a BÍBLIA para todos Edição Católica (BPTct)
31

Jacob foge de casa de Labão

311Jacob ouviu dizer que os filhos de Labão andavam a criticá-lo e diziam: «Jacob roubou aquilo que era do nosso pai, pois com aquilo que era do nosso pai é que ele conseguiu esta enorme riqueza.» 2Jacob começou também a notar que Labão já não olhava para ele como dantes.

3Nessa altura, o Senhor disse a Jacob: «Volta para a terra dos teus antepassados, para a terra onde nasceste, que eu estarei contigo.» 4Então Jacob mandou chamar Raquel e Lia para irem ter com ele ao campo, junto dos seus rebanhos, 5e disse-lhes: «Tenho dado conta de que o vosso pai já não olha para mim da mesma maneira como o fazia dantes; mas o Deus do meu pai sempre esteve comigo. 6E bem sabem que procurei servir o vosso pai o melhor que me foi possível. 7Apesar disso, ele enganava-me e dez vezes mudou o meu salário, só que Deus não permitiu que ele me prejudicasse. 8Se ele me dizia: “Os animais malhados ficam para ti como salário”, então só nasciam crias malhadas; se ele mudava e dizia: “Agora as listradas é que são o teu salário”, então só nasciam crias listradas. 9E foi assim que Deus tirou os rebanhos ao vosso pai e mos deu a mim.

10Um dia, no tempo da cobrição, tive um sonho em que vi que todos os machos que cobriam as fêmeas eram listrados, malhados e riscados. 11Então um anjo do Senhor chamou por mim: “Jacob!” Eu respondi: “Estou aqui!” 12Ele disse-me: “Repara que todos os machos que cobrem as fêmeas são listrados, malhados e riscados. É assim, porque eu vi tudo aquilo que Labão tem feito contra ti. 13Eu sou o Deus de Betel ao qual tu consagraste um monumento e fizeste uma promessa31,13 Ver 28,10–22.. Por isso, levanta-te e sai desta terra. Volta para a terra onde nasceste.”»

14Raquel e Lia responderam-lhe: «Temos por acaso alguma herança a receber ainda da casa do nosso pai? 15Para ele já somos como estranhas. Vendeu-nos e já gastou o dinheiro que recebeu por nós. 16Mas na realidade, toda a riqueza que Deus tirou ao nosso pai pertence-nos a nós e aos nossos filhos. Por isso, deves pôr em prática tudo aquilo que Deus te comunicou.»

17Jacob preparou as coisas, mandou que as suas mulheres e filhos montassem nos camelos e partiu. 18Conduzindo todos os seus rebanhos, tudo aquilo que ele tinha conseguido adquirir no tempo que estivera na Mesopotâmia, dirigiu-se para Canaã, para junto do seu pai Isaac. 19Enquanto Labão tinha ido para outro lado tosquiar as ovelhas, Raquel roubou-lhe as imagens dos ídolos domésticos31,19 Estatuetas de divindades protetoras da família.. 20E Jacob conseguiu assim enganar Labão, o arameu, fugindo de casa dele sem lhe ter dito nada.

Deus protege Jacob contra Labão

21Jacob fugiu então com tudo aquilo que lhe pertencia. Atravessou o rio Eufrates e dirigiu-se para as montanhas de Guilead. 22Três dias mais tarde, foram dizer a Labão que Jacob tinha fugido. 23Acompanhado pelos seus parentes, Labão foi em perseguição de Jacob e, depois de sete dias de marcha, conseguiu alcançá-lo já nas montanhas de Guilead. 24Mas o Senhor apareceu a Labão, o arameu, em sonhos durante a noite, e ameaçou-o deste modo: «Livra-te de dizer a Jacob seja o que for, bem ou mal.» 25Labão tinha alcançado Jacob; este assentou a sua tenda na montanha e Labão com os seus familiares ficou também na montanha de Guilead.

