 5pois Abraão ouviu o meu chamamento e cumpriu as minhas recomendações, mandamentos, preceitos e leis.»

6Isaac ficou a viver em Guerar 7e os homens da região faziam-lhe perguntas a propósito da sua mulher. Ele respondia sempre que era sua irmã26,7 Comparar com 12,13; 20.2., porque tinha medo de dizer que era sua mulher, não fossem eles matá-lo para ficarem com Rebeca, que era muito bonita.

8Passou-se bastante tempo e um dia Abimelec, rei dos filisteus, estava à janela quando viu Isaac a acariciar Rebeca, sua mulher. 9Abimelec chamou por Isaac e disse-lhe: «Mas afinal ela é tua mulher! Como é que tu me disseste que era tua irmã?» Isaac respondeu: «Eu tive medo que me mandassem matar por causa dela.» 10Abimelec replicou: «Pensa bem no mal que nos podias causar. Um qualquer deste povo podia ter dormido com a tua mulher e tu também serias responsável por esse crime.» 11Abimelec mandou então proclamar por entre todo o seu povo: «Quem se atrever a tocar neste homem ou na sua mulher será condenado à morte.»

12Naquele ano, Isaac semeou um campo e a colheita rendeu cem vezes mais que a semente; o Senhor abençoou-o realmente. 13Isaac foi enriquecendo dia a dia e chegou a ser dono de uma riqueza considerável. 14Tinha rebanhos de ovelhas e de vacas e muitos criados, de modo que até os filisteus começaram a ter inveja dele. 15Por isso, foram-se aos poços que tinham aberto os criados de Abraão, pai de Isaac, enquanto Abraão vivia, e entupiram-nos enchendo-os de terra.

16Abimelec disse então a Isaac: «Sai desta terra, porque já estás muito mais rico do que nós.» 17Isaac saiu dali e foi acampar na ribeira de Guerar, onde ficou a viver. 18Então Isaac desentupiu os poços que tinham sido abertos no tempo de Abraão, seu pai, e que os filisteus tinham entupido, depois da morte de Abraão. E deu a cada um desses poços o mesmo nome que eles tinham no tempo de Abraão. 19Também na ribeira de Guerar os servos de Isaac abriram um poço e encontraram água nascente. 20Por isso, os pastores de Guerar entraram em conflito com os de Isaac, dizendo que aquela nascente lhes pertencia. Isaac chamou-lhe o poço do «Conflito», porque foi por causa daquele poço que tinham entrado em conflito com ele. 21Os criados de Isaac abriram um outro poço e os pastores de Guerar reclamaram aquele também e Isaac deu-lhe o nome de «Reclamação».

Reclamação

22Isaac afastou-se dali e voltou a abrir outro poço e ninguém mais voltou a levantar questões sobre ele. Isaac deu-lhe o nome de «Largueza», porque dizia ele: «Agora o Senhor deu-nos largueza e seremos um povo numeroso nesta terra.»

23Dali foi para Bercheba. 24E na primeira noite que lá passou, o Senhor apareceu a Isaac e disse-lhe:

«Eu sou o Deus de Abraão, teu pai;

não tenhas medo, porque estou do teu lado.

Por causa do meu servo Abraão,

hei de abençoar-te e dar-te numerosa descendência26,24 Ver 12,2 e nota.

25Isaac construiu ali um altar e adorou o Senhor. Montou ali a sua tenda e os servos de Isaac abriram um poço.

Pacto entre Isaac e Abimelec

26Um dia Abimelec saiu de Guerar com o seu conselheiro Auzat e com Picol, chefe do seu exército, para irem ter com Isaac. 27Ao vê-los, Isaac perguntou: «Se não me aceitam e até me expulsaram da vossa terra, por que é que vêm agora ter comigo?» 28Eles responderam: «É que nós vimos que o Senhor está do teu lado e pensámos que era bom fazermos um tratado contigo; gostávamos de fazer contigo uma aliança29Seria o seguinte: «Tu comprometias-te a não nos fazer mal nenhum, tal como nós te não fizemos mal, muito pelo contrário sempre te tratámos bem e deixámos-te sair à vontade, de modo que agora te podes considerar uma pessoa abençoada pelo Senhor

30Isaac ofereceu-lhes um banquete e eles comeram e beberam. 31No dia seguinte, pela manhã, juraram um ao outro cumprir aquela aliança. Isaac despediu-se deles e eles partiram dali como amigos.

32Naquele mesmo dia, os criados de Isaac foram levar-lhe notícias sobre um poço que tinham aberto e disseram-lhe: «Já encontrámos água.» 33Isaac deu-lhe o nome de Bercheba, isto é, «Juramento». Por isso, aquela cidade ainda hoje se chama Bercheba26,33 Bercheba é, em hebraico, um nome composto que pode significar “Poço do Juramento”..

34Quando Esaú tinha quarenta anos de idade casou com Judite, filha de um hitita chamado Beri, e com Bassemat, filha doutro hitita, chamado Elon. 35Estas mulheres causaram muita amargura a Isaac e a Rebeca.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitamos a privacidade dos seus dados.[ocultar mensagem]