a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
28

281Isaac mandou chamar Jacob, abençoou-o e deu-lhe a seguinte ordem: «Não deves casar com nenhuma mulher de Canaã. 2Vai à Mesopotâmia, à família de Betuel, teu avô, e escolhe uma das filhas do teu tio Labão para casar contigo. 3Que o Deus supremo te abençoe e te conceda descendência numerosa de modo que tu dês origem a muitas nações. 4E que a bênção prometida a Abraão seja para ti e para os teus descendentes, para que possas tomar posse da terra onde agora vives como estrangeiro e que Deus prometeu a Abraão28,4 Isaac transmite a Jacob a promessa que antes tinha sido feita a Abraão (12,2 e nota) e que ele mesmo tinha também recebido.

5Isaac despediu-se de Jacob e este foi para a Mesopotâmia, para casa de Labão, que era filho de Betuel, o arameu, e irmão de Rebeca, mãe de Jacob e de Esaú.

Esaú casa com uma ismaelita

6Esaú soube que o seu pai tinha abençoado o seu irmão e que o tinha enviado à Mesopotâmia para lá arranjar com quem casar e também ouviu dizer que o seu pai, ao abençoá-lo, o tinha avisado para não se casar com mulheres de Canaã. 7Soube também que Jacob tinha aceitado a proposta do pai e da mãe e tinha partido para a Mesopotâmia. 8E Esaú percebeu que o seu pai, Isaac, não gostava das mulheres de Canaã. 9Dirigiu-se à família de Ismael, filho de Abraão, e casou com Malat, irmã de Nebaiot e filha de Ismael, para além das mulheres que já tinha.

Deus apareceu a Jacob em Betel

10Jacob saiu de Bercheba e pôs-se a caminho de Haran. 11Ao cair da tarde, chegou a um lugar bom para passar a noite. Pegou numa das pedras que ali havia; pô-la a fazer de cabeceira e ali mesmo se deitou para dormir. 12E teve um sonho: via uma escada assente na terra e que chegava até ao céu e os mensageiros de Deus subiam e desciam por ela.

13O Senhor estava no cimo da escada e disse: «Eu sou o Senhor, Deus do teu antepassado Abraão e de Isaac. Vou dar-te, a ti e aos teus descendentes28,13 Sobre os v. 13–14, ver 12,2 e nota. Jacob será agora o portador das promessas., a terra em que estás deitado. 14Os teus descendentes hão de ser tão numerosos como o pó da terra e hão de estender-se para ocidente e para oriente, para norte e para sul e, através de ti e dos teus descendentes, todas as famílias do mundo serão abençoadas.

15Lembra-te que eu estou contigo, para te guardar por onde quer que andes e para te fazer regressar a esta terra. Não te hei de abandonar até cumprir tudo aquilo que te prometi.»

16Jacob acordou e exclamou: «Realmente, o Senhor está neste lugar e eu não sabia.» 17E, cheio de medo, acrescentou: «Este lugar é terrível! É nada menos que a casa de Deus e a porta do céu.»

18Logo de manhã, Jacob agarrou na pedra que lhe tinha servido de cabeceira para dormir e ergueu-a ao alto como monumento e derramou óleo sobre ela. 19Jacob deu àquele lugar o nome de Betel28,19 Betel significa “casa” ou “templo de Deus”.. Antes aquela localidade chamava-se Luz.

20Jacob fez ali a seguinte promessa: «Se Deus estiver comigo e me guardar no caminho que vou percorrer e me der o necessário para comer e para me vestir; 21se eu regressar são e salvo a casa do meu pai, o Senhor será o meu Deus 22e esta pedra, que hoje coloco como monumento, será um santuário de Deus e hei de oferecer-lhe sempre a décima parte28,22 Ver 14,20 e nota. de tudo aquilo que ele me der.»

29

Chegada de Jacob a Haran

291Jacob pôs-se de novo a caminho e continuou a viagem para as terras do Oriente. 2Um dia encontrou no campo um poço, perto do qual se encontravam juntos três rebanhos de ovelhas, pois era daquele poço que davam água a beber aos rebanhos. A pedra que tapava a boca do poço era enorme. 3Por isso, quando se juntavam lá todos os rebanhos, os pastores rolavam a pedra da boca do poço, davam de beber aos rebanhos e depois voltavam a colocar a pedra como antes.