26Labão perguntou então a Jacob: «Que fizeste tu? Enganaste-me e fugiste com as minhas filhas, como se fossem prisioneiras. 27Por que é que me enganaste e não me disseste que querias ir embora? Se mo tivesses dito, eu teria celebrado a tua despedida com alegria e cânticos, com música de tambores e harpas. 28Nem sequer me deixaste beijar as minhas filhas e netos. Fazendo isto, agiste como um insensato. 29Eu bem podia tratar-vos com toda a dureza. Mas o Deus dos vossos pais disse-me ontem à noite: “Livra-te de dizer a Jacob seja o que for, bem ou mal!” 30Se realmente tu querias ir embora, por estares com saudades da casa do teu pai, por que é que roubaste os meus ídolos domésticos?»

31Jacob respondeu a Labão da seguinte maneira: «Eu tive medo de te avisar, pois podias querer tirar-me as tuas filhas. 32Mas no que respeita aos teus ídolos, se alguém aqui os tiver que seja morto. Aqui à frente de todos os meus, podes procurar o que te pertence e leva-o contigo.» Mas Jacob ainda não sabia que tinha sido Raquel quem os tinha roubado.

33Labão entrou na tenda de Jacob, na de Lia e na das suas duas servas e nada encontrou. E tendo saído da tenda de Lia foi à tenda de Raquel. 34Raquel tinha-se apoderado dos ídolos domésticos, escondeu-os debaixo da sela do camelo e sentou-se em cima deles. Labão remexeu toda a tenda de Raquel sem encontrar nada. 35Depois disse ao seu pai: «Ó pai, não leve a mal, mas eu não me posso levantar porque estou no período menstrual.» E assim Labão andou à procura das imagens dos seus deuses, mas nada encontrou.

36Jacob ficou aborrecido com a questão e protestou junto de Labão com estas palavras: «Qual foi então a minha culpa e o meu crime para vires assim em minha perseguição? 37Remexeste todas as minhas bagagens. Se por acaso encontraste alguma coisa, que te pertença, apresenta-a aqui diante dos teus parentes e dos meus, para que eles sirvam de árbitro entre nós os dois. 38Estive vinte anos ao teu serviço e nunca as tuas ovelhas ou as tuas cabras abortaram, nem comi um só dos carneiros do teu rebanho. 39Nunca te fui apresentar um animal morto pelas feras. Era eu quem suportava o prejuízo e tu pedias-me contas de todos os animais roubados, de dia ou de noite31,39 O pastor que conseguia trazer ao dono o resto de uma cabeça de gado morta pelas feras não era obrigado a pagar o prejuízo. Jacob fazia, portanto, mais do que a sua obrigação. Cf. Ex 22,12; Am 3,12.. 40De dia morria de calor e de noite morria de frio; nem sequer conseguia dormir. 41Isto foi durante vinte anos em que trabalhei para ti. Durante catorze anos trabalhei para poder casar com as tuas duas filhas e seis anos trabalhei recebendo como salário animais dos teus rebanhos. Mas tu mudaste-me o salário dez vezes.

42Se não fosse o Deus do meu avô, Abraão, o Deus terrível31,42 É certamente um título de Deus, ainda que seja difícil saber o sentido exato que esse título encerrava. do meu pai, Isaac, estar a meu favor, tu mandavas-me hoje embora sem nada. Mas Deus viu a minha tristeza e o esforço do meu trabalho e por isso é que ele te repreendeu ontem à noite.»

Tratado entre Jacob e Labão

43Labão respondeu então a Jacob: «As filhas são minhas, os netos são meus, os rebanhos são meus; tudo o que aqui vês pertence-me. Mas que é que eu posso fazer agora com as minhas filhas ou com os filhos que elas já deram à luz? 44Por isso, façamos ambos um pacto para servir de testemunho entre mim e ti.»

45Jacob pegou numa pedra e colocou-a ao alto para servir de monumento. 46Depois Jacob disse aos seus parentes: «Juntem mais pedras», e eles assim fizeram. Juntaram um monte de pedras e comeram junto daquele monte de pedras. 47Deram àquele lugar um nome que na língua de Labão era Jegar-Saduta e na língua de Jacob era Galed31,47 Galed significa “monte do testemunho” e Jegar-Saduta seria um equivalente do mesmo em aramaico.. 48O próprio Labão explicou o sentido do nome que tinham dado àquele lugar e disse: «Este monte de pedras serve hoje de testemunha entre mim e ti.» 49Chamou-lhe também Mispá31,49 Mispá. Nome frequente de localidade, sugere também a ideia de “torre de vigia”, fazendo um jogo de sentidos interessante no contexto., querendo com aquele nome significar o seguinte: «Que o Senhor esteja vigilante com relação a nós ambos, mesmo quando já não pudermos ver-nos um ao outro. 50Se maltratares as minhas filhas ou se as desprezares para casar com outras mulheres, ainda que ninguém esteja presente, fica a saber que Deus será testemunha entre mim e ti.»

51Labão disse ainda a Jacob: «Aqui está este monte de pedras e o monumento que coloquei entre mim e ti. 52Um e outro são testemunhas, de modo que eu não ultrapasse este monte de pedras para o teu lado, para te prejudicar, e que também tu não ultrapasses para cá deste monte de pedras e deste monumento para me prejudicares. 53Que o Deus de Abraão e o Deus de Naor31,53 Naor. Antepassado de Labão (24,24.29) e irmão de Abraão (11,26). Os deuses de ambas as partes são tomados como testemunhas., o Deus de cada uma das suas famílias, seja o árbitro entre nós31,53 O texto hebraico acrescenta: o Deus do seu pai. Seguindo alguns manuscritos hebraicos e a antiga versão grega, não o incluímos em texto.

Jacob jurou pelo Deus terrível de Isaac31,53 Ver 31,42 e nota., seu pai. 54Ofereceu um sacrifício na montanha e convidou os seus parentes para o banquete. Todos comeram e passaram a noite ali mesmo, na montanha.

32

Jacob prepara o encontro com Esaú

321No dia seguinte, de manhã, Labão levantou-se deu um beijo às suas filhas e netos, abençoou-os e voltou para a sua terra. 2Entretanto Jacob continuava a sua viagem, e foram ao seu encontro uns mensageiros de Deus. 3Ao vê-los, Jacob exclamou: «São do exército de Deus!» Por isso, deu àquele lugar o nome de Manaim32,3 Manaim significa “dois acampamentos”..

4Jacob enviou mensageiros a Esaú, que estava em Seir, na região de Edom32,4 Seir e Edom. Termos sinónimos para designar a região a sul e sudeste do mar Morto.. 5E mandou-os levar a Esaú a seguinte mensagem: «Eu sou Jacob, teu servo obediente. Vivi em casa de Labão todos estes anos. 6Consegui adquirir bois, burros e ovelhas, escravos e escravas. Quero avisar o meu senhor da minha chegada, esperando que me receba com benevolência.»

7Os mensageiros voltaram de novo para junto de Jacob e disseram-lhe: «Fomos ter com o teu irmão, Esaú. Ele vai aí ao teu encontro, acompanhado por quatrocentos dos seus homens.»

8Jacob ficou cheio de medo e muito preocupado. Depois dividiu as pessoas que estavam com ele, bem como as ovelhas, bois e camelos em dois grupos, 9pois tinha pensado assim: «Se Esaú atacar um dos grupos, o outro pode escapar.» 10Jacob dirigiu a Deus esta oração: «Ó Senhor, Deus do meu antepassado Abraão e do meu pai Isaac, tu disseste-me: “Volta para a tua terra, onde nasceste, que eu farei com que tudo te corra bem.” 11Eu sei que não mereço toda a bondade e lealdade com que tens tratado este teu servo. Quando atravessei o rio Jordão não trazia comigo senão um pau e agora já possuo dois acampamentos. 12Por favor, livra-me das mãos do meu irmão, Esaú. Tenho muito medo que ele venha e nos mate a todos, incluindo mulheres e crianças. 13Ora tu disseste32,13 Jacob lembra a Deus a promessa feita em 28,13–14. que havias de fazer com que tudo me corresse bem e que os meus descendentes fossem tão numerosos como as areias da praia, que ninguém pode contar.»