4Jacob perguntou aos pastores: «Amigos, donde são?» E eles responderam: «Somos de Haran.»

5Jacob perguntou de novo: «Por acaso, conhecem Labão, descendente de Naor?» «Conhecemos, sim», responderam eles.

6Jacob perguntou ainda: «Ele está bem?» «Está, sim. Olha! A filha dele, Raquel vem aí com o rebanho», indicaram os pastores.

7Jacob disse: «Ainda é bastante cedo. Ainda não é tempo de recolher o rebanho. Deem-lhe de beber e levem-no outra vez a pastar.» 8Eles responderam: «Não podemos. Temos que esperar que se juntem todos os rebanhos, para que os pastores tirem a pedra de cima do poço e possamos dar de beber ao rebanho.»

9Enquanto estava a falar com eles, chegou Raquel com as ovelhas do seu pai, pois ela era pastora. 10Ao ver Raquel, filha do seu tio Labão, com o rebanho de seu tio, Jacob aproximou-se e retirou a pedra de cima do poço e deu água ao rebanho do seu tio Labão. 11Depois saudou Raquel com um beijo e não pôde conter as lágrimas. 12Jacob anunciou a Raquel que ele era parente do pai dela, pois era filho de Rebeca. E ela foi a correr levar a notícia ao pai.

13Labão, ao ouvir falar do seu sobrinho, Jacob, correu ao encontro dele, abraçou-o, beijou-o e conduziu-o para sua casa. Jacob contou-lhe então tudo o que tinha acontecido. 14E Labão exclamou: «Realmente tu és da minha própria família.»

E Jacob ficou em casa dele.

Casamento de Jacob

Jacob já estava há um mês em casa de Labão, 15quando este lhe disse: «É certo que tu és meu parente. Mas até agora tens trabalhado para mim de graça. Diz-me que salário queres.»

16Labão tinha duas filhas, a mais velha chamava-se Lia e a mais nova, Raquel. 17Lia tinha uns olhos muito ternos. Mas Raquel era bonita e elegante. 18Jacob gostava muito de Raquel e por isso respondeu: «Aceito trabalhar para ti, durante sete anos, para casar com Raquel, a tua filha mais nova.» 19Labão respondeu: «Está bem. É melhor casá-la contigo do que casá-la com outro qualquer. Podes continuar em minha casa.» 20Para obter Raquel, Jacob trabalhou durante sete anos e, pelo amor que lhe tinha, aqueles sete anos pareceram-lhe apenas alguns dias.

21Depois disse a Labão: «Dá-me a minha mulher, para eu casar com ela, pois já acabou o tempo combinado.»

22Labão convidou toda a gente do lugar e ofereceu um banquete. 23Mas à noite, em vez de Raquel, Labão levou Lia para o quarto dos noivos e foi com ela que Jacob dormiu. 24Labão deu à sua filha Lia a escrava Zilpa, para ficar ao serviço dela.

25Pela manhã, quando Jacob se deu conta de que era Lia foi reclamar a Labão: «Que é que me fizeste? Por amor de Raquel andei a trabalhar para ti. Por que é que me enganaste?»

26Labão respondeu: «Cá na nossa terra não é costume casar a filha mais nova antes da mais velha. 27Mas depois dos sete dias de lua de mel, podemos dar-te também a outra em casamento, desde que te comprometas a trabalhar para mim outros sete anos mais.»

28Jacob assim fez. Passaram os sete dias da lua de mel e Labão deu-lhe também a sua filha Raquel como esposa. 29A Raquel, Labão deu Bilá, sua escrava, para ficar ao serviço dela. 30Jacob dormiu também com Raquel e esta era a sua preferida. E durante mais sete anos Jacob ficou ao serviço de Labão.

Os filhos de Jacob e de Lia

31O Senhor viu que Lia era menos amada do que Raquel e fez com que Lia pudesse ter filhos e Raquel não.