14Jacob dormiu ali naquela noite e, daquilo que tinha à mão, preparou ofertas para mandar ao seu irmão, Esaú. 15Escolheu duzentas cabras, vinte bodes, duzentas ovelhas e vinte carneiros, 16trinta camelas, que andavam a amamentar, com as suas crias, quarenta vacas e dez bois, vinte burras e dez burros. 17Entregou cada um destes rebanhos a um dos seus servos e disse-lhes: «Vão à minha frente e conservem sempre um espaço entre cada um dos rebanhos.» 18Ao que ia à frente recomendou o seguinte: «Quando o meu irmão Esaú chegar ao pé de ti e te perguntar quem é o teu amo, para onde é que vais e para quem são os animais que levas contigo, 19diz-lhe: “São de Jacob, teu servo. E são um presente que ele envia para Esaú, seu senhor. Ele próprio vem aí mais atrás.” 20Ao segundo e ao terceiro e a todos os que iam a conduzir cada um dos rebanhos ordenou também: “Digam também a mesma coisa a Esaú, quando o encontrarem. 21E insistam em que Jacob, seu servo, vem um pouco mais atrás.”» Jacob pensava assim: «Se eu mandar à minha frente os presentes para acalmar a sua irritação, quando eu próprio me encontrar com ele talvez ele me faça bom acolhimento.» 22Os animais mandados de presente foram avançando à sua frente, enquanto Jacob passou mais uma noite no acampamento.

A luta de Jacob em Penuel

23Durante essa noite, Jacob levantou-se para atravessar a ribeira de Jaboc32,23 Jaboc. Ribeira afluente do Jordão, na margem oriental., levando consigo as suas duas mulheres, as duas escravas e os seus onze filhos. 24E mandou-lhes que atravessassem para o outro lado da ribeira com tudo o que lhe pertencia. 25Jacob ficou para trás sozinho e um desconhecido32,25 Segundo Os 12,5 trata-se de um anjo. Este texto parece dar a entender que se trata do próprio Deus. Ver 32,31 e ainda Gn 16,7 e nota. pôs-se a lutar com ele até de madrugada. 26Ao ver que não conseguia levar a melhor sobre Jacob, o tal desconhecido feriu-o na coxa e Jacob teve de continuar a lutar com a coxa deslocada.

27Já de manhã o homem disse a Jacob: «Deixa-me ir embora, que já é de manhã.» E Jacob respondeu: «Não te deixo ir embora sem primeiro me abençoares.» 28O outro perguntou-lhe: «Como te chamas?» Jacob respondeu: «Chamo-me Jacob.» 29E o homem continuou: «Desde agora em diante, o teu nome não será Jacob, mas sim Israel, porque lutaste contra Deus e contra os homens e saíste vencedor32,29 Israel pode significar “lutar com Deus” ou “Deus luta”. Ver 35,10.

30Jacob perguntou-lhe: «E tu, por favor, como é que te chamas?» Ele respondeu: «Que interesse tens tu em saber qual é o meu nome32,30 Comparar com Jz 13,17–18.?» E abençoou-o.

31Jacob deu àquele lugar o nome de Penuel e exclamou: «De facto, vi a Deus face a face e consegui escapar vivo32,31 Penuel ou Peniel tem semelhanças com a expressão hebraica que significa “rosto de Deus”.