32Lia ficou grávida e deu à luz um filho e deu-lhe o nome de Rúben29,32 O nome Rúben tem em hebraico um som semelhante ao da expressão “Olhem um filho!”.. Porque, dizia ela: «O Senhor olhou para a minha angústia e daqui em diante talvez o meu marido passe a gostar mais de mim.» 33Voltou a ficar grávida e a dar à luz um filho a quem chamou Simeão29,33 Simeão é um nome derivado do verbo hebraico que significa “ouvir”., porque, dizia ela: «O Senhor ouviu dizer que eu não era amada e deu-me outro filho.» 34Mais uma vez ficou grávida e deu à luz um filho e deu-lhe o nome de Levi29,34 O nome Levi assemelha-se ao verbo hebraico que significa “unir-se”, “ligar”., pois — dizia ela: «Desta vez o meu marido ficará mais afeiçoado a mim, pois já lhe dei três filhos.» 35Voltou ainda a engravidar e ao dar à luz o filho exclamou: «Desta vez poderei louvar o Senhor.» Por isso, deu ao filho o nome de Judá29,35 Em hebraico, o nome Judá tem certa semelhança com a palavra usada para exprimir a ideia de “louvar”.. E depois não voltou a ter filhos.

30

Os filhos de Jacob e das duas escravas

301Quando Raquel viu que não conseguia ter filhos de Jacob, começou a sentir ciúmes da irmã e disse ao marido: «Dá-me filhos, senão morro de desgosto.» 2Jacob ficou bastante aborrecido com Raquel e exclamou: «Será que eu sou Deus? Ele é que fez com que tu não pudesses ter filhos.»

3Raquel disse-lhe então: «Dou-te a minha escrava Bilá como esposa. Os filhos que ela tiver de ti há de dá-los à luz no meu regaço e assim serão também meus filhos30,3 Uma mulher, por meio de uma escrava, podia dar ao marido filhos que legalmente seriam dela. Ver 16,2 e nota.4E assim, Raquel deu-lhe a sua serva como esposa. Jacob dormiu com ela 5e Bilá ficou grávida e deu à luz um filho. 6Exclamou então Raquel: «Deus fez-me justiça; ouviu o meu pedido e concedeu-me um filho.» Por isso, deu ao filho o nome de Dan30,6 O nome Dan é semelhante ao verbo hebraico traduzido por “fazer justiça”..

7Bilá, escrava de Raquel, ficou de novo grávida e deu à luz outro filho de Jacob. 8E Raquel exclamou: «Deus pôs-me em concorrência com a minha irmã, mas consegui vencer.» E deu ao filho o nome de Neftali30,8 O nome Neftali é semelhante à palavra hebraica traduzida por “concorrência”..

9Lia viu que já não voltava a ter mais filhos e deu a sua escrava Zilpa a Jacob, como esposa. 10Zilpa, escrava de Lia, deu à luz um filho de Jacob 11e Lia exclamou: «Que sorte!» Por isso, lhe deu o nome de Gad30,11 O nome Gad é tradicionalmente interpretado como ligado à palavra hebraica que significa “sorte”..

12Zilpa, escrava de Lia, voltou a dar à luz um outro filho de Jacob 13e Lia exclamou: «Que felicidade! As outras mulheres vão dar-me os parabéns!» E deu ao menino o nome de Asser30,13 O nome Asser é semelhante à palavra hebraica que significa “felicidade”..

Lia e Raquel dão outros filhos a Jacob

14Na altura da ceifa do trigo, Rúben saiu pelos campos e encontrou uns frutos chamados mandrágoras e levou-as a Lia, sua mãe. Raquel pediu a Lia: «Dá-me, por favor, das mandrágoras que o teu filho trouxe30,14 Na antiguidade acreditava-se que as madrágoras resolviam problemas de esterilidade.15Mas Lia respondeu: «Já achas pouco teres-me tirado o meu marido e ainda me queres tirar também as mandrágoras que o meu filho trouxe?» Raquel respondeu: «Pronto. Em troca dessas mandrágoras, podes dormir tu com ele esta noite.»

16Quando Jacob, à tardinha, regressava do campo, Lia saiu ao seu encontro e disse-lhe: «Hoje vens dormir comigo, porque já dei as mandrágoras que trouxe o meu filho, em troca disso.» E Jacob dormiu com ela aquela noite.

17Deus ouviu os pedidos de Lia e ela ficou de novo grávida e deu a Jacob o seu quinto filho. 18Lia exclamou: «Foi Deus que me recompensou por eu ter dado a minha serva como esposa ao meu marido.» E deu ao menino o nome de Issacar30,18 O nome Issacar é semelhante à palavra hebraica que significa “recompensar”..