32Quando estava a sair de Penuel, nasceu o Sol. E Jacob ia a coxear daquela perna. 33Por isso, até hoje os israelitas não costumam comer o nervo que faz a ligação da coxa, porque foi exatamente nesse nervo que Jacob foi ferido.

33

Encontro de Jacob e Esaú

331Quando Jacob levantou os olhos e viu que Esaú estava a aproximar-se com outros quatrocentos homens, repartiu os seus filhos por Lia, Raquel e pelas duas escravas. 2Pôs à frente as escravas com os respetivos filhos, depois Lia com os filhos e finalmente Raquel com José. 3Jacob avançou à frente deles e, antes de chegar junto do seu irmão, inclinou-se até ao chão sete vezes.

4Esaú correu ao seu encontro e, atirando-se-lhe ao pescoço, abraçou-o e beijou-o e ambos choravam de alegria. 5Depois reparou nas mulheres e nas crianças e perguntou: «Quem são estes?» Jacob respondeu: «São os filhos que Deus concedeu a este teu servo.» 6Então as escravas de Jacob aproximaram-se com os filhos e inclinaram-se. 7Lia e os seus filhos inclinaram-se também e por fim aproximou-se José com Raquel e ambos se inclinaram.

8Esaú perguntou ainda: «Que é que pretendes com as manadas de gado que encontrei pelo caminho?» Jacob respondeu: «Era para ver se era bem recebido por ti, meu senhor.» 9Esaú retorquiu: «Eu tenho bastante para mim, meu irmão; fica com aquilo que é teu.» 10Mas Jacob replicou: «Não! Se me queres fazer um favor, aceita esta oferta que faço, pois voltar a ver o teu rosto foi como poder contemplar o rosto de Deus, ainda mais tendo-me tu feito tão bom acolhimento. 11Aceita, portanto, essa oferta que te foi apresentada, pois Deus dignou-se abençoar-me com muitas riquezas e nada me falta.» Jacob insistiu bastante e Esaú aceitou.

12Esaú disse: «Agora podemos pôr-nos os dois a caminho. Eu quero ir contigo.» 13Jacob respondeu: «O meu senhor sabe muito bem que as crianças são fracas e que tenho de pensar nas ovelhas e vacas que têm as suas crias. Se as vamos fazer andar muito depressa, ainda que seja um só dia, morre-me o gado todo. 14É preferível que o meu senhor vá à frente deste seu servo. Eu irei mais devagar, ao passo da caravana que tenho na frente e ao passo das crianças. Mas irei ter com o meu senhor em Seir.»

15Esaú respondeu: «Deixa-me ao menos pôr à tua disposição alguns dos meus homens.» E Jacob replicou: «Mas para quê, meu senhor! Basta-me ter sido bem recebido.» 16E então Esaú pôs-se a caminho, de regresso a Seir. 17E Jacob foi para Sucot, onde arranjou para si uma habitação e onde preparou abrigos para os animais. Por isso, aquele lugar ficou com o nome de Sucot33,17 Sucot significa “abrigos”, “cabanas”. Indica uma localidade a leste do Jordão, na margem norte da ribeira de Jaboc..

18Já no fim da viagem de regresso da Mesopotâmia, Jacob chegou são e salvo à cidade de Siquém, na terra de Canaã, e acampou em frente da cidade. 19Comprou o terreno onde tinha colocado a sua tenda aos descendentes de Hamor, pai de Siquém33,19 Pai de Siquém. Entendendo Siquém como a personagem que aparece no cap. 34 ou o pai daquele que deu o seu nome à cidade. Tomando aqui Siquém como nome da cidade, tal como no v. anterior, outros traduzem: fundador de Siquém., por cem moedas, 20e ali construiu um altar, dedicando-o ao Deus de Israel33,20 Ou: com esta dedicatória: A El, o Deus de Israel. El era o deus supremo dos habitantes de Canaã. Por isso, se encontra também no nome de alguns lugares santos frequentados pelos patriarcas..

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitamos a privacidade dos seus dados.[ocultar mensagem]