19Depois disso, Lia voltou a engravidar e deu a Jacob um filho pela sexta vez, 20e disse: «Deus ofereceu-me um magnífico presente. Agora o meu marido vai ter mais consideração por mim, porque já lhe dei seis filhos.» Por isso, deu ao menino o nome de Zabulão30,20 O nome hebraico Zabulão lembra os verbos que significam “oferecer” e “estimar”..

21Por fim, deu ainda à luz uma filha, a quem chamou Dina.

22Entretanto Deus lembrou-se de Raquel, atendeu os seus pedidos e deu-lhe a possibilidade de ter filhos. 23Assim ela ficou grávida e deu à luz um filho e exclamou: «Deus fez com que eu não voltasse a passar pela vergonha de não ter filhos.» 24E continuou: «Quem dera que o Senhor me desse mais outro filho!» Por isso, deu àquele menino o nome de José30,24 O nome hebraico José é semelhante ao verbo que significa “dar mais”, “acrescentar”..

Desentendimentos entre Jacob e Labão

25Depois de Raquel ter dado à luz José, Jacob disse a Labão: «Deixa-me ir para a terra onde nasci. 26Deixa-me levar as minhas esposas e filhos. Por elas tenho trabalhado ao teu serviço e sabes muito bem há quanto tempo eu estou a trabalhar para ti.»

27Labão respondeu-lhe: «Ouve-me, por favor! Eu soube pelos adivinhos que, por causa de ti, o Senhor me tem abençoado. 28Diz-me então que salário pretendes, que eu to pagarei.» 29Jacob respondeu: «Sabes muito bem quanto trabalhei para ti e como cuidei dos teus rebanhos. 30Antes de eu chegar, eram pouco numerosos e depois cresceram imenso e o Senhor abençoou-te com o meu trabalho. Mas quando é que eu vou começar a trabalhar também para a minha própria família?»

31Labão perguntou; «Quanto queres que te dê?» E Jacob respondeu: «Não tens que me pagar nada. Estou disposto a continuar a cuidar dos teus rebanhos, se concordares com uma coisa que te vou propor: 32hoje passarei revista ao rebanho e porei de parte todos os animais malhados e com manchas, todos os cordeiros negros e cabritos malhados e com manchas30,32 Não é muito claro o estratagema seguido por Jacob para aumentar os seus rebanhos. Mas o seu objetivo é claro: ser mais esperto que o sogro que muitas vezes mudou o seu salário. Ver 31,7.41.. Será isso a minha paga. 33E assim será fácil demonstrar a minha honestidade, no futuro, quando quiseres ver quanto é que eu ganhei. Todos os cabritos do meu rebanho que não forem malhados e manchados e os cordeiros que não forem negros é sinal que são roubados.»

34Labão respondeu: «Está bem. Pode ser assim mesmo.» 35Mas nesse mesmo dia, Labão retirou do rebanho todos os bodes com listras e manchas e todos os cabritos malhados e com manchas e todos os cordeiros negros e entregou-os ao cuidado dos seus filhos. 36Mandou que este rebanho fosse afastado para longe de Jacob, à distância de três dias de caminho. E Jacob continuou a pastorear o resto dos rebanhos de Labão.

37Mas Jacob arranjou varas verdes de choupo, de amendoeira e de plátano e fez nelas listras, retirando parte da casca e fazendo aparecer a parte branca do interior das varas. 38Espetou aquelas varas, assim preparadas, diante das ovelhas junto dos ribeiros e dos bebedouros onde o gado ia beber. Quando iam beber é que os machos as cobriam. 39E quando os machos as cobriam assim diante daquelas varas, as crias nasciam com listras e malhadas ou com manchas.

40Jacob separou esses animais e juntou-os com outros que eram malhados ou pretos nos rebanhos de Labão. E assim foi criando rebanhos próprios e que ele não misturava com os de Labão. 41Quando chegava a altura da cobrição dos animais mais fortes, Jacob voltava a colocar as varas à vista deles, junto dos ribeiros para que a cobrição se fizesse diante das varas listradas. 42Mas não colocava as varas diante dos animais mais fracos, de modo que os mais fracos ficavam para Labão e os mais fortes para Jacob.

43E assim Jacob foi enriquecendo cada vez mais e chegou a ter muitos rebanhos, servas, escravos, camelos e burros.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitamos a privacidade dos seus dados.[ocultar mensagem]